quinta-feira, 20 de agosto de 2015

[Castle Fic] One Night Only?! - Cap.32


Nota da Autora: Ainda estamos em Roma e esse capitulo esta recheado de momentos gostosinhos de casal e um pouquinho de comedia, pois nao faz mal a ninguem. Outra coisa, tem NC kkkk... o clima esta bom e o capitulo ficou grande. Quem sabe no proximo nao vem aquele angst...estou pensando...enfim, divirtam-se! 

PS.: Desculpem qualquer erro de acento ou ortografia, revisei como pude, mas o meu teclado esta limitado :(  


NC17...be aware! 


Cap.32


Cedo pegaram a estrada para Florence. Por volta das dez horas, eles chegaram a um local belíssimo. Um vinhedo famoso da região. Foram recebidos com degustação de vinhos e queijos antes de serem levados ao seu quarto para meia hora de descanso. Logo deveriam estar no saguão para fazer um passeio pelo lugar e ter um momento muito especial para qualquer pessoa que fosse leiga em matéria de vinhos. Kate teria a oportunidade de fazer vinho, participaria da dança das uvas.

Tudo era incrível naquele lugar. Os cheiros, os campos, as parreiras. Havia um clima de romance no ar. De mãos dadas, Castle e Beckett seguiram para o passeio pelos hectares cobertos de uvas. Quando chegaram ao local de decantação, encontraram um pátio com vários barris largos onde os funcionários depositavam caixas e caixas de uvas nos tonéis para um dos mais clássicos processos da fabricação do vinho.  

Com a orientação dos funcionários do local, eles tiraram os sapatos, lavaram os pés, prenderam a calça de Castle para cima como se fosse uma bermuda. No passado apenas as mulheres realizavam essa função, porém como ali era diversão, os homens também tinham seu espaço.

O ato de pisar nas uvas era sensacional. Ficava difícil descrever a sensação das uvas estourando através das pontas dos seus dedos. A gargalhada de Kate ecoava no ar. Castle ria e não resistia a companhia ao seu lado, abraçava-a pela cintura trazendo-a aos beijos para junto de seu corpo. As pernas lambuzadas de suco de uva e o pisar na massa gelatinosa que se formava diante de seus pés davam um novo apelo ao momento.

- Isso é fantástico! Castle, eu estou adorando...

- Vai amar ainda mais quando pudermos provar os vinhos e fazer amor – ele sussurrou em seu ouvido – sabia que pode levar o seu extrato? Fico pensando em mil coisas que posso fazer com ele.

- Oh, Deus.... isso é tortura, Castle...

- Eu também sei brincar – mas foi surpreendido por um aperto na calça que o fez arregalar os olhos – ok... você provou que pode ser boa de brincadeira.

- Eu sei que sim – ainda ficaram um bom tempo nos barris quando finalmente o guia os chamou para se limparem e o acompanharem para o almoço especial, antes porém receberam a garrafa com o extrato que eles haviam produzido. Depois de um cardápio bem especial italiano regado com vinho da melhor qualidade, foram convidados para tomar um café expresso na varanda da pousada anexa a vinícola. Ficaram conversando por uns quinze minutos até Kate sugerir que fossem dar um passeio pelas trilhas do lugar. Tudo obviamente era um pretexto para ficarem sozinhos e arrasta-lo para a pequena suíte que ocupavam ali.

- Pensei que quisesse aproveitar as trilhas... – ele disse enquanto Kate o puxava pela mão em direção a cama jogando-o contra o colchão – já vi que sua ideia de trilha é bem diferente – ela sentou-se sobre ele sorvendo seus lábios sensualmente. Castle agarrou-a pela cintura sentindo as curvas do corpo dela. Quebrando o beijo, despiu a camisa do homem para sua apreciação,  ela levava os lábios através do pescoço, ombros, peito, erguendo a cabeça para olha-lo, respondeu.

- Essa trilha me parece bem mais interessante...

- Pode ficar melhor ainda...- ele disse retirando a blusa e o sutiã de Kate, virando-se para tê-la em seus braços, presa a ele. Agora era a vez das calças. Em seguida, pegou a garrafa do vinho que fizeram juntos, abriu. Cuidadosamente, ele despejou o liquido sobre o colo e o meio dos seios de Kate derramando até a região do umbigo. Os lábios começaram a explorar a pele traçando o caminho do vinho usando a boca, a língua, todos os gestos levando a mulher abaixo de si ao êxtase. Kate arqueava o corpo, empurrava os ombros dele ansiando que chegasse logo ao destino desejado, sentindo o aroma das uvas misturar-se ao suor. Queria mais, muito mais...

- Castle... preciso de você... – ele mordiscou a pele próxima ao umbigo, as mãos acariciavam os seios arrancando gemidos dela – agora... por favor... – ele a puxou para sentar-se na cama tomando sua boca com paixão. Colocando-a em seu colo, ele a penetrou de surpresa, contudo não executou sequer um movimento. Ofereceu o gargalo da garrafa para que ela provasse o vinho. Tomou um longo gole, estava delicioso. Castle fez o mesmo. Em seguida, ele deixou a garrafa de lado ficou admirando-a quieta, os lábios ainda arroxeados pelo vinho, um pouco inchados devido aos beijos. Linda.

