domingo, 27 de novembro de 2016

[Stanathan] Kiss and Don't Tell - Cap.92


Nota da Autora: Primeiramente, obrigada pelos comentários do ultimo capitulo, amo os surtos de vocês com Giff e posso garantir que vem mais por ai. Fico extremamente feliz de ver que estou conseguindo cumprir com o meu papel de escritora. Tenho algumas ressalvas sobre esse e os próximos capítulos. Todos sabem que nosso casal já passou por maus bocados ao longo dessa fic, mas sempre há espaço para uma pequena tensão, não? O mesmo vale para o outro casal...aguardem! Nada que vá deixa-las com raiva de mim (assim espero!). Quanto a esse capitulo, tem duas criações próprias que eu tenho que dizer: todos os direitos da autora reservados, por favor! E sorry! Se eu traduzisse um deles perderia o sentido.  Tem SN, Giff, Anne.... um pouco de tudo e chegamos ao natal! Logo, vocês passarão a ver outras participações especiais. E como havia comentado antes, é oficial, quebrarei a barreira dos 100... Não queiram matar a escritora pelo tbc...ou o capitulo ficaria muito gigante! Enjoy! 


Cap.92

Nathan tinha aproveitado um dia de folga para organizar algumas promoções e agenda para Con Man. Stana dissera que estava trabalhando no seu roteiro, ela parecia determinada o que o deixava aliviado. Era bom se ocupar com algo além da gravidez.  
Ele estava ficando com fome, por isso decidiu procurá-la para decidirem o que fariam de almoço. Ao chegar na sala, estranhou que o notebook estava aberto, o bloco de anotações sobre mesa, um grafite sobre ele e nem sinal dela. Deu uma olhada rápida para a cozinha, nada.  
— Stana? Cadê você? Amor... 
— Já vou... - curioso, ele começou a ler as anotações dela. Mas o texto na página amarela não era um roteiro ou um diálogo, era algo bem mais especial.  

“You'll get your father's eyes 
A blue so intense as clear skies 
You'll be strong and yet delicate 
You'll be my little Kate 
You'll come to us  
Quietly, unannounced  
And change our lives forever  
I’ve loved you since day one 
I love being your mom 
You don't know me yet but I'll tell  
We’ll buy you books, toys, 
fill your life with laugh and joy 
There will be stories, tales of adventure, love and glory 
You'll grow and become the greatest woman I've ever met 
As for me, I don't ask for anything  
Because Kate, you already are my everything”.  

