terça-feira, 8 de novembro de 2016

[Stanathan] Kiss and Don't Tell - Cap.90


Nota da Autora: E novamente teremos nosso mundo da imaginação cor de rosa. O capitulo não está tão grande, porém tem momentos bem interessantes e coração "ri" no final. Não poderia ter feito de outra forma. Desculpe se decepcionarei algumas leitoras... Muito obrigada pelos comentários! Amando cada surto! Você sabe que acertou quando a personagem que você desenvolveu conquistou todo mundo (amo Gigi!). Sobre a linha do tempo, essa fic criou vida e tive que bagunçar um pouco os acontecimentos devido a gravidez então... só sigam o fluxo. Nunca é tarde para lembrar que o maior propósito ao fim da nossa série preferida é usar o cantinho para lembrar deles através de historias sejam Caskett ou SN. Enjoy! 


Cap.90 

Com a descoberta do sexo da criança, a nova etapa na vida de Nathan e Stana era comprar e receber presentes. Gigi veio logo com macaquinhos cor de rosa, mantas com unicórnios e arco-íris. A tia demonstrava ser a maior babona do pedaço. Só perdia para o pai da menina. Nathan começou a olhar sites de decoração, cada dia ele chegava com uma ideia para o quarto do bebê. Esse aliás era o outro dilema que eles estavam enfrentando. Começariam a montar o quarto no cômodo adjacente ao quarto de Anne. Stana teria que andar um pouco, porém nenhum dos dois queria tirar o cantinho da sobrinha. Nos primeiros meses, o bebê ficaria mais tempo dentro do quarto do casal mesmo. Ele até já comprara o berço portátil. Stana o impedira de comprar os moveis. Queria um tempo para pesquisar, escolher a melhor opção.  
Uma noite, eles estavam na cama quando Nathan puxou o assunto. 
- Amor, eu sei que ainda está cedo para tudo o que já estamos preparando da gravidez, você não está incomodada por eu estar comprando as coisas, certo? 
- Claro que não. Temos que ter tudo preparado para quando a nossa garotinha chegar. E não se engane, o tempo passa muito rápido. Semana que vem já faço três meses. Logo ela estará conosco. 
- Por falar em tempo, que tal começarmos a pensar em nomes? Você deve ter alguns em mente, não? Eu tenho, mas quero que seja de comum acordo. 
- Ótimo porque eu não sou a favor de apenas um de nós escolher. 
- Gosto de nomes fortes como Miranda, Brianna, Natalie, Chiara, Georgia, Stella… 
- São bonitos. Descarto Georgia porque é nome de estado e Stella porque vou sempre me lembrar de um bonde chamado desejo. 
- Alguma preferência de letra? Quer nomes com S? 
- Não, eu apenas quero que seja especial. Que tal fazermos assim? Você pensa em nomes, eu penso em nomes e quando fizermos a ultra-som para ver o sexo de verdade, escolhemos? 
- Acho justo - ele beijou os lábios dela, em seguida beijou-lhe o ventre - aguente só mais um pouquinho garotinha. Logo o papai vai conversar com você pelo nome - Stana riu. Ele realmente estava completamente envolvido com a gravidez. 
No dia seguinte, ao confirmar sua agenda, Nathan comentou com a esposa que teria uma semana ocupada, porém não podiam esquecer do Thanksgiving. 
- Eu estava pensando em fazer um jantarzinho aqui em casa somente para nós, Jeff e Gigi. Encomendo um peru porque não terei a chance de assá-lo, fazemos poutine, batatas, torta de abóbora para a sobremesa… nada exagerado, somente para reunirmos nossa família. 
- Tudo bem, o festival é no sábado, podemos comemorar na segunda mesmo. Quer que eu avise, Gigi? 
- Claro. Eu gostaria de ter a Anne conosco, mas não sei como você conseguiria convencer seu irmão. 
- Markus não liga muito para essas comemorações desde que saímos do Canadá. Todos os anos eu e Gigi comemorávamos sozinhas porque ele nunca queria. Eu vou pedir para a minha sobrinha jantar conosco. Será suficiente. 
Na semana seguinte, ambos tinham compromisso. Stana deveria comparecer a estreia de seu mais novo filme “The Rendevous” no sábado que antecedia a comemoração e Nathan tinha a ultima gravação de seu terceiro episódio em Modern Family que tinha seu primeiro episódio indo ao ar na quarta-feira. Era bom manterem-se ocupados. O tempo passava rápido e mostravam que a vida para eles continuava agitada. Por isso, a parada na segunda para comemorar o Thanksgiving era tão importante. Começariam a semana com o pé direito. 