Quando ouviu um suspiro escapar de seus lábios, Kate não pensou duas vezes. Sorveu-lhe os lábios movimentando seu corpo contra o dele. As unhas agarraram seus ombros impulsionando o seu peso contra Castle. Aos poucos, sentia a pele arrepiar, o toque de Castle funcionava como faíscas elétricas. Começava a tremer recebendo as porções de ondas que dominavam sua mente e seu corpo. No limite do prazer, Kate mordeu o ombro dele e jogou a cabeça para trás querendo aproveitar ao máximo o instante em que estava prestes a tornarem-se um só.

Castle também estava no limiar, mas queria o completo prazer dela. Mordiscou a garganta, sugou-lhe os seios sem deixar de se movimentar dentro dela. Finalmente, após lutar contra todas as sensações que sentia, cedeu ao prazer afundando-se completamente nela.

Minutos depois, Castle a puxou consigo para o colchão. Ela permanecia imóvel somente respirando com dificuldade enquanto o coração tentava se recuperar do episódio. Ainda havia vinho na garrafa na cabeceira. Beijou o peito dele virando-se para o outro lado para levantar da cama. Ele reclamou ao pressentir o que ela fazia. Esticou o braço e tomou a bebida da garrafa. Sentou-se para espera-la voltar.

Kate saiu do banheiro ainda nua com uma blusa na mão. Espreguiçou-se na frente dele e começou a se vestir.

- Onde você pensa que vai?

- Quero comer e depois vou dar uma volta em Florence. Ou você acha que ia ficar somente na cama? Pode me acompanhar se quiser – ele se levantou da cama indo para o banheiro. A verdade era que também estava faminto e não reclamaria de um passeio com sua amada pelas ruas da cidade.

Após passar meia-hora tomando um café no pequeno restaurante da pousada, eles conseguiram um carro e seguiram para as ruas de Florence. Visitaram as igrejas, um museu, deliciaram-se com um vinho Chianti. Andaram por muitos quilômetros de mãos dadas sentindo o clima romântico da cidade. Sim, a atmosfera lembrava romance. Pararam em uma banquinha no meio de uma praça para saborear um belo sanduiche de prosciutto e salame. Na volta para o vinhedo, Castle comentou sobre a ópera sugerida por Ellen. Checando o relógio, Kate acabou escolhendo outro plano.

- São quatro da tarde, se sairmos daqui a meia hora, chegaremos em Roma na hora do jantar. Que tal comermos alguma massa naquele restaurante que o Giuseppe me indicou? Depois não me incomodaria de provar o melhor tiramisu de Roma, você me prometeu...

- Que restaurante é esse?

- Tenho no meu celular, ele ia me levar lá amanha.  

- Tudo bem, ligo para Ellen avisando que não iremos querer os ingressos assim ela passa para outra pessoa – ele pegou o celular e discou o numero da amiga. Enquanto conversavam, Kate se distraia admirando a paisagem. Assim que desligou, ele tocou sua coxa para fazê-la olhar em sua direção – excelentes noticias. Nenhum problema com os ingressos, mas Ellen acabou de me dizer que a programação da editora mudou. Os executivos optaram por uma reunião somente `as oito da manha e ficarei livre o resto do dia. Meu trabalho aqui está concluído, o que significa que teremos mais tempo para nos divertir. Depende de você, o que prefere fazer? A decisão é sua.

- Ok, se é para eu escolher quero curtir um pouco mais de Roma com você. Podemos ir a um museu, explorar o norte de Roma, caminhar sem lenço e sem documento e namorar muito. Ah! E preciso ir a Fontana de Trevi!  

- Sendo assim, vamos voltar para a pousada comprar mais umas garrafas daquele Chianti maravilhoso e pegamos a estrada para Roma.

- Por mim, tudo bem.

Depois que arrumaram tudo e pegaram as garrafas de vinho, eles contataram o motorista indicado pela empresa de Ellen. A viagem de volta foi bem tranquila, ficando isolados do motorista devido ao vidro protegido por película, Castle e Beckett puderam namorar a vontade. Na frente do hotel, por volta de sete e trinta, Kate se espreguiçou ao descer do carro. Já haviam discutido que iriam apenas trocar de roupa para saírem novamente para jantar. Optaram por ir jantar em um outro restaurante no centro de Roma mais próximo ao local do tiramisu. Deixariam o norte da cidade para a segunda-feira.

O lugar onde Castle a levara para provar o melhor tiramisu de Roma a surpreendeu. Era uma casinha modesta, numa pequena sala a dona colocara quatro mesinhas com toalhas vermelhas e um balcão para atender os clientes. Nas paredes, pinturas e tintas fortes enfeitavam o local. Sentaram-se numa mesa e Kate deixou Castle tomar a frente de tudo já que ele conhecia o melhor da casa.

Escolheu café e havia biscoitinhos caseiros em um potinho que acompanhavam a bebida. Dez minutos depois, a dona mesmo trouxe os pratinhos com a sobremesa mais amada dos italianos. A cara do tiramisu estava muito bonita. Ao provar a primeira colher, ela simplesmente fechou os olhos e suspirou.

- Meu Deus! Castle, isso está divino! A mistura do queijo e do café... wow!

- Eu disse a você. Não há outro melhor em Roma – ele também se deliciava com o doce. Kate comia gemendo a cada colher, uma hora aproximou-se dele tascando um beijo nos lábios dele. O beijo ficou ainda melhor. Ao terminar o momento bacana, Kate pediu outro cafezinho. Quando Castle pagou a conta, optaram por sair caminhando pelas ruas para pegar um taxi. Passava das dez da noite.

De volta ao hotel, Castle ligou para o serviço de quarto solicitando uma garrafa de vinho. Sentados no sofá, ele entregou a taça da bebida para ela. Depois de alguns goles em um Shiraz delicioso, ela preferiu os lábios do amado iniciando uma nova brincadeira que certamente terminaria na cama.