Nathan ficou boquiaberto diante da descoberta. Ela escrevera um poema para a filha. Em seu peito, sentia o coração bater apressado. Não esperava se deparar com uma demonstração de amor tão linda ao remexer nos papeis dela. 
— O que foi? - ela se aproximava dele para saber porque estava lhe chamando - está com fome? - Nathan a fitou, ela percebeu que havia algo no ar - Nate? 
— É lindo… o que você escreveu para ela. É lindo - ele a puxou pela mão e colocou-a em seu colo - como você consegue? 
— Eu escrevi sobre você, não? Hey, Blue Eyes… 
— Vai transformar isso em canção também?
— Não, é apenas um bando de versos em rima pobre, não pode ser chamado de poema - ela sorriu, Nathan beijou-lhe os lábios com carinho. 
— Não, isso é uma declaração de amor a nossa filha, portanto você tem duas opções: pode me dar essa folha agora ou pode escrever do próprio punho em outra folha, de qualquer jeito eu irei emoldura-lo e colocar no quarto de Kate. 
— Babe, não precisa e… 
— Não adianta discutir. Katherine precisa saber que sua mãe é uma artista e que a ama tanto para ser capaz de escrever um poema para ela. Decida e me informe, agora vamos cuidar do almoço e enquanto comemos quero que me fale sobre a quantas anda sua série. 
— Tudo bem.   
Eles cozinharam, colocaram a mesa e sentaram-se para almoçar. Stana comentava sobre o que escrevera, seu ponto de vista e alguns detalhes que precisavam ser apurados, desenvolvidos. Nathan gostou do que ela imaginara e inclusive ajudou dando algumas sugestões que ela acatou. De repente, ela fitou o prato. Calou-se. 
— O que foi, amor? 
— Não lhe parece muito clichê, Nate? Chicago, anos 40 e 50. Uma agente do FBI exemplar com o maior numero de casos bem sucedidos, enfrenta o sistema judicial na calada da noite para prender bandidos que o próprio bureau não consegue devido a burocracia, como uma vigilante. Ela é solitária, considerada a ovelha negra da família porque foi capaz de prender e depor contra o próprio irmão, um chefe da máfia dos anos 40, destruindo a familia. Tudo ia bem, até ter sua identidade ameaçada pelo filho do maior mafioso de Chicago a expor seu segredo a menos que ela se junte a ele nos negócios. A agente conhece o outro lado do crime e acaba percebendo que no mundo da mafia nada é preto no branco se questionando sobre a decisão que tomara anteriormente e destruíra sua familia. Se colocando em uma encruzilhada teria que escolher entre a justiça e a vida de crime. Em meio a tudo isso, ela estava se apaixonando pelo inimigo. 
— Stana, clichês vendem. Além do mais, somente o fato de você exaltar o período da máfia em Chicago já traz um apelo diferente para a proposta. Uma serie com mistério, assassinato, investigação e brigas de família. Claro que vende! Sem contar a personagem principal, uma mulher forte, decidida. Você poderia inclusive interpreta-la se quisesse. Se nenhum canal se interessar, o que acho muito pouco provável, eu sugiro fazermos nós mesmos.  
— Você financiaria a minha série? 
— Por que não? Podemos conversar com Chad e Dara podem escrever os scripts. Mas isso é o plano B, que na minha opinião não precisaremos. A história vai chamar a atenção dos estúdios porque é uma maneira diferente de ver o crime drama de hoje. 
— Eu quero conversar um pouco mais com Marlowe e Terri. Pegar algumas dicas antes de finalizar a proposta. 
— Sim, faça isso. E não esquece do poema, quero emoldura-lo logo. 
Três dias depois, a agente de Stana telefona para o seu celular. Explica que foi contatada por um executivo de programação do canal a cabo AXN querendo conversar com a atriz para fazer uma proposta. A principio surpresa, Stana aceita a reunião para o dia seguinte. Assim que desligou o celular, preparou um café e foi atrás de Nathan na sala de video. 
Ele estava avaliando o ultimo episódio filmado de Con Man para verificar o que precisava ser editado ou refilmado. Stana chegou e sentou-se ao lado dele entregando-lhe a caneca. 
— Obrigado, amor. Como isso dá trabalho - ele deu pausa na imagem e sorveu um longo gole de café - você não tomou o cafe, certo? Não vale trapacear, Staninha. Sö uma caneca por dia. 
— Não tomei, bobo. Sei obedecer regras - ele sorriu - Nate, quero te contar uma coisa. 
— O que foi? Está se sentindo bem? É alguma coisa com Katherine? - a preocupação visível em seu rosto. 
— Não, babe. Está tudo bem com Katherine. É sobre mim. Acabei de receber um telefonema da minha agente. Um canal a cabo contatou a agência querendo marcar uma reunião comigo. Parece que eles tem uma proposta. 
— Amor, isso é fantastico! 
— Eu não sei, eu fiquei empolgada com o da Lifetime e nenhum plot me agradou. 
— Hey, você sabe que essas coisas demoram. Quantos testes, roteiros, você fez ou leu antes de Castle? É um trabalho de formiguinha. Quando é a reunião? 
— Amanhã. O quanto antes, melhor para não levantar suspeitas quanto a gravidez. 
— Sim, mas lembre-se, eles a chamaram portanto tudo é negociável. 
— É, veremos.  
Nathan estava ansioso em casa. Fazia mais de quatro horas que Stana saíra para a tal reunião e ainda não voltara. Ele não queria ligar com medo de atrapalha-la ou parecer nervoso, a verdade era que estava preocupado. Essa podia ser uma ótima oportunidade para ela e não gostaria de ver sua esposa desperdiçando-a por conta do passado. Esperava sinceramente que ela não se apegasse em desculpas bobas para evitar o trabalho. Deus! Ele sequer sabia do que se tratava e já estava fazendo planos. 
Também não queria que ela desistisse de sua carreira e nem da nova serie que estava escrevendo, talvez tivesse espaço para as duas coisas. Ouviu um barulho na garagem. Ela estava de volta. 
Stana chega em casa com uma sacola de uma confeitaria. Vinha tomando um suco verde. 
