domingo, 3 de junho de 2012

[Castle Fic] Starting Over - Cap.2


Nota da Autora: Estou apenas começando a dar as boas vindas a Kate na família Castle...espero que gostem! Ah, e desculpem por continuar a colocar NCs, vou tentar maneirar mas o resultado de Always permanece "in my veins" capiche?! Hahahaha....

NC-17....be aware


Cap.2



Kate acabara de chegar em casa com uma sacola de compras. Ela tinha ido ao mercadinho comprar alguns ingredientes faltantes para preparar o jantar. Nem bem entrou na cozinha, percebeu que o telefone tocava sem parar. Correu até ele e atendeu.



- Alô?



- Hey, Kate! Já estava ficando preocupada! Liguei várias vezes...



- Desculpe Martha. Sai para fazer compras e parece que seu filho é surdo.

- Tudo bem, querida. Escute...



E elas conversaram por alguns minutos ao telefone acertando detalhes da chegada delas no dia seguinte. Elas ficariam apenas o fim de semana mas isso já significava um grande passo para ela. Não via problemas com Martha porém, ela estava receosa sobre a reação de Alexis afinal, a menina sempre fora o centro das atenções da vida de Castle, a princesa. Agora Beckett estava ali e podia ser considerada uma intrusa. Pela primeira vez, ela teria que dividir o pai com outra. Sabia que a filha de Castle era uma menina inteligente e talvez tirasse a situação de letra, mesmo assim Kate gostava de se manter cautelosa.



Terminando de guardar as compras, ela foi procurar por ele. Subiu as escadas imaginando que ele estaria no escritório. Sem fazer barulho, ela caminhava na ponta dos pés para poder espia-lo. Na porta do cômodo, viu que ele estava em pé, de costas para a porta analisando a tela da TV. Percebeu que o notebook estava sobre a mesa. Ele está matutando sobre alguma cena, pensou. Colocou-se atrás dele e começou a ler o emaranhado de notas espalhados pela tela. Ele estava tão concentrado que sequer percebeu a aproximação dela. Após ler a ideia geral que ele analisava, ela se pronunciou envolvendo-o com os braços. Ao sentir o toque ele se assustou.



- Jesus! Você me assustou!



- Acho que a sua timeline está errada.



- A quanto tempo você está me observando?



- O suficiente para perceber que tem um gap na sua ideia. Você não ouviu o telefone tocando?



- Ouvi mas quando escrevo esqueço do mundo.



- Ah, então se eu estiver morrendo, precisando de socorro melhor nem ligar pra você?



- Você ligaria para o meu celular e eu atenderia.



- Sei, era sua mãe. Ela e Alexis chegam amanhã às 10h.



- Hum, o que está errado na minha linha do tempo?



Ela reparou um lembrete no canto da tela “Escrever cena de sexo entre Nikki e Rook”. Separando-se dele, ela aproximou-se da tela com aquele olhar clinico digno de detetive ao analisar um quadro de evidências. Com o dedo indicador sobre os lábios e o polegar segurando o queixo, ela franzia o cenho. Ele adorava ver o jeito como ela se portava em uma situação assim. Os trejeitos, o olhar, o movimento dos lábios. Ele podia passar horas prestando atenção nela. Beckett apontou uma área da tela e falou.



- Bem aqui, a hora não encaixa com o suposto álibi. E essa é a arma do crime? Sério?



- Você faria diferente?



- Sem dúvida! Se quiser posso ser sua consultora nesse livro, além de musa, claro! Ah, e só pra constar, essa cena – ela apontou ao lembrete da cena de sexo – posso sugerir algo bem interessante. E mordeu o lábio inferior piscando para ele.



Castle se aproximou dela e envolvendo-a pela cintura, ele roçou o nariz na pele exposta do pescoço dela e em seguida a fitou com um olhar fingido de inocência.



- Mesmo? Acha que consegue escrever uma cena assim?



- Ah, claro! Posso inclusive demonstrar como seria...



- Hum... – ele começou a beijar a linha do pescoço dela seguindo pelo colo com a mão acariciando o rosto dela – duvidando do meu talento, Kate Beckett? Será que um escritor de Best-sellers como eu não consegue arrumar uma linha do tempo? Apesar que gostei muito da ideia da consultoria em especial a parte da demonstração...



Ela o empurrou e fez cara de zangada. – Você só pensa nisso?



- E você não?



Ela sorriu e fez cara de inocente – Não! Agora por exemplo, estou pensando em tomar um banho de piscina e depois fazer o almoço.



- Gostei da ideia mas pra que fazer almoço, podemos pedir alguma coisa... sushi? Oh, você vai usar aquele seu maio de LA?



- Não... infelizmente não trouxe. Ela riu ao ver a cara de frustração de Castle – tenho outro aqui comigo... mas porque se importa? Você deve escrever... e vou pedir o sushi assim ficou mais tempo na piscina. E ela sai rebolando apenas para implicar com ele. Só que Castle não ia deixar de tirar proveito dessa situação, ah não mesmo. Ela que o aguardasse.



