sábado, 24 de dezembro de 2016

[Stanathan] Kiss and Don't Tell - Cap.96


Nota da Autora: Eu sei que é véspera de natal, mas já passamos dessa fase nessa fic. Então, vamos apenas nos divertir. E não se preocupem. Dona Rada está controlada. Alias, quem não surtou com o video que a Staninha postou com a sis? Viram como tenho razão? Gigi é meio doidinha! Morrendo de amores por aquilo... e tem mais participações especiais nesse capitulo: nossa pequena Anne e os sogros mais fofos do universo, Cookie e Bob estão de volta... enjoy!  

PS.: Talvez role um presentinho de natal no dia 25... (não nessa fic, no blog hahaha!)


Cap.96 

Assim que dona Rada entrou em casa, encontrou as filhas na sala conversando. Ela parou no meio da sala para olhar a barriga de Stana que já se levantava. Gigi resolveu fazer o mesmo. 
— Stana… você está linda - levou a mão ao rosto. Nathan já se antecipara com o irmão e subiram as escadas para colocar a mala e a valise no quarto de Anne - você está muito bem - finalmente ela se aproxima da filha, lhe dá um beijo e acaricia a barriga - Katherine será uma menina bem grandinha somente pelo tamanho da sua barriga. Você me parece saudável, com uma aparência tranquila - deu um novo beijo na filha e olhou para Gigi. Sorriu. 
— Você está diferente, Gigi. Mais bonita, feliz. Tem um brilho especial…
— Deve ser porque fiz amor bem gostoso hoje de manhã com meu noivo - ela falou olhando bem safada para a mãe - sexo sempre deixa a gente com um brilho diferente. 
— Gigi.. - Jeff falou em um tom de “por favor, não faz isso”. Parara no meio da escada. Estava vermelho. Stana segurou o riso. 
— Sempre afiada. Como eu estava com saudades de você. Acho que posso dar os parabéns de verdade agora, não? Vem cá, minha filha - ela deu um abraço apertado em Gigi, beijou o rosto e continuou abraçada - estou tão feliz por você, Gigi. Você e Jeff serão muito felizes. Ele é o homem certo para você. E tem muita sorte de ter uma Gigi na vida dele - as irmãs trocaram um olhar estranhando os comentários. Dona Rada se afastou - posso ver o anel? Não é a mesma coisa pelo telefone. 
— Claro que pode, mãe - Gigi mostrou o belo anel com o diamante em formato de gota. 
— Nossa! É uma pedra bem bonita. De muito bom gosto. E esse outro? 
— Foi o Bob que me enviou, era da vó do Jeff. Também é muito bonito, mas o que meu noivo me deu é especial - os genros já haviam descido as escadas. Stana se antecipou para falar com o marido. 
— A carne já está temperada, basta você fritar, grelhar, o que decidir para mim está bom. Estou ficando com fome. 
— Deixe que eu e o mano cuidamos disso. Vá ficar com sua mãe. 
— É, não quero deixar que fique muito próxima de Gigi sendo dona Rada vai começar a perguntar sobre o casamento, a cerimonia, essas coisas - deu um beijo no rosto dele - Mãe, quer conhecer o quarto de Kate? 
— Claro! - ela viu a filha subindo as escadas, ainda havia uma certa agilidade, mas ela começava a se cansar - Stana, você não deveria subir mais tanta escada nesse período final da gravidez, tem que evitar ao máximo. 
— Mãe, eu estou bem. É só ir devagar. 
— Mas sem exagero,né sis? Não queremos outro susto antes de Katherine realmente nascer. 
— Susto? O que aconteceu? 
— Contamos no quarto. Não gosto de falar disso perto de Nathan - disse Stana - ele fica nervoso demais e ainda tem o lance da Gigi… 
— Vocês duas estão me deixando nervosa. 
— Calma, mãe. Já passou. 
No quarto de Katherine, a vó se encanta com cada detalhe. Cada objeto, roupinha, tudo cuidadosamente arrumado. Tinha certeza que sua neta iria ser muito amada. Stana sentou-se na poltrona. Gigi no chão. A mãe ainda perambulava admirando as coisas de Kate quando as filhas contaram sobre o episódio do susto. Stana se adiantou assumindo a culpa para que a mãe não brigasse com Gigi. Levaram uma bronca de leve, porém nada que abalasse o clima entre elas. 
Na verdade, as irmãs estavam surpresas com a maneira calma como Rada lidava com elas. Desceram para almoçar e depois de comer, ela anunciou que ia deitar um pouco. 
— A viagem ainda pesa, vou me deitar um pouco. 
— Acho bom nós também irmos, Jeff. Temos algumas coisas para resolver. 
— Sim, Gi. E Stana também precisa de sossego - viram dona Rada se levantar, dar um beijo em Gigi e outro em Jeff. 
— Depois quero saber como anda os preparativos do casamento, Gigi. Vejo vocês outro dia. 
— Sim, mãe. Voltaremos a aparecer. 
Quando teve plena certeza de que sua mãe estava deitada, Stana sentiu-se segura para comentar. 
— O que deu na mamãe? Ela está tão calma… achei que ia chegar mudando a rotina, checando meus remédios, fazendo mil recomendações. 
— Não é? Eu já estava preparada para dizer umas malcriações quando viesse perguntar dos planos de casamento e nada! Só mencionou agora… isso é muito estranho - os irmãos se entreolharam. 
— Digamos que ela teve uma preparação antes de falar com vocês - disse Nathan. 
— Como assim? - Stana olhava curiosa para o marido. 
— Foi ideia do Jeff. Eu concordei porque ele tinha razão. 
— Que ideia? - Gigi perguntou abraçada ao noivo. 
