segunda-feira, 12 de setembro de 2011

[Bones Fic] Between Love & War - Cap.26

Cap.26



Duas semanas depois...


Brennan estava em casa arrumando as coisas de Katherine quando seu celular tocou. Patrícia.

- Brennan.

- Olá doutora! Como a senhora está?

- Tudo bem. Algum problema no hospital?

- Não, imagina. As coisas aqui continuam agitadas mas estamos nos virando bem, não foi para falar do hospital que eu liguei.

- Ah, não?

- Na verdade, eu e as meninas aqui do quinto andar nos reunimos e fizemos algumas comprinhas para a Katherine. Nada de luxo não, apenas pensamos em presentea-la com pacotes de fraldas descartáveis. Sabemos que a senhora irá precisar e muito, é só um agrado.

- Oh, Patricia não precisava!

- Nós queríamos contribuir com alguma coisa para a pequena, o problema foi que o Wendell antecipou a sua licença e nós não tínhamos organizado tudo. Bem, estou com as fraldas e queira saber como faço para lhe entregar.

- Teria que carregar isso não é justo com você.

- Não vou carregar nada, pedi do Kevin a van do almoxerifado emprestado, é só a senhora me dar o endereço.

- Ok, sendo assim anote aí.

Meia hora depois, o interfone do apartamento tocava avisando da chegada de Patricia. Quando Brennan abriu a porta, assustou-se.

- Patricia, que exagero! Dois sacos enormes de pacotes de fraldas...

- Acredite doutora, elas não durarão um mês para a Kat. É só uma ajudinha para facilitar sua vida. Onde colocamos?

Brennan mostrou a direção do quarto de Katherine e elas deixaram os sacos lá.

- Ah, esse é o cartão que todos assinaram. Acabamos por descobrir que a senhora tem mais fãs do que pensávamos. Todos da ala cirurgica infantil e até da pediatria quiseram contribuir. As palavras foram do Wendell.

Brennan pegou o cartão. Era um daqueles cor de rosa típico para bebês. It’s a Girl! Dizia a frente do cartão. Dentro uma mensagem simples e várias assinaturas.

“Para a pequena Katherine, que ela traga muito amor e alegria a mamãe Temperance e ao papai Booth.

Parabéns! Seja bem-vinda!

Love, “

De todas as assinaturas espalhadas no cartão, ela reconheceu poucas porém gostou muito do gesto.

- Muito obrigada, Patricia. Agradeça a todos por nós.

- Foi um prazer.

Ela abraçou a médica e sorriu.

- Quando vou ve-la de novo?

- Em dezembro. Nós vamos fazer o último ultrasom e claro que você estará lá no dia que a Kathy nascer não? Wendell tem que coloca-la na equipe...

- Com certeza! Não perderia isso por nada. Preciso ir, o trabalho me espera. Foi muito bom ver você, Dr.Brennan.

- Eu gostei muito também.

Elas se despediram e Brennan voltou a cozinha para fazer o almoço.

Quando Booth chegou do trabalho, Brennan contou a ele o que acontecera. Ele ficou feliz em saber que outras pessoas estavam empolgados como eles pelo nascimento de Katherine, ela o arrastou para o quarto e ao ver a quantidade de pacotes, ele se assustou.

- Tudo isso?

- Patricia disse que isso deve durar somente um mês com a nossa menina.

- Sério?

- Queria que você arrumasse para mim na cômoda. Não consigo mais me abaixar tanto, Kathy está pesada e incomodando.

- É claro que arrumo.

Ele começou a tirar os pacotes do saco. Aproveitou para comentar o que ele acertara durante aquela semana.

- Amor, eu estou vendo uma nova possibilidade de emprego. Eu gosto do meu trabalho mas depois do nascimento da nossa filha eu não gostaria de ter que passar por outra situação onde preciso me afastar de vocês...

- Mas você mesmo disse que isso havia acabado, você adora o seu trabalho. O que você faria?

