quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

[Stanathan] Kiss and Don't Tell - Cap.93


Nota da Autora: Não resisti. O dia pedia dizer que ainda há muito o que escrever (não fiquem mal acostumadas). Esse capitulo de KADT tem um pouco de tudo. Uma cena especialmente para a Mah, ela vai gostar e entender. E sim, turbulência... um angst faz bem... também é o preludio para um dos meus capítulos favoritos! Perceberão que o tempo está passando, afinal não se trata de detalhar a gravidez... Enjoy! 



Cap.93

Anne se aproximou dos tios sentando-se entre os dois no sofá. Ela sorria com a carinha mais linda para Jeff.  
— Tio, Anne está muito feliz. Eu acho que a tia Gigi vai acabar querendo um bebê para vocês, deixa a Kate nascer. E se quiser, Anne pode ajudar.  
— Oh, querida! Obrigado. Será ótimo, mas agora tem outras coisas para nos ocupar. Sua tia terá algum trabalho com o casamento.  
— Vai ser uma festa grande? - a menina parecia empolgada.  
— Isso é com sua tia - disse Jeff.  
Na cozinha, Stana serviu outro pedaço de torta para a irmã. Sentou-se de frente para Gigi.  
— Então, como você se sente?  
— Feliz, muito feliz. Desculpa, sis. Eu queria ter te contado antes, mas Jeff pediu e sei lá, foi interessante ter que guardar segredo.  
— Eu entendo. E o que significa a gota?  
— Ah, você conhece os Fillions, eles são cheios de simbolismo e palavras bonitas. Eu não sei reproduzir igual, mas foi uma linda declaração de amor. Vou te explicar o lance da gota - permaneceram conversando até que Gigi ouviu Jeff chamando-a.  
— O que foi, fiancé? Ah! Adoro chamá-lo assim - sorriu para a irmã deixando a cozinha - fale, meu fiancé... 
— Ela está curtindo isso, não? - comentou Nathan para a esposa.  
— Muito. Acho que foi um excelente natal em família, babe - sentiu os braços de Nathan a envolvendo - e parece que ainda não terminou.  
— Ainda não lhe entreguei seu presente de natal, Gi.  
- Mas você me deu o casaco e as roupas, a bota... 
— Esse é especial - ele puxou uma caixa de uma das sacolas. Claramente era uma jóia. Os olhos de Gigi se arregalaram.  
— Por que estou sentindo uma sensação de "deja vu"? 
— Porque é quase isso. Eu lhe dei o anel, porém guardei o complemento para agora, para tornar a oficialização do noivado especial - ele abriu a caixa apenas para revelar um belo colar de ouro branco, contudo havia algo que o tornava extremamente especial. Um pingente em formato de gota, um lindo cristal Swarovski do tamanho de três dedos. Ele tirou a jóia da caixa e colocou no pescoço de Gigi que chorava. A emoção era tanta que não conseguia falar. Ao ficar de frente para ela, enxugou suas lágrimas. Ela se jogou nos braços dele ainda chorando, o coração batia descompassado, sentindo o calor do corpo de Jeff. Seu homem, seu fiancé, seu amor. Ela sussurrou.  
— Eu te amo, Jeff. Posso ser sua gota, mas você é meu oceano - ela deu uma gargalhada típica de Gigi - Deus! Isso foi horrivelmente brega. Eu não sei falar bonito. Como eu fiquei assim tão boba?  
— Ah, sis. Isso acontece quando você se apaixona por um Fillion - disse Stana trocando um olhar com Nathan. 
Mais tarde, quando Markus se foi com a família, os quatro irmãos permaneciam conversando no sofá. Jeff e Nathan bebiam whisky, Gigi estava no vinho. Stana resolveu investigar os planos da irmã.  
— Então, quando pretendem casar? Vai ter festa, não? Mamãe morre se outra filha se casar sem uma festa.  
— Haha! Você é engraçada. Só porque você escapou agora quer colocar pilha, fazer chantagem emocional. Nada de dar ideias para a mamãe. Eu terei que ligar para ela, pensando bem, você podia fazer isso, não amor? Ela te adora - Jeff riu.  
— Quem decide é a Gigi - ele falou - se ela quiser o Waldorf-Astoria ou o Plaza em Nova York, não me importo.  
— Se você quiser esperar três anos para casar... sabe que esses lugares são agendados com anos de antecedência - disse Nathan.  
— Eu não quero nada disso, Nathan. Vai ser algo simples. Ainda não sei onde, nem quando - ela deu uma olhada para a irmã, Stana riu - mas, obrigada amor. Apenas a sua vontade de fazer algo grande já é tão fofo! - ela o beijou.  
— Se quiser um lugar bacana, bonito e uma festa reservada, talvez tenha a solução. Apenas preciso checar algumas coisas com alguém. E claro precisarei de uma data estimada.  
— É o que eu estou pensando? - perguntou Stana.  
— Talvez. O que você está pensando?  
— Trucco?  
— Sempre em sintonia, Staninha.  
— O que? - perguntou Gigi - perdi algo? Fala logo nós somos os principais interessados.  
— Um pouco de paciência, sis. Deixe Nate tentar primeiro. Qual seria a data? - ela trocou um olhar com Jeff.  
— Terá que ser depois que Katherine nascer, porque você será minha madrinha. E o Nathan o padrinho, óbvio.  
— Maio? Junho?  
— Já? - Stana balançou a cabeça rindo - Junho - Gigi olhou para o noivo - é só uma estimativa, viu? Nada de ficar espalhando aos quatro ventos, Jeff. O casamento é nosso, mas as regras e decisões são minhas. 
— Sabe, Stana, você podia dar umas aulas para a sua irmã sobre controlar essa possessividade sobre tudo… - ele provocou. 
— Tarde demais, Jeff. Acho que Nate tem razão, os irmãos centrados acabaram encontrando dois malucos para serem felizes. 
— Você? Centrada? - ela virou-se para Jeff - Você está reclamando? Foi só ficar noivo que passou a reclamar de mim? 
— Estou provocando. Eu adoro ser seu… 
— Acho bom mesmo porque não aceito devolução, nem do anel, nem do colar e muito menos do noivo! - as gargalhadas encheram a sala. O próximo assunto foi a nova serie de Stana e o poema que ela escrevera para Katherine. Jeff e Gigi acabaram saindo bem tarde da casa dos irmãos e restou aos anfitriões irem direto para cama, não necessariamente para dormir. 
— Staninha, você vai tirar esse vestido agora? 
