quarta-feira, 12 de outubro de 2011

[Castle Fic] Ready to Fall - Parte 2

Parte 2 (POV de Castle e Beckett)




Música: Talking to the Moon - Bruno Mars




Em algum lugar de NY....




Rick Castle vagava pelas ruas sem um rumo especifico. Ele não estava muito bem esses dias, nem mesmo o trabalho na 12ª delegacia de policia ao lado da sua musa parecia fazê-lo sentir-se bem.



O problema realmente era um só, sua musa, sua inspiração : Kate Beckett.


Desde o acontecimento onde a viu fugir lentamente de suas mãos, desmaiar e quase morrer, ele não conseguia imaginar o que significaria perde-la. Por isso, ele criou coragem e abriu seu coração.


Castle entrava agora no Central Park. Buscou um banco em frente ao lago para sentar-se e ali ficou observando o movimento. Não se surpreendeu em ver alguns casais de namorados passeando de mãos dadas, afinal a noite estava linda, digna para celebrar o amor.


“ E eu aqui sozinho... ela me rejeitou. Beckett não quis meu amor. Quer dizer, ela não se lembra de nada do que aconteceu. Não se lembra das minhas palavras. Não posso culpá-la. Ela esteve à beira da morte porque se lembraria do que eu disse? ”


Ele ouviu um som vindo da pista de patinação. Uma musica que não conseguia identificar. Ele voltou os olhos para o céu e depois tornou a observar as coisas ao seu redor.


“ Beckett me ignorou, por três meses. Ela me deu um banho de água fria quando fui visitá-la naquele hospital. Tudo bem dela querer um tempo para se recompor mas três meses? Ela simplesmente me tirou da vida dela. Sinceramente não esperava vê-la novamente e aquilo me magoou demais. Será que ela não percebe que estar longe dela me faz mal? Porém quando ela apareceu naquela tarde de autógrafos, fui tomado pela raiva. Quem ela pensa que é ao aparecer assim de supetão achando que basta pedir e eu volto correndo?”
Ele fechou os olhos aparentemente lembrando daquele dia.


“ A quem você quer enganar Castle? Ela apenas queria ver você novamente. E sim, você iria correndo se ela chamasse mesmo com toda a raiva que senti naquele momento, olhar para Beckett era muito bom. E ela estava mesmo sentindo a minha falta. De certa forma, ela queria me ver. Voltei a trabalhar com ela mas ainda me sinto um estranho, parece que algo se perdeu. Será que não sou mais boa companhia? Será que eu não atraio mais a atenção dela nem que seja para me repreender? “


Ele sorriu. Levantou-se e voltou a caminhar. Fora em direção a pista de patinação. Encostou-se na barra de ferro e viu novamente os casais de namorados na pista. Agora podia ouvir melhor a música.




I know you're somewhere out there
Somewhere far away
I want you back
I want you back
My neighbors think
I'm crazy
But they don't understand
You're all I have
You're all I have



Ele sabia que para um escritor, ele tinha várias manias. Falar sozinho era definitivamente uma delas.


At night when the stars
Light up my room
I sit by myself

“O que será que ela esta fazendo agora? Será que sou um tolo por pensar que Kate poderia gostar realmente de mim? Me amar de verdade? Kate está desperdiçando uma boa parte da sua vida pessoal. É claro que ela ama o que faz mesmo que isso traga lembranças ruins. Mas ela poderia ser tão mais feliz se desse uma chance a um relacionamento, se ao menos sorrisse mais. Eu poderia fazê-la sorrir, mostraria a ela as pequenas e boas coisas da vida. Ora, poderíamos estar aqui nesse instante patinando no gelo como um casal de namorados apaixonados. Mas não. Essa não é a prioridade de Kate Beckett.”

Talking to the moon
Try to get to you
In hopes you're on
The other side
Talking to me too
Or am I a fool
Who sits alone
Talking to the moon

“Me pergunto inúmeras vezes, se eu a ajudasse a descobrir e prender o assassino da mãe, seria eu então a próxima prioridade? Serei eu quem quebrará aquele murro e a fará feliz? Oh,Castle! Como pode um homem tão famoso, capaz de ter qualquer mulher à sua disposição estar assim, sozinho numa noite tão bonita e falando sozinho. Parece tão patético! Ah, dane-se! o amor é um sentimento patético muitas vezes.”