- Nunca acaba Temperance. Posso ser surpreendido com outra missão de treinamento. Os homens sempre inventam algo sobre o que lutar, brigar. Não posso prever o que vai acontecer mas...

- A probabilidade de acontecer é bem maior certo? Estatisticamente pelo menos a cada três anos considerando seu histórico.

- Como você faz essas coisas?

- Eu simplesmente uso os dados e calculo usando as fórmulas de média e desvio-padrão criada pelos matemáticos.

Ele riu.

- Voltando ao emprego. Estou vendo uma possibilidade mas não posso ainda comentar nada. Fiz uma entrevista essa semana. William disse que o processo é demorado.

- William?

- É um cara que conheço, serviu comigo e Wendell no Afeganistão.

- Ah, então você não pode me dizer mais nada?

- Desculpe, amor. Ainda não.

- Tudo bem. Só posso dizer que fico satisfeita em saber que você não quer correr o risco de nos deixar sozinhas novamente.

Ele havia terminado de arrumar o primeiro saco. Levantou-se por um momento e beijou-a.

- Vocês são minha família agora. Devemos permanecer juntos.

Booth voltou para esvaziar o segundo saco quando o celular de Brennan tocou na sala. Devagar, ela foi atrás do aparelho. Voltou ao quarto de Katherine.

- Era Angela. Não consegui atender. Vou ligar para ela.

Brennan apertou o botão de discagem rápida e no terceiro toque, Angela atendeu.

- Hey, Sweetie...

- Oi, Angie. Tudo bem?

- Sim, tudo ótimo. Como está minha afilhada?

- Está bem. Ganhou muitas fraldas hoje do pessoal do hospital.

- Ah...Kathy faz sucesso. Imagina quando nascer. Eu mesma cuidarei de manter esse sucesso. Ela será o centro das atenções.

Brennan riu.

- Amiga estou ligando porque estive pensando em fazer um jantar.

- Jantar? Como assim?

- O Booth está aí?

- Sim mas...

- Coloque no viva-voz, vai ficar mais fácil de explicar.

- Ok.

Brennan apertou o botão e disse.

- Angela quer falar conosco sobre um jantar.

- OI, Angela!

- Hey, Booth. Bren não é qualquer jantar, estava pensando em fazer um jantar de Thanksgiving. Pensei que com tudo que vem acontecendo nas nossas vidas ultimamente, seria uma ótima oportunidade de nos reunirmos e agradecermos , não? O que acha Booth?

- Não vejo qualquer sentido lógico em fazer um jantar para agradecer. Qual o propósito disso? Um jantar é um jantar. Se você quer que a gente te agradeça por faze-lo nem deveria ter sugerido que seria um jantar de agradecimento. Você faria o convite para jantar e pronto!

- Tempe, a Angela está falando do Thanksgiving Day. É uma data específica para celebrarmos e agradecermos pelo que aconteceu na nossa vida. Eu acho ótimo, Angela.

- Que bom, era por isso que queria falar com você. A Tempe não vê lógica nisso, mas eu entendo.

- Amor, você nunca participou de um jantar de Thanksgiving?

- Não Booth, ela está sempre de plantão nesse dia.

- Ah, então isso vai mudar a partir de agora. Qual a idéia?

- Bem já é na próxima quinta então pretendo fazer compras amanhã que já é sábado. Comprar o básico, peru, batatas, arroz, faço uma boa salada e compramos uma sobremesa.

- Você vai fazer tudo isso sozinha?

- Não, Tempe. O peru irei mandar assar fora. Já chequei o contato no supermercado. A sobremesa é por conta de vocês. Ah e as bebidas!

- Ok.

- Mais uma coisa: vocês querem convidar mais alguém ou seremos apenas nós três?

Brennan olhou para Booth. Ambos estavam pensando a mesma coisa.

- Queremos chamar Wendell.

- O médico da Bren? Excelente idéia.

- Pode deixar que eu convido ele.

- Beleza, falo com vocês durante a semana. Estou feliz que vamos ter nosso próprio Thanksgiving.

- Realmente foi uma idéia muito boa, Angela. Nada como comemorar o feriado em família.

