quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

[Stanathan] Kiss and Don't Tell - Cap.102


Nota da Autora: Ontem parece que deixei minhas leitoras decepcionadas com o fim do capitulo. Portanto, essa é uma postagem extraordinária. Como expliquei ontem, tem confusões em família, brincadeiras, revelações... e amor! Aliás, sei que muitas vão ficar felizes pela saída de alguém nesse capitulo hahaha.... pena que não dá para se empolgar, logo estará de volta, em doses homeopáticas. Prometo! Enjoy!


Cap.102

Nathan abraçou a mãe apertado e perguntou beijando-a várias vezes no rosto.  
— Qual o quitute de hoje, mamãe?  
— Não podia ser outro. O preferido de vocês. Carne assada e poutine.  
— Ah, mãe... não precisava! Ouviu isso, bro? Carne assada da mamãe... - Stana ria da felicidade do marido. Dona Rada sussurrou para a filha.  
— Quanta originalidade! Não tinha outra coisa para cozinhar? Tinha que repetir o mesmo prato que eu? - Stana revirou os olhos e fitou a mãe bem séria.  
— Vai começar, mãe? Primeiro, não é uma competição. Segundo, se fosse, a senhora estaria em desvantagem afinal ela é a mãe deles e sabe o gosto dos filhos, terceiro nem pense em atrapalhar o momento em família do meu marido. A última coisa que eu preciso é ter que sair daqui levando a senhora porque não se comportou - Rada fitava a filha calada.  
— E Stana não se preocupe, eu fiz um suflê de batata, cenoura e couve-flor especialmente para você. Acho que vai gostar.  
— Ah, não precisava minha sogra.  
— Precisava, sim. Você tem que evitar condimentos por causa do leite de Katherine.  
— Falando nela, onde está minha filha?  
— Dê uma olhada - disse Cookie. Jeff estava novamente com a pequena no colo, Bob ao lado dele - dois marmanjos babando na minha neta - Gigi se aproximou da irmã, sussurrou. 
— Deus! Como ele fica sexy com um bebê no colo! É errado achar isso sexy, sis? Sentir vontade de arrancar todas as roupas dele só por causa dessa cena? - Stana riu. Beijou o rosto da irmã.  
— Se você acha tão sexy, por que não pensa em ter um? Poderia apreciar a imagem mais vezes... 
— Ah, sis... eu não sei, às vezes acho que seria muito bom. Jeff quer tanto... eu sei que ele não é mais tão novo assim, que é importante, mas não sei se consigo, a experiência me apavora.  
— A experiência é maravilhosa, sis. Devia pensar seriamente em tentar.  
— Mas e o cheiro? A sujeira e... meu Deus, Katherine é tão pequena! Eu a carrego, mas morro de medo de derruba-la, machuca-la. Amamentar? Alguém sugando nos meus seios sem ser o Jeff? - ela fechou os olhos e balançou a cabeça querendo expulsar um pensamento da mente - não, eu sei que não estou pronta.  
— Tudo bem, mas pode aproveitar o momento com o seu noivo agora. Ele parece não querer largar a Katherine tão cedo.  
— É, vou lá.  
— Queridos, vocês já estão com fome? Querem almoçar? - perguntou dona Cookie.  
— Acho melhor esperar a próxima mamada de Katherine, assim ela dorme e a Stana pode comer tranquila.  
— Jeff, por acaso você está falando isso porque não quer largar minha filha? - ele sorriu ficando um pouco vermelho - bro, acho que vou te contratar como babá.  
— Deixe seu irmão curtir a sobrinha, babe - ela beijou o pescoço do marido - acho que alguém está se animando para ter um bebê - sussurrou no ouvido dele - presta atenção... - Gigi sentou do lado do noivo, beijou-lhe o rosto. Em seguida, fez carinho na cabecinha de Katherine.  
— Ela é tão pequena, não amor? Tão delicada. Como você acha que seria uma nossa?  
— Nossa? Você quer uma menina mesmo? - disse Gigi.  
— E você não? Uma mini Gigi? Toda mandona correndo pela casa?  
— Eu gosto dos olhos azuis, vê como brilham?  
— Eu adoro seus olhos, Gi.  
— Mas nossa filha tem que ter algo seu... o sorriso! E o bumbum. Sim, um lindo bumbum empinado correndo feito patinho... 
— Gigi, nós estamos mesmo falando em ter um bebê? - ela olhou para o noivo, sorriu.  
— Acho que sim... mas não agora. Vamos curtir o nosso casamento. Não antecipe as coisas - ela deu um longo beijo nele. 
— Você está falando sério? - Jeff a olhava encantado.  
— Sim, estou. Mas não teria nenhum problema em ter um pequeno Jeff. 
— Olha, amor... parece que são uma família - disse Stana.  
— Acho que o mano vai começar a pressionar Gigi, de uma maneira boa, para dar um bebê a ele.  
— Ela diz que não está pronta, porém acredito que é medo porque quando a vejo assim, sei que está amando ficar com Katherine - Jeff fez sinal para Stana. Ela se aproximou.  
— Ela dormiu.  
— Definitivamente vou te contratar como babá, Jeff - ela tirou a filha do colo do cunhado colocando-a no moisés - Acho que podemos almoçar, minha sogra. Espero que a Katherine durma o suficiente para comermos.  
Eles sentaram-se à mesa. A carne assada cheirava demais. Nathan se atacou comendo o poutine e o assado com o tempero da mamãe. Não faltaram elogios.  
— Oh, mãe como isso está bom. Adoro esse molho grosso e salgado que a senhora faz. Jeff, tem algum pão? - o irmão riu.  
