sábado, 9 de outubro de 2010

[Bones Fic] Six Months or a Lifetime? - Cap.8

Cap.8

Booth estava em casa sentado no sofá e tentando encontrar algum programa interessante na tv. Hannah havia telefonado avisando que iria trabalhar até tarde e por isso não o veria essa noite. Ele zapeava o controle remoto mas nada parecia chamar sua atenção. Virou o resto da cerveja na boca e ao mudar de canal novamente, ficou olhando a imagem que aparecera. Suspirou e decidiu o que fazer, desligou a tv.

Apartamento de Brennan
8:30pm

- Estou falando a você Angela. Todas as noites tenho tido problemas para dormir. Vou me deitar e só consigo pegar no sono depois de duas ou três horas. Ele sempre vem nos meus pensamentos, seja por uma lembrança, um caso ou mesmo por curiosidade de saber onde ele está e o que estaria fazendo.

- Ah, se você está incomodada com isso sugiro então tomar remédio para dormir, o que acha?

- Não sou muito a favor dessa sua idéia, Angie.

- Confessa,Bren! No fundo você gosta de ficar horas pensando nele não?

- Não é algo desagradável mas eu fico cansada no dia seguinte quando tenho que trabalhar. Anteontem fiquei acordada até 4 da manhã.

Brennan andava com o celular pela casa. Sempre conversava a noite com Angela, realmente aproveitava todo o suporte e carinho que a amiga oferecia. Era uma forma de não se sentir tão sozinha.

- Você escreveu mais alguma parte do seu livro?

- Não. Preciso voltar a escrever. O que vamos fazer com a relação de Kathy e Ryan dessa vez?

- Eu podia pensar em algo só que uma idéia melhor me ocorreu. Que tal você tentar escrever algo dessa vez já que tem tido tanto sonhos quentes ultimamente?

- Angie, não sei...

A campainha toca. Ela vai até lá. Ao abrir, franzi a testa.

- Eu preciso desligar agora depois falo com você.

Desligou.

- Booth? O que faz aqui?

- Está com fome? Que tal um pouco de comida chinesa?

Ele mostra o saco com as embalagens de comida. Na outra mão, uma caixinha com 6 longnecks.

- Entra.

Ele foi em direção a cozinha. Brennan o observava ainda surpresa com a visita. Porque ele estava ali? E a namorada? Muitas perguntas que ela não sabia as respostas e sinceramente não iria fazê-las agora. Ele já tirava algumas tijelas e abrira as embalagens na mesa de jantar dela. Abriu a cerveja e ofereceu a ela. Brennan tomou o prmeiro gole, colocou a garrafa sobre a mesa.

- Booth, eu preciso de um instante. Volto já.

Ela foi até seu quarto, fechou a porta e se recostou na parede. Respirou fundo e murmurava a si mesma. Se acalme, Temperance. Ele só veio visitá-la como fazia antes, não há nada além disso acontecendo. Ele continua tendo namorada. Está aqui como amigo, será bom conversar.

Mais uma vez ela respirou fundo e já mais controlada, voltou a sala.

- Sente-se, a comida não pode esfriar.

Ela reparou que ele tinha arrumado seus lugares um ao lado do outro. Booth tentava disfaçar sempre que colocava os olhos sobre ela pois as pernas expostas chamavam sua atenção. Brennan vestia apenas um short mole e curto e uma camiseta de alcinhas. Ela sentou-se e ele fez o mesmo. Brennan tornou a tomar mais um gole da cerveja.

- Espero que tenha escolhido certo.

- Olhe você mesma, eu não esqueci o que você gosta Bones.

Brennan pegou o hashi e provou. Sim era seu preferido.

- Hum, delicioso.

- Com quem você falava ao celular quando eu cheguei?

- Angela.

- Que bom. Angela é uma boa amiga.

- É minha melhor amiga, uma irmã pra mim. Senti falta disso na Indonésia. Minha companhia era a Daisy então você já pode imaginar.

- Não deve ter sido nada fácil mesmo!

- Não foi tão ruim. De certa forma, ela me mantinha ligada a imagem que eu tinha de Washington, ela é inteligente, só fala mais do que é possível aguentar na maioria das vezes. A pior parte era ter que ouvi-la falando de Sweets.

- Então, foi um teste de paciência para você, Bones.

Ela riu.

- Posso dizer que sim. De qualquer forma, esse período que fiquei isolada em Maluku, comecei a ver algumas coisas de modo diferente, analisá-las por outro ângulo, Daisy me ajudou um pouco nisso e posso dizer que no fim entendi um pouco a mania dela de sempre falar no Sweets.

- Nossa! Estou impressionado!

- Eu ainda nem contei tanto pra você. Não sabe metade das coisas que descobri. O projeto pode ter sido um fiasco mas tive bons momentos e boas lições.