- Isso mesmo Booth. Amiga falo com você depois.

- Tudo bem, vocês me excluíram da conversa de festa de vocês mesmo.

- Oh, Tempe ninguém excluiu você. Estamos fazendo isso por você.

- É pare de ser ciumenta só porque você não conhece o assunto.

- Não sou ciumenta!

Os dois riram.

- Tá bom, sweetie. Na segunda ligo pra você para almoçarmos juntas. Tchau, pessoal.

- Tchau, Angela.

Ao desligar o telefone, Brennan ficou pensativa. Booth se aproximou dela.

- Hey, o que foi?

- Nada. Apenas me senti meio perdida na conversa de vocês, afinal isso é só um jantar.

- Não amor, isso é sobre compartilhar bons momentos com as pessoas que você ama e respeita. Isso é ser uma família e você vai começar a viver isso comigo a partir de agora. Vamos recuperar o tempo perdido.

Ela sorriu e beijou-o. Sentiu Katherine chutando.

- Eu te amo sabia?

- Mesmo eu não sabendo pra que serve um jantar de Thanksgiving?

- Sim, você é inteligente, aprende rápido.

- Vem, vamos comer alguma coisa.


XXXXXXXX


No sábado, assim que acordou, Brennan encontrou a cama vazia do lado de Booth. Ele já estava preparando o café para eles.

- Bom dia, amor...

- Bom dia. Acordou disposto hoje não?

- Sim, pensei em tomarmos nosso café e curtir um pouco a cidade. As decorações de natal já estão em toda a parte. O Rockfeller está lindo. O que acha?

- Hum, não sei. Como está o tempo?

- Frio mas nenhum sinal de chuva ou neve. Ah, vamos! Passear, olhar as vitrines e pensei em comprar uma árvore de natal.

- Booth eu não tenho esses costumes já falei a você que não compartilho da sua religião.

- Mas você vai me dizer que não gosta de árvores de natal e ganhar presentes?

- Não tive muito disso na minha vida, Booth.

- Então, mais um motivo para darmos isso a nossa Katherine não?

- Não use a Katherine para ganhar um argumento, não é justo.

- Não estou querendo ganhar nada, quero apenas dar a nossa filha todo amor e estrutura para ela crescer numa família feliz. E de certa forma, estou proporcionando isso a você também.

- Tudo bem, você já me convenceu... mas isso não quer dizer que vou acreditar no seu Deus.

- É justo. Termine seu café e vá se arrumar, New York nos espera!

Uma hora depois, eles saiam de casa. Realmente, Booth não exagerara. As ruas, as vitrines tudo tinham toques de decoração natalina. Pegaram o metrô e saltaram no quarteirão do Rockfeller Centre. A árvore gigante na frente da pista de patinação estava linda.

- É uma pena que eu não possa patinar desse jeito, seria bem divertido.

- Vamos, fique aí que vou tirar uma foto sua na árvore.

- Ah, não Booth! Estou enorme grávida e com todas as essas roupas de frio!

- Você está linda,Tempe. Abra um sorriso e vamos registrar esse momento. A Katherine precisa saber como a mãe dela ficou durante a gravidez. Sorria, amor.

E Brennan obedeceu. Depois, ele pediu para uma pessoa ali perto para tirar a foto deles juntos naquele cenário. Pararam numa Starbuck para se esquentarem, ele com café, ela com chocolate quente. Em seguida, continuaram o passeio até a 5ª avenida e novamente as vitrines colocava a todos que as admiravam em clima de natal.

Pararam na Barnes & Noble para um pequeno lanche e para Brennan matar as saudades da livraria pois fazia algum tempo que ela não ia ali. Seguiram então para comprar a àrvore de natal. Booth escolheu uma relativamente grande. Acertou com a loja para entregarem na terça já que Brennan não estaria em casa na segunda.

A última parada do passeio foi na Macy’s para comprarem enfeites para decorar a árvore. Cheios de sacolas com enfeites e pisca-piscas, eles tomaram o metrô de volta para casa. O frio aumentara e as pernas de Brennan doíam.