Beckett fez exatamente o que dissera. Trocara de roupa, pegou uma toalha e se encaminhou para a piscina. Muitos achariam estranho, com o mar à sua disposição estar pensando em piscina. Bem se estava disponível, porque não? Deixou a toalha sobre uma cadeira de sol e pulou na água. Estava geladíssima. Ela vestia um biquíni minúsculo com um soutian de alcinhas. Nadou por um tempo para espantar o frio. Depois saiu da água e deitou-se na cadeira para curtir o sol da manhã. Viu que em um canto tinham umas boias daquelas próprias para se bronzear dentro da piscina. Pegou uma delas e deitou-se. Permaneceu ali quieta com os olhos fechados. A mão brincava na água impulsionando a boia. De repente, num movimento brusco ela se desequilibrou e escorregou gritando e caindo na piscina. Ao retornar para a superfície, viu Castle rindo dela. Se recompondo, ela bateu na água espirando nele.



- Seu louco! Quer me matar de susto?



Ele continuava rindo dela e se aproximou. – Te peguei...



- Sério, Castle não faz mais isso meu coração só faltou sair pela boca!



- Acho que terei que me desculpar com você, me redimir... e inclinou-se para beijá-la. As mãos dele desciam até a cintura dela e devagar ele caminhava dentro da piscina até encostá-la em um dos cantos. Sentiu Castle espremer seu corpo contra a parede, ela começou a passar a mão pelo peito dele. Quebrando o beijo, ele olhava para ela sorrindo. Os braços estavam apoiados na borda da piscina deixando-a presa entre eles. As gotas de água escorriam pelos cabelos e pelo colo dela.



- O que foi? Ela perguntou ao ver o jeito como ele a observava, parecia hipnotizado.



- Você... ver seu cabelo molhado desse jeito me lembra a noite que você bateu em minha porta e disse que me queria. Ainda me pego pensando naquele momento, como algo mágico.



- Eu queria você ali e quero você aqui.



Beckett deslizou sua mão ate o membro dele apertando-o para mostrar que não estava brincando. Um gemido escapou dos lábios dele e ela aproveitou para devorar a boca à sua frente. Ela se apoiou nos ombros dele para aprofundar o beijo. Ele desfez o laço da parte de cima de seu biquíni, vendo-o flutuar na piscina. Uma das mãos foi direto acariciar um dos seios. Ela gemeu. Beliscou o bumbum dele e começou a puxar a sunga. Ele ajudou até se ver livre da peça. Castle saiu beijando o pescoço, o colo, abocanhou um dos mamilos e tomando fôlego, ele mergulhou na frente dela. Beijou o abdômen dela debaixo d’água enquanto as mãos ágeis tiravam a parte inferior do biquíni que também acabou boiando perto deles. Voltando a superfície em busca de ar, Kate aproveitou para roubar-lhe mais um beijo e suas mãos seguravam o membro dele que flutuava na água. Castle, porém, não estava de brincadeira, ele tornou a mergulhar e ergueu as pernas dela surpreendendo ao prová-la debaixo d’água. Era apenas uma provocação, mas ele foi capaz de fazê-la perder o equilíbrio na água. Ele tornou a ficar frente a frente com ela e Kate puxou-o pelos ombros e enroscou suas pernas na cintura dele. Era tudo o que Castle precisava para finalmente tê-la. Ele a penetrou de uma vez e com o movimento empurrou-a contra a parede da piscina. Ela se segurava nos ombros dele e seus lábios passeavam pelo pescoço e rosto. Os movimentos eram precisos e ela sentia as costas baterem na parede por conta da ação. Isso não importava. O prazer que ela começava a desfrutar era bem melhor. A fricção de seus corpos na água era algo diferente e excitante. Sentiu o corpo amolecer e a pele arrepiar com o orgasmo que se formava. Ele forçou-se novamente contra ela, o que foi suficiente para ela ceder ao orgasmo gemendo baixinho e instintivamente jogando a cabeça para trás.



Ao ver o pescoço exposto, ele beijou a pele provocando-a ainda mantendo-se dentro dela e ainda proporcionando o prazer que ela continuava a experimentar. Sem condições de continuar, ele deixou-se levar pelo orgasmo. Kate se debruçava sobre ele sentindo a cada minuto o prazer. Os corpos ainda estavam sob o efeito do orgasmo quando ele procurou pela boca e beijou-a carinhosamente.



- Seu louco... você devia estar escrevendo.



- Senti saudades... e que biquíni minúsculo é esse?



- Você está preocupado com o meu biquíni e não com o fato de eu estar nua dentro da sua piscina?



- Ok, você venceu.



- Temos que nos controlar durante o final de semana, não podemos fazer essas besteiras...