- Hum, então acho que esse ano fora fez bem a nós dois.

- De certa maneira posso concordar mas não na sua totalidade.

Ela tomou mais um gole da cerveja e ficou olhando para ele. comeu mais um pouco.

- Hey, deixa eu provar do seu.

Ela meteu o hashi no prato dele e tirou um pouco da comida levando a boca.

- Hey, não é justo!

- Tá mais gostoso que o meu...

Ela pegou uma porção da comida dela e ofereceu a ele dando na boca.

- Hum, você é bem esperta não? Quer ser geração saúde mas não resiste a uma gordura.Não vou dar minha comida pra você!

- Oh, Booth!

Ela roubou mais um pouco de comida dele e provocou ameaçando tirar mais. Ele começou a rir do jeito dela.

- Não me provoque se não sou capaz de te deixar no chão que nem eu fiz com aqueles homens babacas na ilha.

- Você o que?

- Estava com a Daisy no meio da floresta e nosso jig quebrou de repente vários homens armados e mal encarados sairam da mata, eles iam nos atacar então disse a Daisy para mostrarmos que éramos mulheres e adivinha o que ela fez? Ficou de calcinha e soutian em pleno mato!

- Não, você tá de brincadeira Bones!

- Não mesmo! O problema era que os caras não queriam saber se nós éramos mulheres ou não. Tive que lutar com eles.

- Você não fez isso!

- Claro que fiz! Como você acha que voltei pra cá? Eles iam nos matar.

- Você é louca! Não tem noção do perigo, Bones.

- Tinha que me defender ou morria, não tinha ninguém pra me proteger, era eu e eu sozinha. Ainda bem que sou boa em artes marciais.

- Bones você não existe.

Ele ria, o sorriso contagiava o ambiente. Brennan sorria de volta, a sua frente ela via o Booth dos velhos tempos, o seu parceiro e amigo, o homem por quem se apaixonou. Parecia naquele momento que nada de diferente havia acontecido, que eles eram os mesmos de sempre. Isso a confortava, saber que seu velho Booth ainda estava ali, perdido naquele corpo estranho. Tomou mais um gole da cerveja. Continuaram conversando animadamente até terminarem o jantar. Brennan recolheu os pratos e deixou-os na pia.

- Você não vai lavar essa louça?

- Amanhã ponho tudo na máquina.

- Que preguiçosa! Dois pratos e duas colheres! Me dá isso aqui.

Ele rapidamente lavou a louça enquanto ela o observava bebericando outra garrafa de cerveja. Os olhos dela viajavam das costas ao bumbum dele. Era uma ótima paisagem para se apreciar.

- Prontinho! Viu? Menos de cinco minutos.

- Atta Boy!

E bateu palmas.

- Sem graça!

Ele jogou o pano de prato nela. Pegou mais uma cerveja na geladeira.

- Como você está? Apontando para a garrafa.

- Secou, me dá mais uma.

Ele pegou as garrafas e se dirigiram ao sofá. Sentados um ao lado do outro. Brindaram e viraram a cerveja na boca. Os braços se roçavam, Brennan sentiu um arrepio percorrer o corpo.

- Sabe porque eu vim aqui? Eu estava em casa assistindo tv, nada interessante passando. Então ao trocar de canal parei no discovery e adivinha?

- O que?

Brennan tomou mais um pouco da cerveja e colocou-a na mesinha de centro. Voltou a se encontar nele colocando a cabeça no ombro de Booth.

- Eles estavam mostrando uma escavação em algum lugar na África e lá estava um esqueleto em meio ao terreno. A mulher era arqueóloga e tentava tirar com cuidado os restos do meio da terra sem deteriorá-los. Você veio em meus pensamentos na mesma hora assim resolvi vir aqui te ver. Não queria jantar sozinho. A verdade é que sinto falta de conversar e estar com você. Gosto de ouvir suas baboseiras científicas.

Como ela não protestou, Booth olhou para o lado e percebeu que ela adormecera em seu ombro. Uma das mãos sobre a perna dele. Sorriu. Ela parecia tão linda e serena. Relaxada. Booth ajeitou uma mecha de cabelo dela para trás da orelha deixando ainda mais o rosto exposto. Devagar, ele deslizou dois dedos pela pele macia do rosto dela acariciando e admirando a beleza da mulher a sua frente. Uma fortaleza por fora e um cristal delicado por dentro.

Com todo o cuidado, ele se levantou do sofá evitando acordá-la. Ergueu-a nos braços e sentiu-a se aconchegando ao corpo dele colocando os braços ao redor do pescoço dele. Caminhou até o quarto dela e deitou-a na cama. Cobriu o corpo dela com o edredon da cama e ligou o ar condicionado.

