quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

[Castle Fic] One Night Only?! - Epílogo


Nota da Autora: Everything ends... essa talvez seja uma das notas mais difíceis que já tive que escrever. ONO carinhosamente como a chamamos foi uma história que nasceu de repente. Planejada para ser uma oneshot. Ideia dada por Miky em um pequeno concurso. Por insistência, me deixei levar por ela, Vanessa e Carlinha que ainda dizia: "15 capítulos está ótimo!". Chegamos aos 70 com direito a epílogo. ONO foi uma jornada na sua escrita e na historia de KBex. O autoconhecimento e a superação foram seus pilares. A maior surpresa dessa fic foi a personagem por mim criada, nossa maravilhosa Dana, ela me ensinou e nos ensinou que sempre temos uma escolha. É triste dizer adeus, mas a ideia de poder reler essa pequena homenagem a Castle e a Caskett, me deixa feliz. 
Tenho que agradecer a todas as leitoras que vibraram, choraram, me ameaçaram durante essa viagem. Poderia citar muitas aqui, mas seria injusto, mesmo assim terei que faze-lo. Aninha, mesmo não comentando com freqüência, sei o quanto você adora essa historia. Van, seu amor por Ono foi alem das "paginas" do blog. Todas as vezes que pensar em Roma, lembrarei de você. Obrigada por me socorrer quando eu precisei ligar os pontos da historia.  Às demais, vocês sabem quem são e moram no meu cuore. 
Sinceramente espero que esse final tenha ficado a altura da historia. Closure. É necessário. Todos estão presentes nesse capitulo, de um jeito ou de outro. Verão novamente menções a canções. Direito reservados aos seus autores. 
O que fica após o fim? A certeza de que "todos os caminhos levam a Roma". 
Muito obrigada. Enjoy! 

PS.: O último capitulo superou o primeiro em palavras...está como vocês gostam...grande! Não preciso dizer que tem uma ultima NC... pequena, mas... 