— Nós dois sabemos que a dona Rada pode ser um pouco exagerada em alguns assuntos. Lembramos de como a ultima experiência foi estressante. Stana não pode se estressar no final da gravidez e você, Gi, lembro como ficou triste em alguns momentos e agora com o casamento, não queria ver isso acontecer outra vez. Por isso propus para o Nate de conversarmos antes com ela. 
— Por isso você não queria que eu fosse ao aeroporto… ah, Jeff… - ela o beijou - eu te amo, sabia? 
— Eu sei. Por que você acha que eu fiz isso? 
— Vamos para casa, gostoso. Acabei de adicionar mais umas coisinhas na lista do que eu tenho que fazer. Tchau, sis, tchau Nathan - saiu puxando o noivo pela mão. 
— O safado se deu bem… - eles riram.
— O que posso dizer? Acho que fez por merecer. Vocês realmente falaram a verdade, enfrentaram dona Rada. 
— Claro, não queríamos ver vocês chateadas. Você está no final da gravidez, precisa estar calma. 
— Sabe, que tal irmos para a sua sala de video? Quem sabe não rola um coisinha para você também. 
— Será um ótimo fim de tarde - ele disse beijando-lhe os lábios.   
No domingo foi a vez de Markus, a esposa e a pequena Anne encontrarem dona Rada. Nathan os convidou para almoçarem juntos. A menina fez uma festa ao ver a tia, cada vez que ela via Stana era um novo escândalo. 
— Tia! Sua barriga está muito grande! Katherine vai ser um bebê gordinho. Alo, alo! - beijou a barriga de Stana. 
— Talvez. As vezes, muito da barriga de grávida é agua para proteger a criança. 
— Agua? E a Kate nao se afoga? 
— Não é bem agua, é um liquido especial e não, Katherine não se afoga, os bebês estão acostumados, você também era assim. 
— Ah, eu não sabia. 
— Anne, você não vai falar com a sua vó? - o pai lhe chamava a atenção sutilmente. A menina se jogou nos braços da vó e encheu-a de beijos. 
— Você está cada dia maior, Anne. E mais bonita. 
— Ah, vó. Eu estava com saudades. Vai fazer bolo de chocolate para Anne? Ninguém faz como a vovó. O da tia Stana é gostoso, mas o seu é melhor. 
— Sempre puxa-saco… olha o interesse, Anne - Nathan disse fazendo a menina rir. 
— Tio, você falou igual a tia Gigi. Ela não está aqui? 
— Gigi tinha um compromisso hoje, mas prometeu que no próximo domingo estará aqui - disse Stana. 
— Fico imaginando que tipo de compromisso é esse - falou Nathan olhando maliciosamente para a esposa. 
— Compromissos de casamento. 
— Ela está levando a sério mesmo… - Markus comentou. 
— Não sei porque você falou desse jeito, Markus. Ela está empolgada com os preparativos e sim, está animada e apaixonada. 
— Eu ainda acho estranho pensar na Gigi casada. 
— Ah, pai! Para com isso, a tia Gigi ama o tio Jeff e ele é muito legal - Anne enfatizou bem o “muito”, Nathan olhou para Stana, cochichou. 
— Devo ficar com ciúmes? 
— Larga de ser bobo - mas ele não resistiu. 
— Parece que o Jeff tem uma super fã - os adultos riram - e os dois arrumaram uma defensora ferrenha. 
— Parem de besteira, Anne tem razão. Gigi está ótima. Não quero mais ouvir você duvidando da sua irmã, Markus e Nathan deixe de ser bobo, a menina adora os dois tios - depois da lição de moral de dona Rada, ela acrescentou - quanto ao bolo de chocolate, vou ficar devendo para o próximo fim de semana, tudo bem? 
— Claro, vovó. Aprendam, Anne sempre tem razão - ela falou cheia de si, virou-se para fitar a avó - será que podemos ir até o quarto de Anne? A tia Stana falou que a vovó ia dormir lá, só quero ter certeza que as minhas coisas estão bem arrumadinhas - ela pegou a mão da vó e juntas subiram as escadas. 
Stana não estava acobertando Gigi. A irmã realmente tinha um compromisso. Ela e Jeff tiraram o domingo para fazer a prova do bolo de casamento e definir alguns detalhes de doces e alguns outros itens importantes. O buffet do jantar seria experimentado em outra ocasião. 
Havia pelo menos dez tipos diferentes de bolos para eles provarem e a confeiteira garantia a Gigi que ela poderia acrescentar qualquer recheio que ela quisesse. Os dois se divertiam comendo e debatendo os sabores. A escolha, na opinião de Jeff ia ser bem difícil. 
— Está tudo delicioso, Gi. Como vamos escolher somente um? 
— Uma das sugestões - disse a doceira - é escolher algo que possa agradar a maioria dos convidados. Afinal, queremos que eles comam o bolo. Se sobra demais é bem complicado. Muitos noivos congelam, mas acaba sendo mais uma preocupação para se lidar. 
— A sua linha de raciocínio é interessante… - disse Jeff. 
— Não acho - retrucou Gigi - o bolo tem que agradar os noivos, eu principalmente - Jeff riu. 
— Certo, Gi. E qual seria sua escolha? 
— Estou entre o chocolate e o Red Velvet. Fazia tempo que não comia um tão gostoso. 
— Tem razão, está mesmo. Mas Anne e Nathan amam chocolate, não seria melhor ir com ele. Não é um simples bolo de chocolate, é um Devil’s cake de primeira. 
— Já disse que a escolha é minha. E quero meu bolo vermelho, a decoração sabe. Vermelho sou eu, combina comigo. 
— Disso não posso discordar. Vermelho combina muito com você - ele beijou bem próximo a orelha dela e sussurrou - eu ainda não consegui esquecer a sua roupa dos dia dos namorados. Você deveria vesti-la novamente - ela riu. 
— Chocolate é um clássico - disse a doceira - quanto ao bolo ser vermelho, podemos fazer isso com qualquer recheio. Não importa. A decoração é independente. A escolha é realmente sua. 
