quinta-feira, 13 de abril de 2017

[Castle Fic] Baby Boom - Cap.33


Nota da Autora: Primeiro, desculpem a demora. Estou mesmo com tempo limitado. Enfim, esse capitulo é um preludio de futuro. Momentos engraçados, importantes e cutes.Tem novidades no campo pessoal e profissional. E datas especiais... Sinto informar que estamos chegando ao fim, apenas mais dois capítulos depois desse. Não se preocupem, já tenho historias no forno. E por ultimo e não menos importante: esse capitulo é dedicado a aniversariante da semana: Lee!!! Enjoy! 


Cap.33 

   
Eles estavam em janeiro. O inverno em Nova York estava brando esse ano. Beckett ainda esperava pelo resultado da sua prova, segundo seu capitão sairia na próxima semana. Em seu dia de folga, Beckett pegou seu filho e decidiu aproveitar o belo dia de sol para sair com o pequeno. Castle estava em uma reunião com a editora. 

Após um tempinho no parque onde o menino brincou com outras crianças e acabou tomando sorvete, ela o levou para um lugar inusitado para um bebê. Beckett foi ao cemitério fazer duas visitas. 

Primeiro ela parou em frente ao túmulo de Anna. Com o menino no colo, se agachou para colocar flores sobre a lápide ao chão. 

— Olá, Anna. Faz algum tempo, não? Trouxe alguém para vê-la. Claro que ele ainda não entende nada porque é muito pequeno, mas não se preocupe. Eu contarei sua história a Dylan. Ele já vai fazer dois anos! Acredita nisso? Como o tempo passa! Ele é meu filho agora. Castle ainda está lutando para conseguir a guarda definitiva, mas esse novo agente é bom e gosta de nós. Estou organizando o aniversário dele porque prometi a Castle. Apenas queria que soubesse o quanto mudou minha vida ao entrar nela. 

O pequeno se distraia com umas pedrinhas perto da lapide. Beckett sorriu. 

— Dylan, vem cá meu amor. Conte para nós, quem vai fazer aniversário? 

— Dyan! - ele batia palminha. 

— E qual o tema da festa que o daddy está fazendo? 

— Meica! Meica! 

— Muito bem! Ah, Anna… eu amo meu baby boy… 

— Mamama… passa bus…

— Já quer ir embora? E não é ônibus, é trem. 

— Piuí … - ela riu. 

— Mais um bocadinho, vamos ver a vovó - Dylan já replicava “voooo Mata”. Não adianta explicar quem era Johanna nesse momento. Quando estivesse maior, pensou Beckett. Ela se ajoelhou no túmulo da mãe colocando as flores - oi, mãe… esse é meu baby boy. Somente queria que soubesse o quanto estou feliz. Você estava certa. Tudo muda quando se escuta o coração. Dylan já vai fazer dois aninhos e eu e Castle continuamos juntos. Fiz a prova para Lieutenant, uma promoção. Eu encontrei meu lugar na policia. Eu sei que ainda não paguei minha promessa com você, mas não desisti. Um dia, mãe. 

Ela se levantou segurando o pequeno pela mão seguiram para pegar o trem. 

Beckett estava no distrito atualizando o quadro de evidências do caso que trabalhavam quando o capitão se aproximou de sua mesa. Castle lia o relatório de finanças do possível suspeito. 

— Detetive, pode vir a minha sala um instante? 

— Claro, senhor - assim que entraram, Montgomery fechou a porta. 

— Não vou tomar muito do seu tempo. Apenas gostaria de informa-la que recebi os resultados do exame de patente. Parabéns, Beckett. Você é a mais nova Lieutenant do 12th distrito. A cerimônia de posse será amanhã no 1PP - ela sorria. 

— Amanhã? Já? 

— Não perdemos tempo. Esteja no 1PP às dez da manhã. Eu não aconselharia a levar Dylan, mas pode levar Castle. Ele a ajudou a chegar até aqui. Não estou falando de competência, isso você tem de sobra, estou falando de incentivo. Ele mudou seu jeito de encarar o trabalho. Para melhor, Beckett.

— Eu sei - sorriu - ele vai gostar de saber da promoção. 

— Parabéns outra vez, você merece. E esse é apenas o começo. 

— Obrigada, capitão - ela deixou a sala dele sorrindo. Ao chegar ao lado de Castle, ela cutucou-o com força no ombro - Castle, quero café. 

— Acabei de encher sua caneca… 

— Não quero esse café, podemos ir para a Starbucks lá na esquina? - ele percebeu o jeito misterioso que olhava para ele. 

— Tudo bem, embora não esteja entendendo o que você quer, detetive… - ele a seguiu até o elevador. Do lado de fora da delegacia, ele sorriu - você por acaso não quer dar uns amassos, agora? É isso? Não tenho nenhuma objeção quanto a isso - ela coloca as mãos na cintura, faz cara de brava. 

— Veja lá como se refere a mim, Castle. Afinal, você está falando com a mais nova Lieutenant do 12th distrito. 

— Saiu o resultado? Você passou! Eu sabia! - ele a agarrou sorvendo-lhe os lábios - isso é maravilhoso, perfeito. Quando você recebe o novo distintivo? 

— Amanhã na 1PP às dez da manhã. E você será não apenas meu convidado de honra como meu par. 