— Essa é a intenção. Por que? - ele estava sentado na cama olhando para a esposa. Não bem para ela, para os seus seios - Oh… entendi o que quer. Sabe, daqui a algum tempo você não será prioridade aqui - apontou os seios - por um período longo eu espero. 
— Como você é má, amor… acho que terei que aproveitar meus últimos momentos, não? - ela sorriu. 
— Quer tirar para mim? - ofereceu quase esfregando os seios no rosto dele. Para fechar com chave de ouro a festa, eles se amaram. 
Não demorou para Stana receber uma ligação de dona Rada apaixonada pela novidade. Saber que Gigi estava noiva foi um verdadeiro presente de natal. De fato, Stana nunca vira a mãe tão feliz e orgulhosa falando da irmã. Não restauram elogios para o casal, mas a estrela era Gigi. O comentário do anel rendeu mais de trinta minutos de conversa, apenas ao final ela perguntou sobre a neta e como Stana se sentia. Era bom não ser o centro das atenções por um tempo. 
Janeiro chegou trazendo boas noticias para o casal a espera de sua primeira filha. Nathan fora chamado para fazer mais um arco de Modern Family, outros cinco episódios. Stana aceitara um papel em um filme de terror para ser filmado em meados de 2017. A gravidez estava maravilhosa. Nada perturbava o crescimento de Katherine. 
Outro casal também continuava muito bem. Mesmo não se prendendo aos planos do casamento, Gigi parecia mais empolgada com o fato à medida que o tempo passava. Acabara de sair do trabalho e decidiu fazer uma visita para a irmã. 
— Hey, sis! Tem comida nessa casa? Estou faminta! 
— Frutas, quer? - Gigi entortou a boca. 
— Está quase na hora do jantar. Katherine não está com fome? 
— Vou esperar o pai dela. 
— E depois fala de mim… sei. O Nathan não conseguiu nenhuma informação sobre o tal lugar? Ele não falou nada desde o natal. 
— Você está ansiosa com o casamento? 
— Não! Ah, sei lá… talvez um pouco. Mamãe está um amorzinho. Nem acredito. 
— Eu nunca ouvi tantos elogios dela para você, sis. 
— Acho que Jeff tem culpa nisso, ele amansou a fera - Stana olhava com carinho para a irmã e para a bela gota que ela trazia no pescoço - o que foi? 
— Não foi Jeff, é você, sis. Estou reparando que você realmente gostou do presente que ganhou no natal, não? Todas as vezes que fala de Jeff, você o toca. É um colar muito bonito. 
— É sim, mas não é pela joia. É pelo o que significa. Jeff, nossa! A ideia de estar casada com ele, dividir tudo. Saber o que eu represento para a vida dele. Não, esse pingente é apenas um símbolo, um muito especial que não pretendo tirar do pescoço. Não pode expressar o amor que eu sinto por ele, claro, mudou a minha vida. Pode me culpar? Ele é um Fillion e nunca pensei que pudesse me tornar essa boboca por um homem. E ele é meu, só meu. 
Stana abraçou a irmã. Não tinha palavras para contestar. Aliás, nem precisava. 
— Vamos torcer para Katherine ter a nossa sorte, sis. 
— Sendo filha de quem é, ela terá. Eu preciso ir. Não esqueça de pedir ao Nathan para confirmar o lance. Vou ver se meu fiancé preparou uma comidinha gostosa. 
— Depois sou eu que abuso do marido… no seu caso, futuro. 
À noite, Stana passava um tempo vendo as roupinhas da filha. Antes de Gigi aparecer, ela estava escrevendo. Sua série já tinha três roteiros e todas as descrições de suas personagens e informações principais. Foi dobrando algumas roupinhas que Nathan a encontrou. 
— Hey, amor… o que você está fazendo? 
— Admirando as coisinhas de Katherine. Depois quero que leia o outro roteiro que escrevi. 
— Você já terminou? Wow! Está uma máquina, amor - ele a abraçou por trás acariciando a barriga da esposa - eu trouxe o jantar. Não estou a fim de cozinhar hoje. Tudo certo com o novo arco. Começo a filmar ao final de fevereiro, devo me estender com eles até o fim de março, mas já deixei avisado que talvez precise fazer uma viagem urgente nesse período. Disse que minha mãe estava esperando uma confirmação do seu médico para fazer uma cirurgia. Tinha que deixa-los preparado para o meu sumiço quando nossa princesinha nascer - ele se abaixou e beijou a barriga da esposa - hey, Katie… papai chegou. Está com fome? - vivia tentando fazer o bebê reagir ao som da sua voz.  
— Tudo bem, não me importo. Gigi esteve aqui. Está louca para saber sobre o local, você falou com Trucco? Sabe, amor eu nunca vi minha irmã assim. Ela está ansiosa pelo casamento. Jeff definitivamente mudou a vida dela. 
— Acho que ambos mudaram juntos, Staninha. Meu irmão precisava de uma Gigi na vida dele. Um furacão. Posso afirmar com propriedade que Jeff nunca amou ninguém como ele ama sua irmã. Algo me diz que logo Katherine ganhara uma companhia. 
— Nate, não fique colocando lenha na fogueira. Gigi é desconfiada com essas coisas, babe. 
— Não vou ficar falando para ela. É só um pressentimento. Acho que Anne tem razão, quando Gigi tiver a Katherine nos braços, vai se render. Mike ficou de me dar uma resposta até o fim da semana - ele ficou de frente para a esposa, beijando outra vez barriga dela, falou. 
— Katherine, vamos comer? Trouxe salada de fruta para você. Depois de comer sua sopinha, ok? 
— O jantar é sopa? 
— A entrada. Você tem que se manter saudável, amor. Tomou suas vitaminas? Não quero ver você fraca ou passando mal. Kate, você já pediu para a mamãe recitar o que ela escreveu para você? A voz dela é tão linda para essas coisas… leia para ela, Staninha. 
— Nate… agora? Estou com fome… 
— Por favor, leia para nós - ela pegou o pequeno quadro na parede. Sentou-se na poltrona, ele sentou-se em um dos braços sem deixar de tocar o ventre da esposa. Sorrindo, Stana leu o poema, a voz embargou na ultima frase. Nathan a beijou - agora cante, a canção que você fez para mim - e ela cantou. Quando terminou, Stana deu um grito. 
— Ai! 