— Red velvet coberto de vermelho e toques de champagne para a decoração. Aquele bege perolado, sabe do que estou falando, não? Mamãe pode fazer um bolo de chocolate para Anne, tenho certeza que não irá se negar. Quanto ao ornamento do topo, o noivo e a noiva? 
— Temos vários modelos. E também podemos confeccionar algumas mudanças em um dos modelos se quiserem. Deem uma olhada no catálogo, não tenham pressa. Queremos que fique satisfeita com tudo. Querem mais bolo? 
— Eu aceito mais uma fatia do red velvet. 
— Eu já volto, vou trazer mais agua e café. Fiquem à vontade. 
— Meu buque também será vermelho. Flores vibrantes. Tulipas, talvez. 
— A decoração do nosso casamento será em tons de vermelho? Espera, você vai vestir vermelho? 
— Não, bobo. Meu vestido será branco e não, estou pensando em tons champagne. Olha, Jeff! Esse está quase perfeito. Só precisa trocar uns detalhes - a doceira voltou e Gigi explicou o que gostaria que mudasse. Concordaram em mandar uma foto da prévia de como ficaria o bolo em uma semana. Então, ela explicou outra coisa que queria oferecer para os convidados. Claro que era possível de fazer. Bem simples realmente. Também prometeram entregar um protótipo em uma semana para aprovação deles. A confecção demorava 30 dias. 
Saindo da confeitaria, ela virou-se para o noivo. 
— Quem sabe eu não esteja a fim de usar aquela roupa novamente para você? 
— Hoje à noite? 
— Talvez… 
A semana passou bem tranquila. Dona Rada mostrou a que veio. Ela tomou conta da cozinha ficando responsável por todas as refeições da casa, assim Stana não precisava se preocupar em passar muito tempo em pé fazendo comida. Também aconselhava Stana sobre vários assuntos especialmente sobre suas pernas, os problemas de circulação eram os mais complicados no final da gravidez. As escadas com o peso dela não ajudavam. Não se tratava apenas de ficar com as pernas para cima. Havia o cuidado com o sal, as massagens e compressas. A mãe tinha vários truques para diminuir e tornar o inchaço menos incômodo. 
Estava sendo uma experiência muito interessante a presença da mãe em sua casa nesse momento. Nada parecido com o que ela imaginara. Stana só tinha a agradecer ao cunhado e ao marido pela pequena intervenção. 
Em uma tarde, após a mãe fazer uma massagem e colocar os pés de Stana de molho, ela diz que tem algo para mostrar à filha. Vai até seu quarto e volta com um presente. 
— Eu fiz isso há uns meses atrás, logo que você me contou o nome da minha neta. Acho que você vai gostar - entregou o pacote a Stana que abriu com o máximo de cuidado - se fosse a Gigi já tinha rasgado todo o papel. Eu contei que ela me ligou hoje de manhã? Quer que eu vá com ela olhar uns vestidos de noiva. Ela comentou que queria que você fosse, mas você sabe como Gigi é. Será uma maratona. Não sei se é aconselhável nos acompanhar. 
— Ah, mãe eu sou a madrinha. Ela vai querer minha opinião. Eu quero ir. Quando vão? 
— Sexta. Melhor falar com o Nathan. Palavras da Gigi - Stana riu, imaginava que a irmã estava receosa depois do susto que levaram. Ao pegar o presente em suas mãos, ela não sabia o que dizer. Era uma manta de um rosa claro, nas quatro pontas, ela bordara a letra K em dourado, de uma forma bem clássica e singela, embaixo dela uma tiara de princesa.  
— Mãe… é linda. Obrigada - ela deu um beijo estalado em dona Rada. 
— Qual a data esperada para o parto, filha? Você vai querer normal mesmo? 
— Sim, a menos que haja alguma complicação. De acordo com as contas da doutora, Katherine deverá nascer na primeira semana de abril. Não era bem essa data que eu queria. 
— Por que não? 
— Porque eu queria que ela nascesse no mesmo dia que Nathan. Quando eu disse que estava pronta para engravidar foi no aniversário dele, disse que queria dar um filho de presente para ele. 
— E você deu. Nunca se sabe, filha. Bebês não seguem regras, nem calendários. Normalmente meninos são mais apressados, meninas mais preguiçosas, porém você e Gigi nasceram antes do previsto. Quem sabe essa tendência não está na genética Katic? 
— Quem sabe. Mãe, acho que deveria ir sozinha com Gigi ver os vestidos. Nem sabemos se ela vai escolher algo agora. E certamente irá querer minha aprovação. Eu também precisarei do meu vestido de madrinha, mas só depois que Katie nascer. Tire um tempo somente para vocês. A senhora já me ajuda tanto estando aqui. 
— Tudo bem, Stana. Vou aproveitar para passar um tempo com sua irmã, mas quero que Nathan esteja em casa. Não vou deixar você sozinha. 
— Mãe, posso pedir uma coisa? 
— Claro, filha. 
— Estou desejando seu bolo de chocolate… faz para mim? Por favor… 
— Stana, você não deveria estar comendo muito doce. 
— Faz tempo que não sei o que é doce. Por favor… não quero esperar até domingo - dona Rada sorriu, beijou a filha e foi para a cozinha fazer o tal bolo.  
Na sexta-feira, Gigi passou na casa de Stana para pegar a mãe. Foi exatamente como dona Rada imaginara. Uma maratona. Havia lojas que ela sequer experimentava um vestido dizendo que não tinha nada que a agradasse. Quando pararam para comer algo, ela comentou com a mãe. 
