quinta-feira, 21 de outubro de 2010

[Bones Fic] Six Months or a Lifetime? - Cap.10

Cap.10
Segunda-feira



Brennan estava na sua sala checando os emails quando Angela entrou.

- Bom dia,sweetie! Como foi seu fim de semana?

- Foi bom, muito agradável. Saí com Jack.

Angela suspirou e resolveu perguntar mais, estava cabreira com essa situação. Brennan era capaz de se enrolar nessa história de ciúmes e acabar metendo os pés pelas mãos.

- Mesmo? O que você fez?

- Saímos para jantar. Tive um momento muito bom na companhia dele.

- Você dormiu com ele, Bren?

- Não.

- Você quer dormir com ele?

- Não vou mentir, ele é atraente, bonito e carinhoso. Faz meu tipo. Podia sim dormir com ele, porém não sei se consigo. Por enquanto, estou resistindo.

- Você teria coragem de dormir com ele? E o Booth?

- É exatamente por isso não sei se consigo... faz tanto tempo, Angie!

- Bren, sei que é difícil mas você tem que resistir, tenho certeza que se Booth soubesse que você dormiu com o Jack talvez ele não te perdoasse.

- Angela, não consigo entender. Uma hora você me diz que tenho que provocá-lo, fazer ciúmes e depois diz que não posso dormir com Jack porque Booth não me perdoaria. Sou um gênio e estou confusa!

- Sweetie,se você dormir com Jack Booth irá ficar magoado porque no fundo ele gosta de você. Há sentimento envolvido, não é só sexo ou necessidade física.

- Espere um minuto, ele dormir com a Hannah está tudo bem? Eu posso me magoar e me sentir triste? Você não é machista, Angela!

Pela primeira vez, Angela ficou sem saber o que dizer.

- Não sou, o que quero dizer é que você mesma não vai se sentir bem ao dormir com outro, justamente pelo seu envolvimento afetivo com Booth. Eu só quero que pense bem antes de tomar uma decisão que pode te fazer mal em vez de bem.

Nesse momento, Booth entra na sala.

- Oi, Bones! Vamos trabalhar?

- Novo caso?

- Sim, próximo ao aterro.

- Oi,Booth. Como foi o final de semana?

- Não muito bom.

- A Hannah já voltou?

- Sim, voltou.

- Engraçado, você não parece muito empolgado.

Ele não respondeu.

- Com licença, tenho uma entrega para Dr. Brennan.

O rapaz mostrou um belo buquê de flores.

- Sou eu.

- Pode assinar aqui?

Booth arregalou os olhos quando viu o sorriso no rosto de Brennan.

- Obrigada.

Ela pegou o buquê e cheirou as flores. Lírios e margaridas. Pegou um cartão.

- De quem é?

- Você ainda tem dúvidas? Jack, claro!

Booth bufou.

- Leia pra mim!

- Temperance, obrigada pelo jantar maravilhoso. Sinto-me honrado com sua companhia. Você é uma lenda grega exclusiva – tem a beleza de Afrodite e a inteligência de Palas Athenas. Podemos marcar o próximo? Beijos, Jack.

- Wow!

- Dá pra gente ir?

- Espere um minuto Booth, vou colocar as flores no vaso.

Ela saiu da sala e Angela apenas olhou pra ele como se dissesse – Viu o que você fez?

Voltou com um vaso e colocou sobre sua mesa. Sorriu.

- Podemos ir agora Booth.

Ele a acompanhou calado. Brennan sabia que ele estava chateado por causa das flores. No carro, ele não deu uma palavra então ela puxou conversa.

- Quais os detalhes do caso?

- Não sei muito. Um corpo enterrado e em decomposição.

- Sei... ok.

Brennan reparou que ele não queria conversar então resolveu pegar o celular e ligar para Jack, precisava agradecer pelas flores.

- Oi, Jack? Temperance.

Jack falou algo do outro lado.

- Estou ligando para agradecer, adorei as flores e principalmente o cartão.... ah, a resposta é sim. Adoraria passar mais uma noite na sua companhia.