— Terei o maior prazer em lhe acompanhar, Lieutenant Beckett - ela o beijou mais uma vez e voltaram para o distrito. 

1PP 

Beckett estava ansiosa esperando a cerimônia começar, Castle estava ao seu lado todo orgulhoso e bobo, sem contar o fato de que ela estava linda de uniforme. Como pode ficar ainda mais sexy assim? Pensava sem conseguir tirar os olhos dela. Montgomery também estava por perto. Segundo ele, a celebração não demoraria, provavelmente em meia hora estariam liberados. Ryan e Esposito receberam instruções para finalizar o caso que estavam trabalhando. 

O capitão tinha razão. A entrega dos novos distintivos e a passagem de patente foi bem rápida. O comandante, porém, fez questão de ressaltar o desempenho dela como o melhor dos últimos cinco anos. Sö equiparando-se a outra mulher, uma tal de Capitã Gates. Quando ela desceu do palco, Castle teve que se conter para não beija-la. As comemorações teriam que ficar para depois. Beckett se aproximou dele após receber as felicitações direto do Comandante. Sussurrou. 

— Feche a boca, Castle. Está dando muita bandeira. 

— Não posso evitar. Voce está sexy demais. Posso ver o distintivo novo? - ela o entregou - estou muito orgulhoso de você, amor. Nossa! Lieutenant Beckett. Quanto poder… com a sua determinação e competência logo estará atendendo como Capitã. Eu sei que a verei chefiando aquele distrito. Nunca duvidei do que você poderia alcançar na sua carreira - devolveu o distintivo a ela. Beckett sorriu e lembrou-se das palavras do namorado meses atrás quando a defendia da agente Wilson. Ele tinha um ar sonhador, continuava falando. 

— Qual será o próximo passo? O céu é o limite! 

— É, quem sabe… continua dependendo de mim, Castle? - ele a fitou curioso. Kate sorria para ele, um misto de provocação e desafio. Ele entendera corretamente? Estava dizendo o que ele achava que estava? Castle sorriu. Achou por bem tirar suas próprias conclusões. 

No proximo sábado era dia de festa. Atendendo aos pedidos do pai babão, Kate deixou Castle fazer a festa de aniversario de Dylan. No fundo, era o desejo dos dois. A festa era para os pais embora o pequeno curtisse cada momento sem entender muita coisa. O tema escolhido pelo próprio Dylan fez Castle se esbaldar. O loft ganhou balões vermelhos, azuis e brancos. Um painel lindo do super-herói, a mesa de doces e salgados incrível e o bolo com o escudo. Isso porque havia escudos espalhados por todo lugar. 

A festa não tinha crianças da idade dele. O capitão trouxe as filhas, Lanie um sobrinho, Kate conseguiu convidar Julia e Sophia. A maioria era adulto, o que não intimidou o pequeno que pulava de colo em colo recebendo e dando beijos e abraços, correndo pela casa e rindo muito. O detalhe principal? Pai e filho estavam fantasiados de capitã America. Vindo de Castle não se podia esperar outra coisa. 

O chamego maior de Dylan depois de Kate era com Maddie. A amiga segurava o pequeno nos braços enquanto conversava com a mamãe igualmente babona. 

— Não acredito que deixou Castle se vestir igual o Dylan! 

— Nesse departamento não controlo as doidices do meu namorado. Ah, ele está fazendo isso para curtir o filho. Está tão feliz. 

— E voce também. Seus olhos brilham, Kate. Vocês se amam, tem um filho, ganhou uma promoção, já tem um novo Nikki Heat nas livrarias. Ao meu ver falta somente uma coisa… 

— Maddie… 

— Ah, Becks! Por favor! Só falta mesmo um anel nesse seu dedo. Sabe que tenho razão. Não sei porque Castle está demorando tanto para fazer a pergunta. E não começa com a história de que não está preparada que é mentira - Beckett sorriu. 

— Vou te contar um segredo… 

— Ele já pediu? - Beckett riu da amiga. 

— Não. Quando estávamos no processo de adoção a agente Wilson perguntou se pretendíamos nos casar. Ele respondeu “depende de Kate” e mudou o tom da conversa para a minha carreira. No fundo, eu sei que ele estava me dando um aviso. Que isso seria a minha decisão. 

— E o que você está esperando para responder ao homem? Sua carreira já está encaminhada. 

— Quer deixar eu terminar? - nesse instante Dylan começa a se agoniar. 

— Madiiii, mamama ta faando..

— Até o Dylan entendeu que a historia não acabou. 

— Leilei Dyan! 

— Não, meu amor. Não é hora de ler, porque não vai ali com o voooo Jim? - ele se deixou escorregar pelo colo de Maddie e correu se agarrando nas pernas do avô - onde eu estava? Ah, sim! Seria minha decisão. Então na cerimônia da entrega de patente, ele comentou que o céu era o limite, falou de próximo passo. Eu usei a deixa para soltar uma indireta. Perguntei se  continua dependendo de mim. Eu acredito que ele entendeu o que quis dizer. 

— Se entendeu não está agindo como deveria. Acho que vou precisar ter uma conversinha com Castle. 

— Você não irá fazer isso. Prefiro esperar. Ele estava muito focado nesse aniversário - Maddie pegou a mão da amiga na sua. 