— Nunca pensei que fosse tão difícil achar um vestido de noiva. Essas lojas são especializadas, tem umas que deviam fechar. Cada modelo ridículo! 
— Gigi, as pessoas tem gostos diferentes. 
— Mau gosto a senhora quer dizer. Desse jeito vai chegar o dia do casamento e não vou ter vestido. Se fosse somente eu e Jeff nem me importava de casar nua - a mãe riu - o que? Ele também não se importaria, posso apostar. 
— Filha, deixa de ser exagerada. Tem pelo menos três meses antes do casamento. Vai achar o vestido. Essa parte é muito pessoal, as vezes quando menos espera o vestido ideal surge na sua frente. Tenha um pouco de paciência. 
— Nossa! Três meses? Não é nada… caramba! Temos ainda muitas coisas para resolver e nem definimos a lua de mel. Uma das poucas coisas que era para o Jeff pesquisar. Homens! Se não fizer follow up nada sai - a mãe riu - já acabou? Ainda temos cinco lojas para visitar. 
— Cinco? Mas são quase três da tarde. 
— Por isso mesmo, vamos andando dona Rada. 
— Ainda bem que sua irmã não veio. 
Na penúltima loja, Gigi estava olhando a seleção de vestidos enquanto uma moça estava arrumando um manequim com um novo modelo que acabaram de receber. Quando ela fechou o vestido, Gigi parou o que fazia derrubando um dos vestidos no chão. Ficou parada olhando para o manequim impressionada. Era esse. Tinha que ser esse. Dona Rada entendera perfeitamente o momento que a filha passava. 
— Experimente, Gigi. 
Ela fez a moça retirar todo o vestido para que ela provasse. Ao sair desfilando na loja, a mãe levou a mão na boca. Era perfeito para Gigi. Caíra como uma luva. Os únicos ajustes seriam o da altura devido ao sapato e um pouco no corpete caso ela emagrecesse, o que era algo esperado de noivas próximo ao casamento devido ao nervosismo. Ela fez a vendedora tirar uma foto com seu celular para mandar para Stana. A resposta foi quase imediata. “Wow! Feito para você, sis. XS”. 
Não havia dúvidas. Ela queria casar com aquele vestido. Comprou e pediu para que guardassem na loja, não podia levar para casa, não queria correr o risco de Jeff ver. A loja poderia segurar por um mės. Não era problema, ela só queria combinar com a irmã se poderia esconder por lá. 
Ao sairem da loja, dona Rada comentou. 
— Você será uma noiva linda. Jeff vai morrer quando a vir pronta. 
— Vem, mãe. Vamos passar lá em casa antes de eu deixar você na Stana. 
Gigi levou a mãe para conhecer onde ela e Jeff moravam. Como estavam vivendo. Depois de um pequeno tour, ela sentou-se no sofá com a mãe e pegou uma pasta. Era o planejamento do casamento. Orgulhosa e empolgada, Gigi mostrou tudo que já tinha para a mãe. O local, o bolo, a lista de convidados, o que a mãe achou bastante interessante. Havia menos de cem convidados. Na verdade, não chegava a 50. Outra coisa deixou Gigi intrigada, a mãe não criticara ou sequer dissera que ela deveria mudar alguma coisa. Resolveu perguntar. 
— Então, o que achou? Algum comentário a mais? 
— Gigi, você caprichou. Eu achei tudo perfeito. É a sua cara. O lugar é lindo, Nathan acertou. Ver você feliz, fazendo planos. Eu não sei, é tão certo que você e Jeff são perfeitos um para o outro. Ele é louco por você, filha. E seus olhos brilham falando dele. Eu sei e tenho provas de que ele faz qualquer coisa por você. Não é todo homem que fala de casamento logo que conhece a sogra, nem todos tem coragem de peitar a mãe da noiva para defende-la. Você será muito feliz, minha menina. Isso me basta. 
— Oh, mãe. Eu o amo tanto! Como nunca pensei que pudesse. 
— Eu sei, Gigi. 
Depois que deixou a mãe na casa da irmã, Gigi voltou para a casa com um plano na cabeça pronta para colocar as mãos na massa. Quando Jeff chegou, sentiu um cheiro gostoso no ar. Ele quase não acreditou na cena que viu. Sua noiva estava à beira do fogão remexendo uma panela, havia algo no forno também. 
— Gi? O que aconteceu? 
— Oi, amor. Chegou cedo. O jantar está quase pronto - ele se aproximou dela, viu que fazia um molho - acho que dá tempo de você tomar um banho antes de comermos. 
— Eu perdi alguma coisa? Estou sonhando? Talvez seja melhor você me beliscar. Cadê a minha Gi e o que você fez com a minha noiva? Espera, esqueci alguma ocasião especial? Que dia é hoje? 
— Para, seu bobo. Eu estou feliz. Espera - ela mexeu bem a panela, checou a consistência do molho e deu a colher para que ele provasse. Jeff murmurou um “delicioso”. Foi o suficiente para que ela desligasse o fogo. Virou-se para fita-lo envolvendo seus braços no pescoço dele - eu fiz o bolo de carne. Eu achei o vestido de noiva perfeito. Minha mãe não criticou nada sobre o nosso casamento e eu tenho o melhor noivo, o melhor homem que uma mulher pode desejar e ele é todinho meu, só meu. Eu ainda não me recuperei de saber que você peitou dona Rada por mim. Eu te amo tanto… 
— Foi exatamente por isso que eu fiz. Porque eu amo você, Gi - ela beijou-o com carinho. 
— Quando eu lembro que era para ser apenas uma aventura… olha para nós, continuamos aqui e sem o efeito da tequila - ele riu - vai tomar seu banho, está quase na hora de tirar o bolo de carne do forno e depois que jantarmos o senhor tem uma conta para prestar comigo. 