- Hum... depois dessa vou ter que mandar limpar a piscina.



Ele se distanciou dela e Kate aproveitou para mergulhar um pouco procurando relaxar e conter a ansiedade de agarra-lo novamente.



- Hey, Castle! Você sabe beijar debaixo d’água?



- Está me desafiando Beckett?



E ela não esperou resposta. Colou os lábios nos deles e o puxou para debaixo d’água. Mais uma vez, eles se envolveram num mano a mano de caricias que acabou em mais um orgasmo para os dois.



Tarde da noite, eles estavam sentados na sala assistindo a um filme de John Woo. Tagarelavam o tempo todo durante o filme cada um expressando sua opinião. Kate permaneceu uns quinze minutos calada e Castle percebeu. Sabia que quando isso acontecia era porque ela estava em outro lugar, sua mente vagava.



- Hey... terra para Kate... – ele olhou para ela sorrindo – o que foi?



- Nada...



- Kate, eu te conheço. Algo está te incomodando.



Ela suspirou. Era inútil esconder algo dele e nem queria apenas não sabia como falar sobre o assunto, mesmo assim ela decidiu falar – estou pensando sobre amanhã e como Alexis vai reagir diante de tudo isso. Ainda não sei como lidar com a situação.



- Alexis não vai causar problema nenhum.



- Castle, não é tão simples assim. Uma coisa é ela me ver como uma espécie de colega de trabalho do pai, a parceira. Outra coisa é me ver dentro da sua própria casa, invadindo seu espaço, dividindo e de certa forma disputando com ela a sua atenção. No meu modo de ver, eu sou a pessoa que fez você arriscar sua vida correndo atrás de bandidos por uma causa que não era sua. Eu vi a aflição de Alexis quando você e Martha estavam naquele banco. Nem sei o que poderia acontecer se não tivesse conseguido tira-los de lá. Quero muito que ela aceite o fato de que estou com você porque é o certo. Não porque você sempre esteve ao meu lado, não por retribuição, quero que ela entenda que estou com você por amor.



Ao ouvir essas palavras, Castle a fitou e abriu o sorriso. Era a primeira vez que ela falava de amor. E ele não podia estar mais feliz de ver a preocupação de Kate com a sua filha. Em ser aceita. Em fazer parte do mundo deles. Como ela poderia achar que não seria aceita? Logo ela que sempre se manteve presente mesmo que indiretamente na vida deles?



- Kate, você não tem com que se preocupar. Você faz parte da minha vida, da nossa vida a um bom tempo. Tanto minha mãe quanto Alexis a respeitam. Sabem o quanto você se preocupa comigo também. Além disso, Alexis é uma menina inteligente e já participou um pouco do seu dia a dia para não ter que questionar qualquer decisão minha em estar ao seu lado mesmo nos momentos de perigo. Você me ajudou em varias situações difíceis durante esses anos na educação dela. Me disse coisas que eu nem consideraria se não tivesse conversado com você. Por isso repito: você já faz parte das nossas vidas a muito tempo, Kate e sempre foi importante, não esqueça disso.



Ela beijou de leve o rosto dele e entrelaçou os dedos nos dele.



- Obrigada.



Dia seguinte – 10:30 a.m.



Kate estava na cozinha já adiantando o almoço. Castle tinha ido buscar a família. Ela decidira o cardápio junto com ele. Insistiu em fazer a massa preferida de Alexis, spaguetti a carbonara. Disse que ia ser uma ótima oportunidade dela provar sua obra-prima na cozinha. Sendo assim, Kate preparava os ingredientes e a sobremesa. Mais tarde faria uma salada caesar para acompanhar a massa.



Ela estava entretida com as coisas na cozinha que não reparou quando eles chegaram. Apenas quando Martha a surpreendeu falando alto seu nome o que fez ela pular com o susto.



- Kate! Ah como é bom ver você aqui.



Ela abraçou-a de supetão ainda surpreendendo Beckett. Castle e Alexis entraram em seguida.



- Não acredito que esse meu filho desnaturado te colocou para cozinhar pra gente? Richard, a Kate devia ser a convidada aqui. Porque não chamou o John e a Mary para cuidarem de tudo?



- Mãe, ela insistiu em oferecer o almoço para vocês. Sorte que a convenci de fazer o seu prato preferido Alexis.



- O que você está insinuando, que não sei cozinhar?



- Calma, crianças. Nada de brigas.



Eles riram. Alexis se aproximou da geladeira para servir-se de água mas antes sorriu e cumprimentou Kate.



- Olá, Detetive Beckett...



- Alexis por favor, me chame de Kate. Não sou mais detetive.



- Oh... não? Tudo bem, Kate – ela mordeu os lábios – é estranho te chamar pelo nome.



- Tudo bem, você se acostuma.



- Bem, já que seremos servidas hoje vó, que tal uma praia? Estou louca por um banho de mar.