— Oi, babe. Trouxe uns brioches e croissant com amêndoas e chocolate para você. Já lanchou algo? Estava com fome. Não imaginei que ia demorar tanto. A reunião começou às duas conforme agendado, cheguei no estúdio meia hora antes. 
— São cinco horas, demorou tanto assim?
— Umas duas horas. Depois fiz o tour nos estúdios - ele preparou uma caneca de café para si, sentou-se em um dos bancos da cozinha para escuta-la. Não conseguia decifrar nada através do semblante da esposa. 
— Então, o que eles queriam? - Stana se aproximou dele entregando um dos doces na direção da boca de Nathan que o mordeu. 
— Conversar sobre uma nova série que estão desenvolvendo. Acharam que eu gostaria da ideia e me chamaram para avaliar o papel principal. Disseram que não precisam que eu faça um teste porque sabem que eu posso interpretar a personagem. 
— E sobre o que é? 
— Uma agente do FBI que desaparece em Boston enquanto caçava um serial killer. Seis anos depois, dada como morta, ela é encontrada numa cabana sem memória do que aconteceu com ela. Casada, volta para casa e encontra o marido com outra e descobre que seu filho está sendo criado por outra mulher. Logo, ela se envolve em novos assassinatos. 
— Ah, logo vi porque não precisam que você faça teste, aliás parece que escolheram você a dedo para o papel. 
— Foi o que eles disseram. O executivo de programação assim que viu a proposta, conversou com o criador da série e deu meu nome. 
— E o que você achou de tudo isso? Gostou da proposta? Se quiser minha opinião, eu já posso vê-la fazendo as cenas dramáticas, sofrendo e sendo badass outra vez. Amor, esse papel é a sua cara. Tem drama, ação, um lado psicológico provavelmente será explorado… qual a sua visão?   
Ela ficou calada por uns instantes. Abriu um sorriso. 
— É perfeito. Eu adorei. Só que não podia aceitar nada sem conversar com você e negociar. Eu pedi uma semana para pensar porque tinha que avaliar meus outros projetos e uma série de tv toma mundo o tempo de um ator. Eles estão falando em dez episódios, querem começar  as filmagens no inicio de 2017. 
— Olha só para você, negociando, fazendo charme. 
— Não é charme, tenho que pensar na Katherine. Tenho sorte de não ter barriga ainda, mas você sabe como podem ser as noites intermináveis de gravação. Eu não abro mão de amamentar minha filha pelo menos nos primeiros quatro meses. Como vou explicar que não posso começar a filmar antes de julho sem expor nosso casamento e a gravidez? 
— Pode dizer que tem outros projetos agendados e que somente estará livre em julho. Ou pode tentar flexibilizar os horários de gravação. Dependendo da data que eles queiram levar ao ar, conseguiria filmar dez episódios. Oito dias para cada episódio, oitenta dias, dois meses e meio, no máximo três meses. Não vejo problemas. 
— Você já pensou em tudo. Nate, eu gostei muito, me identifiquei, mas…
— Nada de “mas”, se você gostou, basta trabalhar em seu contrato, seus termos - percebera que ela ainda estava ponderando a oferta - amor, se está preocupada com a repercussão e a imprensa, o que isso pode fazer conosco, eu terei que fazer o papel do advogado do diabo aqui. Eventualmente, teremos que revelar o que aconteceu conosco. Claro que não antes de  Katherine nascer. Quero privacidade para a nossa filha. Contudo o mundo que vivemos, o do showbiz acaba nos forçando a isso. Uma hora a verdade terá que vir à tona para o nosso próprio bem. 
— Está dizendo que devo contar que estou grávida? 
— Pode ser uma saída, mas com um NDA e não revele nada sobre o pai. Ou apenas fale de projetos e postergue o inicio. Stana, não vê? É a sua chance de brilhar novamente. Como protagonista. E tão rápido! Podemos lidar com isso juntos. Eu ficarei orgulhoso de vê-la novamente mostrando porque merece respeito, porque tem tantos fãs. Trabalhe na sua proposta e aceite. Nós daremos um jeito no resto. 
— Mas e você? E a série que estou escrevendo? 
— Eu estou bem. No próximo ano com a estreia de Guardiões sei que ficarei muito ocupado, até lá, irei ajuda-la no que precisar. Vamos mostrar para a ABC o quanto ela perdeu. Quanto a série que está escrevendo, não desista. Pode continuar durante a gravidez e poderá ser um projeto futuro. Quem sabe não cai nas graças da emissora para produzir? 
— Então, você realmente está dizendo para eu ir em frente com isso?
— Sim, brilhe Staninha. Você merece estar sob os holofotes - ela não se conteve, jogou-se contra o marido beijando-lhe apaixonadamente. 
— Eu te amo, sabia? Vou ligar para a agência, discutir uns termos do contrato. Acredita que eles disseram que pagam o mesmo que a ABC estava me pagando? 
— Não esperaria outra coisa de um canal que sabe valorizar você - Nathan sorria aliviado. Era bom ver a alegria no rosto da esposa. Definitivamente, estavam escrevendo um novo capitulo em suas vidas. 
No fim da semana, um caminhão dos correios estaciona na frente da casa de Nathan. Ele mesmo recebeu o pacote, pois acabara de chegar naquele momento. Assinou a papelada e entrou em casa trazendo as sacolas de compras do supermercado e a caixa de papelão. 
— Nathan, o que tem nessa caixa? Não vai me dizer que você comprou mais brinquedos para a Katherine. 
— Não, amor. Isso chegou pelos correios, do Canadá. Foi a mamãe que mandou - ele abriu a caixa. O conteúdo era incrível. Roupinhas para Katherine com o símbolo do Canadá, sapatos, uma manta de frio muito delicada e um alce de pelúcia. Também havia uma caixa com sacos e mais sacos de maple taffy e um pacote para Jeff. 
— Nossa! Ela não mediu esforços - disse Stana - sua mãe é realmente maravilhosa, Nate. 
— Tem um envelope aqui para você, outro para Jeff e Gigi alem de uma caixa para os dois. Aqui, pode ler. Vou ligar para o mano. Do jeito que é curioso vai querer vir logo saber o que é. 
— Obrigada, vou ler - Stana abriu o envelope branco e tirou um papel cor de rosa com uma bela caligrafia. Suspirando, ela leu o pequeno recado. 