— Estava pensando a mesma coisa, bro. Acho que tem uma baguette e um resto de pão italiano. Vou pegar.  
— Desde pequenos. Sempre a mesma coisa. Adoram molhar o pão no molho da carne e comer. Adivinha com quem aprenderam? - ela apontou para o marido - eu comprei pão, filho. Conheço minha cria.  
— É uma delicia! Se passar manteiga, melhor ainda - disse Nathan.  
— Minha sogra, esse suflê está delicioso. Quero a receita depois. 
— Claro, Stana. É bem simples. Gigi me ajudou a fazer. Cortou as verduras para mim - ela piscou para a nora.  
— Foi mesmo? - perguntou dona Rada sem acreditar.  
— Bro, a Gi caiu na conversa da mamãe, a chantagem.  
— Não acredito! Pensei que fosse mais esperta, Gigi. Jeff sempre caia.  
— Isso é porque caçulas sempre são sortudos.  
— Por isso mesmo, irmão caçula leva a melhor - disse Nathan.  
— Fale por você. Eu não tive nenhum privilégio sendo caçula. Stana era a sortuda.  
— Gigi, não era assim! - dona Rada a repreendeu - o que os pais de Jeff vão pensar?  
— É a verdade. A senhora teve seis filhos e havia diferença, a caçula era sempre a rebelde, de tanto me chamar assim acabei me tornando uma.  
— Você não é rebelde, sis.  
— Ah, mas Nate tinha suas qualidades. Quando chegava na hora de fazer compras, era o melhor companheiro. Muito bom, o período do natal então! Bob detestava, Jeff corria... todos tem suas qualidades. Meus meninos sempre foram bagunceiros. Gigi põe meu filho na linha quanto a bagunça. Ela consegue. Sei que tem um jeitinho especial, mas quem resiste a Gigi? Ela sabe convencer.  
— Só posso concordar - disse Jeff - nas compras o mano ganha de mim, até hoje.  
— Eu que o diga! - riu Stana. 
— Eu sei como é criar meninos, tive apenas duas meninas - Claramente, dona Rada não sabia como reagir à conversa. Um choro invadiu a sala.  
— Katherine acordou. Deixe que eu cuido dela, amor. Continue comendo - Nathan se levantou. Ao voltar com a bebê nos braços, ele tentava distrai-la para que Stana conseguisse terminar de comer. Então, Cookie viu. Pai e filha usando a pulseira. 
— Nathan... você está usando a pulseira como a Katherine. Pensei que não tinha mais. Você me disse que quebrara.  
— Foi mesmo, porém Staninha mandou consertar e me deu no natal para eu usar com Katherine.  
— Só você mesmo para conseguir esse milagre.  
— É dona Rada, parece que suas filhas tem o dom de dominar esses dois - disse Bob - aliás, Stana merece um prêmio por aguentar esse bolha.  
— Eu o amo, Bob. Às vezes ele pode ser um pé no saco - ela riu e piscou para o sogro - mas o coração é tão bobo quanto seu, bolha - eles riram - está na hora de Katherine comer.  
— Ótimo. Quando Stana terminar de amamentar, comeremos a sobremesa.  
Assim que Stana voltou para se juntar a eles, Cookie trouxe a torta de maçã para a sala, sabendo do que Gigi fizera para o seu filho, chamou-a.  
— Gigi, você pode me ajudar a trazer os pratos? - ergueu as sobrancelhas em sinal para ela.  
— Claro sogrinha - ela sumiu com Cookie na cozinha, Stana aproveitou a oportunidade para falar com a mãe. 
— Será que a senhora pode parar de implicar com tudo? Com a Gigi, dona Cookie... sempre tem um "mas" com a senhora... estamos curtindo um momento gostoso com os pais do meu marido, pessoas que tratam suas filhas tão bem... por favor não vá comentar nada da sobremesa - Dona Rada olhou feio para a filha.  
— Não fiz nada.  
— Claro, a senhora nem percebe mais - se afastou da mãe.  
Na cozinha, Cookie perguntou de Gigi o que ela queria fazer.  
— Vai servir o bolo junto e contar que fez para ele ou vai deixar para mais tarde?  
— Se deixar para depois, ele vai estar cheio. Quero que prove. E Nathan vai adorar comer, só não pode acabar o bolo do meu Jeff.  
— Tudo bem, então você leva o bolo, eu levo a cobertura extra e os pratos.  
— Tomara que tenha ficado bom... vou ficar triste se tiver ruim.  
— Não vai, minha filha. Ele vai amar. Vamos.  
Voltaram para a sala. Com todo o cuidado, Gigi carregava o bolo colocando-o sobre a mesa.  
— O que é isso, Gigi? - Nathan perguntou propositalmente.  
— Isso é um bolo de chocolate que eu fiz para o meu Jeff. A receita é da mamãe, mas eu mudei o tipo de chocolate para ficar parecido com aquele devil's cake que comemos quando escolhíamos nosso bolo, lembra amor? Você gostou tanto que coloquei chocolate amargo. 
— Você fez esse bolo para mim? Quando? Por que?  
— Quando fingia ajudar sua mãe na cozinha, porque você é um gostoso e merece!  
— E porque a Linda está indo embora... 
— Stana! - ela brigou com a irmã.  
— Você nunca justificou ter feito algo para mim porque sou gostoso - reclamou Nathan, ela deu uma cotovelada de leve nele.  
— Oh, Gi... minha Gi, um bolo para mim?  
— Fiz... - ele se levantou. Puxou-a pela cintura e com uma das mãos em sua nuca, tascou um beijo apaixonado. Recuperada do momento, ela falou - vo-você nem experimentou... 
— Eu vou e sei que estará ótimo, era isso que você mexia naquela panela, não? Estava cheirando tanto… As duas me enganaram. 
— Prove. É seu, vai dividir se quiser. Não é obrigado - ele riu do jeito que ela olhava para o irmão. Então, Nathan fez uma careta para ela e Gigi mostrou a língua. 