- Amor, quer tomar um chá ou um outro chocolate quente? Podemos ir a Dean & Deluca. É só atravessar a rua. Comemos e vamos para casa, que tal?

- Booth estou realmente cansada. Prefiro ir para casa. Amanhã é domingo e podemos tomar café lá como costumávamos fazer.

- Tá bom, vamos logo para casa.

Assim que chegaram no apartamento, Brennan se livrou dos casacos e sacolas e desabou no sofá. Ao tirar os sapatos, viu como seus pés estavam inchados. Booth se preocupou. Foi até a área de serviço e voltou com uma bacia.

- Tempe, me desculpe. Acabamos andando demais. Esse passeio foi um erro.

Ela segurou-o pelo braço e falou.

- Não, o passeio foi muito bom, eu adorei. É normal o inchaço.

- Fique aqui e coloque seus pés na bacia. Relaxe. Já coloquei a chaleira no fogo para ferver a água. Você vai botar seus pés para descansar.

Ele retornou da cozinha com a chaleira e com todo cuidado derramou a água sobre os pés dela. A sensação de alívio foi imediata. Ela recostou-se no sofá e fechou os olhos. Passou vários minutos assim e nem percebeu quando Booth sentou-se no chão à sua frente. Ao abrir os olhos, ele estava com uma toalha nas mãos.

- Melhor?

- Sim...

Ele pegou um pé por vez e enxugou na toalha massageando-os calmamente para depois calçar o chinelo dela. Terminando, ele ergue-se do chão e estendeu a mão para ela. Levou-a para o quarto e arrumou os travesseiros para proteger as costas e elevar as pernas.

- Agora fique aí descansando enquanto arrumo aquelas compras.

Mais tarde, Booth mandou-a tomar banho antes de jantar. Fez uma macarronada simples e sentaram-se à mesa. Comeram e assistiram um pouco de tv na sala. Quando Brennan estava se trocando para dormir, Booth teve uma idéia.

- Amor, espere um minuto.

Ele saiu do quarto e voltou com a câmera.

- Não se vista. Deixe eu registrar esse momento.

- Você quer tirar uma foto minha com esse barrigão?

- Sim, uma foto sua nua com 8 meses de gravidez. Mostrarei apenas a barriga e seu rosto. É sexy e bonita.

- Tá bom.

E Brennan entrou na brincadeira. Quando se cansaram, eles estavam deitados em conchinha e Brennan lembrou de algo que deixara passar.

- Booth, no dia que você voltou, aquele postal com a águia, tinha alguma coisa escrita no verso ou era parte da encenação para me enganar?

- Não tinha nada. Porque?

- Eu só fiquei pensando em como você escreveria sobre algo ruim para mim.

- Esquece isso.

No fundo, Booth não falara a verdade para ela. Havia sim algo escrito no cartão, ele apenas evitou de dizer a ela.

Booth foi acordado na manhã de domingo com vários beijinhos. E depois de namorarem um pouquinho, Brennan cumpriu a promessa e eles foram tomar o café na Dean & Delucca como faziam antes. Passaram quase toda a manhã no local, conversando e namorando. Acabaram pegando o metrô e indo almoçar no Columbus Circle e retornaram para casa.

Na segunda, Angela almoçou com Brennan e juntas com as explicações de Angela, elas decidiram o cardápio final do jantar. Também pensaram na sobremesa, se bem que isso não era tão difícil para decidir, Booth era louco por torta de maçã e só para ter algo diferente, elas decidiram que encomendariam uma torta de nozes também e Brennan compraria algumas frutas. Depois do almoço, elas foram as compras.

Booth falou com Wendell e estava tudo certo para o jantar deles na quinta.


Apartamento de Booth
Thanksgiving Day – 3 pm


Angela chegou cedo ao apartamento para preparar as coisas e ajudar a arrumar o local. Combinara com Booth para ele buscar as tortas. O peru seria entregue as cinco e o jantar estava marcado para as 7 da noite.