Na segunda-feira, Stana foi buscar a sobrinha para se juntar a eles no jantar. Gigi e Jeff chegaram cedo e o irmão tratou de ajudar Nathan até Stana voltar com a sobrinha. Por volta das sete da noite estavam todos devidamente sentados a mesa para fazer a refeição. Antes de comer, eles decidiram conversar sobre as coisas que deviam agradecer. Nathan foi o primeiro. 
- Quem não conhece minha vida de verdade, talvez pense que esse ano eu não teria motivos para dar graças, afinal depois de oito anos eu fiquei desempregado. Muito pelo contrário, sou grato por tudo que Castle me proporcionou, pela minha esposa, minha família aqui presente e por finalmente ter a chance de ser pai. 
- Eu também tenho muito a agradecer em especial ao meu marido que mesmo nos momentos mais difíceis esteve ao meu lado, lutando para me ajudar e agora nós estamos começando nossa família, eu não podia estar mais feliz. 
- Eu sou grato por ter visitado meu irmão sem avisar, do contrário não seria incluído no segredo e não teria conhecido a minha fantástica Gigi. 
- Oh, Jeff! Tenho que agradecer por você na minha vida, minha irmã e por saber que sempre posso contar com essa família. 
- Ah, Anne quer agradecer pelos tios, as tias e pelo novo bebê da tia Stana. Anne ama muito vocês e espera que no próximo ano ela possa agradecer pelo bebê da tia Gigi - Stana caiu na gargalhada. Jeff também não aguentou devido a cara que Gigi fazia. 
- Anne, o propósito do Thanksgiving é agradecer, não pedir - retrucou Gigi.  
- Eu sei, tia. Foi o que disse que gostaria de agradecer pelo seu bebê, não quer dizer que vai ter bebê - a menina falava com propriedade. 
- Melhor não responder, Gigi. Anne vai ganhar esse argumento fácil, fácil - disse Nathan - vamos comer. Bom apetite.  
O resto do jantar correu bem. Eles sentaram-se para comer a sobremesa na área externa e Stana trouxe balas taffy de maple para encerrarem a noite no clima canadense. 
Na segunda semana do arco de Modern Family com a participação de Nathan, uma coisa ficara bem evidente para a ABC. Ele definitivamente era um chamariz para a audiência. Tanto na semana que ele estreara quanto na subsequente, os índices de audiência de Modern Family subiram consideravelmente, sendo a série mais assistida em seu horário e da emissora na quarta-feira. Em contraste, o horário das dez na segunda continuava a amargar números nada expressivos dando o lugar de melhor audiência para a concorrente NBC. 
Não bastando a reação expressa em números, o twitter continuava a ser um ótimo termômetro quando se tratava de Nathan e Stana. Outra vez, os dois astros roubaram a atenção com seus trabalhos e a conta da ABC recebeu várias visitas dos fãs de Castle provocando as más escolhas da emissora. 
Contudo a maré de azar da emissora não parava por ai. Inexplicavelmente, uma bela tarde, alguém usou a conta oficial da série Castle para tentar promover sua substituta. Nova confusão formada. A repercussão do movimento “tiro que saiu pela culatra”, chegou aos ouvidos do CFO da ABC. Em reunião, ele expôs vários tweets de piadas pelo gesto inclusive usando gifs e fotos de Nathan e Stana para responder ao infeliz tweet gerado. 
- Pode me explicar como isso foi acontecer, Dogley? isso foi ideia sua?  Porque além de ser de extremo mal gosto, prova que nós não estamos nem ai para quem nos assiste. O que não seria uma novidade porque você já deixou claro que o respeito pela audiência não é importante. 
- Não foi ideia minha. Foi de Gary, ele sugeriu e eu achei interessante já que acabamos de ter Nathan Fillion na tela da ABC novamente. 
- E quem é esse Gary? Algum estagiário? Porque está bem claro para mim que ele não sabe o que está fazendo. Que essa seja a ultima vez. Quanto mais tentamos apagar o fiasco que foi o cancelamento de Castle, mais vocês parecem querer mante-lo na mídia. E se preparem porque o PCA vem ai e não me surpreenderia de ver um deles ou os dois atores indicados pelo fandom - olhando de rabo do olho para Dogley, ele deixou a sala de reunião. 
Bufando, ela baixou a cabeça na mesa. Ao que tudo indica, esse fantasma estava longe de para de assombra-la. Ainda tinha mais três semanas com as participações de Nathan e certamente a provocação continuaria. 
- Malditos fanáticos! - Dogley não imaginava que a historia nem começara. 