- Excelente escolha Alexis. E vocês dois, se comportem – e piscou para Kate fazendo-a sorrir.



Assim que elas saíram da cozinha, Castle foi lavar as mãos para ajudá-la. Procurou a mão dela e apertou, percebeu que estava suada.



- Viu não foi tão ruim, foi?



- É, ainda não estou totalmente certa.



- Esquece isso por agora, temos muito o que fazer.



E os dois começaram a trabalhar em parceria em outra área, a cozinha.Kate acabou por aprender que Castle tinha muita habilidade para cozinhar e como todo cozinheiro também tinha suas exigências. Ela se divertia com o jeito algumas vezes até metódico dele ao preparar alguma coisa. Quatro anos juntos e Castle ainda era uma caixinha de surpresas. Quando tudo estava encaminhado, ele foi tomar um banho enquanto Kate preparava a salada. Faltava apenas cozinhar o macarrão. Ela aproveitou para checar o vinho que colocara horas antes na geladeira.



Meia hora depois, todos estavam sentados à mesa. Kate trouxe a salada e o vinho para Castle servi-los. Assim que estavam com suas tacas cheias, Castle levantou o copo sugerindo para que elas fizessem o mesmo.



- A um momento em família. Que esse seja o primeiro de muitos.



- Saúde! Disse Kate.



- A nova fase das nossas vidas. Disse Martha.



- Beleza, vamos comer? Estou faminta!



Todos riram do jeito de Alexis mas concordaram com ela e começaram a comer. Assim que provou a massa de Castle, Kate teve que concordar. Ele era bom.



- Nossa Castle! Essa massa está uma delicia. Acho que vou te contratar para cozinhar pra mim.



- Não se empolgue Kate. Esse macarrão é muito bom, ele sempre faz pra mim quando estou chateada ou quero comemorar algo mas o cardápio dele é restrito.



- Filha! Você sabe o quão é difícil receber um elogio dela? Devia apoiar seu pai!



- Não liga para ele, det...Kate, ele adora uma plateia. Mas você já sabe disso...



- E como... Kate concordou.

- Que tal vocês mudarem de assunto? Alexis como foi sua viagem com as amigas?



Elas riram e Alexis começou a contar as novidades. Depois que terminaram o almoço, Kate sugeriu que eles comessem a sobremesa na sala. Ela preparara uma torta de chocolate e avelãs que recebeu os melhores elogios de Martha e Alexis. Kate agradeceu e confessou que aprendeu a fazer essa receita com sua mãe. Castle percebeu a emoção na voz dela ao revelar isso e apertou a coxa dela em sinal de apoio.



Quando ela levantou-se dizendo que ia arrumar a cozinha, Martha a impediu.



- De jeito nenhum! Vou ligar agora mesmo para a Mary e amanhã você está proibida de chegar perto dessa cozinha. Você está aqui como convidada e para aproveitar o lugar.



- Hey, pai. Que tal uma partida de videogame?



- É pra já. E os dois subiram para jogar. Martha ficou com ela. Pegou o vinho e enche a taça das duas novamente.



- Venha sentar-se aqui comigo, Kate.



Elas sentaram-se lado a lado no sofá. Kate saboreou mais um pouco do vinho branco delicioso que ela escolhera na adega de Castle.



- Como você está, Kate? E antes que tente me enrolar, sei que você ainda está se adaptando a toda essa mudança da sua vida. Como mãe sei o quando você deve estar precisando conversar com alguém.



- Martha, eu estou bem. De verdade. As mudanças na minha vida não aconteceram ao acaso. Eu as escolhi e não me arrependo de nada. São quase quinze anos de luta e baixei as armas porque finalmente entendi o que queria para minha vida. Apesar de ainda sentir muita falta da minha mãe e no fundo do meu coração clamar por justiça, esse é um jogo no qual não quero mais competir. Não quero morrer e perceber que passei mais da metade da minha vida perseguindo fantasmas e esqueci de ser feliz.



- Ah, Kate. Você é uma mulher maravilhosa, de fibra. Fico satisfeita ao ver que meu filho finalmente soube escolher uma companheira.



- Acho que eu tirei a sorte grande, Martha. E pelo fato dele estar ao meu lado, não desistir de mim, foi algo fundamental para que eu mudasse. Ele sempre esteve certo, eu ainda tenho muito a fazer para recompensa-lo. Quero muito fazê-lo feliz.



- Isso é muito fácil, apenas deixe-o mimá-la e isso já o fará feliz. Acredite em mim, você virou o mundo de Richard de ponta à cabeça, por você, ele move montanhas. Somente por você. E quanto a mim, não podia pedir uma nora mais linda e talentosa.



- Nora?!



- Não importa o que aconteça Kate, pra mim, você já é parte da família e posso acrescentar minha nora preferida. Fiz muitas coisas loucas e erradas na minha vida, mas se tem algo que me orgulhe é ver o homem que o meu filho se tornou mesmo sabendo que não fui uma mãe ideal. Então, sempre que você quiser conversar, de mulher para mulher, de mãe para filha, estarei aqui para você Kate.