Booth freou o carro de supetão. Brennan se assustou. Olhou para ele e arregalou os olhos repreendendo-o.

- Tá, espero sua ligação para a gente combinar. Beijo.

- Booth, o que foi aquilo? Se você não quer dirigir deixa que eu faço isso. Melhor do que tentar nos matar.

- Você não vai dirigir Bones.

- Então preste atenção no trânsito.

Ele ficou calado. Não acreditava que Bones ia sair com aquele cara de novo. Isso já estava indo longe demais, será que ela dormiu com ele? A cabeça começou a doer e tinham um caso pra resolver, melhor deixar esse assunto pra lá.

Quarta-feira
À noite

Booth chegou em casa e encontrou Hannah vestida para sair.

- Onde você vai?

- Nós vamos! Acho que precisamos de um momento nosso, tenho trabalhado demais e não quero cair na rotina com você.

- É, pode ser bom... estou com fome.

Ela reparou que ele não parecia muito animado. Foi até ele e beijou a bochecha. Acariciou o braço dele.

- Vamos, deixa eu cuidar um pouquinho de você. Vai se arrumar.

Booth deu um sorriso cansado.

No restaurante...

Hannah puxava diversos assuntos com ele. Alguns ele até se empolgava mas não como normalmente faria. Hannah contou sobre seu novo furo e como andavam as coisas no Afeganistão. Quando ela estava falando de NY, pareceu prender a atenção dele.

- Sabe, eu lembrei muito de você em NY, o Madison Square Garden estava fervendo com partidas da NBA. Uma por noite. E quando estive no central park, tudo que queria era você ao meu lado, debaixo de uma árvore, comendo cachorro-quente...

- Até que ia ser bom assistir um jogo da NBA.

- Podíamos combinar uma viagem, só nos dois por uma semana. O que você acha?

- A idéia é boa mas não sei se consigo me afastar do trabalho.

- Porque não?

- Estou no meio de um caso. Talvez quando acabar e não aparecer outro podemos pensar.

O celular de Booth tocou. Hannah percebeu quem era.

- Oi,Bones.

- Booth, pode falar? Tenho uma informação importante.

- Claro.

- Que barulho é esse?

- Ah, é que estou num restaurante com Hannah.

- Ah, ok. Então deixa pra lá, não quero atrapalhar. Amanhã cedo conversamos.

- Não você disse que era importante.

- Descobrimos a identidade da nossa vítima. James Ford, o senador desaparecido Booth.

- Não? Você tem certeza?

- Booth, desde quando te ligo depois das 9 da noite para te dar uma informação sem ter certeza? Eu e Cam temos 100% de certeza.

- Você ainda está no laboratório?

- Sim.

- Ok, estou indo pra aí.

- Booth não precisa.

- Me espera, Bones.

Hannah o olhava intrigada. Ele iria trabalhar agora?

- Hannah, olha eu preciso ir ao Jeffersonian. A Bones identificou a vítima e o caso vai esquentar.

- Precisa ser agora? Não dá pra ser amanhã?

- É importante, Hannah.

- A vítima está morta, porque a pressa?

- A nossa vítima é o senador James Ford.

- Que está desaparecido?

- Ele mesmo.

- Tá, tudo bem parece importante. Vou te esperar em casa,ok?

- Ok.

Hannah fez menção de se inclinar para beijá-lo mas ele nem percebeu e saiu ás pressas do restaurante deixando-a sozinha.

Naquela noite, ela acorda com o barulho da porta se fechando, checa o relógio na cabeceira, mais de 2 da manhã. virou pro lado, fingiu estar dormindo até senti-lo deitar na cama. Não ia questioná-lo agora. Na manhã seguinte, ela se espreguiça na cama e vira-se procurando o corpo quente de Booth. Tudo que encontra é o vazio gelado do lençol. Ela levanta intrigada. 8 da manhã. vai até a cozinha, chama por ele.

- Seeley?