Na segunda-feira, ele acordou bem cedo para tomar café e seguir para a reunião. Antes de deixar o quarto, ele se inclinou para beija-la. Castle recebeu o carinho merecido das mãos e dos lábios de Kate. Ainda preguiçosa, ela se esticava para puxar a camisa dele querendo trazer seu corpo de volta para a cama.

- Amor, tenho que ir. Minha reunião... durma mais um pouco, minha bela adormecida. Encontro com você depois, imagino que a reunião não vai demorar tanto. Eu ligo para você.

- Tudo bem, vou esperar.

Quando finalmente criou coragem, levantou-se da cama indo para o banheiro. Vestiu-se e desceu para tomar café. Em seguida, decidiu ir para a rua. Eram quase dez horas da manhã, Castle deveria estar terminando a reunião. Nas imediações do hotel, Kate admirava as vitrines de marcas famosas com roupas belas a sua frente. Enquanto analisava uma bolsa, o celular tocou. Sorriu ao ver o nome no visor.

- Hey, Kate!

- Oi, onde você está?

- Terminei tudo por aqui. Estou voltando para o hotel. A menos que me diga onde está, posso ir encontrar com você.

- Estou próximo ao hotel. Venha para cá que espero você. Um beijo.

Quinze minutos depois, ele descia de um carro. Logo a avistou e a abraçou com carinho beijando seus lábios.

- Pronta para explorar o norte de Roma, Kate? Vamos de carro ate lá.

- Não vejo a hora de explorar um museu e passear pelas ruas. Não se esqueça que iremos almoçar no restaurante da nona.

- Claro que não esqueci. Vamos curtir o nosso dia – entraram no carro com Castle passando as instruções para o motorista. Segundo ele levariam apenas vinte minutos sem transito. Pararam bem a frente do museu. Durante três horas, eles caminharam pelos pavilhões das obras de mãos dadas admirando a beleza das obras consagradas. Ao saírem de lá, visitaram algumas igrejas pelo caminho e procuraram pelo endereço dado por Giuseppe. Estavam chegando ao restaurante quando Kate recebera uma mensagem dele perguntando por onde ela andava.

Kate mostrou a mensagem a Castle e respondeu que estava ao norte pronta para degustar o nhoque da nona. Giuseppe ficou feliz ao saber que ela aceitara suas sugestões. Ela também fez questão de dizer que estava com o seu namorado. Um novo alerta soou indicando novo texto, o italiano dizia que se desse encontraria com eles no restaurante. Castle deu de ombros, se esse cara quisesse passar dos limites com Kate, ele sabia o que fazer. A veia do ciúme pulsava forte quando o assunto era Kate Beckett. Ela não respondeu a mensagem de Giuseppe. Talvez ele estivesse apenas jogando ao dizer que iria encontra-los, tentando ser um bom anfitrião.

Continuando o passeio, escolheram uma mesa mais reservada para almoçarem com um pouco de tranquilidade. O restaurante da nona era bastante barulhento. Estava lotado. A tal nona foi logo identificada por Castle, ela estava no balcão gritando com os garçons alegremente cantarolando os pedidos que ficavam prontos, um lugar bem família e super aconchegante. Um dos garçons veio atende-los com um sorriso no rosto e uma cesta de pão italiano, azeite e pimenta do reino. Numa rápida conversa, ele explicou as especialidades da casa ficando simples para Kate escolher. Ia provar o famoso nhoque. Ela pediu a quatro queijos, ele pediu ao sugo. Para acompanhar, uma bela jarra da sangria feita com o vinho da casa. Sozinhos novamente após a bebida ser servida, eles engajaram uma conversa.

- Então, tudo resolvido na editora? Como foi sua reunião?

- Tudo ótimo. O evento foi um sucesso. As vendas excelentes deixando os executivos bem satisfeitos. Conversei sobre a possibilidade de fazer um novo evento quando Heat Rises for lançado e talvez trazer os quadrinhos de Derrick Storm para a editora italiana, claro que terei que convencer Gina quanto a isso.

- Isso será fácil. Ela visa sempre o bom lucro.

- Sim, não deixa de ser verdade. Posso concluir que a viagem foi um sucesso. Ellen agradeceu sua paciência e queria inclusive nos levar para jantar hoje a noite, porem imaginei que você não gostaria, para ser sincero, nem eu. Quero curtir esses dois dias com você. Amanhã voltaremos ao Bonacceli, lembra que prometemos certo?  

- Sim, não esqueci. Estou feliz por ter você um pouquinho mais para mim e curtir Roma – esticou a mão para toca-lo. Castle levou a mão dela aos lábios beijando os nós dos dedos sorrindo. O cheiro da massa invadiu suas narinas. Os pratos fumegantes acabavam de chegar. Com as bocas cheias d’agua, eles salivavam ao sentir o aroma do queijo derretido. Concentrados, eles se dedicaram a comer. Os sabores se misturavam proporcionando um momento único para os dois que trocaram garfadas, bebericaram vinho e alguns carinhos e beijinhos rolaram.

Quando o garçom retornou a mesa deles, Castle solicitou o menu de sobremesas. Ela ainda estava comendo os últimos nhoques do prato. Deixou a critério dele a escolha do doce porque mais tarde queria o tiramisu. Indicando o doce desejado, ele voltou sua atenção a namorada.

- Estou impressionada com a massa que comi. Acho que desse jeito vou voltar uns dez quilos mais gorda!