— O que foi? - Nathan arregalou os olhos - amor? - ela tornou a sentir. 
— Meu Deus… ela… Nate… - ambos trocaram um olhar surpreso - ela mexeu… 
— Katherine, você mexeu para a mamãe! E para o papai? - novo chute. Ele tornou a olhar para a esposa - cante de novo, amor - Stana repetiu, dessa vez a menina mexia durante a canção deixando os pais ainda mais bobos como se isso fosse possível - é a sua voz, Staninha. 
— A nossa, você quem vive conversando com ela. Está com fome, Kate? Seu pai quer me maltratar - outra mexida - vamos jantar, bebê - com as mãos entrelaçadas as do marido, eles desceram as escadas.  
Stana e Nathan decidiram fazer uma visita aos irmãos para comunicar a noticia que receberam de Trucco. Encontraram Jeff cozinhando, mas o que os surpreendeu era que Gigi estava ao seu lado literalmente com a mão na massa. 
— Oi,sis! Jeff está me ensinando a fazer lasanha. 
— Meu Deus! Que milagre é esse? Jeff, você conseguiu o impossível. 
— Hey! Só porque é meu prato preferido que ele faz. Nunca vai ficar igual, mas resolvi dar uma chance. Vocês serão as cobaias - Nathan arregalou os olhos para a esposa - Não se preocupem, só estou montando. Ele fez os molhos. 
— Gigi, você não para de me surpreender cunhada! Eu serei sua cobaia com muito orgulho. 
— Agora que comentei que não fiz nada, você fala isso! - eles riram. Já estavam no meio do jantar quando Stana resolveu tocar no assunto que os trouxera ali. 
— Ah, viemos aqui por um motivo. Nathan falou com Trucco. Tudo certo se quiserem usar o local para a cerimonia em junho. Vocês vão gostar. Fica em Santa Monica. É lindo, tem uma marina, um espaço amplo para casar ao ar livre, sério, intimo e perfeito. 
— Junho? - Gigi olhava para o noivo - e-eu não sei… está tão perto. 
— Gigi, não foi o que você me disse naquele dia… veio falar comigo só para saber da resposta. Pare de amarelar - Gigi mordeu os lábios. 
— Você quer casar em junho? - ela perguntou para Jeff. 
— Amor, eu caso no dia que você escolher. Se quiser ir agora atrás de um juiz de paz, eu irei com você. 
— Não é para tanto… - ela olhou outra vez para as suas mãos sobre a mesa, o anel brilhava em seu dedo. Ela ergueu uma das mãos no reflexo para tocar o pingente - eu vou casar… nossa! Isso está realmente acontecendo? - Jeff segurou a mão dela. 
— Está, Gi. E será muito bom. 
— Que anel é esse na sua outra mão?  
— É o da avó do Jeff. Dona Cookie mandou para mim. Na verdade, foi o Sr. Bob. No natal, sis, lembra? Ele disse que eu merecia - ela sorria.  
— Foram tantas emoções no natal… Acho que você ja pode avisar o Trucco. Ou melhor, por que você não vai passar um fim de semana lá, pode ser o próximo. Acha que eles podem, Nate? 
— Certamente que sim, Trucco deixou a vontade para conhecer o local. 
— No próximo fim de semana pode ser uma ótima ideia. Nosso aniversario é na quinta. Nossa! Um ano com você, Jeff. 
— Ocasião perfeita. Pode avisar o Trucco, bro? 
— Claro, ligo agora mesmo - Nathan já pegou o celular. 
— E Katherine parece concordar. Ela acabou de chutar de novo. 
— Ela mexeu? - Gigi olhava para a irmã espantada. 
— Essa era a outra novidade. 
— E-eu posso sentir? 
— Claro! Vem aqui - ela se moveu para o lado da irmã - coloque a mão aqui - Gigi obedeceu - pode sentir? Ela está se mexendo. 
— Não, eu não consigo. 
— Espere… estique a mão, sis - ela fez o que Stana dissera - então? 
— Wow… ela está mexendo… que estranho, nossa! Ela é bem ativa. Não dói? 
— É uma delicia… - disse Stana rindo. 
— Eu ainda acho estranho… - retrucou Gigi - mas o corpo é seu.  
Eles terminaram o jantar e ainda ficaram conversando por um bom tempo. Nathan confirmou a ida a Santa Monica e acabou se perdendo uns bons minutos com o irmão diante da televisão. Jeff queria mostrar uns jogos novos. 
— Olha para esses dois. Um vai ser pai daqui a alguns meses e o outro vai casar, mas parecem duas crianças. 
— É, como nossos homens são bobos, Stana. 
— E nós adoramos esse lado deles, não? 
— Demais. 
— Quer ver eu acabar com a festa? - Stana sussurrou para a irmã, rindo ela elevou a voz - Nate, podemos ir? Estou cansada, minhas costas estão doendo - no mesmo instante, ele se levantou olhando para ela. Era possível ver a ruga de preocupação na testa. 
— Claro, amor. Só as costas? Ou as pernas também? Lembre-se que não pode exagerar, não quero que tenha problemas de circulação - ele caminhou até onde a esposa estava sentada. 
— Estou bem, só preciso me deitar. Vamos? - Gigi ria. 
— Vamos. Gigi, para a sua primeira tentativa de lasanha, estava muito boa. 
— Eu só montei. Jeff é o responsável pelo sabor. Deixe para me elogiar quando fizer uma completa. 
— E quando será isso, no dia 29 de fevereiro mais próximo? 
— Stana! - eles riram - minha própria irmã não me dá um voto de confiança. Que absurdo! - Jeff a abraçou. 
— Relaxa, Gi. Eu acredito em você. Mesmo se apenas fizer nuggets de frango - ela tacou o beliscão na orelha dele - Ai!!! 
— Era para você ajudar. 
— Quanta violência… - ele reclamou. Gigi se aproximou da irmã e tocou a barriga dela. 
— Tchau, Katherine. Não escute tudo que sua mãe diz sobre mim. Ela pode ser bem malvada as vezes - Stana beijou a bochecha da irmã. 
— Faça um afago para ela que passa, Jeff. Até a próxima - assim que saíram pela porta, Gigi reclamou. 
— Ninguém acredita em mim - falou chorosa. 
— Eu acredito, amor. E mais importante, eu te amo, minha Gi - ele a beijou - estou desculpado? 
— Está, depois de uma massagem. 
— Nada é fácil com essa mulher… - saiu puxando-a para o quarto. 
Stana acertara ao sugerir a ida de Gigi e Jeff para a casa de praia de Trucco. O fim de semana dos dois foi magnifico e ficaram encantados com o local. Suas mentes faziam vários planos e mais importante, o aniversário de um ano de namoro foi realmente especial. 