- Bom sonhos, Bones.

Beijou-lhe a testa e por alguns minutos ficou velado o sono dela. Quando finalmente decidiu ir embora, ele virou-se para a cabeceira e viu o porquinho e o boneco do smurf gênio que ele dera a ela. Sorriu. Saiu do quarto apagando a luz.

No dia seguinte, Brennan acordou espreguiçando-se. Tinha dormido muito bem naquela noite. Checou o relógio. 8 da manhã. Precisava trabalhar. Ao levantar-se, as lembranças da noite anterior vieram a mente dela. Não se lembrava de ter se deitado. Provavelmente por causa das cervejas que tomara com Booth, na verdade nem lembrava de ter se despedido dele. Foi uma boa noite, como nos velhos tempos.

Quando chegou ao Jeffersonian a primeira pessoa que a procurou foi Angela.

- Bom dia!

- Oi, Angie.

- Porque você de repente decidiu desligar o telefone ontem? O que aconteceu?

- Booth apareceu.

- Não?! O que ele queria?

- Levou comida chinesa. Queria conversar.

- Sei, talvez se redimir. Será que ele brigou com a loira?

- Não sei, não quis perguntar. Só queria conversar e curtir a companhia dele.

- E como foi?

- Ótimo! Como nos velhos tempos. Bebemos, conversamos, rimos.

- Que bom, Sweetie. Mas não rolou nada? Nem um beijinho?

- Não, éramos dois amigos como antes.

- E como você se sente?

- Bem, feliz. E dormi muito bem. Mas sei que não posso manter minhas expectativas altas. Ele ainda tem namorada.

- Isso mesmo. Que bom que você está mais alegre.

O dia transcorreu sem maiores problemas. Brennan até tirou um tempo para escrever um pouco.


Ao final da tarde, ela chamou Angela para tomarem algo no dinner. Estavam elas, Hodgins e Cam conversando quando viram Booth entrando. Ele foi direto ao balcão e pediu algo. Ao virar-se viu eles reunidos. O olhar de Brennan cruzou com o dele e mostrava ansiedade. Ele foi até a mesa deles.

- Hey, pessoal!

- Oi, Booth.

- O que faz aqui Seeley? Sente conosco. Tome uma cerveja.

- Ok, Cam mas só uma cerveja enquanto a comida não sai. Vou encontrar a Hannah.

O sorriso de Brennan desapareceu. Hodgins começou a puxar conversa com ele. brennan apenas escutava. Quinze minutos depois ele se despedia deles para encontrar a namorada.

- Viu? Tudo na mesma, Angie.

Angela apenas concordou com a cabeça.

No dia seguinte, Brennan estava no seu escritório terminando o relatório de uma consulta para uma universidade da Carolina do Norte quando o telefone tocou.

- Brennan.

- Olá,Temperance! Finalmente consegui falar com você. É o Jack Forbes, lembra de mim? Da boate?

- Oh, oi Jack. Claro que me lembro de você.

- Ainda bem! Estava com medo que você batesse o telefone na minha cara dizendo que não me conhecia.

- Não se preocupe, não farei isso.

- Bem, como você não me ligou resolvi procurar pelo seu número. Acabei descobrindo que você é bem fácil de se encontrar. Em parte por ser antropóloga mas principalmente por ser a melhor de Washington. E isso não é um elogio, é um fato.

- Com certeza. Talvez você queira acrescentar mais um fato a sua lista. Sou a melhor antropóloga forense dos Estados Unidos, se você precisar de outra só indo ao Canadá.

- Bom saber. Escuta, o que você acha da gente conversar mais sobre isso em um jantar?

- Posso fazer uma sugestão?

- Claro! Você escolhe o lugar.

- Pode ser um café?

- E porque não? Sou viciado em cafeína. Onde?

- Conhece o Royal Dinner?

- O pequeno café próximo ao complexo Smithsonian? Claro! Frequentei muito o local quando estava fazendo minha tese de doutorado.

- Ah, que bom. Pode ser depois de amanhã?

- Pode, às 4 está bom pra você. É que dou aula na Universidade às 7 da noite.

- Está ótimo. Te vejo na sexta.

Á noite quando conversava com Angela comentou o que acontecera.

- Recebi um convite hoje.

- Do Booth?

- Não. Jack Forbes. Um professor da Universidade que conheci naquele dia da boate. Estava conversando com ele quando Booth nos interrompeu. Ele me deu o cartão mas nessa confusão toda nem liguei para ele. Hoje ele me telefonou e me convidou para jantar.

- E você aceitou?

- Sim mas não um jantar, troquei por um café. Não foi você que me ensinou que café não é código pra sexo?

Angela riu.

- Certo. Então, você vai começar a sair de novo?