— Tenho? Que conta? - ele a olhava de forma maliciosa - sabia que nada era de graça…
— Nem adianta pensar em sacanagem, Jeff. Quero saber da nossa lua de mel. 
— Não vai ter sacanagem na nossa lua de mel? - ele olhava debochado para a noiva. Ela o empurrou rindo. 
— Vai tomar seu banho, Jeff. Agua gelada de preferência - não resistindo, deu um tapa no traseiro dele.   
Eles estavam no meio do jantar quando o celular de Jeff tocou. Era a mãe. Ele atende. 
— Oi, mãe. Tudo bem? Sim, sim. Claro que pode falar - ele estava conversando com a mãe que queria saber as novidades e contava algumas coisas do pai. De repente, ele sentiu o telefone escapar de suas mãos - hey! Eu estava falando com a minha mãe. 
— Oi, sogrinha! Acho que seu filho não quer lhe ver, nem ativou o FaceTime! Preciso falar algo muito importante para a senhora. Eu achei meu vestido. É lindo! Eu quero que veja, mas vou ter que mandar as fotos para você depois. Não quero correr o risco do seu filho ver. 
— Já me deixou curiosa. Poxa, vocês estão jantando. Não devia atrapalhar. 
— Não está atrapalhando, mãe. Gigi fez o jantar. 
— Fez? - dona Cookie riu sabia que a nora não gostava de cozinha - alguma ocasião especial, Gigi? - nesse instante Bob aparece na câmera. 
— Olá, bonitona. 
— Bob. Tudo bem? Estou com saudades de vocês. 
— O que você anda aprontando? 
— É, Gi, explica para eles porque cozinhou. 
— Ah, eu fiz o jantar para o filho de vocês porque eu estou feliz, porque ele é lindo e gostoso e eu amo esse homem. Sogrinha, não conte para a Stana, mas eu tenho o melhor Fillion - sorrindo dona Cookie respondeu. 
— Aposto que sua irmã pensa o mesmo. 
— Pode pensar, mas a verdade é uma só. O meu é o melhor - ela beijou os lábios do noivo apertando a mão dele sobre a mesa. 
— Adoro essa garota - Bob dizia para a esposa. 
— Eu sei que você é meu fã, Bob. 
— Sou mesmo. 
— Tudo bem, vamos deixar o casal aproveitar o jantar. Depois me mande as fotos, Gigi. 
— Pode deixar. Um beijo para vocês. 
— Beijo, mãe, pai - desligou - você monopoliza até meus pais? Que mulher possessiva eu fui arrumar! 
— Você adora. Coma antes que esfrie. 
Era domingo outra vez e a família estava toda reunida na casa de Nathan e Stana. Dona Rada paparicava as filhas e a neta com tudo que podia. Anne ganhou seu bolo de chocolate, ela fez os biscoitos preferidos de Gigi e pelo menos o almoço ficou por conta de Nathan após muita insistência. 
Eles estavam devorando a sobremesa. Anne tinha a boca toda lambuzada de calda de chocolate. Gigi estava deitada com um prato de cookies no peito e a cabeça no colo de Jeff que também comia o bolo. Nathan sentara no chão ao lado da esposa que mordia uma maçã depois de ter comido um cookie de aveia. Estava se policiando porque a mãe já fizera sua vontade no meio da semana. Ele obviamente disputava com Anne quem comia mais bolo de chocolate. Dona Rada observava o jeito da família. Ela adorava ter todos ao redor dela, saboreando suas guloseimas. Sentia-se dona da situação. Até o segundo seguinte.  
O celular de Nathan tocou. Era dona Cookie. Ele entregou o aparelho para a esposa porque a boca estava cheia de bolo, não podia falar. 
— Olá, dona Cookie. 
— Oi, Stana. Ah, você está cada dia mais linda! Como a Katherine está lhe tratando? Tudo bem com a gravidez? 
— Tudo ótimo. Ela está maravilhosa. Eu também, quer dizer, as pernas incomodam um pouco. Mas mamãe faz maravilhas contra o inchaço e para a circulação. Quer falar com seu filho? Acho que agora ele consegue. Estava com a boca cheia de chocolate. Mamãe acostuma esse pessoal muito mal. 
— Sua mãe já está em Los Angeles? 
— Sim, chegou há uma semana. 
— Ah, é sempre bom ter a mãe por perto nessas horas. 
— É sim, mãe vem aqui. Venha conhecer a dona Cookie e o Sr. Bob - Rada se aproximou da filha, encarou o telefone. A senhora do outro lado sorria. 
— Finalmente nos vemos, nem que seja com a ajuda da tecnologia. É um prazer falar com você. Quero dizer que suas meninas são maravilhosas. Eu não poderia estar mais feliz com as minhas noras. 
— A reciproca é verdadeira. Nathan e Jeff são especiais - Anne saiu correndo, a boca toda suja de chocolate. Ficou do lado da vó e foi logo se apresentando. 
— Oi, eu sou a Anne. Muito prazer. Eu adoro o tio Jeff e o tio Nathan. Eles são muito legais, jogam videogame com a Anne e eu até já ganhei do tio Nate. 
— Dois marmajos que mais parecem crianças - disse Bob - você é muito linda, Anne. Não nega que tem o sangue dos Katic. Ela lembra você, Stana, mas a personalidade parece com a sua irmã. Sabe o que quer não, Anne? 
— Você está falando da tia Gigi? Sou filha do meu pai mesmo. Mas a tia Gigi é meio doidinha. 
— Hey! Mais respeito comigo! 
— Estão todos ai? - Bob perguntou - Jeff e Gigi? - foi a vez da irmã tirar o celular da mão de Stana. 
— Olá, fã #2. Tudo bem? Oi, sogrinha - Gigi joga um beijo para os dois - recebeu as fotos? 
— Recebi, é perfeito. Grita Gigi. 
— Eu sei. 
— Fã #2? - Stana perguntou. 
— Sim, obviamente que Jeff é meu fã #1. Certo, Bob? 
— Filha, isso é jeito de falar com seu sogro - disse Rada. Jeff foi quem respondeu. 