“Querida Stana, decidi escrever esse recado porque seria mais fácil que mandar Nathan explica-la. Ha uma tradição na família Fillion. Sempre que um bebê nasce, fazemos um primeiro deposito para o futuro. Em anexo está o de Katherine. Sei que vocês tem condições de criar sua filha muito bem, porém como avós gostamos da tradição. Foi com o seu primeiro deposito que Nathan foi para Nova York e Jeff fez uma especialização logo após se formar. Aceite, é de coração. No envelope, há um outro presente para Katherine. Tome cuidado ao abrir. 
Também gostaria de lhe dizer que estou mandando algo de valor sentimental para Jeff dar a sua irmã quando ele achar que deve, não quero que fique pensando que significa menos para nós. Amamos as duas igualmente. Cuide bem da Katherine e do nosso filho. 
Beijos, 
Cookie e Bob.” 

— Então? - Nathan a olhava. Percebia que a esposa ficara mexida com a nota da mãe. Stana abriu novamente o envelope e achou o cheque. Dez mil dólares. No cantinho, havia uma pequena pulseira de ouro. 
— Nossa! - ele veio por trás e entendeu o que se passara. 
— Ah, a tradição. 
— Nate, isso é… 
— Isso chama-se o modo dos Fillions. Katherine acabou oficialmente de ser inserida no ritual da família. E adorei a pulseira de ouro, eu e Jeff sempre usamos uma quando pequenos. Eu substitui por outra quando já era adulto, mas acabei quebrando durante o trabalho. Nunca consertei. 
— Você não ia falar com Jeff? 
— Mandei uma mensagem. Estava pensando em fazer o jantar. Algum pedido especial? 
— Não, me surpreenda. Acho que vou voltar para o meu roteiro - ele a beijou - e comer uns taffys. 
— Não exagere, Staninha.  
Ela ficou boa parte do tempo no escritório fazendo pesquisas e escrevendo. Moderou nas balas, mas metade do primeiro pacote se fora. O celular vibrou. Uma mensagem de Gigi. “Hey, sis… só para avisar ao Nathan que não poderemos ir ai pelos próximos dias. Estamos com um evento do trabalho de Jeff amanhã e depois ele tem uma viagem de negócios, vai ficar fora da cidade por uma semana. Eu iria te visitar, mas estou enrolada com um projeto que tenho para refazer por completo. Um beijo para Katherine. PS.: Celular do Jeff ficou sem bateria. Beijo.” 
Stana sorriu. A vida daqueles dois parecia bem mais agitada ultimamente. O que ela não percebera era que o motivo da mensagem era apenas um. Ganhar tempo e evitar contato mesmo que por ligações telefônicas. Gigi não confiava em si mesma para falar com a irmã sem dar bandeira. 
O cheiro vindo da cozinha estava alertando-a que estava na hora de comer. Quase nove da noite. A mesa ja estava pronta. 
— Pensei que tinha dormido. Você estava escrevendo esse tempo todo? 
— Estava. Gigi mandou uma mensagem, o celular do Jeff ficou sem bateria. Ele vai viajar por uma semana e a sis está enrolada. 
— Tudo bem, não deve ser nada muito importante. Sente-se, o jantar está pronto - quando Nathan colocou a travessa sobre a mesa, ela não acreditou no que via. 
— Poutine? 
— Mamãe mandou os ingredientes, eu escondi de você porque queria fazer uma surpresa. 
— Ah, babe… - ela se inclinou beijando-o - vamos comer! 
Após o jantar, ela foi tomar um banho e ele limpava a cozinha. Mais tarde, Nathan apareceu no quarto trazendo uma caneca de chá para a esposa. Deixou sobre a cabeceira dela e seguiu para o banheiro. Devidamente deitados, ela lia outra vez o roteiro da série que estrelaria. Absentia. Ela gostara do nome em latim. 
— O contrato final deve ser assinado essa semana. Coloquei meus termos e pedi o inicio das filmagens para agosto. Ainda poderemos iniciar no outono como previsto. 
— Ótimo. Dará tudo certo, você vai ver. Espero que tenha festa de premiere, Adoraria ir com você - ela o olhou intrigada - o que foi? Acho que até lá poderíamos revelar ao mundo nossa situação. É um caso a se pensar. 
— É, talvez - ela sorriu. Nathan se aproximou dela acariciando o ventre. Beijou a barriguinha da esposa e começou a conversar. 
— Oi, Kate… é o papai. Preciso conversar com você sobre a mamãe. Sim, sua mãe Stana. Eu já contei para você o quanto ela é maravilhosa? Eu a amo demais, eu já devia estar acostumado com algumas coisas que ela costuma fazer, porém sempre acabo me surpreendendo. Ela escreveu um poema para você. Uma linda declaração de amor. Mandarei emoldurar e colocar no seu quarto. Ela tem essa mania de escrever e nos roubar o chão. Fez isso comigo - ele olhou para a esposa. Stana sorria feito boba - hey, blue eyes… nunca esquecerei. Mal posso esperar para você a conhecer de verdade, carrega-la nos braços, eu também estou ansioso, minha menina. E quando você crescer, vou mostrar porque me apaixonei por ela. Verá a razão de te amarmos tanto. Boa noite, minha pequena. Papai ama você - ele beijou o ventre da esposa - eu também amo você. 
— Quer que eu cante no seu ouvido, blue eyes? Você está merecendo… - ele se aconchegou junto a Stana, limpou a lagrima do rosto dela e sorriu. 
— Por favor, cante - ela obedeceu, mas antes o cobriu de beijinhos. 
Dois dias depois, Stana assinara o novo contrato. Não demorou nem uma hora para a internet estar bombando de comentários e respostas nas redes sociais dando os parabéns para a atriz e reativando a base apaixonada de fãs. Ninguém tinha dúvidas de que ela merecia brilhar. 
Empolgada com as novidades, ela se dedicou a sua própria série. Ligou para Terri pedindo conselhos e enviou o que já tinha até ali. Passou horas no telefone com a escritora discutindo e recebendo dicas e feedbacks. Nathan tinha razão, poderia ser um projeto para 2018. 
Os dias passaram rápido. Logo seria véspera do natal. Faltando uma semana e animada com a perspectiva de juntar a família com a presença de Markus, ela mesma se encarregara dos preparativos do jantar. Claro que o marido não a deixou fazer o peru, encomendou-o de um restaurante, os doces, porém ficaram com ela. Stana realizara a saga dos presentes, ainda tinha algumas coisas para comprar. Estranhando o sumiço de Gigi, ela comentou com Nathan após ver que a caixa enviada para jeff continuava no meio da sala.
— O que vamos fazer com essa caixa? Gigi sequer veio buscar. Aliás faz uma semana que não tenho noticias dela, desde aquela mensagem. Jeff falou com você? 
— Não, ele está viajando. Por que não liga para ela se está preocupada? Não deve ser nada, mas fale com sua irmã. Se não vierem buscar, podemos colocar debaixo da árvore e entregamos na véspera do natal - ele viu que Stana não estava tranquila, largou as luzes que estava testando para colocar na sala e se aproximou dela - ligue para sua irmã, Staninha. 
— Tudo bem - ela discou. Três toques depois, ela finalmente atendeu. Stana começou a conversa ralhando de leve. 
— Ah, ótimo! Você está viva.  
— Menos, sis. Sinto que morri há tempos. Estou muito ocupada.  
— Sério? Porque faz uma semana que não ouço uma notícia. Pensei que com Jeff viajando você ia querer fazer compras de natal ou passar um tempo com sua irmã.  
— Sis, de boa? Não use a gravidez e os hormônios comigo que não cola. Eu realmente estou ocupada. A esposa do meu cliente simplesmente alterou todo o projeto que estava praticamente pronto. Tenho que refazer tudo até a véspera do natal.  
— É, tudo bem. Já vi que está estressada. Não sei porque ainda me preocupo - Gigi suspirou. Sim, as coisas no trabalho estavam loucas, mas a sua atitude era, na verdade, um mecanismo de defesa para não dar com a língua nos dentes sobre o noivado.  
— Desculpe, sis. Você não tem nada a ver com isso. A ausência de Jeff só piora tudo. Como você está? E Katherine?  
— Estamos ótimas. Imagino que você nem teve tempo de fazer compras, quer dizer, você sequer veio buscar a encomenda da dona Cookie.  
— Não, eu quase terminei as compras graças a internet. Não fui buscar a encomenda porque é para o Jeff, não quero parecer intrometida.  
— Hey, isso é tão "não-Gigi". Tem algo errado. Sis, você está com algum problema? Você não brigou com o Jeff, certo?  
— Não! - disse Gigi bem enfática - ele faz falta, acredite. Podia não estar tão nervosa e no limite se pudesse transar bem gostoso por horas! - Stana gargalhou.  
— Está bem, sis. Você me convenceu. Quando ele volta?  
— Amanhã. É bom ele não inventar que está cansado porque eu não quero saber.  
— Gigi, pelo menos compre comida. Não vai colocar o homem para cozinhar.  
— É, pizza será. Eu não quero saber de cozinhar, meu interesse é outro e aí dele que não corresponda!  
— Nossa! Pobre Jeff. Aguenta firme, sis. Falta pouco. Vejo você no dia 24. 
— Tchau, Stana. 
Quando desligou, ela ria. 
— Então? - perguntou Nathan. 
— Ela está com problemas no trabalho. E super nervosa - ela lembrou da agonia da irmã com o casamento - tem muita coisa rondando aquela cabecinha. Coitado do Jeff quando chegar de viagem. 
— Por que? 
— Acho que o pobre não conseguirá nem sentar no sofá para descansar. Se duvidar a mala ficará pela sala mesmo. Terá que comparecer no minuto que botar os pés em casa. 
— E isso é ruim por que? - ele riu - se conheço meu irmão e o tanto que ele gosta de Gigi, não será nenhum sacrifício e alguém fez isso comigo também, você me viu reclamar? - ela riu junto com ele. 
— Tem razão - ela parou de falar por alguns segundos - Nate, você acha que Jeff ainda vai esperar muito para pedir Gigi em casamento? Será que ele pede esse ano? 
— Por que está falando disso, amor? Gigi disse algo para você? 
— Acho que isso é um dos assuntos que está deixando-a nervosa. 
— Meu irmão a ama, acho que Gigi não tem nada com que se preocupar.   
Jeff acabara de entrar em casa. Percebeu o semblante um pouco tenso da noiva e a viu jogada no sofá. Ainda tinha o celular nas mãos.   
— Hey, Gi... o que foi? - ele se agachou para beija-la. Ela segurou seus ombros.  
— Era Stana. Não gosto de mentir para a minha irmã.  
— Eu sei, mas é por um motivo bom. O que você disse?  
— Ela estranhou eu ter sumido, disse que estava enrolada com o trabalho, o que é verdade, então ela me perguntou porque não fui pegar a encomenda e tive que dizer quer era para você confirmando que estava viajando.  
— Tudo bem, amor. Não é nada demais. Logo resolvemos o assunto de vez, uma semana.  
— Já que não tem jeito e aparentemente eu estou bastante estressada, acho bom você fazer sua parte.  
— E qual seria a minha parte, Gi? 
— Suas obrigações como meu fiancé. Acabar com todo o meu stress fazendo amor bem gostoso… - ela se inclinou para beija-lo. 
— Posso jantar antes? 
— Não… - ela o empurrou para o chão e sentou-se sobre ele já desfazendo o nó da gravata e os botões da blusa. 
— Hummm…. qual o nivel do seu stress, Gi? 
— Super hiper elevado… 
— Isso pode demorar algumas horas… 
— É bom mesmo! - ele a puxou de encontro ao seu corpo mordiscando o pescoço dela. Os risinhos se perderam quando a verdadeira ação começou.  