I'm feeling like I'm famous
The talk of the town
They say
I've gone mad
Yeah, I've gone mad
But they don't know
What I know
Cause when the
Sun goes down
Someone's talking back
Yeah, they're talking back

“O que ela estaria fazendo agora? Estaria deitada lendo seu novo livro? Saboreando uma taça de vinho? Talvez dormindo... não queria que ela estivesse fazendo nenhuma dessas coisas. O que eu mais queria era saber que ela está pensando em mim nesse exato momento. Beckett pensa em mim? Ou ela ainda me vê como o escritor irritante que a segue em cada cena de crime? Sou um amigo? Posso ser mais que isso? Uma vez ela disse que me protegeria, isso indica parceria. Não quero somente isso, quero mais. Muito mais. Quero tê-la em meus braços, beijá-la…”

Do you ever hear me calling?
Cause every night
I'm talking to the moon
Still trying to get to you
In hopes you're on
The other side
Talking to me too
Or am I a fool
Who sits alone
Talking to the moon

“ Um tolo sem correção, um apaixonado não correspondido. Não posso me contentar apenas com a parceria. Como ela reagiria se eu a procurasse e falasse o que eu sinto? Ela aceitaria ou seria realmente o fim da nossa suposta parceria?”


Castle mordeu os lábios. Suspirou fundo. Resoluto, ele tornou a caminhar. Só existia uma forma de descobrir.




XXXXX




Ela permanecia sentada no sofá, já estava no terceiro copo de vinho. Comera uma fatia de pizza que estava na geladeira de ontem. Beckett já tentara achar alguma coisa interessante na TV mas era inútil. Então ela lembrou-se do livro que Castle assinara para ela.


“Quem sabe ler o livro não é uma forma de estar perto dele? De ver como ele me julga e me descreve? Não dizem que todo escritor passa para o papel um pouco de si mesmo? Os livros podem ser uma boa maneira de eu me ver através dos olhos dele.”


De repente ela arregalou os olhos.


“A cena no Nikki Heat... do poker e da bebedeira e... será que Castle pretendia fazer algo assim comigo? Seria essa a nossa primeira vez? Não seja tola, Kate! Ao que parece, Castle é um cara romântico. A primeira noite com ele deveria ser bem especial. Provavelmente levaria a garota para jantar em um daqueles badalados restaurantes de Manhattan, pediria um excelente vinho e bem caro afinal Rick Castle é um exibicionista acima de tudo. E como terminaria a sua noite,Beckett? Ele a levaria para seu apartamento? Faria amor com você como um cavalheiro? Sussurraria ILY varias vezes nos meus ouvidos? Dormiríamos abraçados?”


Ela mordeu os lábios. Balançou a cabeça.


“ Deus! Estou ficando louca! Preciso parar com isso! Chega de pensar em Castle, nem vou ler o livro. Vou dormir!”


Ao levantar-se do sofá, ela ouviu as batidas leves na porta. Consultou o relógio.


“Onze da noite mas quem seria a essa hora?”


Ao abrir a porta, arregalou os olhos tamanha foi a surpresa.


- Castle?!


Por impulso, ela ajeitou o roupão.


- O que você faz aqui uma hora dessas?


- Você estava dormindo Kate?


“Kate...adoro quando ele me chama assim, demonstra intimidade.”


- Ainda não mas pretendia.


- Desculpe...melhor eu ir, não quero incomodar.


“Pelo menos um dos meus pensamentos estavam corretos. Ela estava bebendo. Sinto o doce aroma do vinho em seu hálito.”


- Você deve ter um bom motivo para vir aqui a essa hora da noite. Entre.


De repente, Castle sentiu-se intimidado. Um arrepio percorreu a sua espinha. Relutante, ele caminhou ate o sofá. Sentou-se.


“O que eu faço agora? Como posso começar? Nem sei onde coloco minhas mãos! No colo? Sento casual? Mais que droga! Pareço um adolescente bobo e ela, bem, ela esta tão linda nesse robe...os cabelos soltos e desalinhados...foco, Castle, foco!”


Beckett sentara-se ao lado dele. Mordia os lábios inferiores.


“Isso está estranho... ele está misterioso. Deve ser algo bom para vir a essa hora a minha casa não? Tinha que ser! E pensar que a poucos minutos eu estava imaginado um encontro com Rick Castle...agora ele esta aqui...oh,shit! Meu coração está acelerando...disfarce a ansiedade de vê-lo sua besta!”


- Então? A que devo a honra da sua visita? O que é tão importante que não pode esperar até amanhã?


- Kate...eu andei pensando muito essa semana, e depois de avaliar tudo o que já passamos nesses três anos, as coisas boas e ruins, eu tomei uma decisão hoje. Precisava fazer isso.


“OMG! Ele vai se declarar de novo?”


- Que decisão,Rick?


A voz saiu como um sussurro.


- Kate...eu...e-eu


- Sim?


- Eu vou deixar o 12º distrito. Acredito que seja melhor para todos nós.