Martha ofereceu a taça a ela simulando um brinde e viu que Kate tinha os olhos embaçados de lágrimas. Ela deixou a taça sobre a mesa e abraçou Kate com carinho.



Depois de jogar bastante com o pai, Alexis avisou que ia fazer uma visita a uma amiga que estava nos Hamptons também. Castle apenas lembrou que ela deveria voltar por volta das oito para jantar. Martha se recolheu para um cochilo e Kate resolveu ler um pouco enquanto Castle tentava escrever.



Quando Alexis voltou já depois de 8:30, trouxe consigo dois potes de sorvete. Castle pediu uma grande quantidade de comida chinesa e sugeriu uma rodada de jogos. A preferência pelo pôquer foi quase unânime. Porém quando quatro pessoas altamente competitivas se juntam, a vontade de vencer o adversário é grande e não demorou muito tempo para Kate e Rick trocarem farpas entre si. Martha por sua vez, tentou trapacear duas vezes no jogo sendo dedurada uma vez por Rick e outra por Alexis. Vendo que se continuassem nessa batida, certamente alguém sairia ferido, Alexis encerrou o jogo de pôquer e sugeriu que jogassem banco imobiliário. Eles concordaram mas não sem antes decidirem que voltariam a competir. Parece que ela realmente tinha razão ao fazer a troca, risos e deboches tomaram o lugar das ameaças. O clima era leve.



Kate estava adorando tudo aquilo. Há muito tempo não sabia o que era curtir um momento em família tão simples e tão significativo. Quem os visse, certamente pensaria que aquilo era uma rotina normal na vida deles. Ela se sentiu em casa. Alexis venceu a partida e Castle queria revanche mas a menina sabiamente declarou a noite como acabada para ela.



- Estou com sono, pai. E amanhã quero levantar cedo para aproveitar a praia.



- Vou acompanhar minha neta.



- Ah, qual é...



- Ah, Castle também estou cansada. Vamos todos dormir.



- Já vi que sou minoria mesmo.



Ele se levantou e sentiu as mãos de Kate em seus ombros o empurrando para as escadas. Já estava deitada quando ele finalmente juntou-se a ela na cama. Aconchegou-se no peito dele e beijou-lhe rapidamente voltando a deitar a cabeça no mesmo local fazendo pequenos círculos com o dedo sobre a blusa do pijama dele. Após alguns minutos, ela falou.



- Eu me diverti muito hoje. O que fizemos me trouxe lembranças da minha própria juventude, dos meus momentos em família.



- Eu disse a você que ia dar tudo certo.



- É, acho que sobrevivi ao primeiro dia com a família Castle porém ainda não passei pelo teste mais importante.



- Vai passar, e com louvor.



Ele sorriu e beijou-lhe os lábios.



No dia seguinte, Castle levantou e já não encontrou Kate a seu lado. Descendo as escadas, procurou por ela e não a encontrou. Na cozinha, apenas Mary cuidava dos seus afazeres.



- Bom dia, Sr. Castle. A mesa do café está servida. O senhor quer que eu faça um café novo?



- Bom dia Mary – ele disse pegando um pedaço de pão e passando manteiga – você sabe onde estão minha mãe e Alexis?



- Elas estão na praia junto com a Nikki Heat. Nossa! Ela é muito linda mesmo, Sr. Castle. Exatamente como o senhor a descreveu. Só que melhor pessoalmente.



Castle teve que rir. Imaginava a cara da Kate ao ver o jeito de Mary. Será que ela a chamara de Nikki? Pegando o café que a moça acabara de preparar, ele serviu uma caneca para ele e outra para ela, afinal não perdia o hábito de agradá-la com a sua bebida matinal.



Caminhou tranquilamente pela areia observando o que elas estavam fazendo. Alexis estava no mar e Martha e Kate deitadas em cadeiras de praia curtindo o sol. Ambas mantinham o chapéu na cabeça.



- Bom dia... – e estendeu a caneca para ela que automaticamente abriu um sorriso. Como sempre, ele pensou – faz tempo que vocês estão aqui?



- Talvez uma hora...



- Nossa! Então me deixaram mesmo de escanteio!



- Sem drama, Castle...



Ele se sentou na ponta da cadeira dela. Acariciou levemente a perna dela. Doido para implicar com ela, Castle falou.



- Vê se não exagera no sol. Soube que conheceu uma fã. E não quero que desmereça a minha descrição perfeita, Nikki.



- Não acredito! Ela revirou os olhos.



- O que? Eu tenho culpa se Mary a reconheceu graças ao meu talento? Diz ai, ela te chamou de Nikki? Pediu autografo?



Ela deu um murro de leve no braço dele.



- Não vou responder.