— Você realmente quer o próximo passo? - Beckett não precisava responder, o sorriso e a forma como olhou para Castle no momento dizia tudo. 

Quando o último convidado se retirou do loft, Dylan já dormia no colo do avô. Com cuidado, Kate o levou para a sua cama. Tirou a fantasia, trocou a fralda e vestiu o pijama. Castle também já tirara sua roupa. Estava de camiseta e calça de moletom arrumando parte da bagunça. Ela estava intrigada porque ele não havia dado um presente significativo para o filho. Dera alguns brinquedos e roupas que compraram juntos, porém conhecia-o muito bem para saber que não se contentaria somente com aquilo. Ao colocar Dylan no berço, ela se juntou aos demais na sala. Pegou um pedaço de bolo e comia distraidamente. 

— Ainda bem que amanhã é domingo. Precisamos arrumar essa bagunça antes de voltar a trabalhar. 

— Não se preocupe, amor. Amanhã cedo vai parecer que nem tivemos uma festa. O pessoal da decoração já está subindo. 

— Vou aproveitar para ir embora - disse Jim. Deu um beijo na filha, cumprimentou Martha e Alexis - foi uma ótima festa. Dylan curtiu cada minuto - Castle o acompanhou até a porta. 

— Seu pai tem razão, Katherine. Ele curtiu tudo! Pensei que ia pedir para tirar aquela roupa logo, mas não! Imagina quando estiver maior? 

— Eu sempre gostei das minhas festas de aniversário - disse Alexis - eu vou dormir. Ainda bem que não precisamos arrumar nada. 

— Vou subir com você, kiddo. Boa noite, Katherine. 

— Boa noite - ela se levantou para colocar o prato de doce que comia na pia. Do balcão observava as pessoas trabalharem. Castle se juntou a ela abraçando-a por trás. Beijou o pescoço de Beckett e apoiou o queixo no ombro dela - foi um sucesso, não? 

— Demais. Eu disse que sou ótimo com festas. Planejei todas as de Alexis. 

— Só tem uma coisa me incomodando. Duas, aliás. 

— O que seria? 

— Por que voce não comprou um presente especial para Dylan? Isso é tão não você! 

— E quem disse que não comprei? Ia entregar no final da festa porque queria que ele curtisse bem, mas o garotão entregou os pontos - ele riu - se divertiu demais. Entrego amanhã. 

— É… devo ficar com medo do seu presente? 

— Claro que não - ele beijou o pescoço dela - você disse que eram duas coisas… - mas Castle teve que interromper o momento porque o pessoal da decoração terminara o serviço. O loft estava igual a antes. Após leva-los até a porta e agradece-los, ele voltou procurando por Beckett, mas ela não estava na cozinha. Deduziu que fora para o quarto. 

Ela já tirara o vestido branco substituindo-o por apenas uma camiseta para dormir. Sentada na cama, ela soltava os cabelos do coque. Com um algodão retirava o resto da maquiagem. Castle sentou-se ao seu lado na cama. Ficou observando-a por uns minutos. 

— O que foi?

— Você ainda não me disse qual a segunda coisa que está te incomodando…- ela deixou suas coisas na cabeceira, virou-se para fita-lo. O sorriso malicioso já dizia que estava pensando besteira ao acariciar o peito de Castle. 

— É que você se vestiu de capitão América para o seu filho, mas faltou algo importante no uniforme. 

— O escudo? - ele perguntou sentindo os lábios de Kate passearem no seu pescoço, os dentes roçando a pele. 

— Não… - ela sussurrou no ouvido dele - a cueca…

— Lieutenant Beckett! - ela riu - que mente pervertida! - ele a afastou para fita-la - está falando sério ou tirando sarro da minha cara? 

— Eu estava brincando da outra vez, Castle? - ele riu. 

— Quer checar a fantasia? Pode ajudar… - ele se levantou da cama, mas Beckett segurou seu braço impedindo-o e ir até o closet - talvez queira inspecionar o que há por baixo da minha calça de moletom - ela ergueu a sobrancelha, puxou o elástico e riu. Ele vestia uma cueca do capitão America cheia de escudos e com as caras do personagem. 

— Você… como adivinhou? 

— Eu sei que além do Dylan, sua mamama tem uma queda por super-heróis. 

— Vem cá, Castle. Vamos tornar a noite interessante… - ela o puxou de volta para cama. 

Na manhã seguinte, Castle acordou animado e muito bem disposto não apenas pelo sucesso que foi o aniversario de Dylan e por querer entregar seu presente surpresa, mas principalmente pela noite maravilhosa que Kate lhe proporcionou ontem. O filho já acordara e brincara com o boneco do América. Ele tirou o garotão do berço colocando-o no chão. 

— Quer um leite? Vou preparar para você. 

— Que pan…daddy pan! 

— Tudo bem, vou dar um pedaço de pão para você e tenho que fazer o café da sua mamama. 

— Mamama cadê? Ta dumindo… 

— Sim, ela ainda está na cama. Quer acorda-la? - o menino não esperou pelo pai. Correndo, Dylan chegou no quarto e rapidamente subiu na cama jogando-se sobre Kate. Segurando seus cabelos como se fizesse um “carinho”, ele gritou. 

— Mamama…cooda…café… - encheu a mãe de beijos. Kate o agarrou e começou a fazer cócegas na barriga dele. Castle esperava para entregar a caneca com café. 