Nada. Ao abrir a geladeira para pegar uma garrafa d’água, nota o bilhete preso a um magnético.

“Hannah, tive que sair cedo. Muito trabalho no FBI. A noite nos falamos. Beijo, Booth”

- Será que esse caso é tão importante ou tem algo mais acontecendo?

Ela estava cabreira e também notara que ele assinara Booth e isso não era normal entre eles.

Os três últimos dias foram intensos para Booth, Brennan e o pessoal no laboratório. Eles tinham um ritmo muito pesado de trabalho em busca de todas as provas possíveis para fechar o caso do senador. A mídia estava em cima do FBI e o diretor-assistente Andrew tentava a todo custo mante-los longe da equipe do Jeffersonian. Booth chegava em casa tarde da noite e nem percebeu que não dava ibope a namorada. Finalmente na sexta por volta das 8 da noite, Brennan achou a última peça que faltava do quebra-cabeça. Booth ligou imediatamente para o seu chefe e as 9h, Booth e Brennan estavam juntos no FBI interrogando e prendendo o culpado.

Andrew convocou a imprensa para as 10 da noite. O salão do FBI estava lotado. Ele deu informações sobre a vítima, o motivo e os envolvidos no crime. Também declarou que o FBI continuaria fazendo a investigação mais profunda no gabinete do senador para averiguar se haviam mais pessoas chantageando-o. Ao final da coletiva, ele agradeceu:

- Antes de encerrar gostaria de agradecer e pedir o seu reconhecimento para as pessoas que em tempo recorde se dedicaram a construir o caso através de evidências e trabalho duro. Estou me referindo a equipe de cientistas do Jeffersonian e principalmente a Dr.Temperance Brennan e ao Agente Booth. Sem eles, a solução desse crime não seria possível.

Os jornalistas aplaudiram e fotografaram os dois. Certamente seriam notícia no jornal do dia seguinte.

E não deu outra, quando Brennan pegou o jornal de sábado, lá estava a foto dela e de Booth estampada no jornal seguida da reportagem sobre o caso. Quinze minutos depois o celular toca.

- Brennan.

- Olá! Agora que você virou celebridade vou ter que marcar hora para te ver?

- Jack! Que bom que ligou.

- Você está famosa hein? Está em todos os canais da tv e no Washington Post.

- As vezes acontece quando a vítima é famosa.

- E descobri que o irritadinho sabe sorrir. Eu sabia que ele era gente boa, caça os bad boys. O que você vai fazer hoje?

- Até agora nada. Acordei a pouco.

- Tenho uma proposta. Está acontecendo uma exposição de arte greco-romana no museu de história natural e pensei que talvez você gostaria de me acompanhar, o que acha?

- Gostei da idéia.

- Podemos ir ao museu as 2 da tarde e depois fazemos um lanche e se você ainda não estiver enjoada da minha cara, a noite saimos para jantar.

- Nossa! São muitas atividades juntas! Vamos a exposição e depois decidimos sobre o jantar. Te encontro lá ok?

- Ok. Beijo.

Brennan encontrou-se com Jack na porta do museu. Visitaram a exposição, discutiram sobre as obras, riram e namoraram um pouco. Depois foram tomar um sorvete e passearam pelo parque que ficava próximo ao museu.

- Você quer jantar comigo hoje?

- Hum, sabe que não sei?

- Estou com a impressão de que você não quer minha companhia...

- Não é isso, você é ótima companhia mas esse último caso tirou muito minha energia. Foram dias intensos, acho que ainda não me recuperei e jantar... não estou querendo me arrumar entende?

- Perfeitamente, podemos pegar um cinema então? Um programa mais light ou você pode se livrar de mim e descansar. Você decide!

- Promete não ficar chateado? Nada de sairmos hoje. Amanhã vamos ao cinema tudo bem?

- Claro!

- E sobre o jantar, semana que vem sem falta ok?

- Ok. Você quer que eu te leve em casa?

- Quero.

Quando chegaram na porta do prédio de Brennan, ele desceu do carro e abriu a porta para ela que sorria do jeito dele.