— Nem se preocupe, dona Rada. Eles adoram. Se duvidar ela fala mais com eles que eu. Sabe como ela monopoliza as coisas - na mesma hora, ele sentiu o beliscão na orelha - ai! 
— Bem feito - disse o pai - eu já disse para não implicar com sua noiva. Gigi não leva desaforo para casa. 
— Não mesmo. Escute seu pai - Nathan e Stana se bolavam de rir. 
— Pai, Jeff tem razão. Eu achei que tinham ligado para falar com a Stana ou comigo.   
— Filho, ciúmes agora não - disse Cookie - Gigi, passe o celular para sua irmã. 
— Tá bom, sogrinha. Beijo, beijo. Bob, dê uns conselhos para seu filho depois. As vezes, ele esquece como é ser fã #1… mas ainda é o melhor - piscou para o sogro, entregou o telefone para Stana e tascou um beijo em Jeff. Esqueceu por uns segundos o que acontecia na sala. Stana conversou mais um pouco com a sogra. Rada estava impressionada com a relação de Gigi e os sogros. Parecia que se conheciam há séculos. Ficou claro que havia uma preferência do lado dos Fillions pela sua caçula. Então, antes de desligar, dona Cookie anunciou a novidade. 
— Stana, filho, nós estaremos em Los Angeles assim que Katherine dê sinal de querer vir ao mundo. Não vejo a hora de conhecer minha primeira netinha. 
— Até porque a senhora não sabe se terá outros netos, se depender de Gigi. 
— Nathan! - Stana retrucou. 
— Hey! Eu estou bem aqui. 
— Querem parar com essa implicância? Estou dando uma noticia importante e ai de você que se esqueça de nos avisar, Nathan. 
— E já sabem onde vão ficar? Eu ofereceria a casa, mas com a chegada de um bebê nem sei como estaremos. 
— Nem se preocupe, Stana - disse Bob - sabemos o quanto um bebê nos consome, seu foco tem que ser todo para sua filha. Vamos ficar na casa de Jeff, a convite de Gigi. 
— Que ótimo. Vai ser muito bom ter vocês por perto - disse Stana. 
— Nós também achamos. Será divertido. Aproveitem o domingo, Rada, foi um prazer. Logo nos veremos pessoalmente. 
— O prazer foi meu. 
— Obrigado por criar duas mulheres tão boas para aceitarem esses marmanjos. Não é uma tarefa fácil - disse Bob. 
— Não mesmo, eles tem a quem puxar - disse Cookie. Em meio a risadas, eles se despediram. 
Passado o momento com os sogros, Gigi chama a irmã em um canto para uma conversa. Nathan aproveita e diz que irá providenciar o café. 
A sós com Stana, Gigi revela qual o motivo da conversa. 
— Sis, eu realmente preciso de um favor. A loja de noivas diz que só pode segurar o vestido com eles por um mês, o que significa que preciso de um lugar para esconde-lo de Jeff até o casamento. Será que você poderia fazer isso por mim? Porém, você terá que me garantir que Nathan não vai bisbilhotar ou mostrar para o irmão. 
— É claro que posso ficar com o seu vestido aqui e não se preocupe com Nathan, ele não vai estragar a surpresa - Gigi sorriu e beijou o rosto da irmã - olha só para você. Seguindo o planejamento direitinho. As coisas estão bem adiantadas, não? Já tem o vestido, o bolo, o local, enviou os convites. Falta pouca coisa, sis. Você realmente está focada. 
— Que nada, sis. Mesmo que seja uma cerimonia simples, ainda tem muito detalhe, não fechamos o buffet. Iremos fazer a prova na próxima semana se o Jeff conseguir se livrar de um compromisso, o seu vestido e o de Anne somente depois da Katherine nascer. Flores, juiz, é muita coisa e o tempo passa muito rápido. 
— E como Jeff está te ajudando? 
— Ele deixou tudo na minha mão. A única tarefa dele é a lua de mel e uma banda porque colocou na cabeça que precisamos de uma banda. Pergunta se ele já concluiu? Nada! Está enrolando principalmente com a lua de mel. 
— Eu pensei que vocês iriam escolher juntos o destino. 
— Na verdade, eu tenho alguns lugares em mente, mas deixei que ele me surpreendesse. Outro dia deixei-o de castigo no laptop para ver se saia algo. Terei que cobrar de novo. 
— As coisas vão caminhar. Vai dar tudo certo. E você está bem, feliz conduzindo tudo isso. 
— É, talvez. Quer dizer, é muita preocupação para uma noite apenas. 
— Para o começo de uma nova fase na sua vida. 
— Você já recebeu o convite? 
— Não, mas não tem nem duas semanas que você enviou, não? Vai chegar, Gigi. Se acalme. Gostei de ver você saindo com a mamãe, dividindo as suas ideias com ela. 
— Foi muito bom, esse momento mãe e filha. Eu fiquei um pouco intrigada no início, então ela acabou confirmando aquilo que Jeff e Nathan disseram. Jeff até ganhou um tratamento especial. 
— Você e seus “tratamentos especiais”. 
— Hey! Você tem a mente poluída. Não foi nada disso. Eu cozinhei para ele, o bolo de carne. 
— Wow! De novo? Como isso foi acontecer? 
— Nós fizemos um acordo, uma negociação. Troquei um jantar por mês por algo bem especial. 
— Nem quero saber o que é - elas riram. 
Quando as duas voltaram para a sala, o café estava servido. Conversaram mais um pouco até que Gigi anunciasse a hora de ir embora. Ela ainda ia levar Anne na casa do irmão. A menina não perdeu tempo, virou-se para a avó e pediu. 
— Vó, posso levar um pedaço do bolo de chocolate? Anne quer muito comer amanhã. 
— Não sobrou quase nada, o pedaço que tem deve dar no máximo duas fatias grossas e eu quero também - disse Nathan. 