Duas semanas depois…

Stana estava em casa arrumando as compras que fizera para sua filha. Já tinham tanta coisa que uma mala não era suficiente. De repente, ela sente fome. Ao descer as escadas rumo a cozinha, ela pensa no que poderia comer. Apos passar mais de vinte minutos olhando a geladeira, Stana descobre que não há absolutamente nada ali que seja capaz de saciar sua vontade. Ela queria comer algo, porém não sabia bem o que era. 
Sentou-se no sofá da sala para tentar descobrir o que queria comer. Nathan chegou em casa e a encontrou no mesmo lugar. 
- Oi, amor. O que você está fazendo ai quieta? 
- Eu estou com fome, Nate. 
- E por que não comeu? A geladeira está repleta de frutas, verduras, temos cereais, carnes. 
- Não quero comer qualquer coisa. Eu quero uma torta de abacaxi. 
- Torta de abacaxi? Staninha, não está na época de abacaxi. Duvido que encontre uma cafeteria ou doceira na cidade que tenha a fruta. As casas de bebidas nenhuma tem o suco disponível. 
- Nate, eu quero torta de abacaxi, preciso comer isso. E-eu acho que é desejo… não quero minha filha nascendo com cara de abacaxi. 
- Stana, isso é crendice. Nada disso acontece e…
- Nathan, meu corpo está pedindo por isso, eu não vou sossegar se não comer. 
- Eu não sei onde vou arrumar abacaxi a essa hora. Todas as confeitarias estão fechadas. Talvez o lugar mais certo fosse nas casas de suco atrás da fruta e fazemos a torta. Posso procura-la amanhã? 
- Ou a torta. Eu não sei se irei conseguir dormir… - ela olhava apreensiva para ele. Nathan que nunca experimentara nada disso antes começava a ficar preocupado e agoniado. E se isso influenciasse o andamento da gravidez? 
- Tudo bem. Vamos focar na fruta. 
- Tem um lugar de sucos 24h na praia de Santa Monica - ela disse. 
- Bem lembrado. Vou procurar o telefone deles. 
- Por que não vai até lá? 
- Se ele não tiverem o abacaxi darei uma viagem perdida. 
- Se eles não tiverem abacaxi, você tem que procurar em outro lugar - ele respirou fundo. 
- Tudo bem, Stana, você venceu. Vai começar a saga do abacaxi. Quer me ajudar? Procure online o nome das lojas de sucos e vitaminas além de supermercados que estejam abertos agora à noite. Mande a lista com os endereços para o meu celular. 
Determinado e um pouco assustado, Nathan saiu de casa para procurar o tal abacaxi. Ele foi primeiro ao lugar de Santa Monica. Ao pedir para o gerente por abacaxi, ele explicou que era para algo muito importante sem mencionar a palavra gravidez. O gerente sorriu para o seu cliente e explicou que infelizmente não era época de abacaxi, portanto não poderia ajuda-lo. Ainda enfatizou que acharia muito difícil ele encontrar a fruta em qualquer lugar de LA.
Difícil, sim. Não impossível, pensou Nathan. Recebera a lista de lugares que Stana pesquisara com seus respectivos endereços. Ele visitou um a um praticamente em vão. A resposta de todos era unânime. Não é época de abacaxi. Passava das onze da noite quando ele pensava em voltar para casa. Pegou o celular e discou para a esposa a fim de comunicar sua decisão. 
- Hey… você achou? 
- Não, amor. Não há um abacaxi sequer em toda a Los Angeles. Não serve o em compota? De lata? 
- Não, tem que ser a fruta para fazer a torta. 
- Eu vou voltar para casa. Não tenho mais onde ir e está tarde, amanhã pela manhã procuramos mais, tudo bem? 
- Mas Nate, eu preciso comer… 
- Stana, você duvida que eu procuraria a cidade inteira por esse abacaxi para você? A cidade, o pais, eu iria até o Alasca ou o Havaí para você, mas… - de repente, ele teve um insight - Havaí, é isso. Qualquer pizzaria que tenha uma havaiana em seu cardápio precisa de abacaxi. Muitas usarão a fruta de lata essa época, mas uma boa tradicional italiana não faria isso. Eles devem ter abacaxi. E já sei exatamente onde ir. 
- Então corra, babe. 
Seguindo a nova ideia que tivera, Nathan foi a uma das pizzarias italianas mais tradicionais de Los Angeles. Chegando lá, ele pediu para falar com o gerente. Apos explicar o caso, o responsável pelo estabelecimento achou tudo muito estranho. Para a sorte de Nathan, o dono estava na cozinha naquela noite supervisionando o filho. Assim que o italiano bonachão apareceu, Nathan contou toda a historia outra vez. 
- Sei que parece loucura, mas eu não sei mais o que fazer. Rodei a cidade toda atrás de abacaxi e nada. Você é minha única e ultima esperança. Não sei como vou retornar para a minha casa e explicar a minha esposa grávida que ela não comerá sua torta de abacaxi. 
- É seu primo bambino? 
- Bambina. 
- Ecco. Va benne. Aspetta qui - o italiano desapareceu pela porta vai e vem da cozinha. quando retornou, trazia um abacaxi inteiro nas mãos e uma caixa de pizza na outra - una pizza havaiana para manjare e poi il ananás. 
- Grazie mille! - respondeu Nathan aliviado cumprimentando o dono do restaurante. Saiu apressado para chegar em casa. No caminho, ligou para ela - Staninha, prepare os demais ingredientes para a sua torta porque eu estou chegando com o abacaxi.   
Quando Nathan chegou em casa, encontrou a esposa sentada no balcão da cozinha. Uma faca separada. Ela não ia fazer torta nenhuma comeria o abacaxi puro. Assim que o viu tirou a fruta de suas mãos e tascou um beijo em seus lábios. 
- Você não existe!  
Rapidamente, ela se pôs a cortar o abacaxi. Cinco minutos depois, ela enterrava os dentes na fatia com gosto, o suco da fruta escorria pelos suas mãos, seus braços. Nathan observava a cena, Era prazeroso observa-la e sim, estava ficando excitado com a imagem. Sacudiu a cabeça, ele fizera isso pela sua filha, se recriminara. 
- Quer um pedaço? 
- Tem certeza? Pode comer, Staninha. É o seu desejo. 
- Eu já comi o suficiente - Nathan estava tão absorto em admira-la que não reparou no quanto a esposa comera. Havia apenas três fatias sobre o prato. 
- Você comeu um abacaxi inteiro? 
- É, acho que sim - ela sorriu sem jeito. Ele beijou o rosto dela. 
- Não tem problema, pelo menos nossa filha não nascerá com cara de abacaxi. 