Epílogo 

Três meses depois 

Beckett estava em uma cena de crime. Observava o trabalho da legista fazendo as perguntas que precisava para adicionar a sua investigação. Castle estava ao seu lado bebendo café e ouvindo as informações de Esposito. Era um dia normal para eles. O celular de Beckett toca fazendo-a sorrir. Dana. Mostrou a tela para Castle.  
— Com licença, eu preciso atender isso - ela se afastou e curioso, Castle a seguiu - Ciao, Dana. Come stai?  
— Vá molto benne. Kate! Que saudade!  
— O que você queria? São três meses. Aposto que está se divertindo na Itália. Quando você pretende dar as caras por Nova York? É por isso que você está ligando, não? Para dizer quando chega.  
— Na verdade, estou ligando para saber como a minha amiga e paciente favorita está e para dizer que não volto para os Estados Unidos agora. Decidi fazer outro curso na universidade de Milão. Meu artigo do final do curso foi tão bom que me convidaram para dar umas palestras por aqui.  
— Wow! Olha só para você!  
— Sim, você tinha razão quando falava de Roma. Esse cidade, o país tem uma atmosfera diferente.  
— Nossa! Isso é incrível, Dana. Você realmente viciou no tiramisu.  
— Kate...  
— Ah, vai dizer que não é verdade? Por quanto tempo vai ficar por aí? Qual a duração do curso?  
— Seis meses. Ficarei em Milão, Giovanni e eu estamos dividindo as despesas, não dá para viver de hotel na Europa e sempre tenho os fins de semana livres que aproveitamos viajando. Voltamos ao Bonnacelli várias vezes, Pepe sempre pergunta de vocês.  
— Seis meses? Wow! É muito tiramisu, doses e doses de tiramisu. Meu Deus! Como é bom descontar toda a provocação que recebi com o chocolate... estou adorando estar do outro lado! - Castle a olhava intrigado sem saber exatamente do que ela estava falando.  
— Acho que mereci isso. E como está Castle? Precisa da minha ajuda ou desabafar alguma coisa?  
— Não! Sabe, Dana nós voltamos de Roma, estamos vivendo nossas vidas, mas dessa vez posso dizer que todos os dias são como Roma - Beckett sorria como uma boba olhando para o namorado enquanto falava ao telefone. 
— Fico feliz em saber. Definitivamente, eu fiz um excelente trabalho! Como sou boa!  
— Hey! Menos Castle e mais Dana! - a terapeuta riu.  
— Tudo bem, saiba que a casa é sua se quiser fazer uma visita. Gigio e eu iríamos adorar recebê-los.  
— Ah, Gigio... obrigada pelo convite. Vou pensar a respeito. Manda um beijo meu e um abraço de Castle para ele e Dana? Não exagere no tiramisu... um beijo - ela desligou ouvindo a gargalhada da amiga.  
— Apesar de não ter entendido boa parte da conversa, acho que você tinha razão. Você atuou bem de cupido. Ela não volta agora, certo?  
— Não, vai fazer outro curso na universidade, mais seis meses. Ela está curtindo o Gigio. Estão morando juntos em Milão.  
— Ótimo! Dana merece. Acho que você não vai me dizer porque usou meu nome, vai?  
— Vamos dizer que ela estava se gabando demais...  
— Ah...  
— Vamos voltar ao trabalho, Castle.  
Uma semana depois, Beckett acabava de concluir o relatório de seu último caso. Castle, como sempre, fugira da papelada indo mais cedo para o loft com a desculpa de escrever. Sim, ela sabia quando era uma desculpa. Convivia há bastante tempo com o escritor para saber disso. Estava fechando seu computador e vestindo o casaco quando Gates se aproximou de sua mesa.  
— Detetive Beckett?  
— Ah, olá senhora. Eu acabei de enviar o relatório do meu caso para sua avaliação e também dei meu parecer sobre aquele e-mail do promotor Jones que me pediu.  
— Ótimo. Eu vi que estava de saída então me apressei em vir falar com você. Quero você amanhã na minha sala às oito horas. Tenho alguns assuntos sobre sua performance e comportamento que preciso discutir.  
— Certo, capitã - Beckett respondeu intrigada.  
— Não se atrase, preciso terminar antes da minha reunião com o comandante no 1PP às nove.  
— Não me atrasarei, senhora - Gates voltou para a sua sala deixando uma Beckett confusa no salão do 12th distrito.  
Mais tarde, quando preparava o jantar com Castle, ela discutia sobre os motivos da tal reunião que teria na manhã seguinte.  
— Eu realmente não sei, já revisei mentalmente tudo o que fiz nesses últimos meses, meus casos, julgamentos, nossa parceria e não consigo encontrar nada que possa ter irritado a capitã.  
— Beckett, relaxa! Não acredito que Gates tenha algo a reclamar de sua performance. Você é a melhor detetive daquele distrito, seu índice de casos solucionados está acima da média fora todo o trabalho extra que ela pede para você realizar. Não consigo imaginar uma razão sequer para que você receba qualquer sermão ou punição.  
— Foi o que pensei, mas por que ela parecia tão séria e cheia de suspense?  
— Espere, eu fiz algo errado? Será que ela vai me expulsar do distrito? - agora ele estava preocupado.  
— Não, ela não poderia fazer isso porque ultimamente você não fez nada errado, fui eu que desobedeci e peguei uma punição.  
— Exato, você já se redimiu. Cumpriu a suspensão - ela tinha um olhar apreensivo, Castle abraçou-a pela cintura e beijou-lhe a nuca - esquece isso, nada de sofrer por antecipação. Vamos relaxar. Quer vinho? Acho que ainda tem uma garrafa daquele Chianti de Florença que você adora...  
— Não, guarde para uma ocasião especial.  
Na manhã seguinte, Beckett tomou café cedo. Castle fez questão de acordar para preparar a refeição para a namorada visto que não poderia acompanha-la essa manhã, tinha uma reunião na editora sobre o lançamento de Frozen Heat.  
— Você vai ficar bem. Boa sorte na sua reunião. Tenho certeza que vai dar tudo certo com Gates. Você me liga quando terminar?  
— Se eu tiver tempo... - ela deu um rápido selinho nele e saiu.  
Às oito horas, Beckett entrava na sala da capitã que indicou a cadeira para que ela sentasse a sua frente.  
— Detetive Beckett, eu a chamei aqui porque gostaria de discutir um assunto com você envolvendo sua performance nesse distrito. Acredito que ninguém tem uma ficha como a sua nessa delegacia. É claro que não podemos esquecer da sua última desobediência para não dizer loucura ao perseguir seu inimigo e quase morrer.  
— Senhora, eu sei que agi mal, mas...  
— Beckett, por favor, não estou contestando o que você fez, já cumpriu a punição, retornou e continuou mantendo seu histórico. Não é disso que quero falar. Você é a melhor detetive desse distrito e acredito que está na hora de pensar em subir um degrau. Haverá exames de patentes daqui a seis meses. Duas vagas para Lieutenant. Quero indica-la para fazer as provas, isso significa que não aceitarei uma falha. Comece a estudar o quanto antes. Eu sei o quanto você gosta de investigar, do trabalho de rua então a patente de Lieutenant será muito boa para você, claro que irá fazer mais trabalhos de júri também. Foi muito bem avaliada pelo promotor. O que me diz? Está pronta para o desafio?  
— Capitã, eu estou lisonjeada e sim, eu irei fazer a prova. Muito obrigada pela confiança e por acreditar em mim.  
— Acredite, Beckett, não há alguém mais qualificada que você. Posso comunicar o comandante da sua decisão, certo?  
— Claro, mas porque o comandante estaria interessado na minha decisão?  
— Porque eu falei para ele que ia conversar com você sobre o assunto, seu nome é conhecido no 1PP - ela sorriu - pode voltar ao trabalho. Não esqueça de inscrever-se no site da NYPD.  
Beckett se levantou aliviada pelo teor da conversa e realmente animada com a chance que estava recebendo em sua carreira. Ela se concentrou no trabalho e acabou esquecendo de ligar para Castle. Recebeu uma mensagem dele por volta das dez horas perguntando como fora a reunião. Ela respondeu de volta "sob controle, falamos em casa.KB"  
Mas a curiosidade de Castle era maior, assim que se livrou de todas as coisas que Gina queria resolver com ele, comprou café e foi para o 12th.  
— Hey, não esperava vê-lo aqui hoje - disse Beckett pegando o copo de café das mãos dele.  
— Decidi ver se você tem um caso e precisa da minha ajuda - ele chegou mais perto dela, falando baixo - e posso acompanha-la até em casa... 
— Oh meu Deus! Você está morrendo para saber da minha conversa com Gates!  
— Não... - mas a cara dele não convence - tudo bem, mas pode me culpar? Você estava preocupada, me deixou encucado.  
— Eu respondi que estava tudo sob controle. Não quero falar disso aqui no distrito. Por que não vai para casa, prepara o jantar e quando estivermos comendo eu conto?  
— Não tenho escolha mesmo...  
— Não reclame, eu tenho que analisar um processo para um julgamento amanhã. Prometo estar em casa às seis - sem poder opinar muito, ele se contentou em ir para o loft e esperar. Não havia processo, Kate Beckett queria se inteirar do seu futuro. Ansiosa, acessou a página da NYPD.  
Quando Beckett chegou em casa, encontrou a mesa posta, um cheiro delicioso de assado e Castle sentado no sofá com uma taça de vinho na mão.  
— Que cheiro bom...  
— Coloquei um lombo de porco para assar e batatas.  
— Estou com fome. Vou trocar de roupa, não demoro - quinze minutos depois, ela apareceu com a calça do pijama e um suéter - como foi com Gina?  
— Tudo bem, Frozen Heat deve passar pela revisão e no máximo em dois meses estará nas livrarias.  
— Que bom. Vai demorar para jantarmos? - ele entregou uma taça de vinho a ela.  
— Uns dez minutos. Por que não começa a me falar o que Gates queria com você?  
— Melhor, antes que você morra de agonia - ela acariciou o rosto dele - ela me chamou para conversar sobre minha carreira, meus resultados.  
— Você tem resultados excelentes. Ela não pode reclamar.  
— Ela sabe, Cas... Gates me indicou para uma promoção. Haverá uma prova daqui a seis meses, ela acredita que eu possa ser Lieutenant. Na verdade, ela não admite falha.  
— Lieutenant?! - ele estava surpreso, não por Kate porque sabia que ela merecia, mas por Gates.  
— Segundo ela, comentou com o comandante na 1PP e ele concordou com a ideia. Disse que eu sou conhecida pela minha reputação lá. Foi bom ouvir que ela admira meu trabalho do contrário não estaria me dando a oportunidade.  
— Wow! Isso é grande!  
— É sim - disse rindo ao ver a alegria dele - e a melhor parte é que continuarei investigando, fazendo trabalho de rua, o que significa que você continuará a me seguir, a ser meu parceiro.  
— Com prazer. Estou orgulhoso de você, Kate. Muito feliz. Lieutenant Beckett... hum, é sexy! Precisamos brindar! Devo ter champagne em algum lugar e...- ela segurou o braço dele impedindo-o de se levantar - o que foi?  
— Não preciso de um brinde, acho que mereço outro tipo de comemoração... não mereço um beijo, Castle?  
— Merece todos os beijos do mundo - tirando a taça da mão dela, ele inclinou o corpo em sua direção segurando o rosto da mulher a sua frente e sorveu-lhe os lábios carinhosamente, então o beijo tornou-se sensual, provocante. Minutos depois, ela afastou-se. Podia ver o desejo no olhar dele.  