— Vai começar a disputa pelo chocolate - disse Jeff - Nate, deixa a Anne levar, não seja implicante. 
— Por que que só Nathan e Anne podem ficar com o bolo? E se eu quiser levar um pedaço? - perguntou Gigi olhando para o noivo - você não quer? 
— Não precisam brigar. Eu já previa que isso ia acontecer. Não falei nada porque era capaz das formigas devorarem mais um sem pensar. Eu fiz outro bolo, posso corta-lo em quatro pedaços e todos saem ganhando. 
— Dona Rada, a senhora é demais - disse Nathan. 
— Tudo bem, vou separar as partes de cada um - dona Rada separou em vasilhas um pedaço do bolo para a neta, outro para a filha e o genro. O restante era de Stana e Nathan. Despediram-se e finalmente ela pode descansar. Stana avisou a mãe que ia se deitar um pouco, o marido a acompanhou. Mais tarde, Nathan a surpreendeu com uma sopa, torradas e um chá de camomila como seu jantar. Isso definitivamente encerrou as atividades do fim de semana. 
Na segunda-feira, Nathan saiu para gravar. Stana ficou com a mãe um pouco e logo se distraiu com seus roteiros. A sua série estava tomando forma. Estava no aguardo dos novos roteiros de Absentia para se dedicar a montagem de sua personagem, enquanto não os tinha, a Chicago dos anos 40 e 50 dominava sua mente. Depois do jantar, ela ficou um tempo com o marido e disse que ia subir com a mãe para cuidarem de algo no quarto de Katherine. 
— Você vai ficar bem, babe? 
— Claro, vou para a sala de video jogar um pouco. Talvez desafie Jeff online para uma partida. 
— Duvido que consiga, videogame deve a última coisa que Jeff está pensando esses dias. Ele tem que cuidar da lua de mel deles. 
— Oh! Eu encontro alguém para jogar comigo. Te encontro mais tarde na cama. 
No quarto de Katherine, enquanto separavam as roupas por idade, dona Rada resolveu tocar em um assunto que ficou remoendo desde o domingo. 
— Stana, você não acha que Gigi está mudada? Quer dizer, eu vi o jeito dela ontem com os sogros, tão intima e ela os conhece há talvez dois meses? Parece uma relação de anos. Uma relação de pais e filha. Acho que Jeff realmente a mudou. 
— Mãe, a senhora está com ciúmes dos Fillions? Da relação de Gigi? 
— Não, eu só achei estranho. Ficou claro que eles tem uma preferência. Isso não incomoda você? Deles serem mais próximos de Gigi? Sempre achei que Nathan fosse o filho preferido. 
— Sabe, mãe, é exatamente ai que está o problema. A Gigi continua sendo a mesma de sempre. A mulher determinada, extrovertida, sem papas na língua que a senhora insistia em dizer que era rebelde. No fundo, enquanto a senhora se preocupava comigo, Gigi ganhava a atenção dos demais, ela sempre foi assim de conquistar todo mundo facilmente. Jeff certamente teve uma influência positiva para melhor nela. Minha irmã está feliz por causa dele. Mas ela não mudou. Conquistou Cookie e Bob da mesma forma que conquistou Jeff, Nathan… a senhora simplesmente parou de prestar atenção. E quanto a mim, claro que não me incomodo. Meus sogros acabaram de dizer que estão vindo a Los Angeles visitar o filho deles como não faziam há anos por causa de Katherine. Isso significa o mundo para o Nate. Eu não poderia estar mais feliz. Ele estava transbordando de felicidade ontem à noite com a noticia. 
Dona Rada ficou calada. Sabia que Stana tinha razão quanto ao seu modo de agir com os filhos. Ela acabara de perceber que Gigi arranjou uma mãe substituta ou era isso que tinha em sua cabeça. Stana sabia que tinha tocado em um ponto delicado, mas era preciso. Desde que a mãe chegara, ela elogiara muito Gigi, estava satisfeita com as coisas que aconteciam na vida de sua irmã, porém ainda não era prioridade. Com a gravidez, Gigi continuava sendo a segunda opção e umas verdades após a mãe perceber que a sua outra filha era a numero um para outras pessoas fazia bem. 
Rada anunciou que ia se deitar. Stana disse que faria o mesmo. 
Nathan acabou se distraindo com o videogame. Ao checar o relógio percebeu que já passava das onze. Stana devia estar deitada há algum tempo. Ele subiu as escadas reparando que o quarto de Anne onde a sogra estava, tinha a porta fechada e a luz apagada. Porém, ao chegar em seu quarto nem sinal da esposa. Nada no banheiro. Voltou ao quarto de Katherine. Tudo apagado, ninguém ali. Onde ela se metera? 
Começando a se preocupar, ele desceu as escadas novamente. A sala estava na penumbra, o mesmo valia para a cozinha. Contudo, ele ouvira um barulho vindo de lá. Quando ligou a luz, encontrou Stana sentada em um dos bancos do balcão devorando uma fatia de bolo de chocolate. 
— O que você está fazendo? Escondida comendo bolo no escuro? 
— Meu Deus, Nathan! - ela levou uma mão ao coração, a outra foi direto para a barriga - você me assustou… 
— Pelo amor de Deus, Stana. No escuro… o que você está pensando? Você já comeu demais chocolate essa semana, nem devia chegar perto desse bolo e… - ele viu o semblante dela mudar, ela estava sentindo dor? 
— Nate… - a dor da contração a atingiu. Stana se levantou do banco. A dor persistia. O coração batia acelerado - eu… não estou bem… meu coração… está disparado, o susto… e-eu acho, eu sinto um liquido nas minhas pernas… 
— Oh, Deus… oh… isso não… você está? 
— E-eu não sei… 