Nesse instante, Alexis aproxima-se e senta na cadeira da vó ficando de frente para ele.



- Pai, você perdeu a cara de espanto que a Mary fez ao olhar para a detetiv... desculpe, ao olhar para Kate. Ela pensou que fosse Nikki em pessoa. Quase não conseguia falar de tanta emoção ao ver Kate a sua frente.



- Mesmo? Ele olhou debochado pra Kate – imagino ela contando para as amigas que conheceu Nikki Heat pessoalmente. Já pensou se todas decidem vir conferir? Você vai virar celebridade aqui nos Hamptons.



- Richard, não comece. Mary ficou espantada ao vê-la mas apenas porque não esperava, aconteceria com qualquer um que desse de cara com tamanha beleza.



- Obrigada, Martha.



- De qualquer forma, ela está preparando um ótimo almoço para nós e portanto devemos aproveitar o dia.



- Isso mesmo, Martha. Vou dar um mergulho. Kate se levantou e foi em direção ao mar. Alguém acenou para Alexis e a menina saiu correndo para encontrar um amigo deixando Castle sozinho com a mãe.



- Ela está preocupada, sabe, com a aprovação de Alexis. Eu disse a ela que não tem nada que se preocupar mas talvez ela esteja certa. Trata-se de uma invasão ao espaço dela. Quero que tudo fique bem.



- Vai ficar, kiddo. Dê tempo a elas. Eu conversei com Alexis no caminho para cá, lembra como ela estava receosa em ir para a faculdade e deixá-lo sozinho? Acho que parte desse problema desapareceu quando contei a ela que você estava com Kate aqui. Deixe-as se experimentarem. Nossa menina é esperta, ambas são inteligentes, logo elas encontraram um meio de se aproximarem.



- Espero que tenha razão.



Ele tirou a camisa e dirigiu-se ao mar para encontrá-la. Nem bem encontraram-se, ele já chegou agarrando-a por trás e se perderam em beijos. Kate deu um caldo nele e gargalhava apenas para voltar a beijá-lo no momento seguinte. Martha sorria diante da cena da alegria dos dois. Ambos precisavam mesmo de um momento de paz. A alegria deles também não passou despercebida a Alexis que mesmo de longe, pode observá-los durante sua conversa. Ainda ficaram um bom tempo na praia até o instante que a fome falara mais alto. Eles voltaram para casa e Kate preferiu lavar os cabelos no chuveiro da piscina. Alexis achou que era uma boa ideia e a seguiu. Castle já ia fazer companhia a elas quando a mãe o segurou. Com um simples olhar, ele entendeu o que a mãe queria dizer e subiu para seu quarto.



Alexis estava lutando com o pente para desfazer os nós que se formaram no cabelo por causa do banho de mar. Kate viu a agonia da menina e se ofereceu para ajudá-la.



- Deixa eu desembaraçar para você, Alexis.



- Obrigada. Kate pegou o pente e começou a desfazer os nós usando também os dedos da mão. Tinha todo o cuidado para não machucá-la e não arrancar muitos fios da cabeleira ruiva da menina.



- Você nem tem ideia do que é um cabelo emaranhado, o meu me dá o dobro de trabalho.



Alexis sentia as mãos leves de Kate trabalhando em seu cabelo e não pode deixar de sorrir. Ela não estava acostumada a momentos assim, afinal Kate poderia até ser uma irmã mais velha. Mas não era, sua presença na vida deles era muito mais significativa agora do que ela imaginara um dia. Tomando coragem, começou a falar.



- Sinto muito pelo que aconteceu com você, por não ser mais detetive. Deve ser difícil acordar e perceber que você não vai voltar a caçar assassinos. Mudanças não são fáceis. Eu mesma estou morrendo de medo de ir para a Columbia. Saber que cada passo, cada erro que cometer, será parte da minha carreira, da pessoa que me tornarei. Isso assusta. Você está se sentindo assim também por deixar a sua vida de detetive de lado?



- Na verdade não. Pode ser que mais para frente eu sinta falta. Mas a decisão foi minha, somente. Já estive nesse mesmo dilema que você e sei que a insegurança é algo que sempre está presente em nossos pensamentos quando somos jovens. Tudo é novo, é sua primeira vez longe de casa, caminhando com as próprias pernas. Assusta. Você é uma menina inteligente e sei que vai tirar de letra essa situação. Se aceitar meu conselho, aproveite cada minuto da sua vida acadêmica. É um mundo de descobertas. Pessoas diferentes, opiniões diferentes, competição. Tudo é intenso durante esses quatro anos. Não pense somente nos estudos, pense na diversão, nas experiências. Enquanto você estiver lá dentro, erros são permitidos, loucuras perdoadas. Aproveite só não diga a seu pai que dei esse conselho a você, namore, beije bastante, seja feliz.



Alexis riu. – Se você ouvisse os conselhos do meu pai nem pediria para guardar segredo do seu.