— Eu sabia que beijar uma Lieutenant era mais sexy que uma detetive... - ela riu e esmurrou o braço dele.  
— Cadê o jantar?  
— Pensei que queria comemorar... - Castle a fitava maliciosamente.  
— Estou faminta! Preciso jantar.  
— E a atitude autoritária é a mesma. Seja tenente ou detetive - ele se levanta para tirar o assado do forno, Beckett vai atrás dele. Assim que Castle coloca o assado sobre a mesa, ela o abraça por trás beijando o pescoço, roçando seus dentes na pele.  
— Se esse assado estiver muito bom, talvez possa mostrar mais tarde o lado sexy da sua Lieutenant...  
— Oh! Esse será o melhor assado que você já comeu. Sente-se, Beckett.  
Eles jantaram conversando sobre as próximas etapas de suas vidas profissionais. Castle comentou que Gina estava tão satisfeita com o retorno da série Heat que nem sequer cobrou para que ele iniciasse o novo livro. Comentou que provavelmente faria um tour logo no lançamento de Frozen Heat, o que Beckett aprovou sabendo que ela mesma estaria ocupada nos próximos meses estudando para o seu exame. Entre as conversas não faltavam as carícias.  
Ao terminarem de jantar, Beckett recolheu as louças e sussurrou ao seu ouvido que ele devia ir para o quarto. Empurrando-o enquanto estava enroscada em sua cintura devorando o pescoço de Castle, eles chegaram ao quarto. Ele a virou de frente e sorveu seus lábios. Os dedos de Kate já se enveredavam sob a camiseta tocando a pele quente num gesto claro para que ele se livrasse da peça. Castle obedeceu prontamente. Ao tentar tirar o suéter que ela vestia, Kate se afastou dizendo. 
— Calma, eu preciso ir ao banheiro. Por que não se livra do resto das roupas nesse meio tempo? - ela desapareceu no banheiro, claro que tinha um plano. Já percebera o quanto Castle estava animado. Era a mais pura verdade. Ele tirou a roupa ficando apenas de cueca, estava excitado, louco para devorar cada pedacinho do corpo dela. Ele não se preocupou em cobrir o corpo ao sentar-se na cama para esperá-la, queria que ela visse o que provocava nele. Ao vê-la sair do banheiro vestindo o roupão, gemeu. Beckett se aproximou dele com um sorriso nos lábios.  
— Por que você ainda tem roupas?  
— Eu tive que me preparar para bancar a tal Lieutenant sexy... - ela desfez o nó do roupão deixando-o escorregar até o chão. Estava completamente nua - precisava de reforços - ela sorria maliciosa mostrando o par de algemas.  
— Oh, detetive... assim você me mata.  
— Não é detetive, é Lieutenant Beckett e acredito que você cometeu uma ofensa grave ao não respeitar a minha patente.  
— Cometi? - ele se fazia de inocente entrando na brincadeira. Beckett já colocava a algema em um dos pulsos dele.  
— Sim, e não me obedeceu. Mandei que tirasse a roupa, ainda tem uma peça para me dar trabalho - Beckett prendeu a outra algema numa armação de ferro que tinha na cabeceira da cama. Sentindo-se a dona da situação, ela sentou-se sobre ele deixando suas mãos passearem pelo peito dele.  
— Vai me castigar, Lieutenant?  
— Vou, adoro castigá-lo Castle e para sua informação, está proibido de usar isso como material para Nikki... - ela inclinou seu corpo sobre o dele roubando-lhe um beijo intenso. Uma das mãos apertava seu membro sobre o tecido, ele gemia. Beckett mordiscava os lábios dele, a brincadeira estava apenas começando.  
Os próximos meses passaram muito depressa. Entre seus casos e os estudos, entre as turnês e os compromissos de Castle, eles coabitavam no loft e criavam sua própria rotina. Até que o dia tão aguardado chegara. Castle fez questão de levá-la ao local de prova. Seriam as quatro horas mais importantes da vida dela. Com um beijo de boa sorte, ele se despediu e a viu entrar no prédio da 1PP.  
Quatro horas depois, Beckett ficou surpresa ao descer as escadas do prédio e deparar-se com Castle escorado no carro com dois copos de café nas mãos esperando por ela.  
— Castle, o que você faz aqui?  
— O que mais? Estava esperando você. Tome seu café, sei que está precisando.  
— Você ficou todo esse tempo aqui? E como sabia quando eu ia sair? O café está quente.  
— Não fiquei todo o tempo aqui. Estava matando o tempo na vizinhança e conheço você, sabia que ficaria até o último minuto de teste mesmo que tivesse terminado. Revisaria cada pergunta se pudesse. E está vendo aquele seu colega oficial na porta? Dei meu número para ele me ligar somente no caso de você contrariar minhas expectativas.  
— Nossa! Você está dizendo que sou previsível?  
— Claro que não. Você me surpreende sempre, porém nesse caso eu sei o que está em jogo, sei o quanto isso é importante. E como foi?  
— Bem, eu acho. Não quero comentar muito para não parecer que estou menosprezando o processo, o que não estou fazendo. Tenho uma entrevista na segunda-feira.  
— E quando sai o resultado?  
— Em duas semanas.  
— Ótimo - ele fez uma nota mental porque aquele seria um momento especial para os dois - está com fome? Fiz reservas no Q4 para às sete da noite. Maddie quase me bateu por telefone quando disse que tinha um jantar de negócios. Suas amigas são muito desconfiadas! Ela só sossegou quando eu falei que estava brincando e que você era a minha companhia.  
— Acho que você já deu motivos no passado para ela agir assim... 
— Águas passadas. Vamos para casa, você toma um longo banho, relaxa e coloca um vestido sexy para jantarmos. Seus dias de detetive estão chegando ao fim, Kate.  
O jantar no Q4 foi maravilhoso como sempre. Eles atualizaram Maddie de todas as novidades e a amiga vibrou com cada uma delas. Disse também estar com saudades de Dana e das noites somente de garotas quando provocavam e ajudavam Kate.  
Uma semana depois, Beckett estava nervosa. Claramente passava por um momento de recaída e precisava conversar com alguém, ligou para Dana no seu horário de almoço.  
— Oi, Kate. Que bom que você me ligou. Preciso contar as novidades.  
— Dana, e-eu preciso conversar - ao ouvir o tom da voz da amiga, automaticamente ela vestiu a personalidade da terapeuta.  
— O que aconteceu? Você brigou com Castle ou algum fantasma do passado bateu a sua porta?  
— Não é nada disso. Eu fiz o teste para Lieutenant, já tinha falado sobre a vaga para você.  
— Sim, então? Você já foi promovida?  
— O resultado ainda não saiu. Estou com medo, Dana. E se eu não conseguir? Se decepcionar Gates, Castle e a mim mesma?  
— Kate, isso não vai acontecer. Você já merece esse título faz tempo! Está ansiosa, quer a resposta o quanto antes, a espera está lhe deixando assim. Pensando nos cenários errados. Relaxe! Essa vaga já é sua.  
— Todo mundo me diz isso.  
— Porque é a verdade. Devia estar ocupando sua mente com outras coisas, seus casos, seu namorado, as cenas de Nikki... - Beckett riu.  
— E como vai o “tiramisu”? Ainda fazendo maravilhas a sua pessoa?  
— Muitas, por causa disso tenho novidades. Me ofereceram uma vaga de professora substituta para lecionar duas cadeiras no curso de psicologia em Milão pelos próximos dois anos. Eu aceitei.  
— Dana! Isso é fantástico! Parabéns!  
— Obrigada, Gigio também adorou a ideia. As coisas estão ficando sérias entre nós.  
— Estou vendo. Maddie vai ficar devastada, feliz obviamente, mas devastada. Ela está com saudades.  
— Manda ela vir me visitar. Tem muita coisa para ela desbravar na Itália. Melhor, vou ligar para ela.  
— Faça isso, mas se prepare porque ela vai querer saber todos os detalhes.  
— Conheço a peça... falando em compromisso, e você e Castle? Quando vão passar para a próxima etapa no relacionamento de vocês?  
— Ah, Dana... melhor não apressar as coisas. Demoramos tanto para conseguir ficar bem...  
— Kate, você não tem medo de casar com Castle, tem?  
— Não... mas eu acho que ele ainda não pensa nisso.  
— Ao contrário de você... - Kate riu denunciando a sua vontade - ah, como eu adoro a boba apaixonada. Ele a ama, não deve demorar para querer oficializar isso.  
— Não tenho tanta certeza, ele não parece estar com pressa. A verdade é que vivemos uma constante lua de mel, talvez isso seja o suficiente por hora.  
— Kate, se você não demonstrar que está pronta para o próximo passo, ele não vai tomar uma atitude. Lembre-se que quem sempre ditou o ritmo do seu relacionamento foi você.  
— Como é bom conversar com a minha terapeuta.  
— Sua terapeuta está lhe dizendo para relaxar, esperar o resultado do exame e revelar o que quer para o seu futuro com Castle, tenho certeza que ele não irá hesitar para realizar seus desejos. Siga meus conselhos e vai dar tudo certo, Kate.  
— Sinto um certo ar de convencimento nessas palavras. Anda pegando a mania de Castle, Dana?  
— Não, apenas dizendo a verdade. Se fosse imita-lo diria que sou o máximo, a melhor psicóloga que existe - elas gargalharam.  
— Se cuida e vê se não abusa do “tiramisu”.  
Mais relaxada, ela desligou e se dirigiu a mini copa. Serviu-se de café. Sabia que estava deixando a ansiedade falar mais alto no lance da promoção. E quanto ao assunto compromisso? Ela realmente queria avançar mais um nível com Castle, o que vindo dela era novo. Esse tipo de pensamento seria algo inconcebível para a velha Kate. Ela sorriu. Estava mesmo mudada.  
Estava tão absorta em seus pensamentos e em achar uma maneira de insinuar o que queria a Castle que não reparou quando sua capitã entrou no ambiente.  
— Detetive, posso vê-la por um momento?  
— Claro.  
— Na minha sala - fez sinal para Beckett acompanha-la. A detetive imaginou que Gates teria uma nova tarefa para ela. Assim que a porta se fechou, Gates falou sem rodeios.  
— Acabei de sair do telefone com o coordenador de exames da 1PP. Já tem o resultado da avaliação. Temos um novo recorde: 98% de acerto, a única até hoje a quase gabaritar o teste. Um resultado expressivo. Parabéns, Beckett. Você é a mais nova Lieutenant do 12th distrito. Receberá seu novo distintivo na segunda-feira. Assim que o tiver, eu faço o anúncio oficial para toda a equipe.  
— Wow! Obrigada, capitã. E-eu pensei que somente saberia na próxima semana.  
— Eles anteciparam. Eu não esperava outro resultado vindo de você. Merece comemorar essa mudança em sua carreira. Sei que estamos sem grandes casos portanto se quiser sair mais cedo, contar para alguém... - ela notou o tom de insinuação vindo de Gates, mas decidiu não se preocupar com isso.  
— Acho que irei aceitar sua sugestão, capitã.  
— Ótimo. Até amanhã, detetive e parabéns outra vez.  
Assim que saiu da sala de Gates, Beckett respirou fundo. Estava de fato acontecendo, ela se tornaria Lieutenant.  Antes de deixar o distrito, ela mandou uma mensagem para Castle. Não queria contar sobre a promoção no loft. Tentando ser misteriosa, escreveu "Pode me encontrar no parque próximo ao meu apartamento? Tenho novidades". Em menos de um minuto, recebeu a resposta "Você está se referindo a promoção? Já?", como sempre querendo saber de tudo antes.  