- Deixe de ser exagerada, amor. Você está ótima. Aliás, a escolha de hoje foi impecável. Tenho que reconhecer que seu amigo Giuseppe conhece de culinária – o garçom chegou com a sobremesa – pedi um zabaione para nós dois e por favor, poderia trazer mais dois expressos para a gente? Obrigado – voltando sua atenção para Kate, ele retomou a conversa – esse restaurante entrará para a minha lista de favoritos.

- Que bom que gostou. Ponto para o Giuseppe.

- Também não precisa tanto. Vou pedir a conta e podemos continuar o passeio por Roma. E hoje a noite, vamos a uma das melhores pizzerias de Napoli. Pegaremos o trem das cinco ou seis horas a viagem e de uma hora e pouco. Jantamos e voltamos para Roma, que tal?

- Não esperava ir a Napoli...

- Já que estamos aqui, porque não degustar da verdadeira pizza napolitana. O ultimo trem sai meia-noite. Temos bastante tempo. Agora que são três da tarde! Deixamos o tiramisu para amanhã – Castle pediu a conta para saírem. Caminhavam na rua observando as construções antigas da cidade. Kate registrava algumas paisagens com o celular. Depois de rodarem bastante, eles seguiram para o hotel. Trocaram de roupa muito rápido voltando para a estação de trem. 

A viagem foi uma maravilha e o jantar nem se fala. Kate e Castle divertiram-se, riram, namoraram e comeram muito bem. Encerraram a noite com um café expresso antes de pegar o trem de volta a Roma. De volta ao hotel, Kate o arrastou direto para o chuveiro. O dia havia sido cansativo e um banho seria providencial, só que não era a primeira ideia que passava na mente de Kate naquele instante ou pelo menos não um banho qualquer. Jogando-o no chuveiro de roupa e tudo, ela devorava os lábios de Castle. Entrando na brincadeira, ele despiu-a vagarosamente com a água quente massageando seus corpos. Porém, Kate estava louca para sentir cada uma das sensações que Castle a proporcionava. Devagar não iria funcionar para ela naquele momento. Arrancando as roupas dele, imprensou o corpo nu de Castle contra a parede.

Os lábios sugavam cada pedaço acessível de pele a sua frente. As mãos perdiam-se apertando, tocando, instigando. Ao tomar o membro dele em suas mãos, em movimentos rápidos ela foi dominando e controlando completamente aquele homem. Porém, Castle não estava totalmente entregue aos lances de sedução de Kate. O membro já ereto e pronto para possui-la precisava de espaço e oportunidade. Surpreendendo-a, pegou-a pela cintura, virou-a de costas para ele apertando os seios, beliscando e puxando os mamilos fazendo Kate gemer e perder um pouco da dominância.

Então, ele fez o que desejava. Apertando-a contra seu corpo pela cintura, ele a penetrou. As bocas tornaram a se encontrar em um beijo sedutor e erótico. As línguas dançavam no mesmo ritmo vagaroso e extremamente convidativo e sexy. Castle passou a movimentar-se dentro dela. Os movimentos aumentando a temperatura já elevada do chuveiro. Queria mais, precisava de mais. Kate agarrava os braços dele com força indicando que queria mais, depois subia pelo peito, pescoço puxando-o para um novo beijo. Suas unhas arranhando a pele dos ombros.

Sentindo as pernas amolecerem devido o principio de tremor anunciando o orgasmo próximo, Kate se apoiou na parede contraria simplesmente deixando Castle possui-la como desejasse. Com algumas estocadas, ela não aguentou mais e recebeu a onda de prazer como a sensação maravilhosa que tanto ansiava. A respiração pesada de Castle em seu pescoço, apenas denunciava o quanto ambos estavam envolvidos no momento de prazer e loucura. Pura libido. Virando o rosto em busca da boca de Castle, ela se deixou dominar pela explosão que se finalizou em um beijo igualmente louco.

Ele a puxou escorando-a no próprio corpo. Podia sentir o coração de Castle descompassado. Ela mesma descansou o rosto na curva do pescoço dele. Ficaram ali, sem se mexer, por vários minutos, apenas sentindo a água corrente do chuveiro pinicar-lhes a pele, o vapor subindo no box e as sensações ainda presentes na pele de ambos.

Quando finalmente se recuperaram, Kate afastou-se preguiçosamente deixando a água atingir seu corpo por completo. Os cabelos longos perdendo a forma a medida que a água os invadia. Escorado na parede, ele observava cada movimento de Kate debaixo do chuveiro, era um pequeno espetáculo. Ao vê-la esfregar o sabonete liquido no corpo, desejou ser ele quem espalhava a espuma sobre aquelas curvas. Automaticamente, o membro despontava de novo. O efeito não passou despercebido para ela que virou-se para encara-lo deslizando sensualmente as mãos aumentando a espuma. Foi do colo ate o meio de suas pernas.

De repente, ela sentiu a mão dele sobre a sua, exatamente no centro de suas pernas. Sorrindo, ele a encurralou no chuveiro e forçou a retirada da mão de Kate deixando o caminho livre para toca-la. Soltando uma pequena gargalhada, ela encostou a cabeça na parede de azulejos e fechou os olhos rendendo-se aos gestos de Castle. Usou os dedos provocando, preenchendo-a. O corpo de Kate reagia automaticamente ao toque fazendo-a gemer. Em questão de minutos, estava a beira de um novo orgasmo quando sentiu os lábios de Castle a provando. Dali em diante, tudo aconteceu rapidamente. E quando finalmente relaxou, tinha um sorriso genuíno nos lábios.