Véspera de natal 

Stana já desistira de lutar contra o exagero do marido. A árvore de natal imensa no canto da sala enchia seus olhos. Caixas e mais caixas de presentes embaixo dela. Nathan caprichara na decoração. Havia azevinho por toda a casa, o que ela imaginara ser um pretexto para ficarem se beijando. Fora a família, ela convidara Dara e Chad, infelizmente iam passar as festas fora de Los Angeles. Mesmo ausentes, eles mandaram presentes para Katherine, Nathan e ela. 
Havia comentado sobre a série que estava escrevendo algumas vezes para a amiga e se surpreendeu ao receber um roteiro escrito por ela e Chad. Um pequeno post-it explicava: para futuras referências, adoraríamos escrever mais de um episódio. Stana não podia estar mais feliz. Ajeitava as sobremesas, checava se a mesa continha todos os aparatos necessários, acendeu algumas velas. 
Satisfeita, decidiu que era hora de se arrumar. Subiu as escadas. Ao retornar a sala, Stana vestia um lindo vestido vermelho com um belo decote nos seios e uma saia solta. Era possível perceber a barriguinha de grávida bem leve. Os cabelos soltos sobre os ombros. Nathan ainda estava se arrumando. A casa estava maravilhosa. Servindo-se de um copo com agua que ela gostaria muito que fosse champagne essa noite, ela caminhava pela sala entrando no clima da festa de família. Nathan desceu quinze minutos depois. trajava uma calça social preta que realçava bem o traseiro dele, uma camisa de manga comprida também vermelha, um tom mais escuro que o vestido da esposa. Ele foi ao seu encontro. Abraçou-a pela cintura. Beijou-lhe o ombro. 
— Hey… - ela virou-se para fita-lo - você está lindo. 
— Posso dizer o mesmo de você. E esse decote é para me provocar, não? Seus seios estão… não que não os adore, você sabe que sim, mas agora é covardia fazer isso comigo, Staninha. 
— Controle-se. Não é como se fizesse de propósito. 
— Você me deve um beijo. 
— Por que? - ela pergunta, Nathan aponta para o azevinho sobre a cabeça dela - você fez isso de propósito, vê a diferença? - ela o beijou - e não precisa espalhar azevinhos pela casa para ganhar beijos, Nate. Eu os dou de bom grado. 
— Apenas estou seguindo a tradição - ele seguiu para a cozinha em busca de algo para beber. Ela foi atrás e beliscou o bumbum dele. 
— Ouch! 
— Isso sim é ofensivo. Não serei capaz de olhar para você de costas com essa calça. 
— Controle-se - ele riu repetindo o que ela dissera - não é como se eu fizesse de propósito - arrancou uma deliciosa gargalhada da esposa.     
A campainha tocou tirando a atenção das provocações entre eles. Stana foi abrir a porta. Gigi trazia umas duas sacolas cheias de presentes, Jeff mais duas. 
— Olha, babe, papai e mamãe Noel chegaram mais cedo esse ano. Entrem! 
— Cheia de graça, não sis? - ao ver a situação dos presentes debaixo da árvore de natal, Gigi replicou - nossa! Você assaltou a árvore do Rockefeller Center? E ainda fala das minhas sacolas. Quantas pessoas vem para essa festa? O batalhão do exército? 
— Gigi, relaxa. Nathan é exagerado. Eu nem me importo mais. 
— Nossa! Estou me sentindo dentro de uma loja tipo Saks ou Macy’s. Você caprichou cunhado. 
— O que posso fazer? É tempo de celebrar em família. E adoro o natal. 
— Melhor nem tirar os nossos presentes das sacolas, vai ser difícil achar algo debaixo daquela árvore com tanta caixa. Vou deixar próximo a parede - assim que se livrou das sacolas, ela aproximou-se de irmã e abraçou-a - estava com saudades, sis. 
— Eu também. Você está melhor? Relaxada? Concluiu o trabalho? 
— Sim, conclui. Estou bem. Mais que bem - ela trocou um olhar com Jeff que sorriu. 
— Vejo que Jeff está vivo e bem, então posso assumir que ele cumpriu o papel com louvor. 
— Ah, sim. Summa cum laude. Três vezes. - Stana gargalhou.  
— Sem detalhes, Gigi. 
— Será que Markus vai demorar? - Gigi perguntava perambulando pela casa - está tudo tão lindo, você tem muito bom gosto, Nathan - Jeff se juntou a ela também admirando a decoração, de repente ela falou apontando para cima - olha, amor, um azevinho! Vai ter que me beijar… - Jeff sorriu e beijou a noiva nos lábios. 
— Está vendo, amor? Os azevinhos são importantes. 
— São tradição de natal, o que há de errado com isso, sis? 
— Nada. Exceto que tem mais azevinhos que cômodos nessa casa. 
— Ah… - Gigi olhou para o cunhado - quer melhor desculpa para beijar alguém que essa? 
— Não podia esperar outra coisa vindo de você, Gigi. Obrigado - a campainha tocou - devem ser eles. Vou abrir. 
Nathan cumprimentou o irmão e a cunhada de Stana. Beijou a pequena Anne e convidou-os para entrar e ficar à vontade. Após cumprimentar as irmãs e Jeff, Anne e Stana levaram os pais da menina para conhecer a casa. Markus estava realmente impressionado com a maneira que a irmã estava vivendo, não em relação a dinheiro e sim a leveza e a alegria com que falava do seu lar. Era bom ver Stana feliz. 
De volta a sala, Nathan como um bom anfitrião, ofereceu bebidas aos seus convidados. Stana permaneceu ao lado do irmão para deixa-lo mais à vontade. Anne, por outro lado, se bandeou para o lado de Jeff e conversava animada com ele e Gigi. Nathan serviu alguns aperitivos e juntou-se a conversa. Os adultos encontraram assuntos em comum e não deixaram a pequena de fora. Markus estava surpreso de ver como a filha tramitava entre os tios, conversando especificamente com cada um, assuntos diferentes. Ela estava em casa. 
Não querendo adiar muito mais a hora do jantar principalmente pela farra dos presentes depois, ele anunciou que o jantar seria servido em quinze minutos. Stana o seguiu para a cozinha a fim de ajuda-lo. Vendo a oportunidade de falar com Jeff a sós, Gigi o puxa para um dos cantos da sala. 
— Hey, quando você pretende falar do nosso lance? 
— Estava pensando depois do jantar, na verdade depois da entrega dos presentes. Eles irão pensar que vou fazer o pedido, mas será só o comunicado mesmo. 
— Tudo bem, só espero que não demore muito. Meu anel está seguro, não? - Jeff piscou para ela - Com o tanto de caixas que Nathan tem debaixo daquela arvore… 
— Tia Gigi! - Anne gritou. 
— O que foi, Anne? 
— O tio Jeff está debaixo do azevinho. Tem que beijar! - rindo Gigi retrucou. 
— É verdade…. abençoado Nathan… - beijou o noivo ouvindo os gritinhos e as palmas da menina. Logo em seguida, os donos da casa os chamaram para jantar. 
Durante o jantar, os convidados não paravam de elogiar os anfitriões. Markus e a esposa teceram vários comentários sobre a comida e a casa. Gigi estava adorando tudo e repetia pela terceira vez. Claro que havia o fator nervosismo presente. Mesmo já tendo aceito o pedido de Jeff, contar para os irmãos era importante.  