- Você o que?!


- Beckett você não precisará trabalhar comigo, não irei atrapalhar sua carreira com a nova Capitã. Será melhor assim.... para mim e para você.


Ela mordia ainda mais os lábios. Tentava se controlar para poder replicar o que ele dissera.


“ Controle-se Kate! Você precisa manter a calma... ótimo! O coração está pra sair pela boca.”


- Você tomou essa decisão sozinho? Sem me consultar?


- Sim, creio que isso cabe a mim.


- E ainda assim diz que será o melhor para mim, você, para nós?


“Ela está brava. Acho que cheguei onde queria.”


- Nós? Não existe um “nós” Beckett.


- Como não? Somos parceiros e... eu disse que protegeria você e...


- Não somos parceiros, você é a policial, a detetive, eu sou apenas um escritor...será melhor assim, acredite.


- Não, não posso acreditar em você, nas suas palavras. Esse não é o Castle que eu conheço, o Castle que transforma cada investigação em uma charada, em uma história, o Castle que transforma cada cena de crime em um parque de diversões. O que aconteceu com o Castle que eu aprendi a admirar?


Ele permaneceu calado. Era parte de sua estratégia.


- Então é isso? Você simplesmente vai sair pela porta da mesma forma que entrou? Sem se importar com ninguém a sua volta?


Silêncio.


“O que foi que eu fiz? Eu realmente o magoei...”


- Castle, você ainda está com raiva de mim? É esse o real motivo de toda essa historia? Isso é uma espécie de birra que você resolveu fazer para me atingir?


- Não se trata de birra, é apenas uma decisão baseada nas últimas circunstâncias.


“Não posso deixar ele sair da minha vida assim, não posso perder meu parceiro. Tenho que dizer que ele é importante. Mas devo dizer o que sinto? Ele mesmo falou, não existe um nós. Será que ele esta fugindo de mim? Se eu disser que o amo, ele ficaria? E ele ficando, como poderei lidar com tudo isso? Como seria o trabalho?”


Kate estava absorta em pensamentos quando viu Castle já de pé. Ele estava indo embora.


“É agora ou nunca... diga que estou certo, Kate”


- Eu preciso ir. Talvez a gente se veja por ai. Quando lançar um novo livro quem sabe?!


- Não! Você não vai a lugar nenhum.


Castle olhou para ela. A sobrancelha levantada.


“Será que ela vai dizer o que quero?”


- Beckett por favor....


- Rick Castle você não vai sair daqui antes de me ouvir. Sente-se!


Ele voltou rapidamente para o sofá, sabia exatamente como ela ficava com raiva e não tinha a mínima intenção de despertar a fera dentro dela. Beckett suspirou e voltou a falar.


- Castle eu não fui totalmente honesta com você. Venho relutando a dias, minha mente está em conflito. Eu tenho uma carreira a zelar, um objetivo a cumprir. Uma luta diária com a cidade de NY e comigo mesma...


- Achar o assassino da sua mãe. Eu sei.


- Não me interrompa Castle.


- Ok.


- E entre todas essas lutas racionais que travo a cada dia está você. Você trouxe uma nova perspectiva para meu trabalho, para minha vida. Esses três meses que nós estivemos separados foram muito estranhos. Acredite, me acostumei a ter você a meu lado discutindo os casos, me trazendo o café, me dizendo aquelas teorias malucas que me fazem rir. Você me fez rir Castle. Isso não é algo que se faça todo dia, nem todos tem esse poder. Somos parceiros, somos amigos. E francamente ? Eu preciso de você a meu lado, Castle. Quero que esteja lá quando eu terminar com o filha da mãe que tirou a vida da minha mãe. Quero que esteja ao meu lado para comemorar comigo. Você não pode desistir assim tão fácil...


- Não está sendo fácil, Beckett.


- Então não vá. Fique e continue escrevendo e pegando os bad guys comigo.


- Não é tão simples como você colocou...


Ela se aproximou dele. Segurou-lhe a mão. Os olhos castanhos encontraram os deles. Brilhavam intensamente.


- Eu sei o que você esta sentindo, Rick. Eu sei o quanto sofreu. Mas e quanto a mim? Você acha que não sofri? Você consegue imaginar o conflito entre a minha mente e o meu coração nesse momento?


- Como assim Beckett?


- Eu menti, Castle. Eu me lembro de tudo. E não posso deixar você simplesmente sair da minha vida sem saber o que sinto.


Ele a fitava curioso pela próxima declaração.