Suspirando, ela abriu os olhos por fim. Encontrou Castle ainda ofegante com a cabeça debaixo da água. Ela o puxou contra si e beijou-o intensamente. Em cinco minutos, ele estava novamente dentro dela, num ato rápido, eles se entregaram e se amaram. Duas horas depois, conseguiram sair do chuveiro. Ele se vestiu mais rápido que Kate seguindo para o quarto primeiro que ela. Após secar um pouco o cabelo, passar hidratante e vestir o pijama, Kate encontrou-o sentado na pequena sala com uma taça de vinho nas mãos. Havia outra na mesinha. Também reparou que tinha um prato de frios ao lado dela.

- Com fome? – perguntou sentando-se no braço do sofá ao lado dele e recebendo a bebida.

- Essa brincadeira toda despertou meu apetite. Quer salame, detetive?

- Haha, não o seu – ela beliscou a orelha dele de leve implicando – engraçadinho.

- Você e seus pensamentos maldosos. Estava apenas oferecendo um pouco do delicioso salame italiano. Tem mortadela também – ela decidiu sentar-se no colo dele para ter melhor acesso aos frios. Provando o salame, ela riu escorando-se no peito dele.

- Muito gostoso. Eu realmente me diverti muito hoje, Castle. Como não fazia a um bom tempo. A viagem a Napoli foi incrível além de totalmente fora do programado. E nem preciso falar de Florence. Amei aquele lugar! Que bom que não desisti de vir com você para Roma. Foi uma experiência incrível.  

- Foi não, está sendo. Amanhã tem mais, ainda devo a segunda dose do melhor tiramisu a você.

- E devemos outra visita ao Pepe. Se a lasanha dele for tão maravilhosa quanto o carbonara nem sei o que pensar. Almoçaremos no restaurante dele, certo?

- Como eu prometi – ele beijou-lhe rapidamente – que tal irmos para a cama? Já passa da uma da manhã.

- Você vai para cama, eu vou arrumar as malas. Esqueceu que voltamos para Nova York de noite? Se quiser aproveitar o dia, melhor deixar tudo pronto.

- Se você prefere, tudo bem. Não se preocupe com o horário. Paguei uma diária extra a fim de não esquentarmos a cabeça. Nosso voo saira as onze da noite. Podemos estar no aeroporto por volta das dez, somos clientes Vips.

- Sabe Castle, até que ser sua namorada tem suas vantagens. Melhores hotéis, viajar de primeira classe...

- Não se esqueça que parte disso e devido a você. Se a série Heat não fosse um sucesso nem estaríamos aqui.   

- Concordo – ela respondeu enquanto se levantava do colo dele não sem antes dar um beijo carinhoso nos lábios dele. Voltou do banheiro com parte de suas coisas e acabou se entretendo arrumando tudo enquanto Castle estava deitado na cama brincando com o controle remoto zapeando entre canais com sotaque italiano. Quando ela terminou, encontrou-o repetindo as palavras em italiano do repórter. Ela se aconchegou ao peito dele perguntando.

- O que você está fazendo ai, babe? Treinando seu italiano?

- O sotaque deles é bem engraçado.

- Não, é romântico. Melodioso, cativante...

- Menos, amor. Assim vou achar que me trocara por um italiano em um instante.

- Deixa de ser bobo! Desliga isso e vamos dormir. Tem muita Roma para amanha cedo e são quase três da madrugada – tirando o controle das mãos dele, ela apagou a televisão e aconchegou-se ao peito dele fechando os olhos. O cansaço bateu e adormeceram rapidamente.

A manhã de quinta-feira começou cedo. Antes das oito, ela já estava pronta e se dedicava a arrumar os últimos detalhes das malas. Castle estava resmungando no banheiro por ter sido acordado tão cedo. Nada que uns beijinhos não resolvessem pensou Kate. Desceram para o café, saborearam uma ótima refeição e as nove eles deixaram o hotel. Haviam deixado um passeio especifico para aquela manhã. A Fontanna de Trevi. Caminhando de mãos dadas, eles se deliciavam pelo caminho. Ao se depararem com um pequeno carrinho de raspadinha, não resistiram e Castle comprou a bebida para degustarem. Visitaram varias lojinhas ao redor da atração turística.

Após tirarem bastante fotos na área, Kate retirou da sua bolsa uma moeda de um euro. Virando-se para encara-lo, falou.

- Você não vai pegar a sua? É tradição para todos que venham até aqui jogar uma moeda e fazer um pedido. Superstição ou não, eu quero fazer. E você como meu companheiro de viagem deve fazer o mesmo.

- Só um desejo? Ou se jogar três moedas posso pedir três coisas?

- Menos, Castle. Não desenvolva teorias malucas. Apenas cumpra a tradição. É tão difícil assim? Pegue logo sua moeda, vamos! – obedecendo o pedido dela, Castle achou engraçado a tão metida a cética estar se rendendo a um gesto de puro engano próprio para iludir turistas. Não perderia a oportunidade de implicar com ela.

- Quem diria... a cética detetive que não acredita em sobrenatural, ETs, monstros, se rendendo a uma tradição de desejos. Tai algo que não imaginava ver de Kate Beckett.