Terminando o jantar, Stana serviu a sobremesa na sala próximo a árvore de natal, afinal era o momento da troca de presentes. Como era de se imaginar, o momento foi especial. Todos receberam presentes e trocaram também. Anne estava vibrando por ter recebido dois presentes de cada tio, mas ninguém ganhou mais presentes que Katherine. Quase duas sacolas de Gigi eram para a menina.  
— Nossa! Acho que Katherine tem mais roupas que eu! Arranjei logo um pai e uma madrinha exagerada para ela...  
— Exagerada nada! Tem roupas até um ano ai, sapatos de diferentes tamanhos e não reclame!  
— Não estou reclamando, Gigi - Stana ria - eu adorei!  
Nathan também cobrira a esposa de presentes, Stana tinha deixado uma caixa por último. Ela se levantou e foi até o marido.  
— Esse é especial. Acho que deveria usar para sempre - ele olhou para a caixa e de novo para a esposa após abri-la - vai ficar muito bem em você.  
— Minha pulseira de ouro... você consertou.  
— Achei que o papai ia gostar de usar uma pulseira igual a de Katherine - ele puxou a esposa para um beijo - acho que acertei.  
— Sim, você sempre acerta Staninha - olhando para o irmão, ele lembrou - Jeff, sua caixa com a encomenda da mamãe ainda está aqui - ele pegou uma caixa retangular maior que uma de sapato e entregou para o irmão. Jeff abriu e se deparou com alguns sacos de taffy e uma caixa menor, além de dois envelopes endereçados a ele e Gigi.  
— Gi, venha aqui. Isso é para você - entregou o envelope à noiva ficando lado a lado. Enquanto eles liam, a cara de Jeff tornava-se um mistério, a de Gigi era bem séria. Stana não estava aguentando o silêncio e o suspense. A curiosidade a tomava.  
— O que tem nesse pacote? - ela perguntou, porém Jeff e Gigi estavam numa conversa particular não dando atenção aos demais.  
— Eu não acredito nisso... como ela? Você falou algo, Jeff?  
— Não, Gi. Nada. Acho que é coisa de mãe.  
— Mas ela me viu uma vez e... deduziu tudo?  
— Hey, sis! Quer parar com o mistério e contar o que tem nessa carta.  
— É, tia Gigi, você não pode esconder nada da tia Stana porque ela está grávida - a madrinha adorou o comentário da sobrinha.  
— Isso mesmo, nada de contrariar uma grávida - disse Stana.  
— Desculpe, cunhada. Esse assunto é muito pessoal.  
— Jeff, sua mãe mencionou que estava dando algo para Gigi e que não era para eu ficar bolada, portanto fale logo - Jeff e Gigi trocaram um olhar.  
— Você conta ou eu? - perguntou Gigi - tudo bem, vá em frente - ela pegou o envelope das mãos dele, Jeff sorrateiramente tinha colocado o anel dela lá dentro. Enquanto Jeff distraia os outros com caras e bocas, ela conseguiu colocar a joia.  
— Então, tenho algo importante para contar para vocês. Foi meio inesperado de certa forma, eu e Gigi, nós... - mas Anne não deixou o tio terminar.  
— Tia Gigi está grávida! - a cara de espanto de Gigi fez Markus gargalhar.  
— Não! Anne! De onde você tirou essa ideia?  
— Ninguém viu que ela comeu quatro pratos e repetiu a sobremesa? Lógico que a tia está comendo por dois - de repente a menina arregalou os olhos - não! Três! São gêmeos, tia? - ela perguntou levando a mão à boca. 
— Não, Anne! Eu não estou grávida. Quer deixar seu tio falar? O assunto é sério.  
— Anne, obedeça sua tia - disse a mãe.  
— Fala logo, Jeff - disse Stana que tinha uma ideia do que vinha pela frente.  
— Vocês sabem que no último ano muito mudou em minha vida, meu trabalho me trouxe para cá, Stana, Nathan, o segredo, conheci Gigi, agora outra mudança se aproxima. Há duas semanas, eu tomei uma decisão muito importante após uma reunião com meus chefes e...  
— Ah, Jeff pare de enrolar, Stana vai ter um treco!  
— Tudo bem, eu e Gigi, nós vamos... - foi a vez dela não deixar o noivo falar. Exibindo o anel e um sorriso enorme, ela gritou.  
— Estamos noivos!  
— Oh meu Deus! - exclamou Stana seguido de um grito agudo, mesma reação de Anne. Rindo, Nathan abraçou o irmão. Stana voou para abraçar a irmã, mas Anne já estava agarrada as pernas de Gigi - ah, sis! Eu estou tão feliz... então você finalmente conseguiu dizer a ele o que queria. 
— Dizer algo? A Gigi? - Markus não comprava - aposto que teve que adivinhar.  
— Um pouco, ela deixou escapar uns pensamentos. Mas claro que a afobada estragou minha história. Eu ia dizer que precisava me mudar de LA... - ele olhou para Gigi - tudo bem, ela já se segurou por duas semanas... 
— Há! Eu sabia. Tinha algo acontecendo por isso você não veio aqui antes - disse Stana.  
— Você me conhece tão bem, sis...  
— Deixa eu ver o anel! - Stana ficou boquiaberta, era lindo.  
— Bro, o que tinha na carta da mamãe?  
— Acho que ela se antecipou à nós. O anel da vovó. Ela disse que sabia que a Gi estava pronta, bastava eu fazer a pergunta.  
— E disse para mim que ia receber um presente, mas que entenderia se eu quisesse escolher outro.  
— Vamos brindar! Minhas duas irmãs se arrumaram! Quem diria! Você tem champagne, Nathan?  
— Claro! E quando vai ser o casório? 
— Nathan! Eu acabei de ficar noiva! Quer dar um tempo? Que mania vocês têm de apressar as coisas! - retrucou Gigi.  
— É, babe, eu ainda quero ouvir sobre o pedido. Como foi? Romântico? Um jantar especial?  
— Ah, sim! Foi bem... diferente - ela olhou para o noivo - e lindo, me enganou direitinho e escapou de morrer por pouco - ela beijou Jeff e contou como aconteceu. Obviamente, Markus não entendera nada, porém Stana e Nathan gargalhavam e o irmão fez questão de render homenagem a Jeff.  
— Acho que você se superou, bro.  
— Jeff, tenho que concordar. Como todo Fillion, você roubou o chão da minha irmã. Você acredita nisso, Markus? Gigi vai casar!  
— É meio surreal - respondeu o irmão.  
— Parem já com isso, vocês dois. Jeff é muito especial para mim, eu sou a gota dele. E sim, eu vou casar porque ele me faz feliz e eu o amo loucamente! Acabou o momento zoação - Nathan aproximou-se dela, pegou sua mão, beijou-a.  
— Gigi, é uma honra ter você como cunhada duplamente e acredite tinha que ser você porque meu irmão somente namorava mulheres certinhas, nunca dava certo porque ele é do mesmo jeito, mas você é diferente, doidinha. Revolucionou a vida dele.  
— Espera, isso é um elogio ou você está me chamando de louca?  
— É claro que é um elogio! Você conquistou todos nós, especialmente meu pai. Acho que ele vai adorar saber da novidade... obrigado por fazer meu irmão feliz, olhe para ele! Sorrindo feito bobo, é tudo por sua causa - Gigi estava emocionada, começava a sentir as lágrimas arderem - dê logo um beijo nele! - rindo, Gigi beijou o noivo apaixonadamente do jeitinho que apenas Gigi sabia fazer. Seu corpo completamente colado ao de Jeff, provocando como sempre. Ele se afastou um pouco.  
— Gi, tem criança na sala... - sussurrou.  
— Ok, acho que quero um outro pedaço daquela torta de chocolate.  
Stana riu.  