— Duas crianças! Querem parar vocês dois?! Stana, como nós aguentamos?  
— É muito amor, Jeff. A única explicação. Prove logo esse bolo antes que a Gigi tenha um troço.  
— Enquanto vocês disputam o bolo de chocolate, eu estou saboreando a torta de maçã deliciosa da minha esposa - disse Bob.  
— Vou ter que provar um pedacinho, meu sogro.  
— Stana não exagere. Lembre-se da Katherine.  
— Eu sei, mãe. Só quero provar.  
Jeff havia cortado uma fatia do bolo, colocado a calda. Sentou-se e levou o primeiro pedaço à boca. Gigi olhava-o ansiosa. Ele continuou mastigando sem dizer nada, colocou outro pedaço na boca.  
— E aí? Está bom?  
— Gi, está ótimo. O chocolate amargo deixou o bolo mais gostoso. Lembra o que comemos. Você acertou em cheio, pode até fazer para o nosso casamento.  
— Jura? Você não está falando isso só para me agradar?  
— Dúvida? Prove - ele ofereceu a colher. Ela mordeu um pedaço do bolo.  
— Eu caprichei. Está gostoso. Foi muito amor, sis - Stana sorriu e piscou para ela. Vendo a carinha de felicidade de Gigi, ele lhe deu outro beijo. Percebeu que Nathan estava indócil, doido para provar.  
— Pode provar um pedaço, bro. Eu sei que não resiste a chocolate.  
— Ele está quase morrendo querendo um pedaço - disse Gigi - come cunhado, sei que seu irmão não nega nada a você. Acho que vou ganhar um novo fã, o número 3 - Stana não se aguentou e gargalhou.  
— Me diz como a gente pode não gostar dessa mulher? - falou Bob - vou sentir muita falta de você, Gigi.  
— É só vir me visitar, sogrinho.  
— Ou vocês irem a Edmonton mais vezes.  
— Podemos pensar, não amor?  
— Claro, Gi - ele se serviu de outro pedaço do bolo, Stana provou um pouco do prato de Nathan.  
— Hum, sis, está melhor que o outro.  
— Outro? Gi? Você se escondeu de novo para aprender?  
— Não queria fazer feio, mas nem é o mesmo bolo.  
— Ela usou chocolate amargo na massa e na calda. Antes tinha somente usado na calda pelo que me contou. Eu disse para ela que ia ficar bom.  
— E ficou mesmo, então esse não é o bolo da mamãe, é o seu bolo Gigi.  
— Sim, acabou fazendo a sua receita.  
— Bolo da Gigi ou o bolo gostoso do Jeff. Não, bolo do Jeff gostoso - o noivo ria muito.  
— Nem pense em vender a receita com esse nome.  
— Claro que não, Jeff. É exclusividade.  
— Bro, eu disse a ela que trocaria uma torta de limão da Stana por um bolo de chocolate da Gigi. O que acha?  
— Acho que será cada vez mais difícil eu querer a torta de limão, sem ofensa Stana, mas esse bolo me ganhou e quem sabe mais para frente não teremos a torta de limão da Gigi?  
— Não abusa, Jeff...não funciona assim... - disse Gigi. 
— Terei que encontrar algo para convence-la, tudo bem.  
— É Staninha, já posso até ver a Gigi chegando lá em casa pedindo para você ensinar a torta.  
— Hahaha, você e seu irmão se acham - disse Gigi debochada.  
Estavam tão animados na conversa que nem perceberam que dona Cookie tinha pego Katherine e subido para curtir a neta um pouco em seu quarto. Finalmente, Stana pergunta. 
— Cadê a Katherine? - quem respondeu foi Bob. 
— Cookie subiu com ela. Deve estar aproveitando para mima-la um pouquinho - Stana sorriu e foi atrás da sogra. Abriu a porta do quarto de leve, Cookie fez sinal para que entrasse. 
— Ela dormiu? 
— Não, está acordada. Vocês estavam tão empolgados decidindo quem era o melhor casal que achei que não se importariam se eu a roubasse um pouco. Vovó ficará com saudades de ver essa princesa - Stana sentou-se na cama ao lado da sogra - então chegaram a alguma conclusão com o seu debate? Quem leva a melhor? 
— Com Gigi e Nathan competindo? Podemos passar horas aqui e não chegar a um veredito - Cookie riu. 
— Ainda me impressiono quando olho para vocês. Dois casais perfeitos. Talvez se tivesse planejado não daria tão certo. E você, Stana, em especial. Eu sei que meu filho não é fácil, como todo ariano. Agora você terá que lidar com dois. 
— Talvez não devêssemos nos preocupar com esse lance de signos, minha sogra. Seu filho tem seus momentos difíceis, eu convivo há oito anos com ele. Trabalhando, presenciei algumas situações estranhas, já o vi estressado. Porém, desde que ficamos juntos, não me recordo de cenas tão complicadas. Tivemos nossas brigas, ciúmes, contudo Nathan mais me ajudou que eu a ele. 
— É por sua causa, Stana. Tudo volta para você - a nora sorriu, ficou vermelha - pode pegar aquela bolsa vermelha sobre a cabeceira? Melhor, tire uma caixa de dentro dela, é cinza claro - Stana fez o que a sogra pediu - volte e sente-se ao meu lado. Abra - dentro da caixa havia um par de brincos de outro. A letra K - trouxe esse presente para Katherine, não imaginei que fosse furar a orelha dela tão cedo, mas Gigi se antecipou, o que achei ótimo. Não quero tirar seu direito como madrinha, mas pode usa-los mais tarde. Quando você achar que deve. 
— São lindos. Obrigada, minha sogra. 
— Não precisa agradecer. Ela é minha neta, Stana. Tenho o direito e a obrigação de mima-la. 