A mesa estava impecável e a sala ficara muito bonita com a árvore de natal toda enfeitada.

- Sabe Tempe, essa casa tá com um ar diferente, aconchegante. Está mesmo parecendo uma casa de família, acho que é o clima do natal presente.

- Não sei o que isso significa, Angela.

- Ah, um clima de paz e amor. Katherine será muito feliz aqui.

- Tudo isso foi idéia do Booth. Você sabe que eu não me apego a essas coisas. Não acredito em crendices.

- Isso vai mudar com a Kathy, você vai ver.

Às 7 e vinte a campainha toca. Booth abre a porta e encontra Wendell segurando uma garrafa de vinho.

- Wendell! Pode entrar.

- Trouxe para vocês. Happy Thanksgiving!

- Obrigado. Quer beber agora?

- Mais tarde. Dr. Brennan!

Ele a cumprimentou com um beijo no rosto e um aperto de mão.

- Você se lembra da Angela, certo?

- Claro, minha cúmplice contra toda a sua teimosia.

Angela riu e cumprimentou-o.

- Oi Dr. Bray.

- Pode me chamar de Wendell.

- Ok, gente o jantar está quase pronto. Vou pegar uma bebida para nós e um iced tea para a Tempe.

Meia hora depois estavam sentados à mesa para comer. Booth ergueu o copo e começou o discurso da noite.

- Bem hoje é um dia especial. Esse é o primeiro thanksgiving da minha nova família e é uma honra poder dividi-lo com vocês. Tenho muitas coisas porque dar graças : a Tempe que só me trouxe alegrias desde que entrou na minha vida embora ela não possa dizer o mesmo sobre mim. A minha filha Katherine, o melhor presente que podíamos receber e aos meus amigos que seguraram a barra quando eu estive fora. Tks.

- Sua vez, Tempe...

- Angela eu não sei fazer isso...

- Sabe sim, Booth já deu o exemplo.

- Está bem, vou tentar. Eu também agradeço ao Booth, ou melhor a bolada errada dele que acabou servindo de pretexto para ele dar em cima de mim.

Todos riram.

- Booth chegou e mudou minha vida completamente. Me fez ver e viver situações que eu já havia ignorado a muito tempo e agora ele está me dando a oportunidade de ser mãe e ter minha família. Você sabe que tirou a sorte grande porque não existe outra Temperance por aí...

- E lá vem o ataque de modéstia, amor... hoje é sobre agradecer!

- Por isso mesmo! Estou lembrando a você porque deve agradecer por me ter na sua vida.
Angela balançou a cabeça e riu. Tinha que ser a Brennan.

- E também pela minha melhor amiga. Talvez a única pessoa que me conheça realmente.

Wendell levantou o copo e falou.

- Apenas quero agradecer pela oportunidade que a Dr.Brennan me deu de poder trabalhar e aprender com ela e aos amigos, certo Capitão?

- Certo.

- E eu quero agradecer por ter encontrado alguém para dividir essa icógnita que é a Brennan. Afinal é um verdadeiro privilégio conhece-la não meninos? Ah, e por ser a madrinha da menina mais amada do mundo!

- Angela não alimente a modéstia....

- E quem disse que nós influenciamos nisso? Ela faz tudo sozinha. Deve ser parte do DNA dela e pode acabar em Kathy também.

Eles riram e curtiram a ceia em meio a conversas e gargalhadas. A noite foi muito agradável.

Mais tade quando já estavam na cama deitados, Booth acariciava os cabelos dela que tinha a cebaça sobre o peito dele.

- O que você achou do jantar?

- Muito bom, acredito que posso me acostumar com tudo isso. As suas comemorações, suas crenças afinal você me ensinou isso sobre relacionamentos, devemos respeitar e compartilhar dos gostos, manias e da individualidade de quem amamos.

- Você faz tudo parecer tão mais bonito e certo quando você fala. Você se acostumará mesmo?

- Sim, afinal amo você e a Kathy parece justo não?

- É sim.