Um mês depois…

Nathan estava viajando para a Georgia por duas semanas para gravar sua participação em Guardioes 2. Stana ficara sozinha e aproveitara para organizar tudo que precisaria para os próximos meses de gravidez, fez uma lista do que faltava para o enxoval e outra do que precisaria levar para o hospital. 
Saiu uma das tardes com Gigi e Anne. A sobrinha ficou empolgada por poder escolher algumas roupas e brinquedos para o quarto de sua prima. Estavam fazendo um lanche antes de deixarem a pequena em casa, quando Anne perguntou. 
- Tia, qual vai ser o nome dela? 
- Ainda não decidimos, docinho. Eu e seu tio temos um acordo, cada qual pensa em possíveis nomes e quando fizermos o ultrassom, escolhemos. 
- A tia tem um preferido? - Stana sorriu, claro que tinha, porém não ia revelar para a sobrinha. 
- Talvez, Anne. Eu prometi para o seu tio que não falaria sobre esse assunto antes de decidirmos. 
- Falando nele, quando volta? - abençoada Gigi por mudar de assunto. 
- Depois de amanhã. Não aguento mais ficar naquela casa sozinha. Estou morrendo de saudades. 
- Posso imaginar, sis.  
Depois de deixarem a sobrinha, Stana convenceu a irmã a passar mais algum tempo com ela. Na sua casa, ela liga a televisão. Sentadas no sofá, conversam e prestam pouca atenção as imagens que passavam. Criando coragem, Stana finalmente falou porque queria um tempo com a irmã. 
- Sis, eu acho que tem alguma coisa errada comigo. 
- Você está falando da gravidez? - Gigi ficou preocupada rapidamente - como assim? Você está sentindo alguma dor? Tonteira? Sangrou? 
- Calma, Gigi. Não estou sentindo nada disso. É meu corpo, ele está reagindo estranho, e-eu ando…ah, droga! Isso é tão embaraçoso… eu tenho ficado excitada de uma hora para outra. Eu me vejo respirando pesado somente de olhar uma foto do Nathan ou… outro dia, vi uma camisa dele sobre a cama, logo que ele viajou. Eu a peguei e cheirei, meu corpo todo se arrepiou. Estou grávida, não posso estar tendo esses pensamentos pervertidos, querendo beija-lo, agarra-lo e fazer sexo… e-eu me toquei no banho outro dia só porque me lembrei da nossa viagem na Dalmatia. Isso não é normal.  
Gigi olhou séria para Stana e desatou a rir. 
- Gigi! Não é engraçado! Eu pareço, eu estou me sentindo uma ninfa! 
- É engraçado,sim. Meu cunhado ficará muito feliz ao voltar para casa e encontrar a esposa fogosa esperando por ele - Stana já fazia cara de poucos amigos - hey, relaxa. Pensei que soubesse dessa fase. Faz parte de toda a gravidez, sis. Por volta do quarto para o quinto mês, a mulher grávida tem um aumento da libido muito além do normal, o que a faz desejar o parceiro muitas vezes e qualquer coisa pode se tornar excitante. Guerra de hormônios mesmo. 
- Como você sabe disso? Você de todas as pessoas? 
- Porque estava com duas grávidas lá no escritório há alguns meses atrás. Elas me contaram e tudo indica que o sexo vale muito a pena e não faz mal algum para o bebê. Deixa a mãe relaxada e mais bem disposta. Nathan vai curtir, mas vai com calma. Vocês já tem esse fogo natural imagina nessa situação? 
- Eu estava me sentindo uma devassa. 
- Não se sinta. É normal. Vou indo nessa, Jeff já deve estar chegando em casa. Tenho pena do meu cunhado quando chegar. Vai ter que rebolar para responder à altura. O que estou dizendo? Ele vai achar que tirou na loteria - Stana revirou os olhos. 
- Pare de dizer essas coisas, ninguém aqui é ligado em sexo 24 horas por dia. 
- Ah, claro que não. Quem não conhece vocês pode se enganar. Essa conversa não cola comigo. 
- E falou a cara da pureza. 
- Não começa, sis - ela se levantou preparando-se para ir embora - Pode matar minha curiosidade sobre outra coisa? Você já escolheu o nome da sua filha, não? 
- Gigi… 
- Não precisa falar qual é, apenas confirme. 
- Sim, eu tenho um nome. 
- Eu sabia que tinha e sou capaz de adivinhar qual é. Boa noite, sis - ela beijou o rosto da irmã e se dirigiu a porta - cuidado com os sonhos eróticos - gargalhou fechando a porta atrás de si.   
Ao chegar em casa, encontrou o namorado preparando o jantar. Beijando-lhe o ombro, ela perguntou se ia demorar cozinhando porque acabara de comer. 
- Ainda demorará um pouco. É uma tentativa de risoto aproveitei uns restos que tinha na geladeira. E adivinha quem perguntou por você, amor? 
- Desde que não seja a tal Linda… - Jeff balançou a cabeça, ela não ia esquecer essa historia nunca. 
- Não, boba. Papai. Bob Fillion se apaixonou por você, Gi. Acho que de longe é a melhor nora que já teve. 
- E quantas ele teve? Até onde eu sei, só a Stana ou você está me escondendo uma ex-mulher, Jeff? 
- Não, Gi. Maneira de falar. 
- E quando isso aconteceu? Você falou com eles? 
- Sim, mamãe ligou. Ele fez questão de pegar o telefone para falar comigo, ficou decepcionado quando disse que você não estava em casa. Rendeu muitos elogios a você. É sério, você os conquistou, amor. Isso só me deixa mais feliz. 
- Verdade? Nossa! E minha competidora é forte. É a Stana. Todo mundo se apaixona por ela. E ainda vai dar a eles a primeira neta. 
- Acho que foi exatamente por isso que a amaram. Porque eles de certa forma já conheciam como Stana é, mas você foi a novidade. Ainda tem dúvidas de que você não pode escapar de mim? - ela riu. 
- Quem disse que quero escapar? 
- É bom mesmo. E como está sua irmã? 
- Morrendo de saudades de seu irmão, Nathan vai ficar feliz ao voltar para casa. Ela está curtindo a gravidez, radiante - a conversa com a irmã rendeu a própria Gigi uma noite muito agradável. Apos satisfazer o corpo e a mente, ela estava deitada abraçada a Jeff. 
- Por que você estava tão animada hoje, Gi? - nenhuma resposta - Gi? Hey… está longe. Que carinha é essa? 
- Estava pensando na Stana. Ela está tão linda grávida, o jeito dela falar, o brilho no olhar e louca para ver o marido. Ela pensa que me engana. Conheço-a muito bem. Não quer dizer o nome que escolheu para a minha afilhada, como se eu não soubesse. 
- Gi, você está empolgada com a gravidez da sua irmã, está querendo me dizer que está pensando em engravidar? - ela fitou-o na mesma hora. 
- Do que você está falando? Que mania de pular etapas você tem, Jeff - ele riu - por que todo mundo quer me engravidar? Anne, você, seu pai. 
- Oh! Apaga essa imagem da minha mente. 
- Jeff! Você entendeu! 
- Isso quer dizer que teremos que casar primeiro? Fazer tudo à moda antiga? 
- Nem tudo, moramos juntos, esqueceu? E não sou nenhuma virgem - ele gargalhou. 
- Agradeço muito por isso. Está bem longe disso - ela beliscou o braço dele - ai! Falando sério, Gigi. O próximo passo é casar? 
- Seria o mais lógico a fazer, gosto de deixar a opção em aberto. 
- Em outras palavras, você vai me enrolar? 
- Não disse isso, seu bobo - ela sorriu e beijou-lhe rapidamente os lábios - eu amo você, estamos juntos todos os dias. Só não precisamos apressar as coisas, está tão bom assim. Eu, você…essa cama...
- Sei… - pensativo, Jeff começava a decifrar o mistério chamado Gigi. Sorriu. Ela podia pensar que o enganava, deixaria sua amada viver nessa ilusão por algum tempo.  
- Jeff? 
- Hum? 
- Você não me disse que me ama de volta. 
- Precisa? - ela se levantou sentando-se na cama. O olhar dizia tudo. Ele riu - o que era mesmo que devia dizer? Quero você? Ah…não, eram três palavrinhas, esqueci… - ele se ergueu. Puxou o pescoço dela fingindo que iria beija-la, porém seus lábios foram direto ao ouvido dela, mordiscou o lóbulo sugando-o sensualmente fazendo Gigi gemer - eu te amo, Gi - a outra mão de Jeff já acariciava-lhe o seio. Os lábios encontraram-se e ele a trouxe consigo de volta para cama. Não havia limites para o que viria em seguida. 