Sorrindo, ela tornou a escrever "Sem detalhes, no parque. Traga café". A resposta dele a intrigou "Te vejo em uma hora". Beckett sabia que ele não levava todo esse tempo do loft até o seu apartamento. Estaria ocupado? Porém, resolveu não questionar. Voltou a sua mesa sem pressa para ir embora, ou isso era o que ela tentava dizer a si mesma, no fundo estava louca para ir correndo encontrá-lo e contar de vez a novidade. Cinco minutos depois, ela deixava o distrito rumo ao parque.  
O parque estava quase deserto naquela tarde. As crianças ainda estudavam, pensou Beckett afinal era pouco mais de três da tarde e era época de testes nas escolas antes do recesso de primavera. Sentada no balanço, Kate pensava em quanto sua vida mudara em menos de um ano, dois se contasse o período em que começara a terapia pesada com Dana após perceber que precisava se entregar a uma viagem de autoconhecimento.  
Ela mudara sua vida por Castle, pela sua felicidade e não havia qualquer arrependimento. Agora, ela estava galgando um novo degrau em sua carreira. Sim, Kate Beckett estava feliz e naquele momento pensava que tinha o suficiente. Ou quase... deixou escapar o pensamento lembrando-se da conversa mais cedo com Dana.  
Um passo de cada vez, repetiu enquanto se perdia nos balanços.  
Quase uma hora depois, ela o avistou caminhando em sua direção. Trazia dois copos de café nas mãos.  
— Hey... - ela pegou a bebida das mãos dele beijando-o rapidamente e sorvendo o líquido em longos goles - você demorou... 
— Tive que cuidar de um assunto importante. Você me pegou desprevenido com esse encontro - ele sentou-se no outro balanço ao lado dela, também bebericava o café - então, vai me contar o porquê desse mistério todo?  
— Gates me chamou, eles anteciparam o resultado - ela sorriu - Castle, eu... eu passei. Você está falando com a mais nova Lieutenant da NYPD.  
— Eu sabia! - ela inclinou-se e beijou-lhe os lábios - nunca duvidei. Como você se sente, amor?  
— Feliz, orgulhosa, Gates disse que tive 98% de acerto, um recorde segundo ela - sorriu ao sentir a mão dele entrelaçar na sua, continuou - e um pouco nostálgica. Eu amava ser detetive, esse período da minha vida trouxe realizações importantes, me fez crescer. Montgomery foi parte disso, ele me deu a chance.  
— Onde quer que ele esteja, está orgulhoso o mesmo vale para sua mãe e Ah! O que eu estou dizendo? Eu estou muito orgulhoso, não consigo explicar o quanto estou feliz. É natural sentir-se assim, é parte da sua história e eu também gosto dela, foi nesse período que Nikki Heat surgiu e... 
— E quando me apaixonei por você.  
— Sim, quando nos conhecemos e nos apaixonamos - ela baixou a cabeça, Castle percebeu que ela sorria - o que foi?  
— Você vai me achar boba, mas eu sentirei falta de ser chamada de detetive, especialmente por você. A maneira como você diz a palavra é carinhosa, especial, sempre foi. Era uma maneira de eu saber que as coisas estavam bem entre nós, isso e o café.  
— Ah, mas aposto que posso fazer o mesmo agora, Lieutenant Beckett... hum Lieutenant...  
— Como você faz isso? - sorrindo, ela sentiu os lábios dele colarem nos seus mais uma vez, um beijo carregado de sentimento - eu te amo, Cas...  
— Eu sei e a recíproca é verdadeira tanto que eu pensei bastante nas últimas semanas e cheguei à conclusão de que nós merecemos mais - ele ergueu o queixo dela para que Beckett olhasse para ele - está vendo essa moeda? - ele fez um gesto e o objeto desapareceu - eu sempre busquei a magia, aquela fantasia que tornaria minha vida especial. Mágica. Você trouxe isso para minha vida, Kate. Por isso, eu sei que tudo se torna possível - com um novo gesto, ele tirou algo de trás da orelha dela. Foi então que Beckett entendeu o que estava acontecendo. Castle se colocou de joelhos na frente dela, na mão um anel - Katherine Houghton Beckett, quer se casar comigo?  
Ela levou as mãos aos lábios, sentiu as lágrimas queimarem em seus olhos. Ela o fitou, o brilho intenso em seu olhar, o azul profundo que ela tanta amava. Não estava acreditando que isso estava acontecendo.  
— Oh, meu Deus... isso é... Castle, eu... -  Beckett o fez levantar do chão, tinha as mãos nos ombros dele - eu... 
— Kate, eu te amo e não consigo imaginar minha vida sem você e depois de tudo que passamos, eu sei que isso é a coisa certa a fazer. Você é meu norte, meu porto seguro e... - Beckett calou-o colocando o indicador sobre os lábios dele.  
— E você é meu tudo. Richard Alexander Rogers para mim Rick Castle, meu escritor favorito, sim, é claro que caso com você - sorrindo, ele pegou o belo anel e deslizou no dedo dela. Kate contemplou a pedra, tornou a olhar para ele. Segurando o rosto de Castle com ambas as mãos, ela o beijou apaixonada. As mãos deles em suas costas, puxando-a contra seu corpo. Por ele, não a largaria mais, porém Kate quebrou o beijo guiando-o até o balanço novamente. Sentando-se ao lado dela, Castle contemplava o semblante de sua amada. Ela estava feliz.  
— Nossa! Você me pegou de surpresa. Aliás esse dia está cheio delas, e pensar que liguei para Dana porque estava com medo.  
— Eu também posso dizer que não esperava, eu tinha me programado para fazer a proposta na próxima semana, um jantar, um momento especial.  
— Você ia... como soube que poderia fazer agora?  
— Suas mensagens... precisei de um momento para respirar, me acalmar.  
— Você estava planejando isso...  
— Sim, eu sabia que era a hora e sua promoção apenas tornaria tudo mais especial.  
— Foram muitas emoções... e ainda não acabou.  
— Não? - Castle pensava em comemoração, mas o olhar dela não parecia estar pensando nisso.  
— Terei que contar para Gates, sobre nós.  
— Você acha que ela pode me expulsar do distrito? Eu não sou funcionário dela.  
— Não acho que irá fazer isso.  
— Hey, por que não pensamos nisso amanhã? Hoje o dia é de comemoração.  
— Tem razão - ela beijou-o outra vez, levantou do balanço fazendo Castle a seguir, tornou a abraçá-lo - e babe? Foi um momento especial. No nosso lugar preferido de Nova York. Melhor que isso, somente Roma. Por falar em Roma... - ela pegou o celular tirando uma foto do anel.  
— O que você está fazendo?  
— Tirando um foto para mandar para Dana, com certeza a minha novidade é maior que a dela.  
— Novidade?  
— Sim, Dana me disse que vai ficar em Milão por dois anos, ofereceram uma vaga de professora na universidade, o que para mim foi um ótimo pretexto para ela ficar com Giovanni.  
— Então, a relação é seria...  
— O que você acha?  
— Acho que você está fazendo isso errado, vamos tirar uma selfie - ela riu e obedeceu Castle.  
— Ela vai surtar. Que tal irmos ao Q4?  
— É impressão minha ou você está querendo curtir com suas amigas? Kate Beckett, eu nunca esperava isso de você.  
— Não é curtir, só acho que elas merecem saber o quanto estou feliz, afinal elas acompanharam os momentos ruins ao meu lado e daí se eu estou querendo exibir meu noivo? Noivo... fiancé, hum eu gosto.  
— Vamos ao Q4.  
Beckett já previra o escândalo de Maddie apenas ao olhar para o anel em seu dedo. Não deu outra. Aos gritos, abraçou a amiga e o noivo, ordenou champagne e brindaram. Do outro lado do Atlântico, alguém também comemorava a novidade. Dana ligou para parabenizar a amiga. Kate riu quando ela repetiu que tinha razão, a terapeuta acertou novamente. 
A noite foi pouca para tanta alegria, Kate não pregara o olho, mas pouco importava. Cada instante valera a pena.  
Após dois copos gigantes de café, ela chegou ao distrito na segunda-feira acompanhada de Castle, sua primeira missão antes de pegar seu novo distintivo era falar com sua capitã. O semblante da futura tenente não conseguia esconder seu verdadeiro estado de espírito mesmo que tentasse aparentar o mais profissional possível. Entrou na sala da capitã onde pretendia fazer tudo muito rápido, sem rodeios. Nem bem entrou na sala, Gates já sorria para ela.  
— Beckett, bom dia. Já estou com seu distintivo novo, dê uma olhada - entregou o objeto para Kate que contemplou-o em silêncio, passando os dedos sobre os números que a representavam na NYPD. 41319.  
— Capitã, tem um assunto que preciso falar com a senhora. Tenho que lhe contar algo. Por causa da promoção, eu não acho justo que a senhora... 
— Beckett, eu sei. Você e Castle? Eu sei.  
— Mas como? Eu não...  
— Não me tornei capitã por nada, Beckett. Da minha parte, não há qualquer objeção desde que continuem mantendo o decoro, sendo profissionais. Podem fazer isso?  
— Claro, não tenho a intenção de revelar ao mundo que estamos juntos.  
— Pode ser uma missão difícil com esse sorriso constante no rosto e da forma que olha para ele todas as vezes que ele chega com o café.  
— E-eu… - Kate estava vermelha.  
— Tudo bem, será que podemos comunicar as mudanças aos demais? - Gates abriu a porta - depois de você, Lieutenant Beckett.  
A notícia pegou todos de surpresa. Era unânime a aprovação de Beckett perante aos colegas. Castle que também assistira a tudo, estava muito feliz, não cabia em si de tanto orgulho. Extraordinária, ele nunca se enganara quanto a ela. Ryan se aproximou do amigo.  
— Hey, Castle... uma ótima notícia, não? Lieutenant. Isso significa que Nikki também será promovida, ela já teve a oferta...  
— As histórias de Nikki e Beckett não são iguais. Ela a inspirou, mas não é sua cópia.  
— Você não me pareceu surpreso com o anúncio da capitã... ela te contou antes não? Castle, eu sei que você é louco por ela e Beckett? Também te adora. Eu notei a mudança, ela está leve, vocês estão juntos. Eu sei. A Beckett que deixou essa delegacia naquele dia que entregou o distintivo não é a mesma que voltou da suspensão - Castle não sabia o que dizer, optou por ficar calado - no dia que a salvei naquele prédio, ela chamava por você, desesperadamente. Acredito que ela ficou decepcionada por ver que era eu e não você quem a puxara. Ela lhe contou isso? - sabia pelo semblante do escritor que não - tudo bem, não se preocupe, seu segredo está seguro comigo e Espo. Não deixo de contar nada para o meu parceiro - ele bateu de leve no ombro de Castle - parabéns, vocês merecem.  
Ryan se levantou deixando um Castle atônito diante de tanta revelação. Suspirou. O salão já se dispersara, os detetives e policiais voltaram ao trabalho. Beckett estava sentada a sua mesa se perguntando porque Castle não estava sentado em sua cadeira cativa. Quando ele finalmente se aproximou sorrindo, o telefone tocou. Beckett escutava com atenção fazendo umas anotações, assim que desligou chamou.  
— Ryan! Esposito! Temos um caso - virou-se para fitar o homem a sua frente - vai me acompanhar, parceiro?  