Booth ficou pensativo por um minuto e esticou-se para abrir a gaveta da cabeceira a seu lado e pegou o envelope que fora entregue a Brennan no dia da sua volta. Sorriu.

- Eu não disse a verdade a você naquele dia sobre o postal. Eu havia escrito uma mensagem nele sim. Porém quando vi a sua reação eu acabei pensando em esperar. Era muita surpresa e emoção para um único momento. Eu precisava ter certeza de que não seria em vão.

- E o que tinha escrito, então?

- Leia você mesmo...

Ele entregou o envelope a ela que se preocupou logo em retirar o cartão. Sentando-se na cama, ela virou o cartão e a letra de Booth em tinta preta reluziu a sua frente.

“ Temperance, a distância apenas aumentou o meu amor por você. Não quero passar nem mais um segundo longe da minha felicidade. Você é inesquecível e meu corpo e coração são seus.

Marry me, Temperance Brennan...

Tudo o que precisa é dizer sim...I love you.

Yours,

Booth”


Ela prendeu a respiração por uns segundos. Suspirou e fechou os olhos. Ao abrir, fitou os dele ansiosos por uma resposta sincera. Ela procurou a mão dele, levou até os lábios e beijou-a.

- Você está propondo um contrato social, sem igrejas, sem religião. Algo legal?

Ele riu. Não podia esperar outra reação dela.

- Sim, exatamente. Uma união no civil representando assim nossa família.

- Então a resposta é sim. Aceito confirmarmos nosso relacionamento após a Katherine nascer.

- Aceita?

- Sim, com muito prazer aceito ser a Sra. Booth.

Ele tomou o envelope da mão dela e virou na palma dele. Uma pequena aliança de ouro branco com cinco pequenos brilhantes apareceu. Ele a colocou no dedo anelar da mão direita de Brennan e a beijou apaixonadamente deixando mais que claro todo o sentimento que tinham um pelo outro.

Naquela noite, Brennan demorou a dormir contagiada pela excitação e emoção inesperada. Junto com ela, Katherine também se manifestava. Era como se entendesse exatamente a importância daquela noite para a mãe.


XXXXXXXXX


No primeiro dia de dezembro, eles voltaram ao hospital para aquela que seria a última consulta do pré-natal de Brennan. De todas, essa foi a mais rápida e o Dr. Bray colocou-se a disposição deles para qualquer coisa. Tudo indicava que Katherine logo, logo estaria com eles.

Nos dias que se seguiram, Brennan se preocupou em deixar tudo em ordem para quando fosse o momento de ir ao hospital. Angela ajudou-a a escolher as roupas para levar e os objetos mais importantes. Restava esperar o dia.

O tempo passava e o inverno em New York tornava-se mais rigoroso a medida que se aproximava o natal, era previsto nevar próximo a data. A quinzena de dezembro já se registrava como a mais fria de cinco anos e Brennan andava sofrendo para dormir devido ao tamanho da barriga que já incomodava. A respiração também começava a faltar sem falar na quantidade de vezes que ia ao banheiro. Booth não podia fazer muita coisa nesse sentido mas mimava-a da melhor maneira possível. Ele estaria de recesso por conta dos feriados a partir do dia 18 o que seria uma boa para ajudá-la e assim que a filha nascesse ele tiraria férias para ajudar Brennan.

Era uma noite de sexta. Já passavam das onze e eles se entreteram vendo um filme na tv. Booth na verdade estava quase cochilando. Brennan o cutucou e beijando o braço dele pediu.

- Amor, pega um copo d’água para mim? Preciso ir no banheiro mas estou com sede. Sua filha tá impossível hoje.

Booth espreguiçou e reclamou.

- Você não vai ao banheiro?

- Mas daqui que eu volte vou estar com mais sede ainda...por favor, Boothieee

- Está bem.

Ele se levantou meio zonzo de sono. Ela se levantou com cuidado para ir ao banheiro. A cada ida, ela demorava mais, um verdadeiro ritual. Quando voltou ao quarto, respirava mais pesado que o normal. Tinha as mãos nos quadris e sua testa frizada em sinal de dor. Booth estava de pé na porta com o copo na mão.