— Seu pai mandou você fazer isso? - ela olhou para Castle pegando a caneca. 

— Hey, ele é seu filho. Quer ovos? Vou preparar - de repente, o menino se lembrou do que pedira sentando-se na cama. 

— Pan, daddy… que pan… - já desceu da cama puxando o pai pela calça. 

— Quanta energia… - comentou Kate. 

— A mãe dele também tem - piscou para ela - vamos garotão pegar o seu pão e depois tem uma surpresa para o Dylan. Tem presente - Kate se levantou da cama indo primeiro ao banheiro. Sorria. Ao voltar a cozinha, encontrou Castle no fogão terminando os ovos e Dylan na cadeirinha saboreando o pão com a mamadeira ao seu lado. 

— Não vai tomar seu leitinho, baby boy? 

— Dei mamama dei…

— Mas que traidor! Perguntei se queria que eu desse… - ela pegou o menino no colo, a mamadeira na mão e rapidamente Dylan se aconchegou no colo sugando o leite. Kate apenas sorria. Logo Martha surgiu na cozinha e quando ele viu Alexis, correu com o pão na mão na direção da menina querendo brincar. Isso deu a chance a Castle e Beckett de tomar café com calma. Ao terminarem, Castle desapareceu no escritório voltando com uma caixa enorme. Beckett ficara curiosa, o que ele estava aprontando? 

— Hora do presente, garotão - ao ver a caixa, Dylan se interessou. Castle arrancou o papel enquanto Dylan batia na caixa querendo saber o que havia dentro. Então o objeto se revelou - gostou, filho? igual o do papai e da Alexis. 

— Castle, um patinete? Ele só tem dois anos! 

— Esse é apropriado para a idade dele. Quer experimentar? Vou ensina-lo e vamos aproveitar que é domingo para passear no parque com ele, que tal? - o menino já colocava os pezinhos no novo brinquedo. Beckett olhava apreensiva. 

— Tem certeza que isso é seguro? 

— Claro que sim, amor. E se cair, levanta. O garotão ainda vai ter boas quedas e machucados se quiser aproveitar a infância. Alexis caiu bastante antes de andar de bicicleta, vai me dizer que você, Rebel Beckett, não aprontava? Você tem cara de quem subia em arvore. 

— Eu não subia em arvore! - o olhar dele para Beckett bastava para saber que ela estava mentindo - tudo bem, mas podia ter proteção. 

— É tudo uma questão de equilíbrio. Vamos para a primeira lição, Dylan? - por uma hora, Castle ensinava o menino a segurar e se movimentar com o patinete. Mais tarde, saíram para o parque. Beckett ficou impressionada com a rapidez que Dylan dominou o patinete. Aprendera direitinho e era afoito, gostava de velocidade. Seria um perigo perto do pai. Agora ela teria que se preocupar com os dois. Sorria, apesar de tudo, era uma imagem linda de pai e filho. 

No inicio da semana, Castle recebeu uma ligação do agente Spencer para uma nova visita. Não teve problemas em agendar para a quinta-feira. Enquanto Beckett se ocupava com testemunhos de caso no tribunal trabalhando com o promotor, ele aproveitava para planejar o dia dos namorados na próxima semana. Ao contrário do ano passado, Castle esperava surpreende-la. 

Na véspera da visita do agente Spencer, Beckett estava preparando o jantar de Dylan de olho no que o garoto fazia sentado no tapete. O que Beckett esquecera era que criança precisa apenas de segundos para cegar qualquer adulto. E foi exatamente o que aconteceu. Ela se distraíra cortando as verduras quando Dylan, como um raio, pegou o patinete e começou a andar pela casa. Obviamente com os moveis e não tendo muita noção de espaço, ele não podia controlar o brinquedo. Não deu outra, Beckett apenas ouviu o barulho. 

Assustada, ela correu procurando o menino. Ouviu o choro. Castle sai apressado do escritorio. 

— O que aconteceu? 

— Dylan! - foi tudo que Beckett disse ao ver o estrago. O menino chorava copiosamente. Um copo de whisky quebrado no chão, o patinete sobre as pernas do menino. Correu para acudi-lo e reparou no sangue - oh, meu Deus! - Castle tirou o patinete de cima dele, com cuidado Beckett o ergueu. Tinha um corte pequeno na perna, fruto do peso do brinquedo e dos cacos de vidro. Ela levou-o para o banheiro. Dylan chorava muito, não tanto pelo corte e sim pelo susto. O coração de Beckett estava disparado. 

— Oh, meu amor… já passou. Não foi nada, baby boy. Dylan estava brincando e caiu - beijava o menino aconchegando-o em seu peito. Colocou-o sentado no balcão da pia - deixa a sua mamama ver a perninha? - as lágrimas ainda escorriam, mas Dylan deixou Kate toca-lo. Era um corte pequeno e ela duvidava que tivesse qualquer pedaço de vidro. Precisava limpar. 

— Castle! Onde está a caixa de primeiros socorros? - ela gritou. 

— No armário à esquerda, prateleira de baixo. Estou limpando a sala… - Beckett procurou a caixa e achou. Limpou a superfície com algodão e colocou a perna do filho debaixo da torneira para que a agua corrente lavasse o sangue e os possíveis resíduos de poeira e vidro. Enxugou a perna dele com cuidado e quando estava se preparando para desinfetar o local, mudou de ideia. Resolveu dar um banho nele. 