— Não gaste todo o mimo com Katherine, acredito que em breve a senhora terá outro neto ou neta. 
— Você acha? Eles ainda nem casaram. 
— É, tem o casamento, a lua de mel, o tempo de gestação. 2018. Não deve passar disso. 
— Eu quero muito que você esteja certa, minha filha. 
— Eu também. Não quero que Katherine cresça sozinha. Eu sempre tive irmãos, Nate teve o Jeff… 
— Você não pensa em ter outro bebê? 
— Querer sim, poder não sei. A partir de agosto terei uma vida muito agitada. Muito a filmar, voltar a colocar minha carreira nos eixos. Tem a Katherine. Realmente não posso prever o que pode acontecer. 
— Então deixe a vida tomar seu curso, nós nunca sabemos ao certo o que ela nos reserva. Ela dormiu. Quer descer com sua filha ou devemos deixa-la aqui? Não sabemos qual o nível da discussão lá embaixo. Pode acabar acordando-a. 
— Tem razão. Vamos deixa-la aqui. Tenho a babá eletrônica comigo. 
— Querida, posso lhe fazer uma pergunta? 
— Claro! 
— Sua mãe, ela não parece muito satisfeita com a nossa presença. Foi algo que eu disse ou fiz? Foi por causa de Gigi? - Stana suspirou. 
— Saiba que não fez nada de errado, minha sogra. A mamãe é complicada. Ela e Gigi não tem a melhor das relações por culpa da minha mãe e um pouco minha também. Com seis filhos, dona Rada ainda conseguiu ter preferência. Sempre eu antes de Gigi, sempre Markus antes de Dusan. Homens não ligam muito para essas coisas, mas mulheres? Especialmente porque nós duas sempre fomos muito unidas, não foi fácil para Gigi conviver com o lance da preferência, pelo menos eu nunca escondi que ela era minha favorita dos cinco irmãos. Peço que perdoe minha mãe pelas demonstrações infantis. Ela sempre foi controladora, uma leoa. Gosta de ter todos debaixo de sua asa. Talvez ao ver como a senhora trata Gigi e a forma como minha irmã retribui o carinho e fica à vontade ao seu lado tenha mexido com ela. 
— Explica muito, mas ainda não entendo. Com duas mulheres lindas e inteligentes, eu adoraria fazer tudo por elas. Dizem que as mães preferem os meninos porque nunca vão se sentir solitárias, isso não é verdade. Tive dois, amo-os mais que a mim mesma, porém tinha horas que sentia falta de uma companhia feminina, alguém para falar de assuntos frívolos, bobos. Uma amiga. Sua mãe está perdendo a chance de ter duas. 
— Cada pessoa pensa de um jeito, minha sogra. Eu quero pedir para que não comente nada. A última coisa que precisamos é uma briga. Não quero ver minha irmã triste. 
— Eu vi você e Nate tentando evitar confrontos. Tudo bem, pode contar comigo. 
Elas desceram as escadas juntas. Gigi estava deitada no sofá, a cabeça no colo do noivo. Nathan comia outro pedaço de bolo. E dona Rada estava conversando com Bob. 
— Acabaram os tópicos de conversa? - perguntou Stana. 
— Sis, brigue com seu marido. Ele vai comer o bolo do meu Jeff todo! 
— Quantas fatias você comeu, Nate? 
— Gigi está exagerando, amor. Só três. 
— Três que valem por seis! Metade do bolo já foi. 
— Tudo bem, Gi. Se acabar, você faz outro para mim - disse Jeff deslizando a mão pelo peito dela. 
— Não pense que vai me convencer na base da chantagem, nada de se acostumar com a moleza de eu estar cozinhando para você todo o tempo. 
— Não é todo o tempo, Gi. Uma vez por mês, não? Temos um acordo. 
— Chega, Nate - Stana tirou o prato das mãos dele - acho que está na hora de irmos para casa, não? 
— Calma, Stana. Vou fazer um café para nós. Fique mais um pouco - Cookie se dirigiu para a cozinha. 
— Sim, Rada estava me contando a historia dela da Sérvia, muito interessante.  
— Quando vocês viajam? - Stana perguntou a sogra. 
— Era para ser na terça, depois de amanhã. Porém, Bob não conseguiu um voo de conexão em um horário descente para Edmonton. Iremos na quinta. Quero ver minha neta mais uma vez antes de ir. 
— Claro! Pode ir a qualquer hora. 
— Vou sentir falta de vocês - disse Gigi - essa casa não será a mesma. 
— Estamos quase no final de abril, logo será seu casamento. Quando menos esperar, estaremos de volta, minha filha - disse Cookie trazendo a bandeja com o café. 
— Nem, me lembra sogrinha. Praticamente dois meses para nos casarmos, Jeff. Meu Deus! Para onde o tempo foi? 
— E tomara que voe, não aguento mais esperar para casar com você, Gi - ele inclinou-se para beija-la. 
— E vai começar a sessão amasso. Melhor irmos andando, Staninha. Sabe que quando esses dois começam… 
— Está com inveja, cunhado? - Gigi olhava para ele de um jeito implicante, Stana revirou os olhos. 
— Querem parar vocês dois? Ninguém está com inveja de ninguém. Talvez eu esteja com inveja da minha filha que está dormindo e descansando. Eu poderia estar fazendo o mesmo. 
— Está cansada, sis? Podia ter dormido no meu quarto um pouco. Por que não disse? 
— Está tudo bem, Gigi. Acho que realmente devemos ir andando, Nate. Dona Cookie precisa descansar e eu também - deu um beijo na irmã, outro no cunhado e subiu as escadas para pegar Katherine. Ao voltar, despediu-se dos sogros e disse que os esperava durante a semana.  Cookie entregou ao filho uma vasilha com um pedaço da carne assada. Nathan beijou a mãe erguendo-a do chão. Dona Rada deu um beijo no genro, na filha e cumprimentou educadamente os Fillions. Ao ficarem sozinhos, Cookie comentou. 