— Always, Lieutenant Beckett, always.  
Eventualmente, Castle e Beckett contaram sobre o namoro e o noivado para os amigos detetives. A adaptação de Beckett aos pormenores de sua nova função foi bem rápida. Juntos, eles continuavam lutando para combater as injustiças e os assassinatos nas ruas de Nova York. Um novo verão se aproximava e Castle já começava a fazer planos para ele e Beckett. Ia força-la a pedir pelo menos uma semana de férias. Para sua sorte, ele não era o único que tinha planos.  
Dana ligou para a sua amiga numa noite de domingo. Beckett demorou para atender o celular porque estava cozinhando com Castle. Ao ouvir a voz de Kate, ela foi logo brincando.  
— Por favor, não me diga que atrapalhei algo.  
— Claro que não. Estava cozinhando.  
— Hum... isso não é nenhum codinome para outra coisa, é? 
— Dana!  
— Tudo bem, momento doméstico. Treinando para o maridinho?  
— Com ele, na verdade Castle está mexendo meu molho na panela para que eu fale com você.  
— Ótimo. Será que pode acionar o vídeo? Tenho um convite a fazer para vocês - Kate fez o que Dana pediu - oi, Castle!  
— Oi, Dana! Como está nossa bela Itália?  
— Excelente como sempre. Será que podem desligar o fogo e prestar atenção em mim por alguns minutos? - Castle e Beckett se entreolharam, ela deu de ombros e Castle desligou.  
— Ok, Dana. Você tem nossa total atenção. O que você aprontou para precisar da nossa ajuda? Se meteu em problemas em Milão?  
— Não, Kate. Tenho um convite para fazer a vocês, apesar que no seu caso é mais uma intimação. Eu e Giovanni estamos nos mudando para Roma e decidimos casar. Queremos vocês como padrinhos.  
— Wow! Casar? Isso é grande! - disse Kate - mas por que ele não está com você? Quer dizer, ele conhecia Castle bem antes que nós.  
— Ele não sabe que eu estou ligando. Queria checar antes com vocês se poderiam vir, sei que Castle não tem problemas, mas com a sua nova função, eu tinha que checar primeiro. Por isso que é uma intimação, porque se Gigio a convidar e sua resposta for não, ele ficará arrasado.  
— Dana, ela vai - disse Castle.  
— Vou? - ela olhou intrigada para Castle.  
— Sim, eu já estava planejando uma semana de folga para nós, cheguei a perguntar da Gates e ela confirmou que você tem duas semanas para tirar. Excelente oportunidade para irmos a Roma prestigiar nossos amigos.  
— Você falou com Gates? - Beckett não estava confortável com essa ideia. 
— Kate, você está perdendo o foco. Ah! Gigio vai ficar tão feliz! Vou falar com ele para ligarmos em seguida, finjam que não sabem de nada. Depois vou ligar para Maddie.  
— Ótimo, seremos perfeitos.  
— Até mais.  
Quando Dana desligou, Kate voltou a perguntar.  
— Você falou com Gates?  
— Não fique chateada, eu queria fazer uma surpresa, mas precisava ter certeza e na verdade eu estava planejando Paris. Agora Roma me soa ainda melhor - ele beijou-lhe a testa.  
— Tudo bem, mas na próxima vez, fale diretamente comigo.  
— Claro - o celular de Kate voltou a tocar.  
— Gigio! - Castle iniciou a conversa com o amigo. Pegaram todos os detalhes. O casamento ia acontecer no próprio restaurante dos Bonnacelli para facilitar a recepção.  
— O velho Pepe está nas nuvens porque além de eu casar ainda vou voltar para Roma. Será um festança, você sabe como papai é exagerado, não Rick?  
— Claro! Imagino o tanto de massa, pão e vinho.  
— Dana, como você espera que eu seja sua madrinha se nem escolher o vestido com você eu poderei?  
— Ai que você se engana. Eu preciso ir para Nova York acertar algumas coisas, fechar o consultório por tempo indeterminado, pegar algumas das minhas roupas, objetos e nesse tempo podemos escolher meu vestido. Vou semana que vem portanto faça um favor para a sua amiga e reserve um tempo em sua agenda, certo?  
— Pode contar com isso.  
— Gigio, vamos ter despedida de solteiro?  
— Nem começa, Castle - Beckett o repreendeu na hora.  
— É tradição, Beckett!  
— Que estranho, vocês mesmo noivos continuam a chamar um ao outro pelo sobrenome - disse Gigio.  
— Eles gostam, amore e tem um significado especial, certo Kate? - brincou Dana. 
— Certo - ela trocou um olhar com Castle.  
— Ela somente usa meu primeiro nome quando se trata de algo muito sério - sorriu para Kate, ela sabia que ele estava se referindo ao “eu te amo” - de qualquer forma, conversamos quando chegarmos a Itália, Gigio. Dana, pode me passar as datas para eu programar nossa viagem?  
— Claro, Castle. Amanhã você terá todas as informações. Vejo vocês na próxima semana.  
Desligaram.  
— Nossa! A Dana conseguiu ser mais rápida que nós - exclamou Kate.  
— Não leve a mal, Kate. Mas qualquer um seria mais rápido. Você levou quatro anos para assumir que me amava - ela o esmurrou - hey! Não disse nenhuma mentira. E eu entendo todo o contexto, sempre entendi.  
— Sim, mesmo nos piores momentos. Você entendeu - ela abraçou-o pela cintura e começou a mordiscar o lóbulo da orelha de Castle. O jantar e panela no fogão seriam esquecidos por uma hora, tinham coisas mais interessantes para fazer.  
Conforme prometido, Dana voou para Nova York e comunicou a amiga que sairia com ela para ver vestidos na sexta. Na quinta-feira, eles se reuniram no Q4. Ao som de muitas risadas e boa comida e bebida, Dana contava suas experiências e confusões por Milão além de falar maravilhas de Giovanni.  
— Incrível! Dana que nem tinha namorado, vai casar. Kate, a complicada e retardatária está noiva e eu continuo no namoro. Inaceitável! - disse Maddie - acho que vou mandar Rocco conversar com Castle para ver se ele se anima...não, espera! Talvez não seja uma boa ideia afinal o homem esperou quatro anos por uma declaração! - todos gargalharam.  
— Como de repente nós viramos o alvo da conversa, babe? - Kate pergunta para o noivo - e Maddie, você já está casada. Vocês tem um negócio juntos, o papel é mera formalidade. Você pode escolher um dia, ir ao tribunal e pronto.  
— Você esqueceu a parte que ele me dá um anel, isso é importante, não o papel.  
— Só você, Maddie. Preciso ir ao toalete.  
— E eu vou providenciar a sobremesa.  
Finalmente, o momento que Castle estava esperando.  
— Pensei que não ia ter a chance de conversar com você sozinho. Quero lhe pedir um favor.  
— Se é para convencer Kate a deixar você dar uma despedida de solteiro para o meu noivo nem comece.  
— Não, Dana. Isso eu resolvo. É algo mais importante. Amanhã quando vocês estiverem escolhendo vestidos, será que pode fazer Kate experimentar alguns?  
— Isso geralmente acontece, não preciso forçar ninguém.  
— Mas se você achar que tem algum realmente especial, pode pedir para reservar sem ela saber e você me avisa?  
— Castle, quem te disse que Kate quer um vestido de noiva comprado? Já pensou na possibilidade dela querer casar com o vestido da mãe? E por que está preocupado com isso? Vocês nem escolheram uma data ainda.  
— Eu não acho que Beckett vai querer o vestido da mãe, nem sei se ela irá querer um grande casamento. Ela sempre comentou que gosta de coisas simples e intimistas, por isso eu fiz a pergunta no parque.  
— Castle, você está planejando algo sem conversar com ela? Porque se estiver pode terminar de forma errada. Toda mulher sonha com o dia de seu casamento, mesmo Kate Beckett.  
— Mas você ouviu o que ela disse para Maddie...  
— Sim, porque é a Maddie. A mulher é capaz de organizar uma festa de arromba em dois dias e casar. Rocco que se cuide! Sua noiva é diferente. Só estou dizendo, se quiser planejar algo, descubra o que ela quer. Converse.  
— Tudo bem, mas promete que ficará de olho nela e se tiver algo muito especial… - Dana sorriu.   
— Olha a sobremesa de hoje! A versão do tiramisu do Rocco especialmente para Dana - Maddie e Kate riam.  
— Vocês planejaram isso! - as amigas sorriam e trocaram um high five.  
Sentaram-se para comer a sobremesa. Meia hora depois, eles deixaram o restaurante com a promessa de se encontrarem às cinco da tarde na loja de noivas mais famosa do SoHo.  
Mais tarde, já deitados na cama para dormir, Castle tinha o iPad nas mãos e informou Kate que já tinha agendado toda a viagem.  
— O casamento de Dana é no dia 16 de agosto. Pensei que poderíamos chegar dois dias antes para o caso de precisarem de nós antes, saímos de Nova York dia 14. Nossa volta está marcada para o dia 24.  
— Mas são dez dias, não sei se quero gastar todos esses dias.  
— Essa é a hora que você agradece pelo seu noivo inteligente. Dia 16 é domingo, nosso voo para Roma sai às 11 da noite do dia 14. Você irá pedir uma semana a partir do dia 17 o que nos faz ganhar um fim de semana.  
— Nossa! Você pensou em tudo!  
— Mas se quiser podemos passar os últimos dias em Paris. A escolha é sua.  
— Não me importaria de passar por Paris... 
— Paris será - ela sorriu beijando-lhe os lábios. Aconchegou-se no corpo dele fazendo Castle largar o iPad para abraçá-la.  
— As vezes não acredito que tudo isso esteja acontecendo. Eu e você, noivos. Dana prestes a casar, minha promoção, esse clima de romance e felicidade no ar. Parece surreal. Sinto que é um sonho que posso acordar a qualquer momento.  
— Exceto que é real.  
— Não estou acostumada a ter muitas coisas boas na minha vida, é como se eu estivesse esperando pela próxima bomba.  
— Não haverá outra bomba, outra ameaça de morte por um bom tempo, Kate - ele moveu-se para que pudesse fita-la - essa é a sua nova vida, quando os momentos difíceis aparecerem nós iremos enfrenta-los, juntos. Não pense nisso agora, concentre-se no casamento da sua melhor amiga, da pessoa que ajudou a chegarmos aqui - ele a beijou - você acha que será uma festa do arromba?  
— Não, barulhenta e com muita comida. Pompa nunca foi o estilo de Dana, nem o meu. Essa coisa de super casamento deixo para Maddie. Gosto de coisas pequenas, nada de exageros o que se torna difícil quando seu noivo é um escritor meio famoso. Não fico muito confortável de ter meu casamento coberto pelo Page 6.  
— Está dizendo que não quer festa?  
— Estou dizendo que a única pessoa que me interessa no nosso casamento é você.  
— E quanto aos rapazes? Minha mãe, Alexis?  
— Claro que família é importante, mas eu nunca pensei muito em casar então a ideia de andar pelo corredor de uma igreja nunca foi minha preferida, nem outro corredor. Isso me torna insensível? Porque eu sei que você gosta de festa, família...  
— Não, Kate. Eu já tive isso e não deu muito certo. Esse casamento é seu, será como você quiser, quando você quiser.  
— Acho que não quero esperar muito tempo. Essa piada dos quatro anos tem que acabar.  
— Elas nunca vão te deixar esquecer, amor. Pode desistir.  
— Mesmo assim. Não quero demorar muito. 
— Seu casamento, suas regras - ela sorriu beijou os lábios dele para depois acariciar seu rosto, os olhos amendoados o fitavam com ternura.  
— Eu te amo, Rick.  
— Always...  