Meia hora depois, Dylan estava sentado na cama dos pais sorrindo com Kate. Ela já limpara o local, colocara um pouco de anti-séptico e escolhera um band-aid divertido. Calçou a sandália dele outra vez e beijou o local do corte. 

— Pronto, baby boy. Já passou o dodói, vamos mostrar para o daddy seu band-aid do Mickey? Ele vai gostar - o menino desceu da cama e saiu gritando pelo daddy. Kate foi atrás, tinha medo que Castle ainda estivesse limpando a confusão. Felizmente estava tudo de volta ao normal. 

— Hey, garotão… 

— Daaaddy… miki… 

— Que bonito! Eu gostei desse machucado. Toca aqui, Dylan - fez high five com o filho. 

— Preferi dar banho nele, assim come e dorme logo. Você disse que era seguro… quando o vi caído meu coração só faltou sair pela boca - ela passou a mão nos cabelos. 

— E é. Crianças são danadas. E nosso garotão não fica longe. Não foi nada demais - ele se aproxima e dá um beijo na testa dela - está tudo bem. Que tal cuidar do jantar dele? - ela suspirou e voltou sua atenção ao fogão. A agua das batatas tinha evapora e a maioria já estava queimada. 

— Que droga! Estraguei o jantar dele. Vou ter que fazer tudo de novo. E-eu… eu não… 

— Tudo bem, segure seu filho, Kate. Vá para a sala e brinque com ele. Você está entrando em pânico agora que está tudo bem? Deixa que me viro - ela fechou os olhos. 

— Isso me assusta, quero protege-lo de tudo. 

— Eu sei, Dylan é um menino de sorte, sua mamama o ama e ainda é uma Lieutenant da NYPD. Sempre estará protegido. O que aconteceu foi um momento de travessura, só isso. 

Meia hora depois, Castle entregava o prato com o jantar do menino para Kate. Naquela noite, foi importante o momento de faze-lo dormir. Queria ter certeza de que seu filho não estava sentido nada. Algumas vezes, ela era surpreendida com as facetas da maternidade para as quais não estava de fato preparada. Agradecia por ter Castle ao seu lado para acalma-la.  

Na manhã seguinte, nem parecia que Dylan tinha se ferido. O menino estava alegre, brincando com a bola e os carrinhos no tapete quando o agente Spencer chegou. Beckett não sabia o que esperar da visita, porém ao contrario de antes, ela não as temia. 

Assim que ele chegou conversaram um pouco, ela lhe ofereceu um café e logo Castle se juntou a eles. Mark quis saber dos últimos meses e um daddy orgulhoso contou as façanhas de Dylan, porém deixou para Kate contar sobre o aniversário.

— Mesmo não entendendo muito, ele se divertiu. E escolheu o tema. Pode perguntar para ele. Eu me surpreendo com certas coisas. 

— Vocês se importam que eu me sente um pouco ao lado dele? 

— Claro que não - disse Kate - vou cuidar do almoço - ela viu o agente ao lado de Dylan com um carrinho na mão, chamando para a brincadeira. Ele perguntou da festa e o menino da sua maneira contou o que queria. Castle traduziu a linguagem. Ele também mostrou o band-aid na perna. 

— Apenas uma pequena arte com o patinete. Coisas de criança - disse Castle. Spencer sorriu. Levantou-se do chão e sentou-se na cadeira de frente para o sofá no instante que Kate se aproximava com um pratinho de frutas para o filho. 

— Kate, pode esperar um pouco antes de alimenta-lo. Eu quero conversar com vocês, então irei embora - ela olhou para o agente intrigada, será que se enganara quanto a ele? Havia algo de errado na forma que ele via sua criação com o filho? Seria o machucado? Castle notou a ruga de preocupação na testa dela. Tirou o prato das suas mãos e a fez sentar ao seu lado entrelaçando seus dedos com os dela. 

— Eu venho acompanhando vários casos de adoção. Alguns ainda na sua fase preliminar, em busca da guarda provisória, outros de crianças complicadas que tentam se adaptar em um novo lar após fugir de outro, alguns como o de vocês. De todas as famílias que visitei ultimamente, posso dizer com propriedade que nenhuma tem a história e o sucesso dessa aqui. É por esse motivo que hoje eu estou oficialmente sugerindo a você, Castle que dê entrada nos papéis para a guarda definitiva de Dylan. Não precisam esperar mais seis meses para isso. Ambos já provaram o quanto amam o garoto. 

Beckett respirou aliviada. Sorriu, havia lágrimas em seus olhos. 

— É isso mesmo? Eu ouvi direito? Acabou… - Castle parecia uma metralhadora. 

— Na verdade, a responsabilidade da paternidade está apenas começando para você. Acredito que parabéns, papai e mamãe são mais do que merecidos a essa altura. 

— Você ouviu isso, Kate? - ele a olhava com um sorriso radiante. Não resistindo beijou-a - nós somos oficialmente pais de Dylan. 

— Assim que você der entrada na papelada e o juiz assinar. 

— Papelada, Castle… - ela deixou as lágrimas escaparem diante de um sorriso. 

— Nunca fiquei tão feliz por ter que cuidar de papelada. Devo ligar para o Andrews e… quanto tempo demora para um juiz garantir a guarda definitiva depois que der a entrada nos papéis? 