- Eu sou muito controladora. Gosto de ter a minha vida e o meu trabalho sob controle. É assim que funciono. Quando algo me tira do sério, me escapa a essa situação de liderança e poder, eu me sinto perdida. E não gosto disso. Esse é um dos motivos que construí barreiras ao meu redor. Eu estava bem, levando minha vida até o instante que você decidiu se juntar ao distrito e fazer de mim sua musa. No início, isso me deixou irritada. Depois eu me acostumei ao seu jeito e ultimamente você já faz parte da minha vida. Isso me assustou e eu fiz a única coisa que sabia estar ao meu alcance, eu o afastei. Castle eu não sei lidar com a dependência, não gosto nem de pensar. Quando tive que dizer aquelas palavras duras a você no hospital sabendo exatamente quais foram suas últimas palavras para mim antes de apagar, aquilo me fez sentir suja, me partiu o coração fazer você sofrer mas era o único meio de eu voltar a ter o controle da situação que insistia em se esvair pelos meus dedos.


- Não precisava ser desse jeito, Kate. Você não é invencível. Ninguém é uma ilha, todo mundo precisa de alguém. Você não é diferente de todo mundo.


- Eu sei, Castle. E foi por isso que acabei indo procurá-lo novamente. Para trazê-lo para perto novamente. Mesmo assim, isso não é suficiente. Você pode querer não olhar mais na minha cara agora que já sabe que eu menti e que o magoei sabendo de tudo. Não o culpo por isso. O problema é que não se trata apenas de trabalhar com você, eu quero mais...


- Diga o que você quer, Kate...


Ele se aproximou dela, os rostos bem próximos. Os olhos atentos. Kate engoliu em seco. Não havia volta.


- Você... quero você. Eu estou apaixonada por você, Castle.


Ele sorriu. Passou os dedos pelo rosto dela e o polegar sobre os lábios. Kate sabia o que viria a seguir. Sentiu os lábios dele roçarem os seus quando fechava os olhos. A mão dele encontrava-se na nuca de Beckett e impulsionava aumentando o ritmo e a intensidade do beijo. Beckett deixou-se envolver. Aquele beijo era bem diferente do primeiro deles. Era mais macio e ainda assim sexy. Era forte e delicado ao mesmo tempo. Ela se perdeu naquela boca, explorando-a com a língua. Agora tinha as mãos nas costas dele puxando-o para si.


Minutos depois, eles finalmente cederam à falta de oxigênio. Beckett ainda mantinha os olhos fechados.


- Você fica linda depois de ser beijada...


- E você beija muito bem, Castle.


- Eu sei, sou irresistível.


Ela riu. Ele pegou a sua mão e envolveu-a na dele. Os olhos dela ainda brilhavam. Ele queria mais.


- Beckett, é crime se eu tirar o roupão de uma policial?


Ela abriu um sorriso magnífico.


- Não se a policial em questão for sua namorada...


- Então temos um problema....estou prestes a cometer um crime.


- Crime? Eu entendi direito?


- Da última vez que chequei você não era minha namorada... ele provocou.


- Castle você quer continuar meu parceiro ou posso inutilizar seu “equipamento”.


- Ouch! Sempre abusando do poder não?


- Nunca esqueça que sou eu quem possui o distintivo.


- Vem Beckett, vamos levar nossa parceria a outro nível.


Ele se levantou e a puxou rumo ao quarto. Ele já ia tomar as rédeas da situação quando ela o parou.


- Não tão rápido, Castle. Meu quarto, minhas regras. Ou você esqueceu que eu sou controladora?


- Hum, uma dominadora na cama. Isso deve dar uma ótima cena para o próximo livro de Nikki Heat...


- Cala a boca, Castle.


E ela beijou-o novamente deixando-se cair na cama com ele. No quarto escuro apenas os pequenos gemidos deles se sobressaiam. E tal como ela imaginara, ele sussurrou ao seu ouvido.


- I Love you, Kate...






THE END




Bem, é isso! Espero que tenham gostado da minha primeira experiência com Castle...

3 comentários:

Eliane Lucelia disse...

Só um comentário, Por Favor, continue escrevendo sobre Castle, pleaseeeee, amei d+ os dois capítulos, vc começou em grande estilo, como sempre, sem redemoinhos, como diz minha ex prof de análise do discurso, seus textos são como os rios, tem uma nascente, as águas cristalinas percorrem em uma direção as vezes retas, as vezes curvas e deságua em uma imensidão em que aos nossos olhos se encontra com o azul do céu. Bjosss, gata.

Ana Cláudia disse...

Hum.....
Adorei...muito cute ..e muito divertido rss
Os roteristas poderiam pedir sua ajuda rss
Adoraria mais fics de Castle..
Bjus..

val disse...

Com certeza vc daria uma aula aos roterista de castle, kkkk, mandou muito bem, ameiiiiiiii!