XXXXXXXX

Stana estava animada com a volta do marido. Nathan mandara uma mensagem assim que pegara a ultima conexão. Estaria em casa em duas horas, bem na hora do jantar. Então, ela tratou de preparar uma refeição para o marido. Sabia que ele deveria chegar cansado e ainda sob a influencia do fuso, mas estava ansiosa para vê-lo. 
Passava das sete horas quando Nathan surgiu pela porta. Encontrou-a no sofá com uma calça de pijama e um suéter. Tinha um livro de maternidade nas mãos. Ele se inclinou beijando-lhe o pescoço, rapidamente, ela puxou o marido virando o rosto para beijar-lhe os lábios. 
- Olá, Staninha… 
- Você voltou… - ela se levantou do sofá ficando de frente para ele colando seu corpo, tornou a beija-lo apaixonadamente, o próprio corpo se inclinando querendo não se separar. Ela quebrou o beijo e começou a depositar vários beijinhos no rosto, no queixo e de novo nos lábios. Sorria. 
- Alguém sentiu minha falta. Como você está, amor? 
- Como você acha? Morrendo de saudades de você. Foi tudo bem nas gravações?  
- Sim, tudo certo. Apenas muito cansativo. Eu preciso de banho e cama. 
- Fiz jantar para você, imaginei que mesmo cansado ia querer fazer uma refeição decente. Sei como são as comidas de avião. 
- Nem me fala. Vou adorar jantar com você. 
- Não é nada demais. Rosbife e purê de batatas e tem sorvete de chocolate se quiser de sobremesa. 
- Oh, meu Deus! Eu não mereço essa esposa… - ele beijou rapidamente os lábios, em seguida se abaixou e beijou o ventre dela - você também sentiu minha falta, filha? Ajudou a mamãe na cozinha? - Stana ria. Adorava esse jeito carinhoso que ele falava com a bebê deles. 
- Vamos comer, papai.   
Após o jantar delicioso, ele agradeceu-a outra vez e disse que ia tomar um banho. Stana se segurou para não segui-lo. Queria muito agarra-lo. Muito. Concentrou-se em organizar a cozinha. Precisava dar um tempo para ele. Ao retornar ao quarto, encontrou-o enrolado na toalha, os cabelos ainda molhados fazendo a barba. Não podia resistir. Entrou no banheiro já jogando o suéter no chão, a mão foi direto na toalha puxando-a. 
- O que você está pensando nessa sua cabecinha, hum? 
- Quero você… - ele a puxou contra seu corpo, ela segurou o rosto dele com as duas mãos, sorveu os lábios com um desejo inexplicável. Ele deslizou as mãos baixando o pijama que ela usava levando a calcinha junto. Então, suspendeu-a colocando sobre a pia do banheiro. Sorveu os seios um a um. A urgência que se acometia dela era grande demais para esperar preliminares - por favor, Nate… quero você dentro de mim - apenas por fitar seus olhos, ele sabia que ela precisava disso. Não negaria nada a ela. Beijou-a mais uma vez e deslizou dentro dela. Stana acariciava o peito dele, mordiscava seu ombro e o abraçava enquanto sentia-o movendo-se dentro de si.     
O desejo era mais forte que ela. Dominava-a, arrepiava-lhe a pele e a fazia gemer ao sentir o êxtase a tomar, apertando o bumbum dele, ela se permitiu sentir, apenas sentir. Somente quando seu coração se acalmou foi que ela tornou a fita-lo. Sorria. 
- Seja bem-vindo, Nate. 
- Uma bela recepção devo reconhecer - ele desceu-a da pia. Ela beijou-lhe o ombro e disse que ia tomar uma ducha rápida. Ele esperou que ela terminasse para também tomar outro banho. 
Deitados na cama, ele acariciava o cabelo dela. 
- O que você fez na minha ausência? 
- Organizei algumas coisas, fiz compras com Gigi, mas não tinha muito com o que me ocupar.Pesquisei os moveis para o quarto da nossa filha. Li alguns roteiros também. 
- Mas logo não poderá gravar mais nada, amor. 
- Eu sei, só precisava me ocupar. Não gosto de ficar sozinha, sem fazer nada. 
- Deixa essa pequena chegar, não teremos tempos para nada - ele beijou o ombro dela. Nathan acariciava o braço dela. Stana se virou para fita-lo, mas foi ele quem se moveu até ter o rosto na direção da barriga dela, levantou a camiseta que usava e beijou o ventre - está dormindo, bebê? Ou quer ouvir uma historia? 
- Nathan, achei que estava cansado… 
- Estou, mas quero conversar com a minha filha. 
- É? O que quer conversar com ela? 
- Quero dizer que senti saudades, que eu a amo, assim como a mãe dela e espero que ela tenha os seus olhos. 
- Ah, sinto muito, babe. Nós já tivemos essa conversa antes. Terá os olhos de seu pai. Azuis, intensos, profundos, hipnotizantes como o mar. Não posso abrir mão disso - ele sorriu.
- Parece que sou voto vencido, bebê. 
- Vamos dormir, Nate - eles se aconchegaram e adormeceram. 
Por volta das três da manhã, ela acorda respirando com dificuldade. Acabara de sonhar com Nathan. Um daqueles sonhos. Olhando para o lado, viu que ele dormia tranquilo. Sorrateiramente, ela deslizava como uma gata na direção dele, as mãos procuravam por aquilo que era seu objeto de desejo. Deitou-se sobre o corpo de Nathan e começou a beijar-lhe o peito, levantou a camisa que usava, os lábios em contato com a pele quente. Ela já estava sobre ele quando abriu os olhos. 
- Amor? 
- Hey… - ela se debruçou para beija-lo. 
- Você está… 
- Preciso de você, de novo - apertou-lhe o membro, não precisava fazer muito esforço, ele estava bem animado. Não pensou, apenas deixou que ela tivesse seu momento de prazer. E se perdeu com ela.  
  Pela manhã, quando tomavam café, ele decidiu perguntar o que estava acontecendo com ela. Afinal, desde que chegara ela não parecia querer solta-lo. Mesmo preparando o café, ela dava um jeito de beija-lo, toca-lo, esfregar-se nele. 
- Não que eu esteja reclamando de estar com todo esse fogo, mas achei que era saudades, estou vendo que é bem mais que isso - ela riu. 
- Não consigo me controlar, é mais forte que eu, Nate. É um desejo que me toma quando te vejo, uma loucura, são hormônios… tudo me faz pensar em agarrar você. Por mim, nem andava de roupa em casa. 
- Oh, nesse nível? 
- Sim… - ela se aproximou dele abraçando-o e beliscando o bumbum - pareço uma ninfa, mas é normal. É fase. E-eu só desejo você. Demais. 
- Isso é muito interessante… quanto tempo isso dura? 
- Entre o quarto e quinto mês, depois desaparece ou volta ao normal. 
- Qualquer coisa te faz querer? 
- Sim - ela enrubesceu - quando você estava viajando somente de cheirar uma blusa sua, meu corpo todo se arrepiava. Uma foto me deixava excitada e uma lembrança me fez… você sabe… 
- Melhor aproveitarmos então… depois terminamos o café - e puxou-a de volta para o quarto. 
O momento de excesso de desejo rendeu bons dias. Nathan não podia reclamar da vontade de sua esposa. Estava mais perto do dia da ultrassom na qual confirmariam o sexo do bebê, claro que ambos não tinham dúvidas de que era uma menina, apenas estavam ansiosos por ver a filha uma primeira vez. Ele não tornara a comentar sobre as escolhas dos nomes, tinha algumas opções, porém diante de tudo que eles passaram até chegar ali, Nathan pensava muito sobre o assunto quando estava na Georgia. Ele tinha um preferido e imaginava que ela também. No fim, seria de Stana a escolha final. 