XXXXXXX 

Dois meses depois, eles chegavam em solo italiano para a reunião de amigos e o casamento de Dana. No sábado, Castle e Beckett se inteiravam de como as coisas iriam acontecer no dia seguinte. A cerimônia seria simples e rápida no próprio restaurante onde a recepção e a festa teriam o lugar principal no evento. Após muita conversa, Castle conseguiu arrastar o noivo para a tal despedida de solteiro que não passava de um jogo de pôquer e muita bebida.  
No domingo, tudo estava pronto. Kate vestia um longo azul para combinar com a roupa do padrinho. Maddie optara por um amarelo e contrariando todas as regras, Dana vestiu um tom de bege ao invés do tradicional branco.  
A cerimônia foi linda e emocionante. Tão logo eles selaram o compromisso, a música começou. Hora da festa. Bebida e comida a vontade, muito barulho, italianos gritando e cantando. Risos enchiam o salão. Dana sentou-se ao lado de Maddie tirando os sapatos.  
— Cansei desses saltos! Me recuso a dançar com eles.  
— Também pudera desde que você disse "aceito" não parou de dançar!  
— O que você queria, Maddie? São italianos, amam dançar e cantar. Nunca pensei que a família de Gigio fosse tão grande.  
— Se prepare porque ele vai querer uma penca de meninos. 
— Já conversamos sobre isso. Não tenho saúde mental para um time de futebol, se quiser posso pensar em ceder para um.  
— Hey, você não vai jogar o buquê?  
— Ansiosa, Maddie? Com medo que essa seja sua última chance? - brincou Kate. 
— Haha! Olha para você! Toda engraçadinha só porque tem essa pedra gigante no seu dedo. Você está ficando igual o Castle, eu gostava mais quando você era complicada e ia ao meu restaurante comer bolo de chocolate e perguntar se Castle tinha te esquecido.  
— Maddie! - Kate ralhou com a amiga.  
— Você fazia isso? - Castle estava impressionado.  
— Viu o que você fez? Eu não vou conversar sobre isso com você, Castle. E você, mude o tópico da conversa. Rocco está de volta - quando Rocco sentou-se à mesa bem ao lado de Castle, ele sussurrou.  
— Conselho de amigo para você: se não pretende pedir Maddie em casamento, sugiro que faça dessa viagem algo inesquecível porque ela está meio que surtando.  
— Estou planejando para o aniversário dela em outubro.  
— Ah, boa escolha até lá aguente firme.  
— Já estou mais que acostumado. Se faço negócios com ela, o resto é fichinha e sou louco por ela.  
— Ótimo. Kate, que tal dançarmos um pouco?  
— Eu adoraria.  
Eles voltaram para o salão, dançaram umas três musicas e cantaram junto com Pepe. Finalmente para alegria de Maddie e alivio de Rocco, Dana jogou o buquê mirando na amiga. Deu resultado. Sorrindo, ela veio na direção do namorado para mostrar o arranjo de flores. 
— Alguém ficou bem feliz com o buquê… - disse Kate - pobre Rocco. 
— Não se preocupe, ele já tem um plano. 
— Como você sabe? 
— Ele me contou. Vai fazer uma surpresa para Maddie no aniversário. 
— Ah… 
A festa continuou até altas horas da madrugada. Por volta das quatro da manhã, Castle e Beckett voltavam para o hotel. Ainda sentiam um pouco do efeito do jetlag. Deitados na cama do mesmo quarto de hotel que sempre usavam em Roma, Kate beijou seu noivo e comentou. 
— Foi uma bela festa. Do jeito que Dana merecia. Eles vão ser muito felizes juntos. 
— Sim, não tenho duvidas. 
— É, mas eu perdi a terapeuta. 
— E para que você precisaria de terapia outra vez? 
— Não sei, e se você se cansar de mim? 
— Eu? Nunca! - ele a beijou - tire essas ideias da cabeça, Kate. 
— Pelo menos posso ligar para minha amiga. 
— Desde que não seja para discutir maneiras de complicar as coisas… - ela riu e mordeu o ombro dele - au! 
— Você mereceu. Cas? Podemos ir amanhã comer aquele tiramisu maravilhoso e na Fontanna di Trevi? 
— Claro, o que você quiser, amor - adormeceram. 
No dia seguinte, eles foram até o local que vendia o tiramisu. Acompanhado por uma caneca de latte, Kate saboreava o doce. Castle apenas a admirava enquanto bebia seu próprio café. Ele olhava encantado. Ela percebeu. 
— O que foi? 
— Como pode? Até comendo você é linda. Comendo, andando, fazendo amor, mesmo com raiva ou preocupada você continua linda, acho que é um mistério da natureza. 
— Não, é como diz a frase: a beleza está nos olhos de quem a vê. 
— É mais que isso, Kate. 
— Essa é a hora que você vai dizer que é amor? Porque soa bem piegas mesmo para você, escritor.
— Pode me culpar? - ele inclinou-se e beijou-a. 
— Acho que não.  
Por volta das três da tarde, eles chegaram na Fontanna di Trevi. Beckett contemplava o cenário. Tudo estava igual da ultima vez exceto pelo céu incrivelmente azul de uma tarde de verão. 
— Aqui estamos, como você pediu. Por que você queria vir aqui outra vez? 
— Primeiro porque é um dos meus lugares preferidos de Roma, segundo porque se tornou especial. 
— Ah, você está se referindo ao seu primeiro “eu te amo”? 
— Sim, porém não apenas isso. Lembra da última vez que estivemos aqui e eu fiz um novo pedido? - Castle balançou a cabeça assinalando que lembrava, ela se aproximou dele envolvendo seus braços ao redor do pescoço dele. Automaticamente, ele enlaçou a cintura dela - novamente o meu desejo se realizou. 
— Você pediu para retornar aqui outra vez? 
— Não. Eu queria que você me pedisse em casamento - ela sorriu - e aconteceu. 
— Interessante… esse também foi o meu pedido. Acho que esse lugar nos traz sorte ou é mágico. 
— Menos, Castle… - ela o beijou apaixonada. De mãos dadas com ele, ela circulou toda a extensão da fonte. Ao avistar um carrinho vendendo gelato, pediu para que ele comprasse um para dividirem. Quando Castle voltou com o sorvete, ela provou e tornou a saborea-lo apenas duas vezes mais. Ele percebeu que ela estava pensativa, com o olhar perdido. Não aquele olhar estranho que já o preocupara muitas vezes, era mais sonhador talvez. De repente, ela virou-se para ele. Sorrindo, ela disse. 
— Vamos casar. 
— O que? - Castle queria ter certeza do que ela dizia - acho que foi por isso que dei um anel para você, para casarmos algum dia. 
— Não, Castle. Vamos casar. Aqui. Agora. 
— Kate, você tem certeza do que está dizendo? Seu pai, nossos amigos, eles não estão aqui e… 
— Castle, eu disse uma vez que você é a única pessoa que não pode faltar no meu casamento.  Só quero você. Roma, somos nós. Todas as coisas mais incríveis da nossa relação aconteceram aqui. Por que não? - ela subiu na pequena mureta que formava a fonte. Olhando para ele, perguntou - Rick Castle, você aceita casar comigo bem aqui, na Fontanna di Trevi em Roma? 
— Você está falando sério, Kate? 
— Nunca falei tão sério na minha vida, Rick - o uso do primeiro nome e ele soube. 
— Nesse caso, Katherine Beckett, eu adoraria casar com você em Roma - ele a ergueu pela cintura trazendo-a ao chão colando o corpo dela no seu e beijou-a intensamente. Ao quebrar o beijo ela gargalhava. 
— Sabe, eu sou um homem prevenido. Achei que algo assim poderia acontecer, por isso eu providenciei a papelada e também tenho um presente para você, posso mandar entregar no quarto. Veio direto de Nova York. 
— Surpresa? Do que você está falando? 
— Do seu vestido de noiva. O que você escolheu quando estava com Dana. 
— Você viu meu vestido? 
— Não, pedi para Dana cuidar dos detalhes para mim. Só fiz pagar. Prometo que não a verei vestida até a hora do sim. 
— Então, estamos falando serio. Vamos casar em Roma… 
— Se ainda quiser. 
— É claro que quero! Vamos, eu preciso falar com Dana. Ela vai ser minha madrinha e também o juiz, você tem que ver com Giovanni e depois podemos ir ao Bonnacelli e… 
— Kate, desacelera… não podemos resolver tudo para hoje, nem amanhã. Que tal dia 20? 
— Tudo bem, a data não importa realmente. Eu quero apenas ser a Sra. Castle - ele a beijou de novo - vamos, temos trabalho a fazer.   
Foi um casamento organizado em tempo recorde. Castle se juntou a Giovanni para convencer o juiz a casar-los na Fontanna. Romanos são loucos, mas algo desse tipo surpreendeu até ao mais romântico deles. Por fim, o amor falou mais alto. Beckett procurou Dana ainda intrigada por Castle ter feito toda essa preparação antes. 
— Kate, acho que nem ele esperava uma reação assim sua. Mas, talvez tivesse esperança de que você se empolgasse com o meu casamento ou talvez você tenha dito algo que o fez pensar que era possível. 
— Eu realmente disse a ele que não me importava com festas, convidados. Para mim, bastava ele. 
— Viu? Sua culpa. 
— Sei que parece loucura vindo de mim, mas essa cidade, esse lugar. Eles devem colocar algum alucinógeno no vinho que servem aqui. Que outra explicação para alguém tão certinha e racional como eu pirar? 
— Você não pirou, Kate. Você evoluiu e se deixou abraçar as coisas boas da vida. Kate Beckett encontrou seu verdadeiro amor, quer motivo melhor para celebrar? - ela sorriu.   
No fim de tarde do dia 20, seletos amigos, um juiz de paz e um noivo nervoso, elegante e apaixonado se reuniam em frente a Fontanna di Trevi à espera da noiva. Uma limusine parou a poucos metros deles. Dana foi a primeira a sair do carro. Fazendo um sinal para Castle, ela sorriu e a música começou a tocar. Uma bela canção italiana apenas com a melodia em um violino. Sott’er celo di Roma. 