— Acho que o almoço foi um sucesso. 
— Sim, ninguém se matou. Podemos declarar um sucesso realmente. 
— Oh, Gigi, não fale assim. 
— Ah, amor… vai dizer que não ficou com medo em alguns momentos? 
— Tudo bem, fiquei. Mãe, saia dessa cozinha. Deixe a louça ai que mais tarde eu arrumo. Vá descansar, você ouviu a Stana. Nós também vamos para o quarto esticar o corpo um pouco - ele fez Gigi se levantar do sofá. Acabaram subindo todos juntos. Assim que entraram no quarto, Jeff jogou a noiva na cama - acho que ainda não agradeci adequadamente pelo bolo de chocolate - debruçou-se sobre ela mordiscando seu pescoço enquanto as mãos apertavam-lhe os seios. Descansar era a última coisa nos planos de Jeff. 
Na véspera da viagem, Cookie e Bob cumpriram o prometido. Foram fazer uma última visita a neta. Katherine estava bem esperta. Eles acabaram passando a tarde toda na casa de Nathan. Ao retornarem para casa, encontraram Jeff e Gigi na cozinha. 
— Chegaram bem na hora. Jeff está fazendo o jantar. Eu ajudei. Fiz bruschettas e assei batatas. 
— Olha só! E o que vamos comer? - perguntou Bob. 
— Steak. Não podíamos deixar nossa última noite juntos passar em branco, né amor? Meus sogros merecem! 
— Não precisava. Só terão trabalho. 
— Trabalho nenhum, mãe. Nem preciso marinar muito a carne e já frito rapidinho. É só me dizer se já querem comer. 
— Que tal experimentarmos as bruschettas primeiro? - sugeriu Bob. A noite fora outra vez agradabilíssima. Pela manhã, Gigi se despediu dos sogros porque não poderia acompanhar Jeff para leva-los ao aeroporto. Tinha uma reunião importante com um cliente. Ela abraçou a sogra. 
— Vou sentir tanto a sua falta, sogrinha. Gosto tanto de conversar com você.
— Eu também, minha filha. Mas logo estaremos de volta para o casamento. E vocês podem nos visitar quando quiserem. 
— Se cuida, fã #2. Vou sentir saudades das suas implicâncias com o Nathan - ela o abraçou. 
— Você pode me substituir. Faz isso muito bem. 
Dando um beijo no noivo, Gigi saiu para trabalhar. Quando já estava chegando no seu carro, ela correu de volta e abraçou Cookie outra vez, bem forte. Sussurrou ao seu ouvido. 
— Eu amo você, mãe - segurando as lágrimas, a sogra respondeu. 
— Eu também, filha. 
Gigi trocou um olhar com o noivo e saiu as pressas. Não queria derramar lágrimas na frente dele. 
As coisas estavam mudando constantemente nas casas dos Fillions. Dona Rada também percebeu que não era tão necessária assim. Stana se saia muito bem com a filha então não havia motivo para ficar. Três dias antes do aniversário de Stana, ela ia voltar para casa. A irmã chamou Gigi para se despedir da mãe. Claro que a irmã chegou toda apressada na casa. Tivera um dia corrido pela frente. 
— OI, sis… nossa! Estou cansada - jogou-se no sofá, olhou para a irmã e perguntou - como está o humor da mamãe? Está ansiosa para voltar para casa? 
— Não sei, acho que ela ficou um pouco decepcionada por eu e Nate estarmos cuidando tão bem de Katherine e não precisarmos mais dela. 
— Você acha que ela vai falar alguma coisa sobre os pais do Jeff e do Nathan? Acha que vai perturbar? 
— Não sei, só disse que queria se despedir e eu deu uma leve bronca nela na sua casa. Juro que estava vendo a hora dela comprar uma briga. Dona Cookie reparou e me perguntou. Fiquei sem graça, quer dizer, você espera que seus pais tenham mais educação e maturidade que você e de repente, se vê justificando seu comportamento. Falando neles, foi tudo bem? Já estão tranquilos em casa? Não falamos mais com eles. Tem uma semana já. O tempo está voando! 
— Eu que o diga. Abril está acabando. Sim, eles chegaram em casa bem. Fica um vazio, sabe? Acho que me acostumei a eles e nem pude leva-los ao aeroporto. Para falar a verdade, aqui entre nós e que mamãe não escute. Foi melhor assim. Eu tive que segurar as lágrimas ao me despedir da sogrinha.  
— Você realmente se apegou a ela, não? 
— Eu a amo, sis. Ela é incrível - Stana sorriu - e cadê a mamãe? Sério, eu estou cansada. Katherine está dormindo? 
— Sim, mamou e dormiu - nesse instante, dona Rada aparece. 
— Olá, Gigi - deu um beijo na filha sentado-se ao lado dela. 
— Tudo arrumado? 
— Sim, o voo é amanhã às nove da manhã. Pedi para a Stana chamar você para eu me despedir apropriadamente. É só por dois meses, logo estarei de volta para o seu casamento. Os preparativos estão sob controle, eu imagino. 
— Sim, estão. O tempo passa muito rápido e espero estar pronta para a data. E a senhora avise o pai que não vou admitir ele não estar presente. Assim que botar os pés fora daquele navio, ele está proibido de sumir no mar. Senão, serei obrigada a pedir que Bob me leve até o altar. 
— Como se isso fosse um grande sacrifício para você, não Gigi? Acho que até prefere aos sogros do que os pais. 
— Que besteira, mãe! Isso lá é coisa que se diga? 