— Bem, a aprovação depende do seu agente do serviço social que, nesse caso, sou eu e do juiz que concedeu sua guarda da primeira vez. Imagino que voce deva levar uma semana para entregar a papelada e seu advogado redigir o processo. Como estamos falando de justiça, eu diria que após eu conversar com o juiz do seu caso pelo menos uns três meses, afinal existe uma fila. 

— Três meses? Eu pensei que você ia dizer um ano! Isso é fantástico. 

— Depois de terem a guarda, pode registra-lo legalmente. Tirar uma certidão nova. 

— Não devemos perder tempo então - o agente Spencer se levantou para cumprimentar Castle, fez o mesmo com Kate - obrigado, de verdade. 

— Não precisam agradecer, eu sim, por dar a chance a uma criança. Boa sorte e me avise assim que entregar os documentos. Posso tentar diminuir esse prazo. 

Quando o agente saiu, Beckett se jogou nos braços de Castle. Abraçou-o sorrindo. Ele retribuiu o carinho. Ela estava feliz com a vitoria. Talvez a ficha dela ainda não tivesse caído, porém a dele sim e precisava fazer algo a respeito. 

— Dylan é nosso filho, de verdade. Acredita nisso, Castle? Você conseguiu a guarda definitiva dele antes do tempo. 

— Eu sei, não poderia ter conseguido sem você - ela o beijou. Em seguida, correu até o menino pegando-o nos braços e enchendo-o de beijos - eu vou ligar para Andrews - Castle se distanciou isolando-se em seu escritório. Após comunicar a boa noticia ao advogado, ele comentou que precisava de uma consulta a mais antes de entregar os papeis. Marcou de encontra-lo amanhã cedo em seu escritório. 

A chegada de Alexis e Martha gerou outra festa. Eles beberam, comeram e celebraram aquela noite como uma família. No quarto, ela ainda estava surpresa com tudo o que acontecera. Deitada sobre o peito dele, Beckett não conseguia parar de sorrir. 

— Eu ainda estou me acostumando com a ideia de que tudo acabou, de que você é realmente o pai de Dylan. Foi uma aventura que deu certo, você não vai me ouvir dizer isso mais vezes portanto aproveite: você estava certo e eu estou feliz que tenha insistido para que eu o ajudasse com essa sua história, escritor. 

— Na verdade, é a nossa historia. Minha, sua e de Dylan, Kate - ela deu um beijo rápido nele - amanhã não irei ao distrito com você. Preciso assinar os papéis para o Andrews. Apareço mais tarde com o seu café.   

— Amanhã você pode demorar o quanto quiser, por uma excelente causa. 

Castle chegou ao escritório de Andrews com apenas um pensamento em mente. Para ele, era mais que simples assinaturas. Ele tinha um propósito, uma missão. O advogado recebeu-o sorridente. 

— Fiquei animado com o seu telefonema de ontem. Você deve ter impressionado o agente para conseguir que o processo fosse concedido antes do tempo. Eu não entendi porque mandou que esperasse com os papéis. Achei que queria resolver isso o mais rápido possível. 

— E quero, acredite. Tem um pequeno detalhe que teremos que lidar, preciso da sua ajuda para conserta-lo - Castle esfregou as mãos nas coxas, nervoso - Todo o processo de adoção de Dylan se baseou em eu assumir a sua guarda sozinho. A verdade é que eu apenas consegui tudo isso por causa de Kate. Eu não fiz isso sozinho e a agente Wilson deixou claro que a guarda definitiva seria concedida apenas a mim porque nós não somos casados. Isso não é justo com ela, Andrews. Kate é a mãe do Dylan. 

— Castle, olhe, não se trata de ser justo. É a lei, procedimento. Eu entendo e vi o quanto o menino significa para ela. Eu estava lá no tribunal. 

— Deve ter alguma coisa que você possa fazer, uma brecha na lei. Qualquer coisa. Vocês, advogados, sabem que podem burlar algumas coisas. Por favor, Andrews, ela merece isso. Não estaria pedindo se não fosse importante. 

— Talvez eu possa conversar com o agente do seu caso e saber se há alguma possibilidade. 

— Pode ligar para ele agora? Tem mais um detalhe que não contei… 

Castle apareceu no distrito por volta das duas da tarde com o copo de café. Ao vê-lo, ela sorriu. 

— Então? Como foi? 

— Papelada pronta e assinada. Andrews dará entrada hoje mesmo e terei que esperar pelo seu telefonema para atualizações eventualmente. O que temos aqui? 

— Clássico caso de vingança. Dou cinco minutos para você desvenda-lo. 

— Fácil assim? 

— Me diga você - ela apontou para o quadro. Castle leu as informações. Ela tinha razão. 

— E o que voce está esperando para prender o cara? 

— Ryan e Esposito traze-lo para interrogatório. Falando neles - ela se levantou com a pasta do caso em mãos - Quer arrancar essa confissão comigo, Castle? 

— Adoraria. 

Três dias depois, Castle recebe uma ligação de Andrews. Estava no distrito trabalhando em um  caso interessante ao lado de Beckett. Assim que desligou, ele suspirou. 

— Tenho que ir. 

— Por que? O que aconteceu? - ela olhava para ele intrigada. 