XXXXXXX

O mês de fevereiro começara agitado. Stana tentava deixar tudo em ordem porque no meio do mês, dona Rada viria ficar com eles. Sem alternativa, ela resolveu colocar a mãe no quarto de Anne por enquanto. Ela mal podia acreditar que logo estaria entrando em seu oitavo mês de gravidez. A barriga despontava redonda, não engordara tanto, mas era possível ver o rosto mais cheio e o volume dos seios. Ela também experimentava algum inchaço nos pés. Tudo dentro da normalidade, porém para Nathan o cuidado era extremo. 
Ele decidiu buscar a sobrinha para um ultimo fim de semana antes que a avó ocupasse o seu quarto de vez. Ao ver a tia, Anne não se aguentou de felicidade. 
— Tia, você está tão linda! - beijou o barrigão de Stana - oi, Kate! É a Anne! Sabe quem está chegando para te visitar? A vovó! Ela faz os melhores doces do universo. O bolo de chocolate, então! Bom demais. Você vai ver. Quer dizer, você não vai poder comer doces quando nascer somente leite, terá que esperar. 
— Anne, tudo bem se a vovó ficar no seu quarto? Ajudará melhor a sua tia. 
— Claro! Mas vou ter que conversar direitinho com ela. Não pode tirar minhas coisas de lá, tio. 
— Certo, pode dizer isso quando ela chegar. Que tal uma partida de videogame? 
— Oba! 
No dia seguinte, Gigi aparecera pela residência dos Fillions. Jeff estava viajando a trabalho. Dessa vez, de verdade. Ela queria trocar uma ideia com a irmã. Claro que ligara antes para saber se o cunhado estava em casa. Não queria que ele soubesse de suas intenções para com o irmão. Ela chegou com duas sacolas de compras.
— Gigi, o que significa isso? 
— Eu vim passar um tempo com a minha irmã e pensei em fazer um agrado para ela, não posso? - ela tirava várias coisas das sacolas, achando uma travessa grande, Gigi colocou pipoca, nachos, guacamole, um pouco de pimenta. Era uma festa na opinião dela. Colocou a travessa na mesa de centro de frente para o sofá onde se sentaram. 
— Claro que pode, mas você me pareceu muito misteriosa ao telefone. O que andou aprontando? 
— Tudo bem, não consigo esconder muito de você mesmo. Jeff acredita que teremos que fazer a lista de convidados o quanto antes para enviar os convites no inicio de maio. Não sei para que tanto tempo. Estamos em fevereiro e não é o casamento da princesa Kate com o William! Sao poucos convidados. 
— Tem o tempo da gráfica, os correios. Vocês não vão sair entregando os convites um a um, vão? 
— Acredito que não. Nem temos tantos convidados. Enfim, quando ele voltar iremos conversar sobre isso. Tenho outro assunto para falar. Quero sua ajuda. Dia dos namorados. 
— O que tem? 
— Eu quero fazer algo especial para Jeff. Todas as vezes é ele quem programa as coisas, quem me surpreende. Tudo que ele faz é para me agradar. Quero retribuir. 
— Tem algo em mente? Tipo um jantar em um restaurante bacana, uma ida a um lugar especial ou talvez um hotel… 
— Não. Isso é muito fácil, previsível. Quero surpreende-lo. 
— Uma viagem? 
— Não, sis. Eu quero cozinhar para ele. O jantar será por minha conta. 
— Você cozinhando? - Stana olhou para a irmã por um instante - Wow! Será realmente uma surpresa. Tem o cardápio em mente? 
— É ai que você entra. Preciso de algo simples que eu consiga fazer, porém ao mesmo tempo terá que mostrar para Jeff que me esforcei, sabe? É claro que você virá para a minha casa supervisionar o que estou fazendo e teremos que treinar antes. 
— Gigi, eu não posso estar lá quando Jeff chegar. 
— Sim, você sairá antes. Mas preciso de você, sis. Podemos treinar lá em casa essa semana. Ele só volta na quinta. Eu não tenho ideia do que fazer. Entrada, prato principal e sobremesa. Você sempre diz que um jantar tem que ser completo. 
— E quer que eu decida? É o seu noivo, Gigi. Deve saber do que ele gosta. 
— Ah, sei lá. É sempre ele quem cozinha, eu só como. Ele gosta de massa, carne. Fissurado por batatas e sobremesa curte tudo, mas adora uma torta de limão. 
— Torta de limão eu posso ensinar. Ele gosta de bolo de carne? 
— Gosta. E carne assada. 
— Talvez um estrogonofe de filé não é tão difícil. Teria que perguntar para o Nathan se ele gosta. É isso ou o bolo de carne recheado com bastante queijo, presunto, pode ficar bom. 
— Sabia que recorrer a você era o melhor para fazer. Acha que pode ir lá em casa na quarta? 
— Tudo bem, Gigi. Eu vou ajuda-la a cozinhar para o seu noivo. E quanto ao presente? Você já pensou? 
— E ainda precisa? Um jantar especial e uma lingerie sexy, a noite é uma criança…
— Cuidado para não acabar assim, ó! - ela apontou para a barriga - com uma criança - o olhar da irmã a fez gargalhar. 
— Sis! Estou falando de uma noite romântica e você vem com bebês! Pare de estourar minha bolha. Você vai me ajudar ou não? Quero fazer algo especial porque parece que sempre é Jeff que faz as coisas românticas e depois do pedido de casamento, eu sei que é difícil superar, porém quero tentar. 
— Claro que vou te ajudar. Somos duas bobas com esses Fillions, não? 
— Sim… e nada de falar para o Nathan! Do jeito que é boca frouxa com esse irmão, vai botar tudo a perder. 
— Eu não vou falar nada. Como você quer fazer? Vou para sua casa na quarta? Não quer fazer dois dias? Só para garantir. 
— Ninguém tem fé em mim mesmo. Tudo bem, amanhã e quarta. Mas veja se consegue algo fácil para eu cozinhar. 
— Prometo. O que mencionei é simples e quer saber? Independente do resultado, sei que Jeff vai adorar sua intenção. Não vai mesmo comprar um presente para ele? 
— Eu numa lingerie não é suficiente? - Stana gargalhou - o que? Falei alguma besteira? 
— Não, Gigi. Nada que não esperasse de você. Passa esse guacamole e os nachos, isso está muito bom.   
Elas conversaram ainda por um bom tempo devorando as guloseimas e planejando o que precisavam fazer, comprar. Stana adorou a possibilidade de trabalhar nesse pequeno projeto. Fez um checklist de tudo que precisariam. Teriam que marcar o tempo que Gigi levaria para cozinhar. Também pensou em usar Nathan como cobaia além dela. Ele e o irmão tinham gostos parecidos. Gigi deixou a casa da irmã por volta das seis da tarde. 
Quando Nathan chegou, perguntou o que ela fizera no dia. Stana ja tinha se livrado de todo o lixo gerado pela pequena festa que fizera com Gigi. 
— Nada demais. Gigi esteve aqui. Tinha uma folga do trabalho e como Jeff está viajando, você sabe como ela fica carente. Passou a tarde aqui. 
— Que bom! Você chegou a ligar para a Terri, sobre a revisão de seu roteiro? 
— Com Gigi aqui? Sem chance. Ligo amanhã. Está com fome? Posso fazer algo rápido e leve. 
— Não se preocupe, amor. Eu mesmo faço um sanduíche. Você já comeu? 
— Fizemos um lanche. Não quero nada agora. 
— Tudo bem. 
Eles ficaram namorando e assistindo televisão. Acabaram dormindo cedo. 