- Haha! Por que não se conforma em apenas entrar no clima, no ambiente. Isso é uma parte da viagem, Castle. Pare de enrolar e venha até aqui logo – ela já se encontrava de costas para a fonte com a moeda na mão esperando por ele. Rendendo-se a ansiedade de Kate, ele ficou na mesma posição e esperou a contagem até três da namorada para juntos jogarem as moedas na fonte. Assim que ouviram o barulho na água, Castle a fitou morrendo de curiosidade.

- Então, o que você pediu?

- Outro fato interessante sobre essa tradição – ela disse remexendo na gola da camisa – você não pode revelar o que pediu, caso contrario seu desejo não se realiza. Portanto, quando acontecer prometo que te conto.

- Ah, Kate! Você só pode estar brincando! – ela ria do desespero dele em querer saber o que pediu. Continuaram caminhando pelas ruas de Roma ate o momento que o estomago dela começou a reclamar de fome. Entrando no metro, eles seguiram para o restaurante de Pepe. Assim que chegaram, Kate reparou que mesmo na hora do almoço, o lugar estava cheio de gente engajada em conversas e risadas.

Castle logo avistou o amigo no balcão da parte de trás do salão. Acenando para ele, Pepe bateu palmas feliz por vê-los outra vez. Após um forte abraço no escritor e um beijo em Kate, os guiou até uma mesa pessoalmente escolhida para que pudesse servi-los e conversar.

- Ainda bem que não me enganou, Rick! Vieram provar a minha lasagna?

- Claro, eu prometi. Tem vinho nesse restaurante?  

- Você está pensando que está na casa de algum italiano mão de vaca? Miguel! Trás vino e pane para Rick! E uma porção de fosca! – Kate sorria com o jeitão italiano dele. Logo havia bebida e aperitivos na mesa. E o serviço não parou por ai – bebe questo vino e aspetta perche la lasagna será magnífica. Volto já.

Pepe os deixou na mesa comendo o aperitivo para abrir o apetite. O vinho era forte e delicioso. A fosca saborosa e aproveitaram para namorar um pouquinho enquanto a lasagna não chegava. Queria estender sua estada em Roma, ia ficar com saudades da boa vida e do tempo tranquilo que desfrutara ao lado de Castle. Infelizmente, o dever precisava ser cumprido. Montgomery já fora generoso demais com ela concedendo esses dias de folga. Estava com o olhar perdido segurando o copo de vinho quando Castle a chamou.

- Hey, no que estava pensando? Está bem longe. Desligada.

- Ah, desculpe. De repente, me peguei pensando na vida em Nova York e que toda essa folga está prestes a acabar.

- Se pudesse, adoraria esticar nossa estadia aqui.

- Mas não podemos, portanto contente-se com as ultimas horas.

- Posso contar um segredo? Eu disse a Alexis que chegava somente na sexta, isso significa que teremos mais uma noite juntos. Dormirei no seu apartamento? Pés

- Mesmo? E você decidiu isso assim, sem ao menos consultar a dona do apartamento?

- É que a dona não resiste a mim, além de fã é apaixonada por esse bonitão – ele piscou para Kate.

- Você é um folgado mesmo! – Pepe chegou bem nessa hora com o prato fumegando de lasanha já se intrometendo na conversa.

- O Rick? É o cara mais folgado que eu conheço. Fique alerta porque ele te enrola – apoiou o prato sobre a mesa e começou a servi-los. O cheiro estava envolvente. Kate sentiu a boca salivar – pelo menos você é policial. Não vai se deixar levar por certas historias furadas dele.

- Acho que é tarde demais para isso. Ela já caiu nas minhas historias, todas elas – Pepe terminou de colocar o pedaço da lasanha no prato de Castle e em seguida tacou o pano de prato no ombro dele como se fosse um chicote.

- Pare de se gabar! Allora, manjare tutti! – Kate gargalhava ao ver o olhar espantado de Castle claramente pego de surpresa por Pepe – andiamo! Quero saber o que acharam – ela provou um pedacinho com cuidado, pois estava muito quente. Assim que colocou a massa na boca, ela sentiu a explosão de sabores. A massa leve, o queijo derretido de primeira, o suave molho de tomate. Simplesmente maravilhoso.

- Pepe, isso está delicioso! Muito suave, gostoso demais.

- Ela tem razão. Você se superou nessa lasagna. Quer me dar a receita?

- Ma che?! Para você não, para a signorina talvez – ele pensou por um instante – va benne! O segredo está nos ingredientes, especialmente o queijo e o molho e de tomate fresco, nada de enlatado. Você pode tentar fazer, mas não fica igual por causa da massa.

- Mesmo assim, já é uma excelente dica.

- Vou deixa-los comer em paz. Vou pedir para minha filha preparar uma sobremesa especial para depois – ele se afastou e os dois continuavam a saborear a bela massa sem querer saber de conversa. Apenas quando se sentiram satisfeitos, eles arriaram o talher no prato. Kate suspirava. A travessa de lasagna estava quase vazia. Ela bebericou um pouco do vinho e se encostou na cadeira para curtir o momento de total preguiça.

- Precisaremos andar bastante essa tarde para compensar o exagero desse almoço.

- Nem me fale e ainda tem a sobremesa. Nem pense em dizer não a Pepe, vai magoa-lo – nem bem terminou de falar, um garçom apareceu trazendo mais vinho e perguntando se eles já estavam prontos para a sobremesa. Foi o jeito concordar. Cinco minutos depois, Kate foi interrompida em sua conversa com Castle por uma mensagem de Giuseppe. Queria saber se ela ainda estava em Roma e se poderia encontra-lo. Para evitar conclusão errada por parte de Castle, decidiu mostrar a mensagem. Ele leu entortando a boca – você acaba de dizer que quer aproveitar as horas em Roma na minha companhia por que deveríamos encontrar com esse cara? Além do mais, me parece bem estranho o súbito interesse dele em querer encontra-la.