- Ah mas duvido que seu pai disse para você namorar e dar muitos amassos, ou mesmo se apaixonar e você sabe todo o resto...



- Não, isso ele não diria mesmo. Para ele eu continuo a ter sete anos.

- Meu pai pensa o mesmo de mim, não se preocupe.



- Kate, você sabe que eu a admiro não? Você é o tipo de mulher que quero ser, inteligente, forte, decidida. Conhecer esse outro lado seu é bem interessante. Eu perguntei ao meu pai logo depois do seu tiro se você o fazia feliz – ela virou-se para fitar Kate – ele me disse que sim e que era o suficiente naquele momento. E eu concordei com ele. Hoje ao ver vocês juntos, lembrei dessa conversa. Ele está feliz, muito feliz e você é a razão disso. Estava pensando em como ele ficaria depois que eu fosse para a universidade. Agora sei que ele ficará bem. Para mim, contanto que ele continue sorrindo, tudo estará bem. E você é a responsável por isso, você também está feliz.



- Você será brilhante um dia, Alexis. E fará seu pai se sentir ainda mais orgulhoso de você, se é que isso é possível.



- Isso é tão estranho! Você deveria ser minha suposta madrasta mas você me parece bem mais uma irmã mais velha.



- Ouch! Agora que você falou me imaginei que nem as madrastas feias dos contos de fadas com uma daquelas verrugas na ponta do meu nariz!



Alexis gargalhou. – Você está longe de ser feia e ter verruga. Além do mais, madrastas não dão bons conselhos. Já as irmãs mais velhas...



- Amigas?



- Amigas e um titulo de irmã mais velha para alguns assuntos. Só me prometa que serão cuidadosos sabe, naquele quesito quando estiver aqui. Ainda acho muito estranho imaginar e...



- Tudo bem, prometo.



Elas apertaram as mãos e sorriram. Kate se deu por satisfeita e começou a enxaguar o cabelo para desembarassa-lo. Alexis passava o pente no cabelo que estava liso novamente.



- Quando começam suas aulas?



- Daqui a três meses por quê?



- O que vai fazer nesse período?



- Bem, eu pensei em ficar em New York, me preparar pras primeiras aulas. Talvez curtir minha cidade.



- Quer um conselho? Quando tinha sua idade antes de ir para Stanford, eu pedi a minha mãe para fazer uma viagem, passei seis meses na Europa e depois tornei a voltar para lá numa outra oportunidade. Porque não pega uma amiga e vai fazer uma viagem de dois meses como mochileira na Europa? Ou pode aproveitar para morar numa outra cidade, aprender um idioma, o que você acha de Barcelona ou Madrid? Milão talvez....



- Sério? Você fez isso?



- Fiz e amei cada segundo. Você poderia pedir ao seu pai mas nem pense em mencionar que a ideia foi minha! Ele vai me matar se souber.



- Pode ficar tranquila. E adorei a ideia.



- Hey! Vocês duas! – Castle apareceu na porta da varanda que dava para a piscina – que horas vão terminar esse banho? Estou morrendo de fome! O almoço já está pronto.



- Já vamos, Castle. Relaxa!



- Ele está preocupado.



- É, aposto que sim.



Rindo, elas recolheram as coisas e entraram. O almoço correu muito bem. Todos conversavam alegremente e riam em harmonia. No meio da refeição, Mary foi oferecer mais suco a Kate.



- Deseja mais um pouco de suco, Srta Nikki?



Castle mordeu os lábios segurando o riso. Kate arregalou os olhos brigando com ele.



- Sim, obrigada Mary. E por favor, me chame de Kate. Nikki é apenas a personagem inspirada em mim.



- Ah, desculpe senhora. É que eu gosto muito da detetive Heat e bem a senhora é a cara dela.



- Eu sei, é porque eu sou ela de verdade.



- Certo, então nesse caso, o Sr. Castle é o Rook? Seu namorado não?



Castle não esperava por aquela e quase engasgou com a comida tendo um ataque de tosse. Foi a vez de Beckett se controlar e responder a moça a sua frente.



- De certa forma na ficção, Rook é uma personagem inspirada em Castle, mas na vida real, a resposta é sim, Castle é o meu namorado.



- Ah... se deu bem hein Sr. Castle!



Com isso ninguém aguentou e caíram na gargalhada. O rosto de Castle estava vermelho.



- É, parece que o feitiço virou contra o feiticeiro. Ou seria quem ri por ultimo, ri melhor Castle?



Ele fez uma careta para ela muito contrariado. Foram para a sala onde Martha acabou sugerindo que vissem um filme antigo. Não partidária da ideia, Alexis disse que ia pegar seu ipad para fazer umas pesquisas. Quando voltou a sala, viu que eles continuavam bem interessados na tela. Concentrou-se em pesquisar sobre a viagem que Kate lhe sugerira.