— Só estou comentando, eu vi a sua intimidade com eles. 
— Dona Rada, eles eram meus hóspedes, são os pais do meu noivo e sim, são pessoas maravilhosas que a senhora poderia ter conhecido melhor se não ficasse torcendo o nariz e pensando em como ser melhor que eles, especialmente a dona Cookie. 
— Gigi, olha como fala comigo! Não fiz nada disso. 
— Mãe, por favor, em todas as conversas a senhora quis se mostrar superior e aquele comentário sobre o almoço. Criatividade, sério? - Stana olhava séria para mãe - nós percebemos que a senhora ficou deslocada nas conversas porque não queria se misturar ou porque todas as vezes que abria a boca para comentar algo era uma critica a Gigi ou uma alfinetada em dona Cookie quando devia estar feliz por ela elogiar tanto suas filhas. 
— Você também Stana? Já não basta a sua irmã querer comprar briga comigo? 
— Nem eu nem Gigi queremos brigar com a senhora. Eu só queria entender porque se incomoda tanto quando alguém rouba o show. Sim, a sis se dá super bem com a sogra, isso não é ruim. É excelente. Dona Cookie é minha sogra também e antes que a senhora insinue alguma coisa, eu não tenho ciúmes da minha irmã. Eu fico feliz por ela. Não há predileta e se houvesse, não me importaria de ser a número dois. Aliás, sabe quando se sentiu colocada para escanteio no almoço na casa de Jeff e no aniversario de Nate? 
— O que tem? Nada demais. As pessoas apenas não queriam conversar comigo. 
— Mãe, fale a verdade. A senhora se sentiu estranha naqueles dias, talvez até triste. Principalmente lá em casa - disse Gigi. A cara de Rada dizia tudo, ela concordava com a filha. 
— Foi o que pensei. Agora volte no tempo para a época da sua outra visita. A senhora consegue entender como Gigi se sentiu, então? Jogada para escanteio, triste? 
— Sis, está tudo bem. Não vamos remexer nisso. 
— Desculpa, Gigi. Mas eu preciso falar porque tudo o que nós duas queremos é uma relação saudável e gostosa com a nossa mãe. Não queremos que seja necessário uma intervenção de nossos maridos para que nossa mãe se comporte perto de nós, não é assim que uma relação de mãe e filhas deve funcionar. 
Dona Rada escutara o desabafo da filha. Sabia que Stana falava pelas duas, mas era óbvio que estava defendendo a irmã. 
— Você precisa que sua irmã fale, te defenda? 
— Não, a sis não precisa fazer isso. Eu não quero brigar, mãe. Estou cansada. Eu vim me despedir. 
— Você realmente se sentiu triste daquela vez? 
— Quer a verdade, dona Rada? Sim, me senti triste e como se fosse um nada, porém a senhora já sabe disso, não sei porque insiste em manter a situação - Rada suspirou. 
— Acho que eu não percebia. Mesmo com você me explicando, Gigi. Eu tive que passar por isso para entender. Desculpe, filha. Prometo que não vai acontecer de novo. Stana tem razão, eu acredito que não estava preparada para ver você tão próxima de outra pessoa como estava de Cookie. Fiquei enciumada. É besteira, mas aconteceu. 
— Mãe, deixe de bobagem. Não precisa ter ciúmes de dona Cookie. Ela é minha sogra, mãe do Jeff. Ela nunca vai me conhecer como a senhora - Gigi abraçou a mãe e tascou um beijo estalado no rosto dela - promete que vai parar com isso? E da próxima vez que encontrar com a minha sogra vai trata-la muito bem? 
— Tudo bem, Gigi. Você venceu. 
— Ótimo! Acho que terminamos por aqui, não? - ela se levantou do sofá, deu outro beijo na mãe - faça uma ótima viagem, mamãe e não esqueça do recado pro pai. 
— Você devia ligar para ele. 
— Eu vou, assim que ele estiver em terra. Tchau, sis. Eu realmente preciso ir. Estou desejando um banho quente. Será que o Jeff fez o jantar? - Stana trocou um olhar com a mãe, ambas riram. 
— Essa sua irmã não tem jeito.  
No dia seguinte, Nathan levou a sogra ao aeroporto. 
Ele vinha se desdobrando nos últimos dias para ajudar Stana com a sua nova série. Ela recebera novos roteiros e algumas orientações dos seus criadores para montar a personagem. Nathan repassava os textos e trocava ideias com ela. Por causa disso, ele também se dedicou a cuidar de Katherine. Entre trocas de fraldas e amamentação, ele ficava com a filha. 
Stana tinha pedido para o marido olhar a pequena enquanto ela tomava um banho. Como tinha acabado de amamenta-la, imaginou que dormiria logo. Quando saiu do banheiro enxugando seus cabelos na toalha, ela se deparou com uma cena digna de uma foto. 
Nathan estava encorado no encosto da cama. Katherine deitada de bruços em seus ombros dormindo serena. Ele também tinha os olhos fechados. Stana não sabia se ele também acabara cochilando. Os cabelos caídos na testa. Ela suspirou. Seus dois amores. Pegou o celular e tirou uma foto, para guardar esse momento de pai e filha para sempre. Em seguida, ela aproximou-se do marido, sentou ao seu lado na cama. Os dedos tocando levemente os cabelos na testa. Beijou-o nos lábios. Nathan abriu os olhos. 
— Você estava dormindo, babe? 
— Acho que cochilei. 
— É, junto com sua filha. Estavam lindos, a propósito - ela pegou Katherine - vou coloca-la no berço. 
— Vá e volte logo. 