— Nada preocupante, preciso verificar um dos documentos com Andrews. O juiz pediu um complemento e uma explicação. Só quero fazer o quanto antes para não atrasar o processo. Vejo você em casa, Lieutenant Beckett - ele brincou piscando para Beckett que sorriu de volta. 

O dia dos namorados chegou rápido. Castle e Beckett voltavam de uma visita ao local de trabalho da sua mais nova vitima de assassinato quando ele resolveu tocar no assunto da noite. Na verdade, era uma pequena intimação. 

— Beckett, você sabe que dia é hoje, não? 

— Quinta-feira - respondeu implicando. Adorou ver a cara de chateado dele - sim, Castle eu sei que dia é. Namorados. Isso não significa que comprei presente para você. 

— Não vou discutir esse assunto, se a tradição continuar terei mais três esse ano. Estou falando de hoje à noite. Nem invente de trabalhar até tarde ou perseguir bandidos. Esse ano nada nem ninguém vai estragar minha noite especial que está planejada desde o ano passado com um certo upgrade. 

— Noite especial, é? Tem planos, Castle? Porque eu não fui informada. 

— Está sendo agora. Você irá para casa no horário normal, se vestirá e sairemos para jantar. 

— Jantar? Aonde? Que tipo de roupa? 

— Um vestido de noite. Qualquer coisa fica bem em você, Beckett. E não se preocupe, minha mãe ficara com Dylan. A noite é nossa. 

— Você não vai dizer mesmo onde vamos? 

— Jantar, Kate. Em um ótimo restaurante de Nova York. Segure sua curiosidade, Lieutenant - ela sorriu. Não poderia ser apenas um jantar, conhecia Castle. Ele estava aprontando alguma.   

Quando Castle falou para Beckett usar um vestido de noite para jantar, imaginava que ela colocaria um daqueles vestidos que ele já vira tantas vezes. Chegou a pensar em comprar um para lhe dar de presente, mas desistiu. Saíram do trabalho no horário aceitável. Castle arrumou-se primeiro porque ela insistiu em alimentar Dylan. Ele optou por um terno azul marinho risca de giz e uma camisa em um tom azul celeste. Estava nervoso desde sua ultima reunião com Andrews, mas não queria que ela notasse. Não podia estragar a noite. 

Então, ela apareceu. Foi impossível não ficar boquiaberto diante da imagem. Kate Beckett vestia um longo em tom de dourado, sem alças com uma fenda lateral que ia até o meio de sua coxa. No pescoço, uma gargantilha também dourada que pegara com Martha. Os cabelos presos para cima formando um coque. Castle reparou que ela usava a pulseira com os pingentes. 

— Você está deslumbrante. Caprichou, não? 

— Segui suas orientações. Posso ver que agradei. 

— Muito. Não conhecia esse vestido. 

— Comprei semana passada para uma ocasião especial. Talvez você não fosse o único pensando em comemorações ultimamente. Pelo que me recorde, nós ainda não celebramos como deveríamos o processo da guarda definitiva de Dylan.

— Esperava que você quisesse fazer uma celebração única hoje. Podemos ir? - ele ofereceu o braço para ela, caminharam juntos até a porta. As surpresas da noite começaram assim que ela chegou a rua. Uma limusine os esperava na porta do prédio. Ao fita-lo, ele sorria. 

— Limusine, Castle? Isso está muito misterioso. Tem certeza que vou gostar? Você não vai aprontar nada maluco, vai? 

— Claro que irá gostar. Eu contratei a limusine porque achei que merecíamos chegar em grande estilo. Nós não iremos apenas jantar fora, nós não voltaremos para casa essa noite. E você não precisa se preocupar com o trabalho amanhã. Já avisei Montgomery que você não irá para o distrito. Ele aceitou. 

— E fica mais interessante a cada minuto - ele a guiou entrando no carro, sentou-se ao lado dela e fez sinal para o motorista seguir, ela sussurrou ao ouvido dele - apenas uma informação para você, Castle. Estou sem calcinha. 

— Deus, Kate… não faz isso. 

— Você não é o único com provocações e mistérios - mas a revelação apenas atiçou o escritor que aproveitou-se da fenda lateral do vestido para toca-la entre as pernas. Ela não mentira. Ao sentir a mão dele acariciando o interior da sua coxa roçando de leve os dedos em seu centro, ela gemeu baixinho. Castle a beijou por alguns segundos. Retirou a mão sob protestos. 

— Tudo a sua hora, Beckett. 

Eles chegaram ao local. Um dos Marriot de Nova York. Ele ofereceu a mão para ajuda-la a sair de dentro da limusine. Entraram no saguão do hotel indo direto para os elevadores. Castle puxou um pequeno cartão para aciona-lo. Escolheu o andar. Assim que as portas se abriram, ele falou. 

— Hoje iremos jantar no The View, Kate. Com Nova York aos nossos pés. 

Castle deu seu nome a hostess que os levou para a mesa reservada para eles. Simplesmente bem no centro da área envidraçada com a visão da quinta avenida iluminada nessa noite especial. O Empire States compunha a paisagem iluminado de vermelho aquela noite. Ela não conseguia evitar o sorriso. 