No meio da madrugada, Stana sentiu uma pontada na barriga. Respirou fundo. Esperou. A dor se repetiu. O que estava acontecendo? Outra fisgada longa e dolorosa. Mordeu os lábios tentando não gritar, não gemer. Nathan dormia tranquilo ao seu lado e não queria assusta-lo. Infelizmente a dor apenas piorava. Stana notou que as pontadas pareciam contrações. Sentira três em um intervalo de cinco minutos. Isso não era um bom sinal. 
Ela começava a ficar apavorada. Já passara por algo parecido no passado, também lera sobre as possíveis contrações antecipadas. 
— Não, por favor, isso não… - ela dizia baixinho. Não queria pensar o pior, mas seu corpo estava dando sinais muito claros. Ela acabara de entrar no sétimo mês. Não era a hora de Katherine querer nascer. Contra toda a sua luta de permanecer quieta, uma nova contração ainda mais intensa que as anteriores a fez gritar. Assustado, Nathan acordou. 
— Amor? 
— Nathan, eu… oh, Deus! - outra fisgada a atingiu. As lágrimas começavam a correr pelo rosto - eu… muita dor… acho que… - ele se levantou. Puxou o lençol e agradeceu por não ver nenhum sinal de sangue. Ajudou-a a levantar. 
— Consegue andar, Stana? 
— Acho que sim - ela estava de pé segurando a barriga. Ele tinha o braço ao redor dela. 
— Vou leva-la ao hospital. Temos que saber o que está acontecendo. Não é o momento de Katherine nascer ainda. 
— Não! Você não pode… o hospital, não podemos. 
— Stana, eu não quero saber. Estamos falando da minha filha e da minha esposa. Não quero que nada aconteça com vocês. Dane-se o resto! 
— Nate, por favor… - ela suplicava quando uma nova pontada a atingiu. Ele estava desesperado ao ver a dor no rosto dela - ligue… ligue para a doutora… vamos pa… - outra pontada - Deus! - ela sentiu as pernas fraquejarem. Ele a segurou. Stana agarrou seu braço com força fincando as unhas na pele - a clinica… vamos para… a cli-nii-ca…  
— Tudo bem, respire amor, tente se acalmar. Devagar - ele pegou o roupão e entregou a ela colocando sobre seus ombros. Ela se vestia enquanto ele colocava uma calça. Pegou o celular e ligou para a doutora dizendo que estava a caminho da clinica e não sabia o que Stana tinha além de muita dor. 
— Contrações, parecem contrações - ela sussurrou para que falasse a médica. Ele repetiu. Minutos depois desligou o celular. 
— Ela irá nos encontrar lá. Devagar, pode ficar de pé outra vez amor? Teremos que descer as escadas ou terei que carregar você. 
— Não. Suas costas… eu consigo descer as escadas. É só ir devagar. Eu consigo. 
Lado a lado, eles desciam os degraus. No meio do caminho, nova contração. Ela se agarrou ao corpo de Nathan. Ele a amparou. Ficaram parados ali por alguns instantes esperando Stana se recuperar. Engolindo em seco, ela o fitou. Nathan pode ver o desespero no olhar dela. Estava com medo, pensando o pior. Ele acariciou seus cabelos, limpou as lágrimas. 
— Vai ficar tudo bem, Staninha. 
— Eu não posso perder a nossa filha, Nate… não posso! - ele colocou o dedo sobre os lábios dela. 
— Shhh… isso não vai acontecer. Vamos, precisamos ir a clinica - vagarosamente, eles conseguiram descer o resto da escada. Ele a colocou no carro certificando-se que ela estava bem. Nem queria imaginar que ela pudesse desmaiar de dor. Sentado ao volante, Nathan dirigia as pressas, porém sem colocar em risco as duas pessoas mais importante de sua vida. Em silêncio, ele fazia uma prece. Um pedido para que nada acontecesse a eles. 
Olhando para a cara de dor da esposa, ele se sentia impotente por não poder fazer nada, não poder parar aquele sofrimento. 
— Só mais um pouco, Staninha… estamos quase chegando. Nada vai acontecer com você e com Katherine, respire fundo e devagar - mal ele falara, ela sentiu outra pontada. Gritou. Estava contando, sofria contrações em um intervalo de dois em dois minutos. Ela não queria ter Katherine agora, não queria pensar na ideia de ter um bebê prematuramente ou pior, que essa dor estivesse fazendo mal a sua filha, causando sofrimento. A mente era algo incrível, já criara milhares de cenários, nenhum parecia muito favorável. Outra contração. Outro gemido. 
Nathan parou o carro bruscamente na frente da clinica. A médica já estava esperando com uma cadeira de rodas. Ele a tirou do carro e colocou-a sentada. Empurrou-a para dentro da clinica. A médica foi fazendo as perguntas de praxe para entender o que se passava. Mesmo tendo acabado de entrar no sétimo mês, ela não descartava uma possível necessidade de cirurgia devido ao histórico de Stana. Precisava examina-la para saber se tinha dilatação. Ao coloca-la sobre a maca, a médica causou as luvas e puxou a camisola que ela usava ja espalhando gel sobre a barriga. Checou a reação infiltrado sua mao entre as pernas dela. Não havia dilatação. Então não eram contrações realmente. Ela suspirou aliviada. 
— O que está acontecendo, doutora? - perguntava um apreensivo Nathan. 
— Um minuto, preciso observar através da ultra-som - ela esfregava o instrumento na barriga de Stana observando as imagens - ela não está tendo contrações, nem dilatação. Em outras palavras ela não está em trabalho de parto. Tudo parece estar bem com o bebê. 
— Ouviu isso, Staninha? Está tudo bem com Katherine - ele virou-se para fitar a esposa e retornou a atenção à médica - então o que está acontecendo? Por que ela está com dor? Por favor não me diga que vai… tem alguma hemorragia, doutora? 
A médica não o respondeu ainda fitando a tela do monitor. Nathan percebeu que ela franzia o cenho. Isso não era um bom sinal. Ela levantou-se indo até um armário. Tirou um vidro lá de dentro, pegou uma agulha enorme na percepção dele e encheu-a com um liquido. Ela ia dar uma injeção em sua esposa? 
— Doutora, para que isso? Vai enfiar essa agulha na minha esposa? Por que?
— Para ela parar de sentir dor. Stana, o que você comeu ontem? 
— Eu… - a médica a olhava com uma cara um pouco zangada - e-eu comi uns nachos com guacamole e… pimenta e chocolate… Gigi… oh! É por isso a dor? 
— Sim, tudo indica que você teve uma indigestão porque comeu muita gordura de uma vez e seu organismo não está mais tão acostumado com isso. Logo sua bebê reclamou. Foi isso que causou tanta dor. Não pode comer essas besteiras principalmente todas elas juntas. Foi quase uma overdose de porcarias. 
— Vou matar a Gigi! Por que ela fez isso? - Nathan estava bravo, andava de um lado para o outro - eu quase morri de desespero! Pensei que… ah… droga! 
— Nate, você não vai fazer nada com a minha irmã. Eu tenho tanta culpa quanto ela pelo que aconteceu. Eu quis comer. 
— E agora vai levar essa injeção para o efeito do remédio ser mais rápido - ela enfiou a agulha no braço de Stana de uma vez. Fechou os olhos engolindo o gemido pelo contato do remédio em sua corrente sangüínea. Respirou fundo - você está proibida de repetir essa brincadeira. 