- Booth acho melhor esquecer a água.

- Você não estava com sede?

- Sim mas já tem água demais ao meu redor e no banheiro. A Katherine quer nascer Booth, melhor irmos para o hospital.

Booth arregalou os olhos.

- O que???

- A bolsa estourou...




Continua.........

5 comentários:

we_loves_bones disse...

Karen, como que você me para numa hora dessas? A Kathy quer nasceeeeer! Acho que até a próxima atualização, eu infartei :D
Parabéns, vc escreve muitíssimo bem!

ana disse...

Booth arregalou os olhos.

- O que???

Épico! ahuhau. Parabéns pela fic. Anciosamente aguardo novos capítulos. *o*

Julia Blaustein disse...

Aaaaaaaaaaawn!!!!! Não acredito!!!!! "Marry me?" sério?!?! Demais!!! Mas ainda assim Bren... "- Você está propondo um contrato social, sem igrejas, sem religião. Algo legal?" e "Sra.Booth" acho que fico empolgada demais com o som dessas palavras! Perfeito!!! Ainda bem que o Booth esperou pra mostar o cartão, porque se não aí que a mulher tinha um ataque mesmo! Ah, e adivinha que música a minha playlist tocou?!?! MAKE YOU FEEL MY LOVE... Estou pensando em benzer esses iDevices porque né? KKKKKKKKKKK e a Kat nascendo... Já me emocionei nesse, ri, gritei e chorei, de felicidade claro... Imagina no próximo, na hora do parto? Não quero nem ver... Imagina então a nossa reacão quando acontecer na série?!?!? Aí que eu sai correndo de calcinha na rua! KKKKKKKKKKKKKKKKK Bom, ao menos eu sei que ficarei tão feliz, que sairei correndo e pularei na piscina... Não quero nem saber! KKKKKKK MAIS DO QUE ÓTIMO! PARABÉNS!!!

Marlene Brandão disse...

Ai vou confessar uma coisa:se eu não aparecer nós próximos dias é por que eu dei um treeeeeeeeeeco de vez a culpada é vc Flor ...
Brinks Karen eu não consigo explicar em palavras o que sinto sobre a nossa amizade que vem crescendo a cada dia vc buscou conhecer a verdadeira Marlene aquela que nem eu sabia que existia sou metida,antipatica e orgulhosa mas vc gosta de mim do mesmo jeito nosso contato é bem limitado mas eu amo a Karen que esse limite me proporcionou conhecer thanks por tudo ....
Tá bom vamos ao que interresa...
...Brennan aprendenso o valor de estar em familia,de crescer como pessoa e buscando ser o melhor exemplo pra Kathy e ela era sabemos que é o Booth dando um treco ao saber que o rompimento da bolsa não tem comparação kkkk esperando anciosa pela continuação...
eu e essa mania de anciosa por demais sorry flor!!!!!!!!

be your friend means a lot to forgive me but I consider myself your friend
bjones

Eliane Lucelia disse...

Ohhh, pq todos os escritores gostam tanto de judiar dos seus leitores, hein? isso lá era hora de terminar o capítulo? poxaaaa, minha gêmea amada, amei d+ o cap, a Brennan sem noção, perdida coitada no assunto do jantar, a Brennan modesta, adoro a modéstia dela dou tanta risada, e o Booth, o que falar desse monumento, OMG ele é tudo, gosto mais dele ainda não somente por ele estar cuidando muito bem da Brennan, mas por ele estar ensinando a ela o que é ter uma família ou o que é ser família, ambiente não muito conhecido pela Brilhante pessoa da Brenn, amei a forma que o Booth pediu ela em casamento, não teve nada daquelas coisas chamativas que todo mundo já está acostumado, um buquê de rosas e um pedido ajoelhado, e eu adorei que a Brenn aceitou o pedido. Enfim, estou doida pra ler o próximo, quero ver a reação do papai após arregalar o olho kkkkkk
bojossss, bjosss, até daqui a pouco.