Foi a vez de Pepe descer do carro e estender a mão para a noiva. Ali estava ela. Kate Beckett  em um belo vestido branco, as alças eram mangas deixando o colo exposto, colado ao corpo realçando seus seios e com uma saia um pouco aberta e sem exageros. Os belos cabelos arrumados em um coque com alguns fios caindo sobre os ombros expostos. Linda, pensou Castle. Não, a palavra certa era estonteante, divina. 
Ela caminhou de braços dados com Pepe na direção dele. Em sua mente, tudo o que Castle podia pensar era que não podia pedir por momento mais perfeito. Pepe beijou sua mão, sua  testa e a entregou a Castle que também se inclinou para beijar-lhe a mão como um cavalheiro. De frente para o juiz, eles dedicavam sua atenção às palavras da autoridade. Antes do tão esperado “sim”, o juiz perguntou se eles queriam dizer algumas palavras, seus votos como era comum. Castle sorriu. Ele falaria primeiro. 
— Eu nunca esquecerei o dia que você entrou na minha vida. Uma mulher de andar firme e imponente, o semblante sério e o distintivo quase esfregado na minha cara dizia a que vinha. Foi quase amor à primeira vista. O que começou como algo casual, cresceu e virou amor. O caminho foi longo, árduo, mas eu não o faria em nada diferente. Katherine Beckett, você é uma mulher extraordinária, minha parceira, você é a minha vida, meu mistério preferido e passarei todos os dias da sua vida provando o meu amor por você.         
Kate precisou respirar fundo, os olhos cheios de lágrimas. Olhos que estavam extremamente verdes. 
— Você entrou na minha vida pedindo espaço, se apossando da minha área pessoal. Provocando, me intrigando. Você fez uma bagunça em meu mundo e por mais irritante que isso parecesse, você soube me conquistar me deixando louca e perdida tantas vezes. Eu percebi que antes de você, minha vida se resumia ao trabalho e a solidão. E fui cedendo, mas eu nunca fui de fazer isso, sempre tive problemas para lidar com sentimentos. Não foi fácil, porém finalmente eu consegui ver o quanto eu amava o menino teimoso e adorável. Você esteve presente em minha vida bem antes daquele dia, Castle. Você me ajudou a superar a perda da minha mãe com os livros de Storm. Entretanto, foi através de Nikki que eu o admirei e o amei. Você me ensinou que era possível ser feliz e se entregar. É exatamente o que faço hoje, me entrego a você, sua vida é minha vida. Eu te amo, Rick Castle. Always.  
Dana e Maddie choravam e após ouvirem o “sim” de ambos, Castle sorveu os lábios de sua, agora, esposa como se fosse a primeira vez. 
Os gritos e as palmas se perdiam no céu de Roma. Entre risos, eles receberam os cumprimentos dos amigos e esbanjavam felicidade. Seguiram para o restaurante onde brindaram, beberam e fizeram sua própria festa. O velho Pepe se aproximou dos recém-casados. 
— Rick, não vai dançar com sua esposa? A primeira dança do casal é importante. Ecco! - ele deu um safanão na cabeça de Castle - andiamo! - Castle se levantou da cadeira e fez o convite. 
— Você poderia me dar a honra dessa primeira dança, Sra. Castle? 
— Eu adoraria - ela segurou a mão dele se levantando. Pepe já saia apressado para pedir aos músicos que tocassem um clássico italiano, porém Kate o impediu. 
— Pepe, não será uma musica italiana. 
— Não? - Pepe se espantou. 
— Não. Porém, será uma canção interpretada por um dos melhores cantores de todos os tempos. O único “Blue Eyes” - ela olhou para Castle e ambos disseram juntos. 
— You go to my head. 
— Ecco! Música!   
Os versos da canção começaram a tocar. Kate se aconchegou no corpo de Castle, de rosto colado e fechou os olhos. Deixou-se levar pelo ritmo e pela voz dele em seu ouvido, relembrando todos os momentos que os trouxeram até ali. 
Feliz. Kate Beckett, agora oficialmente a senhora Castle, transbordava felicidade. 
Após a dança, eles retornaram a mesa. Riram, conversavam e fizeram de cada momento entre os amigos, algo especial. De volta ao hotel, eles entraram no quarto para encontrar champagne, um cumprimento aos recém-casados. Obra de Dana. Castle abriu a garrafa, serviu as taças para um brinde. 
— A nós… - após terminar seu champagne, Kate se viu derrubando a taça no chão no instante que Castle beijava seu pescoço causando-lhe arrepios no corpo, fraqueza nas pernas. Ela sentiu o zíper do seu vestido ceder. As mãos dele tocando-lhe as costas. Em seguida, os lábios provando sua pele. Castle fez as alças do vestido deslizarem expondo os seios dela. Foi nesse instante que ela virou-se ficando de frente para ela. Ao fitar os olhos azuis profundos, ela pediu. 
— Faça amor comigo. Me ame, Rick.    
Ela não esperava uma resposta, apenas um gesto. E foi o que recebeu. Os lábios de Castle tomaram os seus em um beijo sensual e carregado de sentimento. Ele puxou-a para si deixando suas mãos vagarem pelo corpo dela, sentindo-a, querendo fazê-la sua, somente sua. Quando quebrou o beijo, sentiu as mãos dela desfazendo a gravata, os botões da blusa e devorando seu peito com os lábios. Kate escapou de suas mãos deslizando seu corpo até a altura de suas calças. Abriu o botão, o zíper e puxou a peça para o chão. Então, Castle a ergueu outra vez. O vestido já estava totalmente no chão. Caminhando em direção a cama, ele a deitou com cuidado. Livrou-se das calças, do boxer. Estava completamente nu. Com delicadeza, removeu a calcinha dela. Inclinando seu corpo sobre o dela, tomou-lhe os lábios mais uma vez. 
O beijo tornou-se intenso, urgente, com sabor de quero mais. Castle sentiu as mãos de Kate apertando seu traseiro, sorriu. Quebrando o beijo, ele deslizou explorando seu corpo. Beijou-lhe o pescoço, o colo, o meio dos seios bem na cicatriz. Sugou cada um dos seios com carinho, brincando com sua língua e os dentes levando Kate próximo ao limite. Ela gemia e pedia mais. Castle afastou suas pernas e a provou. Estava pronta para ele. Ansiando pelo seu toque, seu carinho. Ele não a privou disso. 
Em questão de minutos, ele a levou ao orgasmo com seu toque. Kate arqueava o corpo recebendo a força do gesto que ele provocara nela, zonza e completamente entregue. Entre gemidos, ela falava seu nome e pedia por mais. 
Foi quando sentiu-o se afundando dentro dela. Preenchendo-a, saciando sua vontade de tê-lo dentro de si. A cada movimento, eles trabalhavam em sincronia, uma de suas melhores características. Castle ajeitava os cabelos dela soltando-os do coque. Outra vez tomou-lhe a boca perdendo-se em um beijo avassalador, Kate mordiscou seus lábios. Os olhos, nesse instante, amendoados, refletiam o desejo que sentia por ele. 
— Cas… me ame… 
— Você…é minha…    
O ritmo se intensificou, ele sentia que ela estava próximo de atingir o orgasmo novamente. Ele também não iria suportar por muito mais tempo. Quando o corpo de Kate começou a tremer debaixo do seu, Castle sabia que tinha pouco tempo então ele se aprofundou mais e mais, apertou-lhe os seios e roubou-lhe um beijo rápido. Ela estava entregue. Ao toque, aos lábios, ao peso daquele corpo, sedenta por ele. O orgasmo a atingiu levando-a ao delírio. Seus gritos ecoaram no quarto servindo de incentivo para que ele também a acompanhasse e se entregasse de vez. 
O quarto estava em uma penumbra, apenas um pequeno abajur e a luz da lua tornavam possível enxergar alguma coisa. As pernas enroscadas, bem como os corpos um do outro, Kate deitada sobre o ombro dele contemplava suas alianças segurando a mão dele na sua. 
— Nós realmente fizemos isso, Castle. Estamos casados. 
— Sim, marido e mulher - ela levou a mão dele até os lábios beijando o símbolo do seu amor por ele - você estava certa. 
— Sobre? 
— Sobre eu e você, juntos. Eu realmente não tinha ideia. Você me fez embarcar em uma viagem intensa, sem volta. 
— Arrependido? 
— Jamais - ele beijou o rosto dela. 
— Nem eu tinha ideia de que chegaríamos tão longe - ela virou-se sorvendo os lábios dele - eu te amo, Rick. Obrigada por não desistir de mim. 
— Always. Eu também te amo, Sra. Castle. 
— Isso significa que você não irá mais me chamar de Beckett? 
— Claro que não! - ele riu - Eu certamente não poderia. Foi pela Beckett que me apaixonei. Você será sempre a minha Beckett. 
— E você, o meu Castle - eles trocaram um novo beijo apaixonado. Kate sorriu ao se aconchegar sentindo os braços de Castle a envolvendo. 
— Durma, Kate. Amanhã Paris nos espera. 
— Sim… Paris com você - podiam ir a Paris, Berlin, viajar o mundo, mas fora em Roma que sua vida criara sentido. Em sua mente, ela quase podia ouvir os versos da canção “ Como e' bella ce' la luna brille e' strette. Strette como e' tutta bella a passeggiare. Sotto il cielo di Roma. Don't know what the country's comin' to but in Rome do as the Romans do. Will you on an evenin' in Roma? Sott'er celo de Roma. On an evenin' in Roma” - sorrindo, Kate Beckett, agora Sra. Castle, suspirou e fechou os olhos adormecendo imediatamente com a respiração quente dele em seu pescoço. Uma cena que se repetiria por muitos e muitos anos.    