Mais tarde, ao ver a avó se levantar do sofá já imaginou que iria lembrá-la de que precisavam arrumar as coisas para voltar a New York. Então antecipou-se.



- Vó, estava pensando em ficar mais uns dois dias aqui, tudo bem para você?



- Claro! Voltamos na quarta?



- Combinado.



- Alexis, isso não tem nada a ver com o fato de vigiar seu pai e Kate, tem?



- Não, pelo contrário. Queria passar um tempo mais com Kate, ela me deu umas ideias bem legais. Ela faz bem pro papai, vovó.



E sorriu.



Na sala, Castle abraçava Kate contra seu corpo. Beijando-lhe os cabelos, ele perguntou o que tanto queria a ela.



- O que você conversava tanto com Alexis?



- Papos de mulher... – ela olhou para ele e beijando o queixo dele continuou - A curiosidade matou o gato, Castle.



- Sem graça.



- Que tal tirarmos um cochilo agora?



- Porque eu acho que a última coisa que você quer é dormir?



- Por acaso você lê mentes agora Castle? E sorriu maliciosa para ele.



- Tudo bem, vamos logo porque mais tarde tenho que levar as duas à estação.



Eles se levantaram e viram Martha voltando em direção da sala.



- Mudança de planos, kiddo. Ficaremos até quarta.



- O que?



- Pergunte a sua filha ou a sua namorada... aparentemente ela exerce um fascínio sobre outras pessoas além de você.



Ele olhou intrigado para Beckett que deu de ombros.



- Kate... o que está acontecendo?



- Não tenho ideia, apenas sei que preciso de um “cochilo”... e saiu arrastando-o pela mão.

 
Continua...

5 comentários:

Unknown disse...

UAUUUUUU QUE CAPITULO!!!! Essa fic tem como ficar melhor? estou amando e está me surpreendendo a cada linha lida! Eu recomendo! =)

val disse...

Mas que maravilhoso...perfeito!
Nossa Karen vc tá mesmo mandando ver, Jesus... ficou tudo certinho, vc encaxou coisa com coisa, como vc consegue menina? que cabeção!!!
eu estou maravilhada, nossa dedetive esta toda doméstica oh meu Deus o que o amor não faz.
e aquela cena hot na piscina me lembrou Eve e Roarke no capitulo dois pagina 28 de vingança mortal...na hora me veio a mente e foi muito parecido cara acho que vc deve ter lido, pq foi muito parecido mesmo, não tudo sá algumas coisas...cara como a Kate é parecida com a Eve! jesus pareces que são gêmeas ou coisa assim.
e voltando ao capitulo só posso dizer que quero mais, Setembro tá tão longe... só me resta vc!!
que me transporta para outra dimensão quando leio esses caps.
eu realmente espero que na 5ª temporada tenhamos esses momentos de familia entre o nosso mais novo casal, apesar de eu não ver a Kate assim tão doméstica...mas vai saber o que o Marlowe vai nos aprontar em setembro.
Obrigado pela boa leitura...e já quero mais.

GabiiSanders' disse...

MELLDEUS, qe lindo *-----*
lindo ver o medo de Kate em não ser aceita por Alexis e depois ver a admiração qe Alexis tinha por Kate! Lindo, lindo lindo! Eu realmente queria ver uma conversa entre Kate e Alexis como a qe foi descrita nessa fic. E os momentos família? Incriveis! Tudo se encaixa tãão bem em Castle... Eu quero muito ver nem qe seja um pouquinho disso na 5ª temporada. Enquanto ela não chega,vou continuar me deliciando com essas fics maravilhosas e imaginando ate onde Marlowe vai nos levar na nova etapa de Castle (:

Unknown disse...

Please, não nos deixa sem NC17!!! :-D

Eliane Lucélia disse...

Oi, nossa, como fica difícil comentar depois de muito tempo, pq a continuação já está feita e bem adiantada, qualquer coisa que eu disser vai sair meio tosco, mas enfim, eu gostei desse cap, ainda não está da maneira que eu adoro, mas não posso reclamar, é apenas o 2º cap, gostei de ver a interação familiar, a maneira como Kate e não a detetive, foi recebida pela Martha e Alexis, eu não esperava outra coisa delas. Gostei muito da Kate ter sentido um pouco de receio quanto a possível reação de Alexis, isso mostra ela como uma pessoa normal, que não é tão pretensiosa ao ponto de achar que ela é uma pessoa "magnífica" que não teria problema nenhum, não que ela não seja, mas ela não é uma pessoa arrogante, qualquer mulher normal teria receio, vendo a relação de Castle e Alexis, é a relação entre pai e filha mais linda que já vi até hoje, é uma cumplicidade de encher os olhos, queria muito isso pra mim, enfim, acho que não preciso dizer nada sobre as cenas HOTS, vc sabe que eu adorooo elas. Vou ler os próximos cap, com calma, ok?! bjosss