— Eu sei. 
— E Gigi vai ficar longe lá de casa! 
— Nathan! Pare com isso! Eu estou bem, Katherine está bem. E minha irmã não será responsabilizada pelo que aconteceu. Se acalme - ele se aproximou dela, pegou sua mão. Os olhos azuis a olhavam profundamente. 
— E-eu tive tanto medo, você… seus olhos… você estava apavorada e eu também, não sabia o que dizer. Não quero passar por outro susto desses. Tem ideia das loucuras que pensei? Meu Deus! 
— Tenho sim, eu também pensei muita besteira. Demais até. Já passou. 
A médica tinha deixado-os sozinhos por um tempo. Voltou para encontrar Nathan ajudando a esposa a ficar de pé. 
— Podem vir ao meu consultório? Quero dar umas instruções sobre dieta de desintoxicação. Você terá que se alimentar de chás e sopas leves pelos próximos dois dias. Nada de gordura. 
— Nada? Quer dizer, não posso comer carne? - ela já pensava no pedido da irmã. 
— Se sentir tanta falta da proteína pode comer um peixe ou um pedaço de carne magra. Nem pensar em temperos fortes, pimenta, queijo. Fui clara? 
— Cristalina, doutora. Não se preocupe, eu mesmo vou tomar conta do que ela come nos próximos dias. Nada de exageros. 
— Ótimo! Agora, vão para casa. Descansem. E Stana, você precisa de repouso. Permaneça a maior parte do tempo deitada com as pernas para cima. Vi que estão um pouco inchadas, também é efeito do que você ingeriu. 
— Obrigada, doutora. Você sabe, por ter vindo aqui nos atender. 
— Stana, essa é a minha profissão, eu escolhi ajudar. Não precisa agradecer. Faço porque quero ver os pais felizes - ela sorriu - adorei o nome da filha de vocês. Muito bem escolhido. Katherine está bem e não vai dar mais sustos em vocês. Basta a mamãe se comportar. 
— Ou a tia não ficar tentando… - disse Nathan. 
— Nathan, pare com isso. Gigi não fez por mal. Se for assim, seu irmão é tão culpado quanto ela, afinal foi por causa dele que ela foi me visitar - no mesmo instante o semblante dele mudou. 
— O que tem meu irmão? Ele está viajando. Eles brigaram? - logo ela pode ver a preocupação no rosto dele. Melhor assim. 
— Não, eles estão bem. Não é nada ruim, apenas não posso falar. E não insista, eu prometi a Gigi. 
— Mas…
— Nada de “mas”. Vamos para casa, Nate. Estou cansada. 
Eles seguiram para casa em silêncio. Stana ficara um pouco grogue da injeção e ele a ajudou a subir as escadas até o quarto. Deitada, ela mal se demorou uns cinco minutos antes de adormecer. Apagar mesmo. Nathan sentou-se em seu lado da cama. Com a cabeça escorada no encosto da cama, ele respirou fundo e fechou os olhos. Finalmente ele podia respirar aliviado. As ultimas horas foram bem complicadas. Não gostava de pensar em nada ruim acontecendo com os dois amores de sua vida. Uma indigestão. Como era possível algo aparentemente simples causar tanto problema? Tanta dor? 
Nathan olhou para o lado. Sua esposa dormia serena. A mão ainda tocava o ventre no mesmo local de antes, como se pudesse abraçar a filha, protege-la. Ele inclinou-se e beijou a testa de Stana. Deitou ao seu lado envolvendo seu braço em sua cintura, os rostos quase colados. Adormeceu. 
Na manhã seguinte, ela levantou com fome. Checou o celular na cabeceira da cama. Dez horas. Dormira demais. Havia uma ligação perdida de Gigi em seu telefone. Nathan não estava na cama. Com cuidado, ela se levantou para ir ao banheiro. Era cada vez mais critica a necessidade de esvaziar sua bexiga. Assim que terminou, olhou-se no espelho. O cansaço e o stress passado na noite anterior estava presente em seu rosto. Ao sair do banheiro, encontrou Nathan entrando no quarto. 
— Hey, você acordou. Quer tomar café? 
— Sim, estamos famintas - ela sorriu. Ele se aproximou da esposa beijando-lhe o rosto. 
— Como se sente, amor? - ele acariciava a barriga dela. 
— Estou bem, babe. De verdade. O susto já passou. Podemos descer?  
— Claro - ela pegou o celular. Assim que desceram as escadas, ela disse que ia ligar para a irmã - você vai contar a ela o que aconteceu? Porque devia. Foi irresponsável. 
— Nathan, se você culpar a Gigi mais uma vez pelo que aconteceu, eu juro que saio pela aquela porta e vou passar um tempo com ela até seu irmão voltar. Talvez mais - ele sabia que ela falava sério - e vou contar sim, mas pessoalmente. Eu sei que ela vai ficar arrasada então pare de querer arranjar uma briga desnecessária. 
Ele não respondeu. 
— Além do mais, eu prometi a ela que ia ajuda-la hoje. 
— Mas voce ouviu a doutora! Precisa de repouso. 
— Eu estou bem e o que faria aqui posso fazer lá. Ficar deitada de pernas para cima. Você entendeu? - como ele permanecera calado, ela forçou uma resposta - vai me responder ou já posso sair porta afora? - ela o viu suspirar. 
— Entendi, só não sei porque precisa fazer isso hoje. Porque tem que visitar Gigi. 
— Hoje e amanhã. E não tem negociação. Agora, você vai me oferecer o café da manhã saudável ou terei que fazer isso sozinha? Sua filha está reclamando já. 
— Vem tomar café, Stana - ela se sentou a mesa, observava o jeito dele. Sabia que estava preocupado, que tudo isso era super proteção, porém não poderia concordar em vê-lo jogar a culpa para sua irmã. Ele colocou um prato de frutas na frente dela, torradas integrais e uma xícara com chá de camomila. Sentou-se ao seu lado. Stana colocou a mão sobre a dele. Apertou-a. 
— Eu sei o que está fazendo. E eu o amo por isso, tudo bem? - os olhares se encontraram - estamos bem, nada vai acontecer. Relaxe, Nate - ele suspirou. 
— Obrigado, e-eu ainda estou um pouco perdido depois de ontem. Como você pode ficar tão calma? Eu estou uma pilha de nervos por dentro, juro. Estou tentando não ceder a loucura, aparentar calma para você não ficar nervosa também porque faz mal para o bebê e…
— Hey, estamos bem. Eu sinto, ela está dentro de mim. Está esperta, se mexendo. Pode sentir - ela pegou a mão dele e colocou sobre a barriga no local que aparentemente Katherine chutava ou se mexia de tempos em tempos - está vendo? Não há com que se preocupar, babe. 
Ele sorriu. 
— Eu sou pai de primeira viagem, Staninha. Claro que me preocupo demais. 
— Eu sei. Eu amo meu papai bobo - ela o puxou pela nuca e beijou-lhe os lábios - agora, conte o que posso almoçar porque você querendo ou não eu vou encontrar minha irmã hoje e você não vai junto. 
— Não posso prometer nada para você mudar de ideia? 
— Absolutamente nada - ele se aproximou dela por trás, começou a devorar sua nuca com os lábios e os dentes a fazendo gemer baixinho - na-nada mesmo… - as mãos desceram acariciando-lhe os seios. Um beijo sedutor tomou seus lábios. Quando se afastou dela, Stana sorriu - sinto muito, babe. Continua sendo um não, mas posso querer outro beijo desse. 