Consultorio Ginecologico 

Eles chegaram na hora marcada. A médica já os aguardava na sala de ultrassom. Ambos eram somente sorrisos. Orientada pela enfermeira, Stana abriu a calça que usava descendo-a até o inicio da calcinha. Ergueu a blusa expondo trocou o ventre. Deitou-se na cama com Nathan de pé ao seu lado. A médica a cumprimentou, perguntou como estava sua saúde, se havia experimentado algum problema nas ultimas semanas. Stana confirmou que estava tudo muito bem. 
- Então, chegou a hora de ver sua garotinha pela primeira vez, mesmo ainda não estando no quinto mês é possível ver o sexo dependerá da posição dela, assumindo que o exame de secagem fetal estava correto. 
- Tem chance de não está, doutora? - perguntou Nathan. 
- É, muito raro. Acontece. 
- Não conosco - a médica sorriu lambuzando o gel no ventre de Stana para começar o exame. De olho na tela, ela checava as informações, tamanho, peso, formação de órgãos, corpo. Tudo estava perfeito.  
- Seu bebê está muito bem, perfeito. Não há nada com que se preocupar e estava certo, Nathan, vê isso aqui, essa área? Vocês terão uma menininha, parabéns - Nathan que já olhava fascinado para cada ponto do corpinho da sua filha, segurando-se para não sucumbir as emoções, não podia mais se segurar. As lágrimas escapam dos olhos azuis. Levou a mão dela aos lábios. 
- Nossa menininha, Stana - ela tinha um sorriso bobo nos lábios emocionada por ver o quanto ele estava feliz. Era a realização de um sonho esperado e desejado há muito tempo pelos dois. 
- Sim, nossa família - a médica já tinha saído da sala. O momento era apenas deles, o coraçãozinho da pequena batendo forte - eu te amo tanto, Nate. 
- Eu te amo mais. Obrigado por me fazer o homem mais feliz do mundo. 
- Somos os dois, amor - ela o beijou com paixão, sentindo a mão dele sobre o seu ventre. Enxugou as lágrimas e de repente estavam a gargalhar. Era mais uma cena memorável da nova fase de suas vidas. 
Naquela noite ao deitarem na cama, Nathan checava as mensagens de seu celular. Stana lia sobre o quinto mês de gravidez mesmo restando duas semanas para chegar lá. Ele deixou o aparelho na cabeceira da cama e virou-se para fita-la. Sorria admirando a concentração da esposa. Ele esticou a mão para acariciar seu braço chamando sua atenção. Ela sorriu de volta e fechou o livro. 
- Como você se sente? 
- Extremamente feliz - ela respondeu se aconchegando ao ombro dele, Nathan a abraçou - quase cinco meses. Como pode passar tão depressa? 
- E ao mesmo tempo tão devagar. Mal posso esperar para tê-la em meus braços, Staninha, 
- Eu sei - suspirou. 
- Amor? Acho que está na hora de escolhermos o nome da nossa menina. Foi o que combinamos não? - ela apenas o fitava - eu confesso que pensei bastante, tenho alguns que considerei mais especiais que outros e cheguei a três. Só que não é suficiente. 
- Você quer escolher entre mais? 
- Não, na verdade, independente de saber o que você tem em mente, acredito que a escolha tem que ser sua. 
- Minha? Não, Nathan. Nós combinamos. Ambos temos que gostar do nome que escolheremos. Eu também sei o quanto isso é importante para você. 
- Quantos nomes você chegou? - ela desconversou. 
- Quais são os seus? 
- Você não respondeu a minha pergunta - viu ela desviar o olhar - tudo bem, vou dizer dois dos meus. Pensei em Brianna, é um nome forte, bonito e lembra o seu Stana. Elizabeth foi o outro nome forte, de rainha e podemos chama-la de Lizzie. Sua vez - ela ficou calada por um tempo, fechou os olhos sorriu. 
- Nate, e-eu… adorei as suas escolhas de verdade, e-eu somente tenho um nome. 
- Só um, sei… 
- Você não parece surpreso. 
- Acho que pensamos no mesmo nome, amor. Eu não fui totalmente sincero. Sim, os nomes que falei são bonitos, porém não são ideais para nossa menina. Diga, vá em frente - ele sorria. Ela suspirou. 
- Katherine. Eu quero que ela se chame Katherine - ele abriu um sorriso. Beijou-lhe os lábios e inclinou-se na direção dela, deitado na cama tocando o ventre de Stana que já despontava, falou. 
- Olá, Katherine. É o papai. Seja bem-vinda a família Katic-Fillion. Sua mãe e eu não vemos a hora de segura-la em nossos braços. Oh, minha pequena Katie. Se você tiver a metade da força da sua mãe e daquela que lhe deu o nome, você será extraordinária. Seu nome é muito especial. Um dia eu conto para você a história de Kate Beckett - ele fitou a esposa, Stana chorava copiosamente - esse era o meu nome também, Staninha. Os outros eram um plano B, mas apenas formalidades. Katherine será. Boa noite, Katie - ela sentiu a esposa puxando-o pela camisa e beijando-o. 
- Como eu já disse antes, você não existe, Nate. 