— Castle, isso é… espetacular… a vista e - ela virou-se para fita-lo segurou sua mão - você - ela não notara que havia champagne sobre a mesa em um balde de gelo. Rapidamente o garçom os serviu e sumiu. Beckett ainda estava perdida admirando as luzes e o colorido da cidade à noite. Castle ergueu a taça, ela o imitou - a que brindaremos hoje, Castle? 

— Ao amor. A melhor namorada! Feliz Dia dos Namorados, Kate. 

— Ao amor. A nós. Feliz Dia dos Namorados, Castle - bebeu um pouco da champagne. Não resistindo, ela inclinou-se para beija-lo. Por uns instantes, esqueceram o que estavam fazendo ali. Castle quebrou o beijo. 


— Por mais tentador que seja, Kate. Ainda precisamos jantar. Além disso, a noite está apenas começando.  


Continua...

8 comentários:

Glaucia GN disse...

Uau, parabéns, muito romântico Castle, e Kate está embalada, pena que está acabando, só dois capítulos? Não vai ser pouco? Vai deixar saudades esse baby

rosangela pereira disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Priscila Barros disse...

Que capítulo amorzinho! ❤❤❤
O baby boy mais lindo do mundo ganhou um aniversário do capitão América ❤
Confesso que assim como a Kate, também fiquei com o coração na mão com o baby boy ganhando o patinete, ainda bem que o tombo dele foi de leve.
Agora a notícia oficial maravilhosa da guarda definitiva dele, ahh, foi lindo ❤❤❤
E eu tô achando que esse dia dos namorados vai render boas novidades eim, já tô ansiosa ❤❤❤
Eu ameei o capítulo, Kah ❤❤❤❤

rita disse...

Lindo demais!! Embora não seja escritora já passou tantas idéias pela minha cabeça, sobre a adoção , um pedido de casamento quem sabe, para ter na certidão do Dilan o nome da Kate,enfim espero que seja um próximo capítulo recheado de surpresas.Abraços querida.

cleotavares disse...

Baby boy já está um rapazinho e muito lindo em seus 02 aninhos, e a festinha não podia ser diferente, não é? Capitão America!. Hum! Eu acho que a escritora é um tanto fã de cuecas, hahaha!
A Beckett promovida, a guarda definitiva, o jantar........ "pera!" faltou o fim do capítulo, Kah! Katherine Beckett quer........

Vanessa Belarmino disse...

Não esqueci não... Aqui estou para comentar... Coração apertadinho, só mais dois capítulos...
Achei tão bonitinho Beckett levando Dylan para o cemitério, as duas visitas foram emocionantes. To tão orgulhosa da Kate por ter escolhido ouvir seu coração. Ela cresceu tanto em tão pouco tempo. ♥
Wow Lieutenant Beckett! Castle todo orgulhoso dela. Da vontade de guardar esses dois em um potinho... Quer dizer, melhor guardar nas fics hahahaa
KB dando indireta sobre o casamento! OMG!♥♥♥
Festinha de Dylan. O tempo passa rápido né? A decoração é a cara do pai, que se diverte tanto quanto o filho... E ainda temos Maddie ♥ Até o Baby Boy participando da conversa... Tem com não se apaixonar cada dia mais por esse baby? Impossível!
Ah, Maddie claro que ela quer o próximo passo, e nós tb! ♥♥
Mais uma cueca para coleção. A-DO-RO! Por mim pode ter do Thor, Hulk, Superman... Todos os super-heróis hahahaa
Coisa mais fofa Dylan acordando a Mamama! ♥ Adoro essas cenas com interação da família e claro Baby boy ♥
Kate tão mãe preocupada com o brinquedo.. Aliás ela cuidando dele, quando ele caiu foi lindo... Toda carinhosa e preocupada e tentando passar tranquilidade para o pequeno. E Castle tranquilizando ela. ♥
Esse agente é ótimo, que noticia maravilhosa! ♥
Castle tentando mexer os pauzinhos hahaha... Kate merece mesmo!
Ja to toda empolgada com esse jantar de dia dos namorados... Começamos muito bem. Castle sabe agradar um mulher e KB sabe provocar um homem...
A noite vai ser longa e iremos amar... Porque imagino uma surpresa... E conhecendo a autora, teremos comemoração em grande estilo. ♥♥♥♥♥

Silma disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Silma disse...

A gente começa o capítulo já sentindo um tremendo impacto irmãos 👌🏽 o que foi esse momento no cemitério? 😪
Temos a mais nova,linda,incrível e notável Lieutenant no 12° distrito 😍❤A gente olha pra trás e vê o quanto a Kate cresceu,o quanto lutou consigo mesma pra chegar até aqui e podemos dizer com propriedade,a caminhada foi linda dona Kate 😊🤧
Tia Maddie ela tá super pronta pro próximo passo e geral também 😂😜
Essa festa do Dylan não poderia ter mais a cara do Castle em todos os sentidos 😂😍 dois aninhos já? 😱como passa rápido mano!
Festejei a notícia como se eu estivesse com o C e a B 😂😌😍 vocês conseguiram meu povo.Todo medo e pq não dizer "insegurança" fez uma ponte pra vocês ter chegarem aqui e ter construído essa família linda que construíram!
Eu já querooooooooo o casório de vocês e pq não falar da possibilidade de mais um baby 😌

Não acredito que já tá no finalzinho,literalmente no final 😪 foi bom enquanto durou né 😊
Obrigada mais uma vez Kah 💙