quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Bones Fic - "A X-Mas Carol" - Cap.5


Capitulo 5

No dia seguinte


Temperance espreguiçava-se na cama sem nenhuma vontade de levantar-se. Passava das 9h e ela estava enrolada nas cobertas. Tivera um sonho muito bom. Sonhara com Booth. Estava numa festa de natal, parecia ser do Jeffersonian e eles dançavam. A música, um clássico do romance "Just the way you look tonight". E a dança…ah, a dança era perfeita, as mãos dele na cintura dela, as delas no pescoço dele, tão intimo. Os olhares que não conseguiam se separar e quando ela menos esperava, o beijo. Suave, carinhoso e cheio de emoção. Não era desejo, era algo mais. Sentia-se nas nuvens e por isso ela estava assim, leve e feliz. Suspirou fundo e então outro sentimento deu lugar a tranquilidade: o nervosismo. A alta expectativa que agora tomava conta dela e que podia ser apenas coisa da sua cabeça. Quer dizer, Booth sempre foi gentil com ela mas isso não queria dizer que ele era apaixonado por ela, que fazia isso por gostar dela mais do que um parceiro ou amigo gostaria, certo?


Ela riu de si mesma, como podia ficar confusa desse jeito? Ela era um mulher racional, usa a lógica para resolver suas questões mas quando se trata de Booth, bem as vezes a lógica não se aplica. Quando ela pensa em Booth, ela é Temperance – a mulher, que se sente atraída, que deseja, que quer algo mais do que a companhia dele para um jantar ou um bom papo por mais contraditório que isso pudesse parecer para aqueles que a conhecem, na verdade essa afirmação até a chocaria alguns anos atrás, hoje não mais, não depois do que ela já viveu com ele.

Sorrindo, ela saiu da cama. Tinha algumas coisinhas para resolver para a comemoração desse natal na casa de Seeley Booth.

O dia voou para Brennan. Ela acabara de chegar cheia de sacolas da rua. Estava exausta. Queria tomar um bom banho de espuma e relaxar. Ouvir uma boa música, tomar um bom vinho. Ela jogou as sacolas no sofá e foi pro banheiro. Em cinco minutos, ela estava imersa na água, relaxando. Fechou os olhos e deixou os sais e a água fazerem sua magia. Quando quase cochilava, o celular tocou. Ela esticou o braço e viu o nome no visor.

- Oi,Booth.

- Tudo bem, Bones?

- Sim, tudo bem.

- Er...sobre o natal, é que eu esqueci de te falar que você não precisa trazer nada.

- Certeza? Nem um vinho? Ou uma sobremesa?

- Não, você foi convidada esqueceu?

- Tá. Vou pensar no seu caso.

- Você foi trabalhar hoje?

- Não, mas passei o dia na rua. Tinha algumas coisas para resolver.

- Ok, então.

- Booth se precisar de alguma coisa me liga.

- Ok, tchau Bones.

Apto de Booth

Ele desliga o celular. Que desculpa mais esfarrapada para falar com ela! E ainda nem disse o que queria, podia ter convidado-a para sair, ou pedido ajuda mas não, faltou coragem. Ele senta-se no sofá pensativo.


Como saberei se Temperance Brennan me ama?

Pergunta difícil, dúvida cruel e resposta desconhecida. Em outros tempos, eu até podia dar um palpite mas hoje não sei. Claro que a Bones vem mudando muito nesses ultimos tempos, tem ficado mais receptiva, parece mais atenta ao lado sentimental, procura agradar. Pedir para eu ensina-la como mexer com encanamento foi uma prova disso. E tem as piadas, o jeito dela com a Angela e quando ela deu outra chance a Daisy. Sem falar no dia do prêmio lá no museu que ela dispensou o Andrew para ir comigo. Bones não tem noção do que o gesto e as palavras dela fizeram comigo ali. Minha vontade era beija-la ali mesmo e fiquei bem perto disso.

Eu não confio muito em papo de psicólogo mas Gordon Gordon realmente entendeu o que sinto por ela mas o pior sentimento que já experimentei na vida foi o de um amor não correspondido.


É tão difícil ve-la todos os dias e não poder tocá-la do jeito que eu gostaria...

Porque será que Gordon Gordon me pediu paciência e esperança? Será que ele viu algo a mais que eu não vi? É Booth, você só tem um meio de descobrir e tem que tomar muito cuidado para não estragar a amizade e a parceria se a empreitada der errado.

Ele suspirou. Olhou para a sacola ao canto. Presentes de natal. Precisava embrulha-los e colocar embaixo da árvore.

Ele levantou-se preguiçosamente e apanhou a sacola. Tirou a primeira caixa e tratou de embrulha-la. Ele tinha certeza que ela gostaria desse presente, queria impressiona-la, trazer a tona o lado emotivo dela nessa data tào especial para ele e que pretendia transformar em algo especial para ela também. Quando puxou a segunda sacola para perto de si, ele sorriu maroto. Estava louco para ver a reação dela. E o ultimo, bem esse não teria muita graça porque ela o viu comprar.

Porém, Booth tinha um outro presente. Esse ele comprara por influência do filho mas não negava que era original. Havia nele uma particularidade que ele decidiu em fazer para dedicar a ela mas esse presente não poderia ser entregue junto com os demais. Tudo ia depender do andamento da noite e do que ele descobrisse sobre sua parceira e amiga Brennan.



CONTINUA...

Um comentário:

Dani disse...

Uau! to curiosa agora poxa! :D HAHAHAAHA