Continua...

10 comentários:

cleotavares disse...

OMG! OMG! Como eu pensei no meio do capítulo. Katherine! Não podia ser diferente, que linda homenagem ao personagem que mudou a vida dela.
E a Gigi, não tem como não comentar sobre ela, vai babar tanto essa afilhada que vai querer um bebê também.

cleotavares disse...

Esqueci de comentar sobre o desejo. Abacaxi, Stana, você acha que está no Brasil? hahahaha

Priscila Barros disse...

OMG!!!!!!! Não tem como segurar o surto com esse capítulo!!!!!!
Já começa com ~unicórnios~ no meio, ai como a titia Gigi me representou ❤️❤️❤️ essa menininha vai ser mimada ao nível máximo, já to amando!!!
huahauhauahuahauhauahu, já começo rindo porque não me contenho com todo mundo apertando a coitada da Gigi por um bebê, nem a Anne deixou ela em paz kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk. Amo tanto esses momentos em família, sempre rendem boas risadas ❤️
A zinha da ABC fazendo merda como sempre, nossa, ela não cansa de tomar patada não?? Ta se ferrando bonito huahauahuahuahauhaua
E esse desejo da Staninha??!! Abacaxi, meu Deus, huahauhauahuahauhauahuahauahua. Amei ver o Nate todo louco, preocupado em achar o bendito abacaxi fora da época só pra satisfazer o desejo da esposa ❤️❤️ ele é tão fofo ❤️❤️❤️❤️❤️
A Staninha fogosa foi uma diversão ahuahauahuahauhauhauahuahuahua, e a Gigi sabendo da informação para acalmar a irmã foi melhor ainda huahuahauhauahua!
AGORA, A ESCOLHA DO NOME.... EU TO TÃO BOBA COM TODA ESSA FOFURA QUE NEM SEI O QUE FALAR. MEU DEUS! A pequena Katherine, ai quanto amor, eu to tão abobalhada que só olho pro nome e da vontade de chorar. Amei, amei, amei, amei, mil vezes amei ❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️
Obrigada mais uma vez, Kah, você é incrível! ❤️

Vanessa Belarmino disse...

Como faz para dar um beijo na Anne? Já tá querendo agradecer ao baby da tia Gigi 😂😂😂 Gargalhei aqui! Nós amamos Gigi e tb amamos Anne😍😍😍
A saga do abacaxi foi ótima! Nate todo bobo e minha bichinha tb... Vai ser uma ótima dinda... E toda entendida nos paranauês dos hormônios...
Adoro hormônios. Como se nosso casal precisasse 😂😂😂😂
Eu não aguento essas cenas Giff! Louca para o próximo passo! 😍😍😍
Desconfiei do nome depois da dica da Gi... Own, Kate! ❤❤❤❤
Que Fofura! Perfeito!
Kah, suas fics são viciantes, a gente acaba de ler e já quer o próximo...

Maytê disse...

Como ninguém descobriu ainda da gravidez dela ainda? A imprensa...

marta santos disse...

Surtando, querendo sair dançando e cantando , ain Kah 😍😍😍😍😍, vou tentar comentar e não fazer do meu comentário um livro , pq to feliz !!! Vamos lá do início ( qurendo ir pro final ... vou me conter ) Sobre Gi ser uma tia babona isso ja era de se esperar, claro , pq Gigi é uma fofa e sobre os unicórnios ( sem estrutura 😍😍) e os arco -iris zo consigo lembrar da Aninha kkkkk , sobre o Nate estrapolar comprando as coisas pra pequena ja era de se esperar , uma pai babão , tão lindinho . Sobre a Anne querendo ja agradecer pelo Baby da tia Gigi , nao tem preço essa pequena me orgulha ( vontade de colocar no potinho e levar pra mim 😍😍😍) Amo , amo , amo e que a nossa pequena que está vindo , quando crescer seja igual a Anne ( um pouco pior 😈). Sobre a Staninha está tendo pensamentos pervertidos so de cheirar a camisa do Nate , mesmo que seja por causa dos hormônios ( bem precisa disso , aquele homem é uma loucura ... omg😍 , ela contando isso pra Gigi fou melhor kkkkk tadinha se sentindo devassa, toda constrangida ( não sei a quem ela está tentando enganar , é um furacão ) . Sobre a Gigi comentar da linda kkkl , ela realmete nunca vai esquecer. Achei tão bonitinho quando ela questiona ele sobre nao ter dito que a ama tbm 💙💙💙 sou trouxa Morro de amor por Giff ... Sobre a ABC , so tenho uma coisa a dizer ...sinto muito ( mentira sinto nada , acho é pouco ) !!! Sobre o desejo da Stana , coitado do Nate , o aue um homem perdidamente apaixindado nao faz por sua mulher ... lindoooo 💙E chegou na Parte do nome TEM UM OLHO NA MINHA LÁGRIMA ,OMG😢😢😢😍😍😍😍😍 SEM ESTRUTURA PARA ISSO , EU ATÉ IMAGINEI SER ESSE O NOME E DEPOIS PENSEI ACHO QUE NÃO ... MAS EU PARTICULAMENTE ACHO QUE NÃO PODERI SER OUTRO . NOSSA PEQUENA KATHARINE , NOSSA KATIE 😢😢😍😍😍 , ESSE NOME REPRESENTA TANTO PRA MIM , A HISTÓRIA, A CORAGEM , A GARRA , A FORÇA E A DETERMINAÇÃO . CAIU COMO LUVA PRA NOSSA PRIMCESA . 💙💙💙💙 KAH EU TE AMO , OBRIGADA POR SN , OBRIGADA , OBRIGADA E OBRIGADA... NINGUÉM NUNCA VAI ESQUECER SN COMO VOCÊ ,JAMAIS . VOCÊ TEM UMA ESCRITA ÚNICA .