— Vai mudar de ideia? - ela balançou a cabeça negando - nesse caso, não - ela gemeu frustrada - como eu sou trouxa por você, Staninha… - sorveu os lábios dela novamente. 

Continua...

10 comentários:

Camila Lorrane disse...

Awn que cap mais lindo. Stana com dor Nate preocupado. Nate querendo mata GiGi cada dia fica melhor. Kate mechendo awn que dlç 😍😍😱👣👶🏼

Priscila Barros disse...

Ai que maravilha de capítulo kaaah, se bem que quase morri no final, huahuahaua.
Mas vamos por partes.... Amei o final do jantar de natal, com o presente lindo que o Jeff deu pra Gi, nossa maluquinha ta muito feliz com todo esse amor ❤️❤️❤️ e essa data de casamento marcada já com local definido é muito maravilhoso ❤️❤️❤️❤️ como não amar eles se casando em Santa Monica??!! Esse lugar embalou muito do romance Stanathan e agora vai servir de palco pra o grande dia de Giff ❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️
E essa surpresa da Gigi pro Jeff no dia dos namorados?? Meu Deus, a Gi cozinhando deve ser aquele desastre huahauhauahua, mas o gesto de se esforçar pra dar um jantar ao Jeff é lindo ❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️ Giff é muito amor, minha gente ❤️❤️❤️❤️ Tadinha da Stana que vai sofrer com a tarefa de ensinar ela a cozinhar ahuahuahauhauahu
Agora vamos a parte tensa.... quase tive um treco no coração quando a Staninha começou a sentir dores, meu Deus, parei de respirar por um bom tempo, fiquei muitoo aflitaa!!! Graças a Deus não era nada demais, tadinha da Gii vai se sentir culpada. Mas ainda bem que tudo está mais que certo com a pequena Kate ❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️
Muito obrigada pelo cap, Kah ❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️

Pâmela Bueno disse...

AAAAAAA como eu AMO um angst!!!!!! Muito obrigada pela palinha, foi mt bom, amo ficar tensa e segurar a respiração nessas horas e depois vem o alívio... eu gostei muito desse cap, obviamente pelo daminha básico, mas também pela Kate se mexendo, achei tão ownnnn... Giff cada vez mais fofos!!! Amei esse cap e fiquei mega surpresa com a postagem dele hahaha espero ter mais surpresas boas assim, agora que estou de férias da facul haja fic hahahah

rita disse...

Tirando o susto , como sempre foi ótimo o capítulo!Abraços Karen.

Silma disse...

Eu não poderia estar mais feliz pelo casal Giff.Eles estão que é um amor só e isso me alegra.Quem diria que Gigi ia se transformar na pessoa que é hoje,menos pilhada com "relacionamentos" e agora como ela mesma gosta de falar "boba apaixonada".Ah,Gigi como é maravilhoso essa sensação de borboletas no estômago,os sorrisos bobos e o olhar sonhador apaixonante que cê solta quando vê o dito cujo 😩😍 ai como é gostosa essa sensação de estar A P A I X O N A DA!!!E a sensação é melhor ainda quando todos esses sentimentos são recíprocos. ❤️ Giff meus bebês!!!
Miga,se joga nessa felicidade que tá lhe consumindo,aproveita.Você merece!!!
A gota e o oceano vão ser um só 💍
"Seu homem,seu fiancé,seu amor" seu inteiramente seu!
"Eu te amo,Jeff.Posso ser sua gota,mas você é meu oceano" que amorzinho essa Gigi 😍 "Eu não sei falar bonito" sabe sim moze 😌 "Como eu fiquei assim tão boba" tem nome e endereço 😏
"Isso acontece quando você se apaixona por um Fillion" sábias palavras Staninha 👌🏽.
#GiffCasal20
*A Stana feliz pela irmã é uma coisa linda demais gente.Só sei babar por esse amor entre irmãs!

cleotavares disse...

A Gigi está uma fofura aprendendo a cozinhar pro Jeff. O pingente, os planos.... tudo lindo. Tirando o susto com a Stana, ufa!
E a Kate mexendo, que coisa mais linda (meu filho amava fazer isso.....à noite, claro)
Amo ser trouxa por esses dois.

marta santos disse...

Ain Kah 😍😍😍😍😍 puxa vida ! Obrigada 💙 Que capítulo!!! Deu pra sentir todas as emoções possíveis . Eu quase tive um treco com esse final , nossa ! ...
Bem vou começar pelo presente de Jeff . OMG !!! Meus olhos ficaram cheios de lágrimas , pq eu sei o quando isso significa , é a mesma coisa que dizer pode acontecer tudo , tudo ... mas o meu amor por você é a gota que não pode falta no imenso oceano. Cada dia que passa eu vejo um pouco de Eve Dallas em Gigi ... E percebe-se que ela toca o colar , como Eve faz e sei que de alguma forma trás conforto rs. Elas sao mulheres de sorte . Pq dentro do oceano um do outro tem um única gota que é essencial para continuar vivo . O Amor genuíno ! Ah e sobre Gigi colocar a mão na barrigada de Stana , lembrei da Eve quando pois a mão na barriga de Mavis e ficou pensando que gravidez era contagioso kkkkk eu morro de rir do de lembrar . Essas duas são bem parecidas ! Ah e a pequenas mexendo com a voz da mamãe ... Sim tinha olhos nas minhas lágrimas , que emoção ! Lindo... vamos falar da voz da Stana catando , omg ! Eu sou suspeita pra falar , pq sou completamete apaixonada pela voz dela , as vezes eu queria ser o cachorrinho sortudo dela kkkkkkkkkk . Sim sou trouxa mesmo ! Ah estou tão ansiosa por casamento da Gigi , tenho certeza que vai ser lindo e muito emocionante (doida pra ler os votos da Gigi kkkk) . Agora chegamos ao ponto que deixou minha garganta seca , minhas pernas bambas e meu Coração acelerado .Minha mente gritava , não por favor , por favor ...não pode ter sangue ai , não pode ,por favor !!! Eu já te falei que a forma que você escreve é tão real que , as vezes acho que estpu lendo relatos da vida real ,pq agente a desespera junto e tive medo , mesmo sabendo que a essa altura do campeonato vc não iria nos tirar a pequena . Que alívio saber que foi apenas um monte e gordura consumidas ! Nate tentando culpar Gigi rs tadinha , pensei iiiii vai dar ruim . Então ela ameaça ir passar uns dias com a irmã, nossa imagina , Nate enloqueceria kkkk . Papai de primeira viagem , dar um desconto Staninha . Meus amores ! Eu amo tanto SN.
Ah mas ia esquecendo , Gigi querendo cozinha , omg! Gigi me surpreende em casa capítulo , isso vai ser muito divertido kkkkk . Eu Amo Giff 💙
Pra finalizar , eu so queria dizer mais uma vez obrigada . Eu não sou boa com as palavras ,mas afinal como explicar o que se senti dentro do coração ? As palavras jamais seriam suficientes pra demostrar o meu amor e minha gratidão .