- Angela, não é porque eu goste do Booth que devo ficar presa em casa esperando ele aparecer para jantar comigo. Além do mais, eu preciso me divertir. Jack parece uma ótima companhia, inteligente, bonito e podemos ter muitas coisas em comum para conversar. Não é como se eu fosse pra cama com ele logo no primeiro encontro. É só um café.

- Nossa! Estou surpresa. Quer saber? Você tá certa. Queria ver o que ele diria ao saber que você tem um encontro.

Sexta
3:50 pm

Brennan para na porta da sala de Cam.

- Cam, estou de saída. Tenho um encontro.

- Hum, tá tudo bem. Com o Booth?

- Não.

Brennan olha séria para ela.

- Ok, divirta-se.

Royal Dinner
6 pm

Brennan estava sentada de frente para Jack. Ria muito. Estava gostando demais da companhia dele. Ele era professor de história com doutorado em lendas gregas. Tinham muitos assuntos para conversar. Como antropóloga, Brennan era primeiramente uma amante da história do mundo.

Angela e Cam estavam bebendo no balcão.

- Ela parece estar se divertindo.

- É bom ve-la sorrindo um pouco. Não está sendo fácil suportar a ausência de Booth.

- Falando no dito...

Cam virou-se e deu de cara com ele.

- Oi,Booth! O que faz aqui.

- Oi Cam, Angela. Vim pegar umas fatias de torta de maçã. Acredita que a Hannah adorou a torta?

Ele se apoiou no balcão de lado e Brennan surgiu no seu campo de visão. O semblante ficou sério.

- O que a Bones está fazendo com aquele cara?

- Tomando um café.

Brennan sorria. Não vira ele ainda.

- Ah, agora ela toma café com qualquer um?

- Ele não é qualquer um. Foi um professor que ela conheceu na boate. Ela está animada. Ele parece ser uma pessoa bem legal, divertida,inteligente como ela gosta e ainda é bonito.

Booth não conseguia tirar os olhos da mesa deles. Estava incomodado. Angela segurava o riso diante da cena e Brennan finalmente o viu. Trocou olhares com ele mas não deu muita importância. Voltou a prestar atenção em Jack.

- Ela está se divertindo.

- Sei.

Então Jack paga a conta.

- Infelizmente preciso ir. Tenho alunos me esperando. Uma pena pois você é bem mais interessante que eles e ótima companhia.

- Obrigada, eu também gostei muito de ver você. Temos muito em comum.

- Venha eu te acompanho até a porta.

Ele se levantou e deu a mão a ela. Booth não acreditou na cena, Bones de mãos dadas com outro homem. Os dois continuavam conversando até a porta.

- Sr. Booth, suas tortas. Sr. Booth.

- Ah, tá. Fica com o troco.

Ele saiu as pressas.

- Tem alguém morrendo de ciúmes.

Angela e Cam riram.

Na calçada, Jack se despedia de Brennan.

- Temperance eu tive uma tarde maravilhosa. Não é todo o dia que eu tenho a oportunidade de conversar com uma mulher inteligente e tão interessante.

- Aposto que você conhece muitas mulheres inteligentes na universidade.

- Não com interesse em história antiga e não tão lindas como você.

Ela riu.

- Você é bem galanteador, Jack.

- Só estou listando fatos.

Booth estava escorado na parede externa do dinner observando os dois.

Jack levou a mão dela até a boca e beijou-a.

- O que você acha de nos encontrarmos de novo? Que tal um jantar?

- Seria uma ótima idéia, ou quem sabe uma balada. Você gosta de ir a boates?

- Gosto sim. Na sua companhia vai ser melhor ainda.

- Eu te ligo para combinarmos.

- Liga mesmo? Só por segurança eu guardei seu telefone do Jeffersonian.

Ela abriu o sorriso. Jack passou o dedo indicador no rosto dela e segurou o queixo dela. Olhava-a fixamente.

- Desculpe mas não consigo resistir.

Jack se aproximou e beijou-a levemente. Brennan cedeu ao beijo e abriu os lábios. ele aprofundou o beijo. Booth tomou um susto ao ver a cena, quase derruba as tortas. Quando finalmente ele quebrou o beijo, ambos sorriram.

- Isso foi...

- Muito bom, Jack.

- Falo com você depois.

- Boa aula.

Ele saiu caminhando, virou-se e acenou para ela, Brennan acenou de volta e seguiu para o seu carro. Booth estava irritado, entrou no carro rapidamente e saiu cantando pneu.



Continua...

Um comentário:

Gabriella Figueiredo disse...

Nossa Daisy vc é maluca!! Ficar de "calcinha e sutiã", fala sério!! Vc teve sorte de ter a Bren no seu lado!! Aproposito adorei o blog!