— Vamos para o hospital. Agora!  

Continua...

7 comentários:

Camila Lorrane disse...

OMG sera que nossa Kate vai vim ao mundo. Eu to amando essa Familia eu rashei com eles tudo criança kkkkkkk parabens Kah Dona Rada com ciumes dos Pais do Nathan. Gigi mega apaixonada nossa pequena Anne sendo fofa como sempre. Jeff sendo o Jeff de sempre um bobo apaixonado. Ja quero os pais de Nathan em LA com seus Filhos e Noras . Kate ta vindo ao mundo pode fica mais lindo que isso acho que nao. Stana tendo contraçoes Nate preocupado cada dia que passa fica muito boa Parabens Kah 😍😍😍👣👣

cleotavares disse...

O vídeo da Stana, tudo a ver com essa fic.
A Gigi é uma figura mesmo, casar pelada, hahahaha!
A D. Rada com uma pontinha de ciúmes dos sogros das filhas, compreensível, se até eu fiquei.
E esse final, OMG! OMG! chegou a hora?

Madalena Cavalcante. disse...

AI MEU DEUS. AI MEU DEUS. SOCORRO!

Géssica Nascimento disse...

Hilário esse capítulo, adorei! A Gigi é mesmo uma figura!
Fala sério: já está na hora da Kate nascer?

Priscila Barros disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Priscila Barros disse...

AIIII MEU DEUS, A PEQUENA KATE VAI NASCER????!!! ❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️❤️
Ain Kah, que capítulo lindo. Eu amei tanto a interação de dona Rada com as meninas (e dessa vez sem briga, huahauahu, amém Senhor!)!
Preciso abrir um parêntese para

— Você está diferente, Gigi. Mais bonita, feliz. Tem um brilho especial…
— Deve ser porque fiz amor bem gostoso hoje de manhã com meu noivo - ela falou olhando bem safada para a mãe - sexo sempre deixa a gente com um brilho diferente.


Isso é tão Gigi huahauhauahuahauhau, eu ri horrores com essa parte! Tadinho do Jeff nem deveria mais ligar com isso, vai terminar igual uma pimenta de tanto ficar vermelho hauhauahuahauhauahuahu.
Eu gostei bastante que a bronca dos meninos surtiu efeito e dona Rada tava uma seda. A parte do vestido de casamento foi lindo, um momento único ❤️ e ela concordando em como os preparativos do casamento estavam perfeitos?! Por um instante achei que tinham sequestrado a verdadeira dona Rada kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk.
Agora tensa mesmo fiquei com a ligação da dona Cookie e sr. Bob. Achei que dona Rada ia abandonar a classe e cair de ciúmes. Ainda bem que não rolou treta, mas foi ótimo o choque de realidade que a Stana deu nela com relação a Gigi.

E quanto ao final? Eu to morrendo, vou correndo pro próximo capítulo porque acho que a fofurinha da Kate ta chegando ao mundo ❤️❤️❤️❤️❤️❤️
Obrigada pelo capítulo lindo, Kah ❤️❤️❤️❤️❤️❤️

Gabriela Mendonça disse...

Uau... Dona Rada parece outra pessoa. morri com a Gigi contando sua manhã para mãe kkkk coitado do Jeff, vai andar com um saco de papel pq quando Gigi fizer isso é so por na cabeça kkkk
Gigi possessiva até na hora da escolha do bolo... kkkkkk "Já disse que a escolha é milha."
"Porque eu queria que ela nascesse no mesmo dia que Nathan. Quando eu disse que estava pronta para engravidar foi no aniversário dele, disse que queria dar um filho de presente para ele." que fofinhaaaaaa
EIta... bolo escolhido. depois de uma maratona o vestido tb!!! Casamento Giff vem ai.
kkkk Gigi literalmente roubou os pais do Jeff. Tão nem ai para ele, só lembram para avisar q se machucar a Gigi o bicho pega pra ele.
Olha Dona Rada, vendo pessoas que reconhecem,amam, valorizam e demonstram o que sentem pela Gigi.
ai Meu Deus... Kate ta vindo?? correndo para o próximo capítulo.