XXXXXXX

Na manhã do aniversário de Stana, Nathan acordou-a com vários beijinhos. A luz do sol mal entrara no quarto quando ela finalmente abriu os olhos. 
— Que horas são, Nate? - ele acariciou o rosto dela, beijou os lábios da esposa. 
— Hora de fazer amor com a aniversariante - ele deslizava os dedos pela pele dela, invadindo por baixo da camiseta que usava. Stana gemeu em antecipação. Sentiu ele tirando sua calcinha, afastando as pernas e antes que pudesse se dar conta, sentiu os dedos de Nathan em seu centro. Em seguida, ele a provou. Ela agarrara seus cabelos com uma das mãos enquanto a outra segurava o travesseiro, seu corpo remexendo em reação ao prazer que ele a proporcionava. Estava úmida, pronta para recebe-lo. 
— Nate… por favor… - ele sabia o que ela queria. Colocando seu peso sobre o corpo da esposa, ele a beijou apaixonadamente. Sentiu-a agarrar-se em suas costas e aproveitou-se do momento para afundar-se de uma vez nela. Ao senti-lo completamente dentro de si, ela gemeu prazerosamente. As pernas entrelaçadas na cintura dele. Movimentavam-se juntos, em sincronia. Nathan tomou sua boca outra vez. Podia sentir que o orgasmo começava a controlar o corpo embaixo do seu. Com mais rapidez e urgência, ele se aprofundava dentro dela até ouvi-la gritar. A explosão pegou aos dois de uma vez. 
Aliviados, ele finalmente se deixou relaxar sobre Stana. Ainda ofegante, virou-se de lado dando-lhe espaço para respirar e se recuperar. Sorrindo, ela buscou os lábios dele. Estava sobre seu peito beijando-o apaixonadamente. 
— Feliz aniversário, Staninha - ele disse ajeitando a mecha de cabelo para trás da orelha. 
— Obrigada, babe - ele a colocou outra vez no colchão. 
— Fique aqui. Vou buscar seu café - ele se levantou, pegou o roupão e deixou o quarto. Ela continuou deitada, um sorriso nos lábios. Ao voltar, Nathan trazia uma bandeja recheada de pães, geleia, queijos, frutas e o café. Havia também um envelope com o nome dela - tudo o que você gosta, amor. Eu ia fazer panquecas, mas fiquei com receio de fazer mal para Katherine, porém se você quiser, eu desço e providencio. 
— Não, babe. Está ótimo. O que é isso? - ela perguntou apontando para o envelope.
— Para você - como toda pessoa que recebe um presente, Stana sorria feito criança pegando o envelope. Dentro dele havia um cartão direcionado para ela, a letra dele. Ao abrir, ela leu em silêncio “ Para o amor da minha vida: queria te dar o mundo, porém não seria o bastante. Eu amo você. Seu. Nathan”. Havia um folheto de um fim de semana. Yosemite Park. 
— Eu pensei que depois de você cair na rotina de filmagem, poderíamos nos isolar numa  cabana por uma semana. Sei o quanto adora viajar e por causa da gravidez não tivemos a chance de fazer isso nos últimos meses. Podemos levar Kate conosco. Ir de carro, você pode explorar as trilhas, respirar ar puro. Com a pequena não podemos fazer viagens longas por um tempo. 
— Eu adorei. Você, eu, natureza. Sim, será muito bom escapar da cidade - ela beijou-o novamente - e Nate? Você já me deu o mundo. Eu te amo, babe. 
— Quer provar isso com uma certa ação, Staninha? - ele a olhava intensamente - eu simplesmente não consigo deixar de admira-la, linda. E não importa quanto tempo se passou, para mim é como se fosse a primeira vez, todas as vezes que sinto meu corpo próximo ao seu, que estamos juntos, na cama… é maravilhoso.  
— O café vai esfriar… 
— Acho que o café pode esperar…
— Se você prometer fazer outro bem quentinho… - mas ela ja desfazia o nó do roupão que ele usava segurando o membro em suas mãos. Perderam-se um no outro mais uma vez nas primeiras horas da manhã. 
Durante o dia, ela recebeu todos os mimos e a dedicação exclusiva do marido. Cookie e Bob também ligaram para cumprimentar a nora. Jeff e Gigi ligaram. Claro que a irmã fez um escândalo ao telefone dizendo que ia passar mais tarde para dar um beijo pessoalmente na sua sis favorita. Anne foi responsável pelo segundo escândalo do dia. Além da família, Terri, Dara, Lisa e vários outros amigos ligaram para lhe desejar os parabéns. E claro, os fãs. Fazia quase um ano que Castle acabara, porém seus fãs não a esqueciam. Recebeu milhares de recados nas redes sociais, videos, fotos de todas as partes do mundo. 

Naquele seu trigésimo nono aniversário, Stana podia afirmar com certeza que estava extremamente feliz. Tinha tudo o que uma pessoa desejava amigos, família, reconhecimento e principalmente amor. Seus maiores bens. Nathan e Katherine. Eles eram seu mundo. 

Continua....

6 comentários:

Camila Lorrane disse...

OMG cap Combo e por isso que te amo Kah. Esse Cap abordo um pouco a relaçao de Dona rada com os pais de Nathan Dona Rada e suas crises de ciumes hahahaha. Dona Cookie uma fofa eo Bob tbm. Jeff todo bobo com a Gigi. Gigi pensando em ter um Baby como eu previa so foi a Stana engravidar pra ela pode querer um tbm. Niver da Stana com seus dois amores Nate e Kate. Quero a Kate pra mim Parabens Kah cap ficou otimo como sempre. Stana e Gigi colocando Dona Rada no seu devido lugar hahaha. Katherine Katic Fillion ja quero voce pra mim to sentindo falta da Pequena. 👏💙👶🏼😍💖👣😍

Priscila Barros disse...