ALWAYS

MAH😘😘😘💙💙💙💙

Silma disse...

Mano que capítulo foi esse???É impressionante a sua capacidade de se superar a cada novo capítulo!
O que agradecer por esse ano?Bastante coisa né minhas denguices.
Foi um ano bastante intenso e recheado de emoções,umas absurdamente BOAS e outras altamente desnecessárias de ser vividas mas primordiais para o nosso crescimento!!!Querendo apertar a Anne,que menina esperta meu dels.Gigi sinto lhe informar que contra fatos não há argumentos!Anne melhor serumaninho cara!
Eu rachei de rir com a saga do "abacaxi" 😂🍍mulher não tinha uma coisa mais perto e acessível de se querer não?😂Tio Nathan coitado se desdobrou pra conseguir o bendito do abacaxi 🍍Desejo é desejo,não quero minha "sobrinha postiça" nascendo com cara de 😂🍍 não!!!
O que falar de "Linda" né Gigi 😂✋🏽definitivamente jamais esqueceremos.Giff quanto amor gente 😍 Cada hora Gigi solta uma que pra mim é uma vontade sim,de levar as coisas pra outro patamar.Um ou dois passos quem sabe.
"Estava pensando na Stana.Ela está tão linda grávida,o jeito dela falar,o brilho no olhar" tá com vontade de ficar também dona Gigi 😎"Do que você está falando?Que mania de pular etapas você tem" 😂 é o desejo de vê você tomando umas decisões aí Gigi!
Se eu tive um infarto quando ela exigiu que ele falasse "Eu te amo" MAIS É CLARO meu Brasil!"Puxou o pescoço dela fingindo que iria beija-la,porém seus lábios foram direto ao ouvido dela,mordiscou o lóbulo sugando-o sensualmente fazendo Gigi gemer - eu te amo,Gi" isso não é coisa que você faça dona Karen 😩😍
Minha nossa das leitoras atrás de cenas quentes quase morri de rir quando a Stana começou a falar do súbito fogo que tava consumindo ela 😏 Essa conversa não poderia ter sido com outra pessoa tinha que ser com a Gigi,a furação número 2 🔥!!!
"Eu tenho ficado excitada de uma hora para outra.Eu me vejo respirando pesado somente de olhar uma foto do Nathan ou...outro dia,vi uma camisa dele sobre a cama,logo que ele viajou.Eu a peguei e cheirei,meu corpo todo se arrepiou" sei dona Stana 😏toda excitada hein 😏os hormônios estão gritando sexo!!!!Não é pq você tá grávida que não vai ter sua dose de endorfina 👌🏽😎
"Estou grávida,não posso estar tendo esses pensamentos pervertidos,querendo beija-lo,agarra-lo e fazer sexo" miga não só pode como deve,esses pensamentos pervetidos são essenciais 😏 escute sua irmã que sabe mais,bem mais 😂👌🏽
"Gigi!Não é engraçado!Eu pareço,eu estou me sentindo uma ninfa" Gigi rindo da cara de pau da irmã é a melhor 😂miga quem tu quer enganar,tu é uma ninfa MERMO cara!!!!
"Meu cunhado ficará muito feliz ao voltar para casa e encontrar a esposa fogosa esperando por ele" ô se vai 😌 ele ficou pensando mil e uma coisa só de vê ela comendo abacaxi agora imagina só o incêndio que vai ser quando ele vê ela toda fogosa 😏. "Nathan vai curtir,mas vai com calma.Vocês já tem esse fogo natural imagina nessa situação" alerta vermelho pra esses dois hein! 🔥
"Eu estava me sentindo uma devassa" ô mô dels minha devassa mais linda do mundo todo 😍 fica com vergonha não mozona.
Pirei lendo cara👌🏽!Eu sou tão fácil de ser comprada Karen 😎
O que falar do nome Katherine? 😍Como não se emocionar?A história vem toda na cabeça 😪.Nome lindo e único.Nome esse que carrega um história forte e linda!!!
Como você brinca com nóis desse jeito dona Karen?????

Silma disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Silma disse...

•••••Tive que dividir o comentário pq saiu um pouquinho grande 😁😂😂😜
A fic já tá na reta final e o coração já começa a se entristecer!Tivemos uma longa viagem até aqui e devo comentar que foi espetacularmente maravilhosa.Por se tratar de uma fic ( e infelizmente não ser real 😪) devo acrescentar um pouco mais que levei um pouquinho "desse mundinho" pro "mundão real".Se não fizesse tal ato não seria eu 😂☺️.Sempre gosto de comentar o quanto eu amei ter encontrado essa fic,você entra no mundo Stanathan de cabeça e vou falar uma coisa,amo issoooooooooo em você!Aqui é Stanathan até não ter raciocínio lógico minha gente!!!A jornada até aqui já tá se concluindo e ficamos (Eu mais ainda) extremamente viciantes e dependentes de tudo que foi vivido aqui.Hoje o comentário tá com um pouquinho de despedida que é pra vê se vou me acostumando com a ideia da aproximação do fim!!!Sou muito grata por você disponibilizar um pouquinho do seu tempo pra escrever essas coisas tão gostas e maravilhosas de se lê.Você arrasa menina!Somos agraciadas pelo seu dom!!!📝
Obrigada por dividir com o mundo ☺️

{Um beijo e grande abraço de quem é agradecida por você ter criado o furação e a larva de fogo que é Stanathan ❤️🔥❤️}

Pâmela Bueno disse...

aiiiii olha, eu to extremamente feliz com esse cap muito fofo! não sei nem por onde começar a falar depois de tudo que já comentaram aqui, bom... AMEI ela com desejo de abacaxi e kkkk AMEI esse fogo dela né, agora confesso que sinto falta de um draminha básico, tipo ela podia ter um sangramento, algo assim, mais apenas como um susto pelo amor einh!!! Agora e esse nomeeeeeeeeeeeee sem palavras, que vou confessar que nem imaginava hahahah amei amei! Sempre que os capítulos acabam eu fico tipo, cabo mesmo? quero maissssss