- Não acredito ser nada demais. Acho que poderíamos marcar com ele no lugar do tal tiramisu. Ele foi tão gentil comigo nos primeiros dias, nos deu dicas ótimas e estarei com você. Qualquer intenção diferente que ele tenha, será minada pela sua presença apesar que não imagino que ele tenha esse tipo de interesse em mim.

- Você esta falando isso somente para me acalmar. Uma mulher linda como você e do jeito que esses italianos são enxeridos, claro que tem segundas intenções.

- Não, os italianos tem esse perfil, mas nem todos.

- Você é uma detetive, Kate. Não seja tão ingênua.

- Não se trata de ingenuidade, ele não gosta da fruta. Portanto, quem deveria estar preocupada sou eu.

- Ele é gay? Você percebeu ou ele falou?

- Percebi. Afinal, observar pessoas e parte da minha ocupação como detetive. Posso responder para ele? Qual o endereço do tiramisu? – pegando o celular dela em suas mãos, ele escreveu o local e disse que se encontrariam por volta das quatro e meia da tarde. Gigio se aproximou da mesa onde eles estavam, Pepe veio logo atrás trazendo a sobremesa. Como bons italianos, puxaram a cadeira e sentaram-se sem cerimônia a mesa com os dois.

- Hoje a sobremesa é leve. Um gelatto de pistacchio e macadâmia. O outro sappore e chocolate com avelã porque o grande Rick aqui não dispensa o chocolate. Ecco!

- No domingo, aproveitei para ler o novo livro para o papai. E mama mia! Que historia! Aquela cena da tequila – Gigio se voltou para Kate – isso foi antes ou depois de você se tornar namorada dele porque vou dizer se tudo foi imaginação de Castle, o garoto estava inspirado e louco por você. Uma fantasia e tanto! – Kate ficou automaticamente vermelha. Castle sorriu e segurando a mão dela para passar um pouco de calma, replicou o comentário do amigo.

- Somente marmanjos como você não resolvidos e cheios de tesão pensam assim. Não se trata de fantasia. Minha imaginação é fértil e preciso dar um apelo a mais para a historia. Quanto a Kate, ela tem o papel de musa, isso explica muita coisa. E parem de implicar, ela fica logo envergonhada.

- Ok, scusami Kate. Mas é bom! Papa gostou bastante.

- Ecco! Pelo menos compensou por ter matado o Storm. Nikki é encantadora. É uma detetive muito sensual e inteligente. Como você, Kate.

- Obrigada, Pepe. E a sobremesa? Deliciosa! Sua filha está de parabéns.

- Grazie, grazie – eles ficaram conversando por um bom tempo e gargalhando com as besteiras que Castle e os italianos diziam. Finalmente, ele aceitou que Castle pagasse a conta. Despedindo-se dos amigos com a promessa de voltar a Roma daqui a algum tempo talvez para um novo lançamento da série Heat, eles deixaram o restaurante não sem antes Castle mostrar a Kate que a foto deles já estava pendurada na parede próximo ao balcão das bebidas.

Eles caminharam para fazer a digestão e se livrarem do peso do almoço. Pegando um novo metro, eles saltaram a um quarteirão da lanchonete onde vendia o tiramisu especial. Na outra esquina havia um café. Ela adulou o namorado para comprar café para ela, ainda nem dera quatro horas, portanto seu organismo era capaz de beber e depois comer o doce. Enquanto ele fazia sua vontade, ela se entretera com as vitrines. Encontrou algumas peças de roupas bem bonitas e interessantes além de uma jaqueta de couro marrom que a conquistou de cara. Ao entrar na loja com os copos de café, Castle assobiou ao vê-la com a jaqueta.

- Adorei. Combina perfeitamente com a detetive da NYPD que, por acaso, estou saindo. Ela vai gostar desse tom. Clássico. Alias, devo acrescentar que essa peça ficaria perfeita para um certo striptease que ela está me devendo – ele se aproximou abraçando-a pela cintura, beijando-lhe os lábios – pode levar o que quiser, amor. Tudo fica perfeito em você.

- Castle! Não quero que fique pagando por tudo que eu compro. Não é justo.

- Somente pensei em lhe dar um presente, algo para lembrar de Roma. Vamos, amor. Aceite! – ele via em seu rosto a luta travada pela detetive, não sabia se deveria aceitar o presente. O gesto de mordiscar o canto dos lábios a deixava ainda mais linda.

- Tudo bem. Mas nem pense que por isso vai ganhar seu strip. Não pode me comprar, escritor!

- Não preciso disso. Você perdeu uma aposta. Tem que pagar. Simples assim.

- Sei, sei – envolveu o pescoço dele com os braços e agradeceu o presente tomando os lábios nos seus. Castle pagou a conta e Kate saira da loja com duas sacolas cheias de roupas. Entraram na lanchonete procurando por um lugar bom para sentar. Tão logo encontraram uma mesa boa, Kate avistou Giuseppe chegando, fez sinal para ele. Percebeu que não estava sozinho. A desconfiança dela tinha fundamento. O italiano que o acompanhava não parecia nem de longe um amigo, apostava em namorado ou quem sabe marido.

Giuseppe se aproximou de onde estavam. Com um sorriso no rosto e um belo rapaz ao seu lado, ele avançou beijando-lhe o rosto. Ao olhar para o lado, ele se deparou com Castle.