THE END

10 comentários:

Camila Lorrane disse...

Poxa Kah a sim voce acaba comigo vou sentir saudades dessa Fic parabens Kah voce ea melhor continua escrevendo amo voce obg por essa Fic maravilhosa 😢😍💖😱

Sarah Maciel disse...

Acredito que não há uma forma realmente apropriada de começar esse comentário. Foram longos meses de acompanhamento dessa narrativa maravilhosa que certamente deixará um buraco em nossos corações. O fim de One Night Only só pode ser comparado ao fim do seriado que inspirou essa obra.

A história foi realmente bem retratada, e cada madrugada que passei junto a tela do celular ou do computador, lendo diversas vezes cada parte, foi necessário para que sentisse cada momento em sua totalidade. A cada vez que o casal se separava ou/e ambos sofriam, eu estava sofrendo junto, ficava triste com cada capítulo que passavam distantes. Mas toda essa angústia foi recompensada com um final maravilhoso, ninguém poderia ter terminado de melhor forma - talvez se você fosse a escritora da série ela não estaria cancelada.

E cada momento broken de Kate com Dana se tornou incrível, a psicóloga se tornou mais ncessária a cada instante, uma personagem incrível que ficará para sempre na minha memória, espero a participação dela em outras fanfics.

ONO se tornou uma das melhores fanfics já lidas por mim, encontrei-a ao acaso e nunca mais a larguei. Fui cativada por cada palavra e continuarei a ler o que você escreve.

Beijos, até a próxima!

Géssica Nascimento disse...

Parabéns Karen!!
Essa fanfic entrou em meu coração para ficar, perfeita, maravilhosa!
Não lembro de que forma descobri esse blog, mais agradeço, seja qual foi a forma e o caminho que me trouxe até aqui!!! Adoro!!!
Estou de férias agora, vou ler tudo novamente! Oh vida mais ou menos essa minha!!
Você poderia escrever uma continuação? Seria perfeito!! Beijos!!! :)
VOU SENTIR SAUDADES!!

Silma disse...

Como assim tem a referência desse filme maravilhoso??? 😍
Todos os caminhos levam a Roma 🍷
*agora eu vou voltar pra leitura 😃☺️

rita disse...

Maravilhoso! Excelente!! Deixará muitas SAUDADES!! Beijos querida Karen.

cleotavares disse...

Lindo, lindo! Tudo que eles mereciam, muito amor, e tinha que ser em Roma, não é?
Somente tenho que te parabenizar, Karen. E obrigada por nos proporcionar essa leitura maravilhosa, essa fonte de energia que me faz desligar dos perrengues do dia-a-dia.
Parabéns! E que surjam novas fics Caskett´s. A serie acabou, mas tenho certeza que suas ideias, não.

Ana Cavalari disse...

Confesso ainda estar em choque. Aceitar que algo que te acompanhou por tanto  tempo e que já fazia parte de todas nós  chega ao fim é difícil. ONO sempre foi o meu primeiro grande amor e continuará pra sempre sendo. Tudo foi perfeito e do jeito que imaginava. O pedido, o casamento... e Roma. Confesso também estar sem palavras, acompanhar toda essa jornada foi uma das melhores coisas que eu já li. Karen você é extraordinária. Lendo ONO eu chorei, sorri, fiquei triste e aprendi várias coisas, um mar sem fim de sentimentos. O modo como você tratou a história, os personagens, é incrível. Amei o capítulo, vamos começar por Dana e seu Tiramisu vugo Gigio 😂 viciou tanto no Tiramisu que acabou casando. Tão bom ver Kate e Maddie zoando ela, AMEI o casamento, ela mais do que ninguém também merecia o seu "feliz para sempre". Maddie já tava quase desesperada querendo casar com Rocco 😂 quem diria que ela seria a última a casar hein?! E caskett just... wow! Tão bom ver eles juntinhos assim depois de tanto tempo. BASTANTE tempo mesmo. 😂 ONO vai sempre estar nos nossos corações. Always.
Que venha outras fics e muito mais, com certeza você ganhou uma fã e uma amiga que te admira muito pro resto da vida! ❤❤

Vanessa Belarmino disse...

Kah, acho que escrevo do além hahaha Como vou conseguir escrever algo a altura disso? Eu to aqui esperando as lágrimas pararem... Vou fazer o comentário do único jeito possível... 100% surtado e 100% coração,e é claro que vai ser longo, não tem outra forma...
Lidar com o fato de que esse é o último capítulo já estava me matando... Sei que posso reler e eu sei que virão outras histórias (te amo tanto por isso), mas não lido bem com finais... Todas as suas fics são maravilhosas, mas ONO se tornou especial. Era apenas uma one, que gracas a Deus convencermos (tia Ca me ajudou) a virar long. 15 capítulos já estava ótimo... Mas havia tanto pra contar que foi se tornando impossível não continuar, não é mesmo? ONO foi criando vida propria... 71 cap maravilhosos. Foi possível rir, chorar, se emocionar, se pervar... Viajar ( e ainda não to falando de Roma)... Mergulhamos na vida de KB, nós enfrentamos o tratamento com ela... Nós sofremos, nos irritamos, e compreendemos... Nos apaixonamos por Dana... E crescemos com Beckett...
Esse capitulo impressionante veio tão cheio de informações que me deixou ate zonza... Kate merece a promoção e merece ser feliz. Que bom que Dana encontrou um Castle (isso foi surpreendente)... Casamento? OMG! Ela merece! E achei maravilhoso kate querer compartilhar sua felicidade com as amigas. Afinal amizade é isso (na alegria e na tristeza). Como não se orgulhar ao ver que nossa Kate está pronta para o próximo passo? Eu fantasia com casamento em Roma, mas isso foi Tão além... Por tudo o a que Roma representa, foi incrivel... Eu amei! Pq sou bem KB, me casaria exatamente assim... Pq pra mim só "You" importa... E votos foram perfeitos, tudo foi perfeito... Se vc tinha duvidas de que não gostaríamos, pode ficar tranquila. Foi digno deles e de toda caminhada... Tanto que ainda to chorando hahaha
Roma nunca mais será a mesma, e a culpa é toda sua... E um dia quero estar em Roma com meu Castle e vou te mandar uma foto desse momento especial. Anote isso... 😍
Obrigada pela paciencia em aguentar meus surtos e meus textos enormes... Obrigada por essa viagem incrível... Obrigada pelo carinho de sempre e por Roma! ILY! Always! ❤

Gabriela Mendonça disse...

E assim se encerra um ciclo... é triste dar adeus a personagens tão maravilhosos. Dana, criação 100% sua e que aprendemos a admirar e aguardar ela ser o cupido do nosso casal, ela apertar a Kate, ela colocar a Kate no famoso limite e tirar ela dele também; Maddie, aquela que apareceu uma unica vez na serie mas a gente ama e aqui em ONO então... e quando se juntava com Dana aí era certeza de boas risadas.
Por falar em Dana, uau garota vc de fato encontrou seu boy hein?! Roma te fez muito bem... E ajudar o Castle a se amarrar na Kate foi um ato maravilhoso. Tão lindinhos voltando para contar seus pedidos e fazer novos kkkk desse jeito o proximo pedido foram os filhos kkkk
Kate arrasar na prova para Tenente e ter seu trabalho reconhecido por Gates é fantástico!!
Maddie sendo Maddie, coitado do namorado kkkk vai colocar ele com a cabeça no forno e a faca no pescoço kkkk
Final feliz é tão bom ne? exceto que é o final. Sentirei falta de ler sobre essa versão da KAte. Sobre a Dana.
Mas foi bom enquanto durou!!!
E Parabéns, Kah!

Mônica Ellias disse...

Foi simplesmente perfeito!
Pena ter chegado ao fim, agradeço a vc Karen por sua disponibilidade, criatividade, por seu amor de fã, por conseguir transmitir pra gente tudo aquilo que mais queríamos, obrigada obrigada por todos esses momentos proporcionados a nós eternos fãs de Castle!
Já não bastasse ter q despedir da série agora tb dessa fic maravilhosa, chorando litros 😭