É SURRA DE CAPÍTULO E EU TO COMO? TO NO CHÃÃÃO!!!!! OBRIGADA KAAAH ❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️
Sério, quando você falou que tinha capítulo novo eu fiquei feliz demaais ❤️❤️❤️
A gente já começa esse capítulo com esse monte de amor nesse almoço ❤️❤️ dona Cookie mimando esses meninos é o retrato da melhor mãe do mundo ❤️❤️❤️
Dona Rada segura esses comentários ai, fia. Dona Cookie é a melhor pessoinha do mundo ❤️❤️ não tinha como ela não gostar da maravilhosa Gigi ❤️❤️❤️❤️❤️ tadinha da dona Cookie, achando que tinha feito algo de errado huahaua.
E o que falar de Giff pensando em um bebê???? Eu quase pulei de alegria ❤️❤️❤️❤️ já consigo imaginar a Gigi grávida e o Jeff todo bobão ❤️❤️❤️
Agora bom mesmo foi a discussão do bolo hauhauahauhauahuauahu, Nate + Gigi é uma junção que dá treta huahauahauahauahuahau ❤️❤️❤️
Gostei muito da Staninha falando várias verdades para a mãe, ela realmente sentiu na pele o que fez a Gi passar da outra vez, espero que agora dona Rada mude.
Amei esse final cheio de amor do meu casal lindo comemorando o niver da Staninha? ❤️❤️❤️ eu sou trouxa demais por esses dois, amo demais eles ❤️❤️❤️❤️❤️
Obrigada por nos dar de presente esse capítulo tão rápido ❤️❤️❤️❤️❤️ eu amei ❤️❤️❤️
P.S.: to ansiosa pelo casamento da Gigi ❤️❤️

cleotavares disse...

Menina do céu! Mais um. Continue, que estou amando.

Almoço maravilhoso, tirando os ciuminhos da d. Rda. Gigi e Nathan são umas figuras, parecem mais irmãos, brigando. A Kate está hipnotizando a Gigi e o Jeff. E por fim, acho que a d. Rada aprendeu.

Niver da Staninha, maridão gostosão e filhota linda.

Vanessa Belarmino disse...

Amei esse almoço em família! Achei lindo dona Cookie agradando seus filhos e não esquecendo da alimentação da sua filha Stana e nem da torta de maça do amado Bob *-*
Adorei ver Jeff todo bobo com Kate e tb ver que minha bichinha está mais aberta a ideia da maternidade apesar do medo... Stana dando todo o apoio. Se depender da torcida, logo Katherine ganhará um priminho... Agora ja penso em um mini Jeff com olhos azuis e bundudinho e uma mini Gigi... Fico querendo dois hahahahahaha. A culpa é da autora que fica me atentando... Mas vamos com calma, que ainda tem casamento e muita emoção...
Eu adorei essa cena de Jeff e Gigi falando sobre o baby e SN observando os dois e falando sobre os dois.. Foi muito amorzinho! ♥
Eu adoro como dona Cookie defende Gigi, reforçando as qualidades... Aliás ela faz isso com ambas as noras...
Como não amar o jeitinho bobo de Jeff com o bolo da Gigi ou seria do Jeff gostoso ou do gostoso do Jeff? Confusa! hahaha
Nate me mata reclamando com Staninha "Você nunca justificou ter feito algo para mim porque sou gostoso". Para nao dar briga, o bolo é da Gigi, minha bichinha arrasando na cozinha! Que orgulho! ♥ Nate parece uma criança para doces, pior que Anne haha
Concordo com Nate, logo Gigi vai aparecer pedindo para aprender a torta de limão, entre outras coisas... Afinal é uma vez ao mês, e não acho que ela vá querer ficar repetindo o cardápio... Até porque Jeff vem cumprindo bem a parte dele do acordo...
Amei a conversa entre dona Cookie e Stana... É engraçado que Gigi ficou mais tempo com ela, mas dona Cookie sempre fez o possível para ter seus momentos com Stana, que apesar de poucos foram especiais...
Que pena que eles foram embora! A despedida com Gigi foi emocionante... E eu amei!
Tenho evitado falar de dona Rada o comentário todo, mas agora serei obrigada a me manifestar... Adorei a postura de Stana durante todo o tempo que a mãe esteve na casa dela. Sempre dando tiradas, ou falando abertamente como nesse capitulo. Não acho que o que aconteceu com dona Rada nesses dias se compare ao que ela causou na ultima visita e muito menos à vida de Gigi... Não foi nem 1%. Gigi não precisava da defesa de Stana, mas ja deu pra perceber que Stana se sente culpada com essa coisa de "preferencia declarada de dona Rada"... Então aqui ela lavou a alma tb. E ela está certa, elas não deveriam precisar dos maridos (sim, maridos... wow... Pq Jeff já é, só falta oficializar) para mandar o recado para mãe... Não é assim que deveria ser... Continuo não gostando de dona Rada, mas espero que ela tenha entendido o recado e valorize os filhos que ela tem... E que bom que foi embora...
Nate cochilando com Katherine é uma dessas imagens que deveria estar emoldurada juntamente com a declaração de amor da Stana para Kate... Pais lindos demais! ♥♥
O aniversário de Staninha foi super especial... Nate como sempre arrasando!
Ja percebi que o melhor horário da fic é "a hora de fazer amor gostoso"♥♥


rita disse...

LINDO DEMAIS! EMOCIONANTE!! Parabéns Karen. Abraços.

Gabriela Mendonça disse...

Dona Rada mal chegou na casa do Jeff e ja ta caçando treta... E Gigi coitada... td dividia entre ter ou não ter um filho.
Ê Dona Rada viu... ta dando para entender pq as filhas são ciumentas... apesar q o dela é completamente sem justificativa...
"Você nunca justificou ter feito algo para mim porque sou gostoso - reclamou Nathan" kkkk esse Nathan sei não viu kkkk
Dona Cookie é a melhor sogra da vida... meu DEus muito amorzinho. Essa conversa com a Stana foi tão fofo... e ela sacou a Dona rada rapidão...
owwwwwn que fofinhas... a Gigi chamando a Cookie de mãe... que lindinho
Finalmente rolou essa conversa com Dona Rada... tava ficando impaciente de ninguém chamar ela e colocar as cartas na mesa... pelo amor da DEusa... passou e muito a linha do limite.
Eita que aniversário hein? acordada com td amor e fogo pelo marido, café na cama, um mega presente, declaração... n podia ser melhor.