- Você deve ser o namorado de Kate. O escritor. Prazer em conhecê-lo. Kate fala muito de você. Giuseppe.

- Mesmo? – ele olhou sorrindo faceiro para ela – Rick Castle. Prazer.

- Esse é meu namorado, Antonny. Kate e Castle, bem você sabe melhor do que eu quem ele é. Acredita que estava comentando sobre você e descobri que Tonny adora os livros de Castle? Já entendeu porque ele veio comigo.

- Claro! – Castle já se empolgou – sentem-se. Podemos pedir alguma coisa para beber e o tiramisu daqui que é divino – eles sentaram-se e ao contrario do que o escritor esperava, Antonny fez questão de sentar ao lado de Kate. Talvez fosse um pouco de nervosismo da parte dele, como era normal de fãs. Não era esse o caso. O italiano queria mesmo era o autografo de Kate Beckett, a musa que deu vida a Nikki Heat.

- Parece que eu me enganei com o interesse de Antonny – disse Giuseppe – sendo assim, concordo com você. Vamos pedir o tiramisu.

- Excelente – chamou o garçom e logo depois iniciaram uma conversa bem interessante sobre os locais de Roma, a arquitetura e obviamente, Giuseppe quis matar a curiosidade sobre a vida de escritor. Vendo que o assunto chegou a livros, isso atraiu a atenção dos dois. Antonny começou a perguntar para Castle sobre processos, como montava a cena e seus truques para prender o público. Empolgado, Castle começou a se falar de sua genialidade, mas bastou um olhar de Kate para ele acrescentar a experiência da NYPD e a inspiração tirada de casos que investigaram juntos.

Quando os doces chegaram, Kate comprovou novamente porque Castle entitulara-o como melhor tiramisu de Roma. Não somente terminou o seu como pediu mais um. Castle riu da maneira como ela reagira ao doce. O segundo ela comeu mais devagar. Saboreando realmente como deveria ser. Enquanto ela se perdia no doce, Antonny pediu para que ele autografasse seus livros de Nikki Heat.

- Quando vira o próximo? Já estou ansioso para saber o que acontecera com Rook e Nikki, obvio que ele gosta dela e a recíproca é verdadeira – disse Antonny.

- Claro que sim. Você não entendeu? Eles são espelho dos dois – disse Giuseppe. Castle e Kate trocaram um olhar e sorriram – viu?! Esta na cara deles!

- Wow! Eu nem me toquei disso. Você pode assinar também, Kate? Estou tão empolgado por ter conhecido a verdadeira Nikki – Kate riu achando engraçado o fato de pessoas a considerarem uma espécie de celebridade tanto quanto Castle. Pegou o livro e a caneta assinando com carinho para Antonny – muito obrigado! Nem sei como me sinto! Duas celebridades, famosos aqui na Itália.

- Não é para tanto. Não somos famosos – disse Kate.

- Fale por você, eu sou – todos riram do comentário de Castle. Após algumas conversas a mais, pediram a conta e deixaram a lanchonete. 

Do lado de fora, cumprimentaram-se novamente e Giuseppe comentou.

- Você é um homem de sorte. Uma mulher linda como Kate não é tão fácil de encontrar. Cuide bem dela. Se não fosse gay, certamente seria meu tipo de mulher.

- Obrigado, Giuseppe. E eu sei o quanto sou sortudo – de mãos dadas, eles seguiram em caminhos opostos. Castle e Kate voltaram para o hotel. Após um pequeno momento relax quando adormeceram por quase três horas, eles optaram por fazer uma refeição leve no quarto. Enquanto esperava, Kate arrumava os últimos detalhes da bagagem. Duas horas depois, estavam no aeroporto de Roma.

Ao embarcarem, Kate encostou a cabeça no ombro dele, após um longo suspiro, ela deixou sua mão deslizar pelo peito dele. Estava bastante relaxada. Queria muito pensar que tinha muito tempo para ficar exatamente assim, parada no abraço de Castle. Por mais que houvesse longas horas de viagens, não era suficiente para suprir o que estava precisando. Estava acostumada com a companhia dele. Esses dias em Roma serviram para isso.

- Uma pena que está acabando. Será que vou me acostumar a dormir sozinha?

- Se essa é uma preocupação, você tem ainda uma noite de saldo.

- De volta a realidade. Logo estaremos investigando assassinatos.

- Não se preocupe, Kate. Vou pensar em várias teorias mirabolantes para entretê-la se os casos forem tediosos.


- Aposto que sim, Castle – ela inclinou a cabeça para beija-lo. Satisfeita, dormiu em seus braços. Sim, estaria de volta a vida real. Talvez enfrentasse uma fase ótima ou talvez ela se deparasse com surpresas nada agradáveis a frente. Somente o tempo dirá.


Continua.... 

3 comentários:

cleotavares disse...

Oh! Meus amores tão felizes. Pena que podem deparar com "surpresas nada agradáveis pela frente".

Lita Eml disse...

já seguia a sua historia em fanfiction, quando descobri o seu blog fiquei encantada, pois a historia no outo site está parada. estou a adorar

Silma disse...

Minha nossa das leitoras extremamente satisfeitas com os capítulos 😍🎉👌🏽 Só sei pensar "P***a que capítulo maravilhosO!
Cara o que foi aquela demonstração de orgasmos múltiplos no banheiro 😏 3 vezes meu povo 😌👌🏽 que fogo gente!!!!Como NÃOOOO amar essas partes picantes 😂😂😏👌🏽