— Vem, Gigi. Acho que preciso de alguns detalhes extras - Jeff deu um momento para as irmãs confabularem, porém a noite de surpresas para Gigi ainda não acabara.  

Continua...

10 comentários:

rita disse...

Tantas novidades, amei! Que Natal maravilhoso. Esperando o próximo capítulo. Beijos Karen.

TheMikyMel disse...

Genteeeee, morro de RIR com a Gigi! Sério! Escreva um livro sobre ela que eu compraria certamente, porque é muito engraçada.

Stanathan lindos juntos, trilhando seu futuro. Que tudo dê certo aos dois. Amei o poema.
Louca já para Katherine nascer e eles contarem ao mundo que estão juntos. Twitter vai explodir nesse dia. Com certeza que alguma revista (tipo caras ou quem) irá querer uma exclusiva com o casal e com a filha, mesmo nao mostrando o rostinho. Aiiii, aquelas fotos no instagram mostrando maozinha, as vezes o cabelinho, ou algum detalhe, tão fofa. Ok, me adiantei a historia, me empolguei aqui.

Vanessa Belarmino disse...

Own o poema!😍 Certamente merece ser emoldurado! Eu amo esse dois babōes com a Kate! E olha q ela nem nasceu hahaha
Falando da carreira da Stana. Eu amei o plot do projeto dela, me lembra TBB! 😍 E o apoio de Milmar e Chad e Dara tb! Sobre a proposta da AXN foi incrível, a serie foi feita pra ela. Amei a parte de valorizar ela... Bem estou me controlando pra chegar em Giff... Ahhaha
Só havia um jeito da minha bichinha não estragar a surpresa do natal. Sim, ela tinha que fugir da Stana... Adoro Gigi estressada hahaha E Jeff nunca deixa a desejar... Anne rouba a cena novamente, eu quase morri de rir 😂😂😂
O que dizer de de Dona Cookie e Bob? Eles são uns lindos! Adorei a tradição da familia Fillion e o presente pra Gigi. Nate todo fofo com Gigi tb foi muito especial... Eita que além da curiosidade sobre as surpresas para Gigi (lembro do Jeff mencionar algo, apesar de não saber se é isso), ainda me deixou mais curiosa com Stana querendo detalhes e sobre a tensão Giff!!! Dona Karen vc ainda vai me matar hahaha
E já adianto que vou morrer feliz! Que bom que será +100 ❤❤❤❤
Esperando o próximo!
P.S Já perdi as contas de quantas vezes li o capítulo anterior... ❤❤❤

Silma disse...