I Love You 💙


Mah😘

Vanessa Belarmino disse...

Vim de ONO, então não espere grandes coisas hahaha
Vc sabe que tenho um sensor Giff ne? E que pego ate as virgulas, resultado disso é que a fã #1 se empolga tanto que esquece de SN... Então vou começar por SN. Eles tão lindinhos nessa gestação e nos projetos profissionais... Eu estava ansiosa para o momento em que Kate começasse a fazer a festa lá dentro... E foi muito especial, dois babões mesmo. Morei de rir da reação da Gigi, ela é meio ogra ate com a afilhada haha Acho estranho tb, mas ao mesmo tempo é uma sensação incrível e surreal... Um vida crescendo lá dentro! Que susto com esse lance da indigestao... Nate para de implicar com minha bichinha, isso mesmo Staninha mostra quem manda hahaha... Sei q ele estava desesperado e preocupado e isso é fofo, mas Gigi não fez por mal... Adoro as partes com a interação entre os irmãos... 😍😍
Não bastasse anel ainda tem colar.. Amei o lance do oceano, pode ser brega, mas é lindo... Tao apaixonadinhos! Junho, Santa Monica, casamento ao ar livre... Como não amar?❤❤❤❤❤ Jeff todo cuidadoso deixando ela decidir, noivo mais lindo... E o dia dos namorados promete.. Gigi cozinhando, e quem disse q o amor não muda as pessoas? Só espero q não exploda a cozinha! Hahaha Brincadeirinha, eu confio na minha bichinha... Jeff vai amar... Espero que SN tb comemorem pq ano passado estavam brigados... Adoro essa cumplicidade que Stana tem com Gigi, mesmo diante do imprevisto, ela vai ajudar a a irmã... Gigi vai ficar chateada mesmo, vai se culpar, e Stana sabe tao bem que quer contar pessoalmente... Assim como Anne e Nate, acho q quando Kate nascer Gigi vai ficar toda boba e pensar em ter seu baby de olhos azuis.... Azul como o oceano😍😍😍😍
Esperando o próximo!

Silma disse...

Vamos falar do meus gravidíssimos mais lindos do universo 😍
Como tu faz isso comigo Karen? 😔 Infartei só de imaginar o pior.Minha bichinha toda banhada de dor e já pensando que ia perder nossa princesinha 👸.
Eu gosto de um "sofrimento" de vez em quando mais cê foi hein 😰😭😪
"Eu não posso perder a nossa filha,Nate… não posso" surtei demais 😭😭😭😭😭
"Eu sou pai de primeira viagem,Staninha" super protetor 😍👌🏽"Claro que me preocupo demais".
"Eu sei.Eu amo meu papai bobo" bem babão mesmo 😍
"Quer ver eu acabar com a festa?Nate,podemos ir?Estou cansada,minhas costas estão doendo - no mesmo instante,ele se levantou olhando para ela.Era possível ver a ruga de preocupação na testa" 😂😂😂😂 Stana cê quer matar o homem mué? 😂😂😂
"Claro,amor.Só as costas?Ou as pernas também?Lembre-se que não pode exagerar,não quero que tenha problemas de circulação" papai tão preocupado e dedicado 😍
"Como eu sou trouxa por você,Staninha" nós somos amigo,nós somos 👌🏽
"Staninha,você vai tirar esse vestido agora?Essa é a intenção.Por que? - ele estava sentado na cama olhando para a esposa. Não bem para ela,para os seus seios -
Oh…entendi o que quer.Sabe,daqui a algum tempo você não será prioridade aqui - apontou os seios -por um período longo eu espero"
"Como você é má,amor…acho que tereique aproveitar meus últimos momentos,não? - ela sorriu.
"Quer tirar para mim? - ofereceu quase esfregando os seios no rosto dele.Para fechar com chave de ouro a festa,eles se amaram" Minha sanidade foi pro ralo com esse diálogo que representa tanto pra mim 😏👌🏽💥 eita fogo 😏👌🏽

Gabriela Mendonça disse...

O capítulo já começa com Anne pedindo filho de Giff kkkk
Giff é a coisa mais linda desse mundo... mentira... a segunda, pq a primeira sempre será Stanathan.
"O casamento é nosso, mas as regras e decisões são minhas." Basta vc dizer que a pessoa é sua gota e ela já começa a mandar kkkk
"Foi só ficar noivo que passou a reclamar de mim?" kkk como eu amo e me divirto com essa louca kkkk
"Algo me diz que logo Katherine ganhara uma companhia." A pessoa mal noivou e o papo já é quando terão filhos kkkk
"Katherine, você mexeu para a mamãe! E para o papai?" melhor momento... que lindinhoooooos.
" Agora que comentei que não fiz nada, você fala isso!" ela n perde uma oportunidade kkkkkk amo
Uauuu um ano de Giff ja...
"— Wow… ela está mexendo… que estranho, nossa! Ela é bem ativa. Não dói?" kkkkkkk Gigi ainda me mata de rir "— Eu ainda acho estranho… - retrucou Gigi - mas o corpo é seu." gargalhei kkkk
"Quer ver eu acabar com a festa?" aii que maldade... tadinho...
"— E ainda precisa? Um jantar especial e uma lingerie sexy, a noite é uma criança…" kkkk Oh Gigi... tadinho do Jeff;
Valei-me meu DEus... que na hora que Stana começou a passar mal eu temi pelo pior...
Posso dizer que o sofrimento do Nate foi o meu...
"Stana, o que você comeu ontem?" Nessa hora eu quis bater na Gigi...
"Vou matar a Gigi! Por que ela fez isso?" Tamo junto... a gente te ama, mas n mexa com Staninha não filha... pelo amor de DEus..
"vai me responder ou já posso sair porta afora? - ela o viu suspirar." Mas são cheias de ousadia essas Katic's viu. Amarra no pé da mesa, Nate. DEixa sair não... onde ja se viu...