- Se eu não soubesse que a viagem no tempo ainda é impossível, diria que você saiu de um romance antigo, do século passado.

Ele beijou-a mais uma vez e Brennan cedeu feliz aos carinhos. Ela sentiu o calor invadir o corpo. Quebrou o beijo ofegante.

- Você sabe como pegar alguém de jeito hein?

Ele riu. Nesse momento Max abre o portão.

- Filha! Chegando em casa, pensei que estava no Jeffersonian.

- Oi, pai. O que o senhor faz aqui?

- Estou indo visitar seu irmão precisava de umas coisas.

Max notou a maneira que o cara estava abraçado nela.

- Ah, esse é Jack Forbes. Ele é professor de história antiga na universidade. Esse é meu pai, Max.
Jack estendeu a mão.

- Prazer em conhece-lo.

- Vejo que as coisas vão bem entre vocês. É bom ver a Tempe sorrindo. Vocês estão namorando?

- Digamos que estamos nos conhecendo certo Temperance?

- Isso.

- Só peço que cuide bem dela. Essa menina vale ouro, mas gostei de você. Já percebi que você sabe tratar uma dama, ao contrário daquele pastel do Booth, sempre desconfiei que ele era gay!

- Daddy!

Jack olhou desconfiado.

- É verdade! Como um homem fica seis anos ao lado de uma mulher maravilhosa dessa e não faz nada? Gay ou frouxo!

- O Booth não é gay tem namorada.

- Então é frouxo!

Brennan o repreendeu com o olhar.

- Desculpe, Jack. Você é um homem inteligente. E Tempe, parabéns pela escolha.

Max começou a distanciar-se e voltou a falar com ela.

- Ah, você arrasou no caso do senador. Estou orgulhoso!

Ele finalmente se foi.

- Desculpe, Jack. Meu pai fala demais as vezes.

- Tá tudo bem, ele gostou de mim isso é muito importante.

- Vou subir tá? Estou mesmo cansada. Mas antes, quero um beijo de despedida...

- Tudo que quiser...

Ele a envolveu em seus braços e beijou-a calorosamente.

Domingo

Jack e Brennan estavam na fila do cinema aguardando a liberação da sala. Jack a abraçava por trás e vez ou outra beijava o pescoço dela. Quando as pessoas da sessão anterior deixaram a sala, Brennan estava de frente pra ele, acariciava o peito dele e acabou colando seus lábios nos dele.

Hannah passa de mãos dadas com Booth pela fila e vê a cena.

- Hey, Seeley! Aquela ali na fila não é a Dr.Brennan? Nossa! Ela está bem animada. Tenho que concordar que ela tem bom gosto para homens. Você o conhece?

Booth tirou o sorriso do rosto e franziu a testa. A tensão era visível no rosto dele.

- Seeley? Está me ouvindo?

Ele rangia os dentes, tencionando o maxilar.

- Seeley?

- É... conheço.

- Você não vai cumprimentá-la? Achei que devíamos ou vocês só se falam no trabalho?

Booth não tirava os olhos deles. Ao ve-los tão juntos, aquele cara sugando os lábios dela o tirava do sério. Ele nem se apercebeu mas com raiva apertava a mão de Hannah com vontade.

- Ai,Seeley! Está me machucando!

Ele por fim se tocou e soltou a mão dela.

- O que deu em você?

- Nada! Vamos embora.

- Você não vai mesmo falar com ela?

- Não, Hannah vamos para casa.

Ele falou seco com ela. Hannah não gostou do jeito que ele a tratou e muito menos da forma como ele reagiu a tudo aquilo. Não ia fazer escândalo mas esse assunto não ficaria assim.



Continua....

2 comentários:

Rubine disse...

Em clima de ciúmes... Tá na msm a Hanna se ligar e cair fora... Aguardo ansiosa!

gabriella silva disse...

NOSSA AMEI ESSE EPISÓDIO....CADÊ A CONTIUAÇÃO??
CAP. 11??