Que capítulo bafo 😌👌🏽
Dona Karen gosta de mexer com meu emocional mexmo comé kipo?Vamos passar dos 100?Opa 😌 que cê tá fazendo a alegria das suas leitoras!!!
Fiquei toda boba com esse poema lindão que ela fez 😍😪 "Quer que eu cante no seu ouvido,blue eyes"? se ele não quiser eu QUEROOOOOOOOO 😍 "Você está merecendo" tá sim 👌🏽
"Você está lindo" imagino o quanto 😏
"Posso dizer o mesmo de você.E esse decote é para me provocar,não?" É SIM MEU CARO !!!"Seus seios estão…não que não os adore,você sabe que sim,mas agora é covardia fazer isso comigoStaninha" devem ser mermo 😎
"Controle-se.Não é como se fizesse de propósito" é de PROPÓSITO SIM!
"Você me deve um beijo" só um 😔 pq não vários 😏 "Isso sim é ofensivo.Não serei capaz de olhar para você de costas com essa calça" miga se segura essa ansiedade que talvez a noite tenha festinha (TORCENDO POR ALGO SELVAGEM ENTRE VOCÊS DOIS)!
A Gigi é o melhor serumaninho sério mexmo 😂😂😂😂 não consigo ficar séria quando ela dá o ar da graça 😂😂😂😂
Já que não tem jeito e aparentemente eu estou bastante estressada, acho bom você fazer sua parte.
— E qual seria a minha parte, Gi?
"Suas obrigações como meu fiancé.Acabar com todo o meu stress fazendo amor bem gostoso" vai aí e faz teu Jeff
"Posso jantar antes?"
"Não" sem perca de tempo migo ✋🏽
"Qual o nivel do seu stress,Gi?" 👌🏽
"Super hiper elevado"
"Isso pode demorar algumas horas" várias e várias horas 😏
"É bom mesmo!" Meus bebês fazendo minha alegria 😌✋🏽
Não vejo a hora da Gigi comer uma melancia também 😍
Sobre o ataque de tensão que vamos sofrer devo lhe informar que vai com calma aí que nós somos cardíacas,e que tudo termine em ORGASMOS MÚLTIPLOS 😌✋🏽

Pâmela Bueno disse...

Aiiiiiiii eu to vomitando fofura, manoooooo a Gigi agindo estranha pq nao ia conseguir guardar o segredo foi demais, rachei!! Mais para cara, eu to muito mais muito ou como diria Gigi "super hiper" só que ao invés de estressada, to ansiosaaaaaaaaaa para o próximo capítulo, eu to muito ansiosa!!!!!!!!!

Géssica Nascimento disse...

Capítulo super fofo e maravilhoso!! Adorei, como sempre, esse serumaninho chamado GIGI!!! Roubando cenas e mais cenas, kkk!!!
Perfeito!!!

cleotavares disse...

Meu Deus! Que coisa mais linda esse poema. Me deixou com lágrima nos olhos.
Destaque para a calça no Nathan, claro. haha! E a Annie? eu diria que a Annie, apesar de ser muito apegada a Stana, ela herdou um pouquinho da "loucura da Gigi. "Comendo por três", ri muito.
Gente! A D.Cookie é muito fofa.

Priscila Barros disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Priscila Barros disse...

OMG!!! ESSE POEMAAAAAAAAA ❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️ você já começa o capítulo com um tiro certeiro desses ❤️❤️❤️❤️❤️ não tenho dúvidas que a Kate vai amar ❤️❤️❤️❤️❤️
Vai ter chuva de coração nesse comentário porque eu to abobalhada com o amor desse capítulo ❤️❤️❤️❤️
Um parêntese especial para a parte da nova série da Staninha, da maravilha desse papel e do reconhecimento do talento dela, você retratou tudo de forma divina ❤️❤️ amei o Nate dando a maior força pra ela ❤️❤️ amo demais esse casal e essa força e companheirismo que são únicos ❤️❤️❤️❤️❤️❤️
A Gigi maluquinha como sempre huahuahauhauhaua, toda agoniada pra não contar o segredo huahauhauahuahuahua o Jeff bem que gostou de relaxar ela huahuahuahauhauhua.
O natal foi lindo, tão cheio de amor e de união ❤️❤️❤️❤️❤️ a pequena Anne roubando a cena falando que a Gigi tava grávida foi épicoooo!!!! ❤️❤️❤️
Amei muito muito muito esse capítulo, kah ❤️❤️❤️ obrigada ❤️❤️❤️❤️

Gabriela Mendonça disse...

Amo as referências a Con-Man (n eu nunca vi, mas o jogo é top kkk)...
Meu DEus mulher... tenha pena da gente... Esse poema foi a coisa mais linda desse mundo... tão cheio de sentimentos, uma verdadeira declaração de mãe para filha... foi como dizem por ai "A coisa mais meiga que vc vai ler hj"
"Não esperava se deparar com uma demonstração de amor tão linda ao remexer nos papeis dela." Nem a gente, Nate kkkk
Hey Blue Eyes... melhor canção que vc respeita...
"Não, isso é uma declaração de amor a nossa filha, portanto você tem duas opções: pode me dar essa folha agora ou pode escrever do próprio punho em outra folha, de qualquer jeito eu irei emoldura-lo e colocar no quarto de Kate." Ai meu DEus... que tudoooooo. Declaração eternizada para td sempre, quando a linda Kate crescer e ver o que mamãe escreveu... OMG muito unicórnio isso kkkk
Vc sabe que escolheu o marido certo, quando ele te apoia 100%, te ajuda nos seus planos e ainda diz que se ninguém quiser ele financia tudo... Nate melhor marido que vc respeita (e quer para vc).
Nossa, essa conversa a respeito da serie foi incrível. Tipo é basicamente o que a gente acha, cada palavrinha do Nate retrata o que nós fãs da Stana pensamos. E ver o quanto ele apoia ela e dá 100% de forças...
"Nathan, o que tem nessa caixa? Não vai me dizer que você comprou mais brinquedos para a Katherine." Quando vc conhece o marido que tem kkkkk
Eita noix... Kate sendo inserida nas tradições da Família Fillion...
É impressão minha ou o Senhor Fillion ta doido para contar ao mundo que Stana Katic agora é STana Katic Fillion? kkkk super apoiado...
uau... essa conversa do Nate com a Kate foi de roubar o chão de qualquer um... mega fofo.
Giff aprontando com os brothers kkkk. coisa feiaaaa
que bunitinho Natal em família... e com o irmão da Staninhaaa
Melhor presente foi o da STana, pai e filha ostentando a tradição dos Fillion's.
"Tudo bem, eu e Gigi, nós vamos... - foi a vez dela não deixar o noivo falar. Exibindo o anel e um sorriso enorme, ela gritou." kkkk Gigi sendo Gigi. kkkk
"Jeff é muito especial para mim, eu sou a gota dele." fofa é ela kkk "Espera, isso é um elogio ou você está me chamando de louca?" Gigi, melhor pessoa kkk